História Suicidal - Capítulo 14


Escrita por: ~ e ~Realbpalvin

Postado
Categorias Barbara Palvin, Justin Bieber
Tags Barbara Palvin, Colegial, Járbara, Mutilação, Romance, Suícidio
Exibições 2.175
Palavras 2.859
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Isso mesmo pode comemorar porque é um capítulo novo, YAY!
Espero que gostem assim como eu, haha :)
Música do capítulo: Words – Birdy (está na playlist da história ao qual deixarei o link nas notas finais!)
A fanfic agora tem uma página no instagram CURTAM LÁ. POSTAREI FRASES, SPOILERS, FOTOS, VÍDEOS...(LINK NAS NOTAS FINAIS!)

Tenham uma boa leitura!

Capítulo 14 - Time with him?


Fanfic / Fanfiction Suicidal - Capítulo 14 - Time with him?

 

– Está sendo cansativo ter que fingir sorrir todos os dias.

Melissa só não queria ter acordado, ela já estava imaginando o inferno que seria a escola sem Amber, ou melhor, o que seria dela. Melissa tinha outras amizades na escola, mas a maioria havia se aproximado dela por ser filha de um dos maiores empresários do Estado, e por ter certa popularidade na escola, mas isso para ela não fazia a menor importância, por isso que Amber era a sua melhor amiga, porque para ela isso também não importava. Melissa não se sentia bem para comandar as cheerleaders, na verdade ela não se sentia bem para fazer nada a não ser ficar em casa deitada em sua cama, longe de tudo que a pudesse fazer mais mal do que ela já estava. 

Justin se sentia mal pela noite passada, por ter dito aquelas coisas daquela maneira para Melissa, era claro que ela nunca faria algo tão baixo, mas ele estava tão enfurecido que não mediu suas palavras e acabou dizendo-as de qualquer maneira sem ver a quem afetaria talvez ela não o quisesse mais o ver, e se fosse o caso ela estaria certa. Justin só queria que ela o desculpasse por ele ter sido tão estúpido ao ponto de difama-la por coisas que era nítido que ela não era. Ele sabia que seria difícil e quase improvável que ela o desculpasse, mas mesmo assim ele tentaria, ele não queria e nem conseguiria ficar longe dela, ela o fazia tão bem, seu sorriso, seus olhos... Tudo em Melissa era convidativo, radiante, encantador. Seu apelido ‘’Mel’’ fazia jus á sua personalidade por que para ele Melissa era um doce de pessoa que era capaz de fazer qualquer um se perder nela, assim como aconteceu uma vez com ele. 

A escola estava cheia de alunos de outras instituições por conta dos jogos que aconteceriam mais tarde e mais uma vez Melissa pensou em como seria melhor estar em casa do que na escola, que mesmo cheia para ela parecia tão vazia. 

– Tentando fugir de mim? – A menina fechou seus olhos e prendeu sua respiração. – Não, não, não... – Ela gritou em sua mente, porque ele sempre tinha que aparecer quando ela menos queria vê-lo? 

– Eu deveria depois de ontem. – Ela o respondeu sem o olhar e continuou andando pelos corredores. Justin bufou e correu tentando alcança-la e assim conseguiu, ficando agora do seu lado. Ele caminhava ao lado dela. Melissa tentava ao máximo apressar-se para chegar rapidamente em seu quarto e lá mesmo ficar, ela não queria sair de lá, não agora e talvez nunca mais quisesse. Ela não queria ouvi-lo, nenhuma razão seria plausível ao ponto de justificar o que ele havia dito e feito na noite anterior. 

– Me ouve Melissa, por favor! – Ele pediu exasperado a empurrando sobre a parede, deixando-a presa entre ele e a mesma. 

– Não! Eu não quero ouvir merda alguma vinda de você, porque nada que disser irá justificar o que fez. – Ela disse alto o fazendo assenti baixo. Ele sabia que não seria fácil, ele a conhecia bem e sabia que agora ela estava magoada e não era para menos, ele havia sido rude e idiota com a única pessoa que sempre esteve do seu lado, com a única pessoa que ele mais se importou na vida. Com a sua Mel... 

– Você está certa, eu... Desculpe-me. – Ele suspirou. 

– Acha mesmo que um mero pedido de desculpas irá me fazer esquecer tudo o que você me disse? – Ela riu seca. – Você realmente é um idiota. – Melissa o empurrou pelos ombros diminuindo a aproximação de ambos, mas ainda sim ela não conseguiu sair de seus braços. – Me deixa sair Justin. – Pediu baixo. Sua cabeça estava a ponto de explodir, era tanta coisa para ela similar, tanta dor para absorver, tantos sentimentos para esconder, tantas palavras que talvez nunca fossem ditas... Ela estava tão cansada que ela mesma se questionava como ainda estava de pé agora na frente dele. 

Melissa não sabia qual a razão para que as pessoas a machucassem tanto, principalmente ele. Ela tentou ser tudo que ele poderia precisar, de uma simples amiga a sua confidente, a qual o amava intensamente aceitando todos os erros e idiotices que ele costuma fazer, e talvez esse venha ter sido o seu erro. Desculpa-lo sempre que ele errava. Mas ela não o desculpava de verdade, Melissa jamais esqueceria tais palavras pelas quais cortavam tão fundo dentro dela. Justin não sabia o poder que suas palavras tinham sobre Melissa, muito menos o estrago que elas poderiam causa-la. Ele não sabia de nada, esse era o problema, ele não saber. Ele não saber que suicídio depois de conhecê-lo fora a coisa que mais se passou na cabeça da menina, e ela já havia tentado mais do que deveria. Ele não sabia os reais motivos pelo qual Melissa usava roupas compridas, ele não sabia que ela chorava toda noite enquanto se culpava por não ser o suficiente para ele. Ele não sabia exatamente de nada. 

As dores que a menina sentia eram tão profundas que a única saída para não senti-las eram os remédios, ela os tomava como um meio de fazer toda a dor ir, mas ela sabia que quando acordasse ela continuaria sentindo. Melissa sabia bem que ele não merecia seu amor, mas também sabia que não o esqueceria de uma hora para outra, mesmo com toda a dor que ele a causava ela continuava o amando. Era insano. Mas quem já amou apenas da maneira que ela o ama, sabe como é. 

O estoque de desculpas para ele estava chegando ao fim, ela não conseguiria mais perdoa-lo se ele a fizesse querer morrer de novo. Somente ela sabia o quão doloroso era. Amar alguém nunca doeu tanto, e agora, por saber disso, ela escolheria nunca mais amar alguém de novo, e talvez ela nunca mais ame. 

Você já sentiu como se alguém tivesse arrancado seu coração? Melissa sabia bem qual era a sensação, todos os dias, e talvez não fosse só uma sensação. Ela sentia toda a dor de como se realmente algo entrasse em seu peito e agarrasse forte seu coração e o puxasse, deixando-a morta pôr dentro. Isso era o que Justin fazia com ela sempre que falava algo que a fazia querer morrer.

– Eu não posso deixar as coisas assim. – Ele disse exasperado. Ele queria que ela o perdoasse o quanto antes, ele não aguentaria ficar longe dela, porque ele sabia que mesmo com todas as merdas era ela que sempre estava com ele.

– Você mesmo que as fez ficar dessa maneira. – Murmurou baixando seu olhar. Melissa não poderia olhar agora em seus olhos, ela os veria e provavelmente repensaria sobre trata-lo friamente. Ele tinha esse maldito efeito nela.

– Eu me culpei toda a noite por tudo que eu disse, eu juro que eu nunca quis dizer aquelas malditas coisas, por favor, Melissa, acredite em mim! – Isso não era nada perto de tudo que ela já tinha passado. Eu me culpo todos os dias desde os meus dez anos por ainda amar você. – Ela pensou.

– Eu só quero descansar, por favor, entenda isso. – Ela suplicou.

– E eu só quero que você me desculpe. – Ela negou fraco.

– A única coisa que ainda me prendia a você era aquela merda de contrato, e agora está acabado. Tudo está. – Ela disse dessa vez o olhando. Melissa havia repetido as mesmas palavras que Justin usara noite passada, as quais foram capazes de acabar com ela em apenas alguns segundos. Melissa empurrou o corpo do loiro e como da outra vez, fora sem sucesso. Ele não se moveu ou se quer fez menção de deixa-la sair, o que a fez bufar em frustação.

– Se o contrato for à única coisa que me deixará perto de você, então que assim seja. – Melissa cruzou o cenho confusa. O que ele queria dizer com aquilo? Ele não poderia fazer essas coisas com ela, não mais, não agora com ela estando tão vulnerável. Seus jogos de palavras acabam com ela.

– O que você quer dizer com isso? – O loiro sorriu e aproximou seu rosto do dela, colando suas testas. Melissa fechou suas mãos em punhos e prendeu sua respiração. Esse tipo de aproximação a deixava vulnerável, mais do que ela já era em relação a ele por completo.

– Para todos ainda somos namorados. – Ele sussurrou com sua voz rouca o que a fez ter leves arrepios, ele sorriu ao perceber o que fez Melissa se falar mal mentalmente por ser tão fraca quando o assunto era Justin Bieber.

– Isso não irá me fazer te perdoar. – Ela disse baixo, mas ainda sim a raiva era presente em sua voz, ele não poderia brincar com ela daquela maneira.

– Eu sei, mas me fará ficar perto de você. – Justin disse e em seguida colou seus lábios nos dela. Melissa tentou recuar, ela não poderia se entregar assim pra ele, não depois de tudo. Mas era tão difícil, o cara que ela mais amava estava a prendendo entre uma parede e á ele, seus lábios estavam sobre os seus, suas mãos fazendo leves carinhos em sua cintura, ela não conseguiria e talvez no fundo ela não quisesse se afastar. Eram raros momentos em que ela o sentia dessa forma, então ela apenas deixou-se levar pelo momento. As mãos da menina foram para o rosto macio do loiro deixando leves carinhos logo as entrelaçou na nuca do mesmo, arranhando-a de leve trazendo uma sensação indescritível para Justin. Ele não entendia como não havia a beijado assim antes, ele não sabia explicar, mas de alguma forma aquele beijo havia se tornado o seu preferido. Enquanto separava lentamente seus lábios do dela ele a analisou, Melissa era tão linda que parecia ter sido projetada por alguém que não queria imperfeições. Seu rosto era tão macio e liso que ele poderia facilmente confundir sua pele com a de uma boneca de porcelana, seus olhos eram um azul hipnotizante, ao qual ele não se cansaria nunca de analisar, seus lábios haviam se tornado uma das melhores coisas para ele. Justin deixou ambas as testas coladas e os olhares presos um ao outro.

– Eu irei conseguir fazer você me perdoar Melissa Carter. – Ele sussurrou baixo deixando um pequeno sorriso escapar de seus lábios.

– Não acho que irá ser tão fácil assim Justin Bieber.

– Bom, eu tenho o resto da semana para conseguir. – Ele sorriu mais e a selou. – Pode ir agora, a menos que queira ficar aqui comigo e desfrutar do meu maravilhoso beijo. – A ideia era tentadora, em outra ocasião Melissa a escolheria sem mesmo pensar, mas agora ela realmente precisava ir. As palavras que ele havia dito noite passada ainda ecoavam em sua cabeça, e talvez ela jamais as esquecesse.

Melissa ainda não sabia como lidar com o fato dele amar alguém, e esse alguém não ser ela, isso acabava com qualquer fantasia idiota que insistia em se formar em sua cabeça, de um dia ela poder tê-lo de verdade, sem contrato, sem Helena ou qualquer outra pessoa ou coisa que os obrigasse a estarem juntos. Ela queria que tudo fosse real, mas parecia que nada seria assim, parecia que a felicidade para ela estava fora de cogitação.

– Eu tenho que ir. – Ela saiu de perto dele.

– Foi exatamente o que eu pensei que diria, e por isso me ofereço para ir com você.

– Eu preciso de um tempo sozinha. – Ela o respondeu e virou-se, andando de volta ao corredor pelo caminho de seu quarto. Melissa fechou seus olhos e suspirou sentindo braços rodearem a sua cintura. Justin apoiou-se sobre ela, encostando seu queixo na curvatura do pescoço da menina.

– Sou seu namorado Melissa, tenho que ficar sempre ao seu lado. – Ela sentia o seu tom brincalhão ao dizer tal frase e isso a machucava mais, para ele tudo isso era isso, apenas uma brincadeira. Talvez ele não soubesse os reais motivos, mas de alguma forma ele estava brincando com seu coração, o que doía mais era que para ela, tudo era real.

– Você não tem que fazer isso, sabe que não é verdade, e além do que não há ninguém aqui. Não tem que fingir Justin. – Ela tirou os braços dele de sua cintura e se virou, encarando-o.

– Acha que eu estou fingindo? – A seu ver ele parecia incrédulo por ela ter dito tal coisa, mas ela sentia que tudo era uma mentira, ele não precisaria dela, ele já tinha Helena, a mulher que ele amava, ele mesmo ousou dizê-la de maneira cruel que partiu seu coração de uma forma que nunca havia sido.

– Eu realmente acho isso. – Ela disse e saiu, dessa vez ele não a tentou impedir ou se quer se mover de onde ele estava. Justin estava ocupado demais tentando raciocinar o que ela acabara de dizer. Como ela poderia pensar isso? – Ele pensou. Era obvio que ele se importava com ela, ela era a única pessoa que ele faria qualquer coisa, por quem ele seria qualquer coisa.

Melissa correu pelo corredor até parar na porta de seu quarto, entrando rapidamente no mesmo, trancando-se em seguida. Ninguém nuca seria capaz de entender o que se passava dentro dela, a dor que ela carregava durante todos esses anos. Melissa estava tão machucada tanto por fora como por dentro, as feridas não estavam mais sarando, sua vontade de se machucar não estava passando, ela sentia como se fosse morrer a qualquer momento, e para ela não seria nada mal nas circunstâncias em que ela se encontrava.

E mais uma vez ele a havia pedido desculpas a algo que talvez não tivesse perdão. Se realmente Justin fosse se desculpar por todas as vezes que a fez se sentir mal, ele talvez desistisse por ver o tamanho da lista.

Ela sentia falta do passado, o passado onde tudo era mais fácil, onde a possibilidade de ele amá-la era maior, onde ele a tratava melhor, quando ele a fazia querer viver, e não o contrário. Talvez escolher nunca ter o conhecido não fosse egoísmo de sua parte, mas sim uma forma de se proteger dele, proteger seu coração, proteger sua vida.

Melissa fora despertada por batidas na porta de seu quarto, suspirando ela ficou de pé e passou suas mãos por seu rosto tirando uma grande quantidade de lágrimas. A mesma destrancou a fechadura e abriu a mesma.

– O que faz aqui? – Melissa questionou o moreno a sua frente. Por fora ela demonstrava estar normal para ele que a via, mas por dentro Melissa estava radiante, ela não sabia e nem entendia como Preston a deixava feliz em questões de segundos, na verdade, ela nem ligava para saber qual a razão, ela apenas queria continuar sentindo-a.

– Isso lá é maneira de tratar a pessoa que te livrará dessa prisão que você chama de escola? – Ele disse com o seu tom sarcástico, e claro, o seu sorriso pelo qual já havia conquistado Melissa. Ela riu fraca negando.

– Sério o que está fazendo aqui? – Ela refez a pergunta o encarando que deu de ambos entrando no quarto sem mesmo ela o dar tal liberdade. – Claro Preston, entre e sinta-se em casa. – Ela disse irônica fechando a porta depois que ele entrou. O mesmo soltou um riso baixo e jogou-se na cama da menina.

– Para onde a princesinha deseja ir? – Ele perguntou com aquele maldito sorriso ainda presente em seus lábios.  Ele nunca se cansava de tê-lo presente? – Ela pensou.

– Do que está falando? – Ela cruzou seus braços abaixo de seus seios e o encarou confusa.

– Eu não costumo fazer esse tipo de caridade, mas eu vi que você precisava, então aqui estou eu, livre e disponível para você. Espero que me saiba aproveitar bem. – Ele disse a fazendo gargalhar sentando-se na sua cama próximo dele. – Estou falando sério Melissa Carter. – Em um movimento rápido Preston estava de quatro sobre a cama com o rosto próximo demais do de Melissa que ainda o encarava assustada por seu ato inesperado.

– Eu só preciso de um tempo sozinha. – Ela murmurou ainda assustada por seu ato. Melissa se pôs de pé, afastando-se um pouco da cama onde Preston ainda continuava agora novamente deitado.

– Não Melissa, você só precisa de um tempo comigo. – Ele disse ficando de pé e andando até a mesma. Melissa começou a andar devagar para trás derrubando alguns enfeites da cômoda de Amber o que a fez se assustar, já Preston apenas riu. – Está com medo de mim? – Ele perguntou em um tom divertido.

– Não. – Disse o encarando. Ele estava sério agora, seu sorriso havia dado espaço para seus lábios firmes em linha reta, seus olhos estavam presos nela o que a deixou levemente corada.

– Que bom, até porque não há razões para sentir. – Ele se aproximou dela, deixando ambos bastantes próximos agora. Preston prendeu seu olhar no dela e sorriu minimamente. – Eu seria incapaz de te machucar Melissa. – Dito isso ele alargou seu sorriso e caminhou até a porta, abrindo-a a mesma ficando com metade do corpo entre o quarto da menina e a outra metade do lado de fora, no corredor.

– Então princesinha, irá viver uma aventura comigo ou ficará nesse quarto se lamentando por não ter tentado?

 

– Você, ás vezes se sente solitário?


Notas Finais


Link da playlist: https://open.spotify.com/user/faveladobiebs/playlist/21UELvHithLmokgZORQhwR

Link da página da fanfic no Instagram(CURTAM LÁ. POSTAREI FRASES, SPOILERS, FOTOS, VÍDEOS...): https://www.instagram.com/suicidalfic/

Link da minha nova fanfic: https://spiritfanfics.com/historia/countrified-6644314

Indicação de fanfic: https://spiritfanfics.com/historia/say-hello-3700567

Quem quiser entrar no grupo das fanfics meu número: 8 4 9 9 4 2 7 7 1 4 6
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...