História Suicide love - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 2.265
Palavras 2.096
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


AVISO: Aos que shipam a amizade da Lilyan e a Camila não me odeiem e nem pare de ler a fic, lembre-se no final tudo ira se resolver.
Aos que estão curiosos para saber a reação do Justin ao descobri quem roubou os 12 milhoes do cofre dele, ai esta. Nao foi das melhores.
Aos que querem que eles engatem em um romance de vez, os proximos capitulos virão e com eles muitas coisas.

estava analisando a fic e vi que em 18 capitulos muita coisa aconteceu, mortes, roubos, incêndios, acidentes e etc. ai eu fico pensando, já aconteceu tudo isso e nao esta nem na metade do roteiro que e fiz para essa fic rsrs. tem muita coisa por vir, muita coisa para acontecer,muita coisa mesmo.
se preparem para se surpreender a cada capitulo.
bom, sem mais delongas.
BOA LEITURA! :)

Capítulo 18 - Consequências


 

 

― Você deve está me confundindo com outra pessoa. – ela disse desviando o olhar.

 ― Não. Não. É você mesmo. – ele caminhou  até ela. –  está com os cabelos mais escuros, corpo mais definido. ―  ele a analisava. – mas sim, é você sim. Candice!

Eu observava tudo perplexa, cada movimento dele, cada palavra que ele pronunciava me deixava com mais raiva, ódio e uma amargura enorme. 

― Hã? Como assim, Candice? Como assim irmã? Alguém pode me explicar que porra  está acontecendo? ― comecei a falar alto, de modo que chamasse atenção de quem estava a minha volta, eu estava totalmente descontrolada. Nunca havia sentido isso antes, mas o desejo de mata-la estava em minha mente. 

― Uma coisa me intriga, por onde você andou todos esses anos? – ele disse ignorando minha pergunta. Ela não dizia nenhuma palavra nem esboçava reação.

― Alguém pode me dizer o que está acontecendo aqui! – chamei a atenção de todos para mim.

―   Quer contar, irmãzinha? Ou quer que eu conte? – ela abaixou a cabeça. ―  É simples,  nesse exato momento eu estou diante de minha  querida irmãzinha, por parte de pai, que estava desaparecida a algum tempo. ― Justin sorriu encarando- a, arrisquei em olhar para os lados e a expressão de todos era de completo espanto. ― Ela era uma de nós, minha cara, mas chegou a um ponto em que não respeitava mais as regras e então, se foi. ― Bieber riu alto

 ― O que? Então você era um deles? ― questionei ainda anestesiada, com tantas verdades jogadas assim, tão de repente. ― Por que você me enganou? Por que você mentiu para mim?  ― comecei a me aproximar dela. Eu não sentia minhas pernas, meu corpo parecia não está conectado com minha alma. Naquele momento eu era apenas um aglomerado de células. ― Eu pensei que você fosse uma vitima dos seus pais. – proferi a última frase em um sussurro de decepção, enquanto olhava nos olhos dela e tentava procurar um fundo de verdade, ela era minha amiga e eu não conseguia acreditar que ela havia mentido para mim.

― Então, você já a conhecia? ― Bieber questionou olhando para nós duas. ― mas de onde.... Ah, não me diga que é da Laser Light? ― sorriu. ― você é genial, tenho que admitir. Conseguiu a proeza de esconder-se de meus olhos por tanto tempo, aqui, em Atlanta mesmo. ― sorriu. ― Você merece aplausos. ― ele aplaudiu falsamente

― Por favor, Camila, me diz que isso tudo não passa de uma brincadeira. ― implorei, já com lágrimas nos olhos. Em resposta ela só abaixou a cabeça. Não isso não pode ser.

Meu corpo que antes estava anestesiado começou a esquentar de uma tal forma que nem eu mesma conseguia explicar. Um sentimento de irá me tomou e eu explodir.

― Você disse que seus pais eram dois viciados e te venderam para pagar uma divida. ― falei com raiva. ― Como você pode ser tão baixa a ponto de mexer com meu sentimento de compaixão e piedade para com você? Como? Responde-me! ―  uma lágrima rolou pelo meu rosto, mas eu a limpei com raiva.

 ― Então foi isso que você contou para ela? ― Bieber se meteu outra vez, o tom de deboche estava sempre presente.

 ― Espera um pouco, Ly, eu posso explicar. – ela veio em minha direção, mas eu recuei.

 ― Explicar? Você não tem nada para explicar. O que você fez não tem explicação. Você disse que era minha amiga. Você fez um juramento comigo. Eu me arrisquei para salvar você daquela maldita boate. ― enquanto minhas lágrimas escorriam pelos meus olhos eu lançava as palavras que estavam presas em minha garganta e que me sufocavam.   

 ―  Agora você merece o Oscar, Candice. ― Justin riu. ― O poder de persuasão está no sangue, isso eu acabei de constatar... ― ele me fez calar. ― Se escondeu na boate por quanto tempo, Candy? E por que lá? Gostou de brincar de putinha. Uma coisa que me vem em pensamento, será que eu já te comi? ― a encarou. ― que coisa feia, mais uma coisa para o nosso currículo que nos levará direto para o inferno. ― riu de forma maliciosa. ― você é a melhor, conseguiu uma trouxa para pagar a sua divida... Tsc Tsc

― Então você estava na boate porque queria, e não por ter uma divida a pagar?  Divida essa feita pelos seus pais!  ― minhas pernas não conseguiam sustentar meu corpo e eu fraquejei, caindo sentada em um sofá. Coloquei meu rosto entre minhas mãos e chorei, chorei porque não sabia o que fazer, meu choro era um mistura de tudo, raiva, decepção, tristeza, um mixer de coisas ruins.

― Ly, por favor. ― senti uma mão macia me tocar, era ela.

― ME TIRA A MÃO! ― gritei e levantei o rosto rapidamente para encara-la. ― Você me usou...

― Eu posso explicar. ― tentou, mas eu a cortei e levantei rapidamente do sofá, a empurrando para longe.

― VOCÊ ME UROU! ― gritei.

― Não foi isso...

― ENTÃO ME DIGA O QUE FOI? ― gritei tão alto que minha garganta chegou a arranhar. ― eu arrisquei a minha vida para te dar a liberdade, e o que você fez? ― questionei e sem esperar por uma resposta da parte dela, eu mesma respondi. ― ME USOU.  ― mais lágrimas caíram dos meus olhos. ― eu me arrisquei, Camila, ou melhor, CANDICE! ― fui de encontro a ela, mas ela ia recuando. ― eu corrompi meus preceitos, arrisquei minha vida para arrumar aquela droga de dinheiro. ― no meio do turbilhão de raiva eu comecei a estapeá-la. Tudo o que eu queria naquele momento era descarregar minha raiva.

― Lilyan, para. ― Senti dois braços fortes me puxando, pelo perfume identifiquei ser Adam, enquanto Chaz segurava a Candice.

― ME SOLTA! ― comecei debater os braços tentando sair e voltar a esfolar a cara da vagabunda. ― EU QUERO ACABAR COM ELA! ― me debati mais.

― Lilyan, por favor. ― Adam pediu apertando mais seus braços em torno da minha cintura.

― NÃO ADAM! ELA MERECE COISA PIOR. OLHA O QUE ELA FEZ COMIGO!

― DESCULPA. ― ela gritou enquanto chorava.

― DESCULPA PORRA NENHUMA! ― gritei de volta. ― EU ARRISQUEI MINHA VIDA ROUBANDO QUASE 12 MILHÕES DE DÓLARES DO MAIOR TRAFICANTE DO ESTADO, ISSO TUDO SÓ PARA TE SALVAR, E O QUE VOCÊ FEZ? ― eu explodi de uma tal forma que falei o que não deveria, só senti o tamanho da minha burrada quando a sala ficou em silencio e o corpo de Adam amoleceu de tal forma que seus braços me soltaram e  eu  voltei para a “ realidade” quando senti meu corpo sendo puxado em um solavanco.   

― REPETE O QUE VOCÊ DISSE! ― o tom de deboche tinha sumido completamente de Bieber e agora ele falava com uma fúria incalculável. ― EU QUERO QUE VOCÊ REPITA! ― puxou mais meus cabelos e fez com que eu olhasse bem para seu rosto, os olhos dele estavam em chamas.

Nessa hora eu travei e palavra alguma conseguia sair da minha boca. A cada segundo que eu permanecia em silencio a raiva dele ia aumentando, o rosto dele assumiu uma coloração vermelha e ele ofegava.

― RESPONDA! ― ordenou e me deu um tapa na cara. ― ME RESPONDA, VAGABUNDA. ― a cada segundo, um tapa na cara, que foi se transformando em socos, puxões de cabelo, enquanto eu gritava. ― EU NÃO POSSO ACREDITAR QUE EU TE DEI ABRIGO, PROTEÇÃO E VOCÊ ME TRAIU. ― me empurrou contra a parede, fazendo com que eu batesse com a cabeça e escorregasse até o chão. ― ENTÃO FOI VOCÊ QUE ME ROUBOU NAQUELA NOITE? APOSTO QUE QUEM INVADIU MINHA CASA FOI UM DE SEUS CUMPLESES. ― se aproximou de mim. ― RESPONDA, VADIA! ― acertou um chute forte conta minha barriga, fazendo com que eu urrasse.

― JUSTIN, POR FAVOR, PARA! ― gritei enquanto chorava.

― PARAR? VOCÊ QUER QUE EU PARE? ― ele continuou a me chutar. ― O QUE EU ESTOU FAZENDO COM VOCÊ É POUCO, VADIA! ― me levantou do chão pelos cabelos e me prensou contra a parede.

― JÁ CHEGA, JUSTIN! ― Adam falou com autoridade e veio para cima de Justin, que me jogou contra a parede, me fazendo bater com a cabeça mais uma vez, e avançou para cima de Adam , em uma luta corporal violenta.

Os outros garotos entraram no meio para tentar separar os dois, enquanto eu fiquei ali, jogada, meu corpo estava todo dolorido, minhas forças já tinham ido embora, em meus lábios eu sentia o gosto do sangue. Pelo canto do olho esquerdo eu vi Camila, ou melhor, Candice, sendo levada por Chaz, antes de atravessar a porta ela me lançou um olhar de pena,  tentou voltar, mas o Chaz a impediu.

― EU VOU MATAR ESSA VADIA! ― ouvi a voz raivosa do Bieber.

Reuni forças da onde não tinha e levantei, escorando nas paredes. Bieber foi rápido em soltar-se dos braços de Ryan e Chris, e veio para cima de mim. A única coisa que eu consegui fazer foi recuar, eu recuava escorando nas paredes, até que não senti mais nada em minhas mãos e meu corpo atingiu o chão. Não tive tempo para olhar para os lados, para saber onde estava, mas me deparei com Justin na minha frente, em seu rosto tinha um sorriso psicopático.

― Agora você me paga! ― ouvi o estrondo da porta sendo fechada a força. O ambiente ficou escuro, e a única coisa que eu ouvia era um som como se alguém tivesse tirando a calça, me encolhi no chão. Meu Deus, o que esse louco vai fazer comigo agora. ― Agora você vai aprender a não fazer mais isso. ― depois dessa frase senti uma ardência em minhas coxas, ele me bateu de cinto.

  Me encolhi e logo recebi outra cintada, e mais outra, e mais outra, em mais outra. Minhas lágrimas rolavam freneticamente pelos meus olhos e minhas pernas doíam.

― PARA, JUSTIN! ― implorei, enquanto ele me batia mais.

― JUSTIN, ABRA ESSA PORTA! ― ouvi a voz dos garotos e os murros na porta. Justin não parava, eu já estava toda esfolada e ele continuava cada vez mais forte e mais forte. ― ABRE ESSA PORTA! ― Justin não dizia nada, somente intensificava o estava fazendo. Ouvi outro estrondo, mas dessa vez era de chutes contra a porta.

Não demorou muito e a porta caiu, os garotos entraram e arrancaram o Justin de lá. Eu continuei no mesmo lugar, encolhida e chorando.  

― Calma, calma! ― Chaz repetia enquanto acariciava meus cabelos. Eu o abracei e chorei mais ainda.  Um tempo se passou e ele me levou para fora quarto e fomos para a sala.

― PASSA AGORA! ― Justin ordenou. ― Vamos para casa.

― Ela não vai a lugar algum com você. ― Adam se pois na minha frente.

― Até onde eu saiba ela está sobre meus cuidados, então eu levo ela para onde eu quiser. ― ele me puxou pelo braço.

― SOLTA ELA AGORA! ― Adam ameaçou a me segurar, mas Justin foi mais rápido e me puxou para mais perto.

Sem da a oportunidade de miguem o impedir, ele foi me puxando para fora da casa, e quanto um dos garotos tentou impedi-lo ele sacou a arma e deu um tiro no chão, assustando a todos. Não demorou muito para estarmos em frente o carro, ele abriu a porta e me jogou no banco de trás, meu corpo estava tão dolorido, arrisquei olhar para mim mesmo e me assustei, minhas roupas estavam resgada e sujas de sangue, hematomas era o que não faltava no meu corpo. Ouvi o barulho da porta ser fechada e o carro começar a andar. Não demorou e ele deu partida, eu o olhava e ele e via suas veias do pescoço alta e seu maxilar travado. Só de pensar que quando chegar a casa dele tudo vai piorar, não haverá ninguém para me salvar.  

Essa deveria ser minha última noite nessa casa dele, com ele, já havia planejado varias coisas, a noite seria perfeita e eu a guardaria para sempre na lembrança. Mas agora não saírem tão cedo daquele lugar, e daqui para frente não seria um mar de rosas, e sim um verdadeiro inferno. Essa noite vai ficar guardada para sempre em minha memoria, mas será nas minhas piores lembranças. Isso feriu meu ser. 


Notas Finais


Capitulo alterado
Nivel de alteração: Alto


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...