História Suicide love - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 3.657
Palavras 866
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Alone again


Fanfic / Fanfiction Suicide love - Capítulo 2 - Alone again

―Hey, calma aí. -―o moreno da festa se aproximou. ― só quero ajudar.

            ― ajuda muito indo embora.

             Dei as costas e sai andando. É serio? Só porque ele salvou minha pele daquele tarado acha que vou aceitar sua ajuda?

            ―Espera! ―segurou meu braço.

      Fui tentar me soltar e acabei virando o pé.

        ―esta vendo o que você fez? ― o encarei com raiva. ―já não basta a minha  noite esta um lixo, agora você me faz isso?

          ―agora você vai ter que aceitar a minha ajuda. ― falou prendendo o riso.

          ―  isso agora é sua obrigação. ― me irritei.

       ― ninguém mandou você   torcer o meu pé

        ―tecnicamente, você que torceu, não eu. ― o encarei seria. ― vem, eu vou te levar para casa. 

       Não me restava outra opção a não ser aceita. Engoli  meu orgulho e  caminhei ate a sua picape cabine dupla. O conduzi ate a casa da tia Julie, não demoramos muito para chegar.

         ―pronto! Esta entregue! ― parou em frente o portão.

          ― muito obrigado. ―desci do carro com dificuldade.

          ― Ei, eu não sei o seu nome. ―desceu do carro rapidamente.

           ―Lilyan. ― respondi.

           ― O meu é Adam. ― estendeu a mão.

            ―prazer e tchau. ―não estiquei a conversa.

           ―tem certeza que não quer ajuda? ― perguntou em um tom irônico.

        ― não! ― sorri amarelo e entrei.

 

                       ***

       ―Que droga de noite. ― falei quando fechei a porta.

       Enrolei meu cabelo em um coque frouxo e subi para meu quarto com o salto na mão. Cheguei ao quarto, joguei os sapatos em algum canto do quarto e rumei para o banheiro. Tomei uma ducha fria, voltei para o quarto e vesti uma roupa qualquer para eu dormir e me joguei na cama. Disque o numero da Vick e rapidamente ela atendeu.

       aonde você esta?- ela perguntou.

        ―eu estou em casa.

        como assim em casa? O que aconteceu?

         ― eu disse que não seria uma boa ideia ir a festa. Aconteceram coisas desagradáveis e decidi vir embora.

         ok! Amanha você me conta tudo...

        ― o que? Você não volta para casa?

        ―não! Ok! Beijos, tenho que ir.

        Desliguei o celular e o joguei em qualquer canto. Afundei a cabeça no travesseiro e esperei o sono chegar.

                       ***

             Acordei no dia seguinte com o pé latejando, coloquei algo para não inchar mais. Fiz minha higiene matinal, troquei de rouba e desci. Cheguei a cozinha  e não encontrei ninguém, eu ainda estava sozinha em casa. Isso eh sinal  de que a noite da Vick foi boa. Preparei uma tigela com cereais e me sentei no balcão para comer.

        ― Ah! Estou exausta! ― Vick chegou falando.

       ― pelo visto a noite foi boa.

       ―foi ótima. ―me olhou e sorriu de lado. - porque voce foi embora sem falar comigo?

         ―Um tarado tentou me agarrar. Um tal de Drew.

          ― O Justin? - dei de ombro. ―garota, ele eh o dono da festa, aquela casa eh dele.

          ― Isso não justifica o que ele fez.

          ―e o que você fez?

          ―dei um tapa estalado na cara dele.

          ―o que você fez? Garota, você é louca?

          ― é isso mesmo, quem ele pensa que é para fazer uma coisa dessa comigo?

          ― e o que aconteceu com o seu pé?

        ―torci o pé quando tentei escapar do Adam.

         ―Adam? Adam Sother?

         ― Adam, um homem alto e moreno.

        ―Meu Deus, dois homens bons correndo atrás de você e tem a coragem de esnoba-los? Você é louca.

        ―não sou louca, sou diferente. ―pequei a tigela de cereais e sai da cozinha.

                  ***

        No dia seguinte logo pela manha tia Julie e tio Jacob estavam de volta. Trouxeram varias novidades  e presentes, mas para mim sobrou a pior parte.

       ― queria, precisamos falar com você. ― Julie falou.

       Caminhamos ate a sala de estar, da conversa só participou  eu, Julie e Jacob. Suas expressões não eram das melhores, má noticia viria.

        ― Desde quando seus pais morreram Jacob e eu lhe acolhemos em nossa casa e te adotamos de coração. ― Julie começou.

       Realmente, eles me trataram como filha e fizeram de tudo para me tirar da depressão.

       ― Mas você sabe que como você é menor de idade tem que ficar sobre a responsabilidade de alguém. ― Jacob se pronunciou. ―nós cuidamos de você esses últimos meses, mas não temos sua guarda.

         Essa conversa não estava tomando um rumo muito bom.

         ― E teremos que nos mudar para New York , Jacob recebeu uma proposta de trabalho e ganhara o triplo. Eu já pedi transferência. Mas não podemos te levar por causa desse probleminha.

        Tá, agora eh definitivo, minha vida eh uma bosta.

         ― Mas fique tranquila, isso será provisório. Como vamos ganhar mais providenciaremos os papeis e conseguiremos sua guarda. ―Jacob tentou amenizar.

           ―você ficara com seu irmão, ele mora aqui mesmo em Atlanta.

           Agora ferrou de vez, além de a noite retrasada ter sido péssima  agora a  merda  acaba de  ficar completa.

           Estou sozinha no mundo novamente. Primeiro, meus pais,  e agora meus tios e minha prima. Se eu pensei que  minha vida iria se estabiliza? Sim. E ela vai, vai se estabilizar em uma perfeita bosta.

 


Notas Finais


Capitulo Alterado
Nivel de alteração: médio


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...