História Suicide love - Capítulo 22


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 2.183
Palavras 1.902
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 22 - Shes back


 

 

         De trás da porta foi surgindo uma mulher, ela tinha a pele clara, cabelos loiros e um corpo extremamente definido dentro de uma roupa de couro preta, seus cabelos ao vento, seu andar imponente vinha em nossa direção. Senti o corpo dele se enrijecer e minha mão que repousava sobre seu peito sentia as batidas aceleradas de seu coração. Não vou mentir, meu corpo estremeceu ao vê-la sair daquele caminhão, eu não sabia quem ela era, mas sabia de uma coisa, sua chegada causou espanto a todos.

         Eles que antes estavam com as armas empunhadas, agora estavam com elas em descanso e uma expressão de incredulidade na face.

         - Sentiram minha falta? – ela disse quando chegou perto de nós. Seus olhos eram donos de um azul intenso, que nos encarava de uma forma sensual.

- Anastásia? – Justin disse em meio as palavras atropeladas, em resposta ela sorriu para ele, um sorriso impecável e repleto de segundas intenções.

Todos que estavam ali e que pertenciam de fato aos Bizzle se reuniram em torno dela. Então era essa a tão falada Anastásia? Confesso que eu nunca esperaria encontrar com ela, pelo menos não nessa vida, afinal ela estava morta. Ela se encostou em um dos carros dos garotos que estava dentro do galpão e nos analisou.

         - Sim! Por que o tom de surpresa? – ela dizia com uma naturalidade assustadora, como se ela tivesse saído de ferias por alguns meses e estivesse de volta, coisa que não era verdade, pois para todos ela estava morta. Morta há três anos

- Não pode ser, como isso é possível? Você estava morta. - Adam dizia como se não conseguisse entender o que estava se passado naquele momento. Aliais ninguém estava entendendo.

         - Como você esta aqui, viva. Eu te vi morta naquela noite dentro daquele carro. Eu vi, e aquilo não foi ilusão. – Justin disse, ele segurava minha cintura com força contra seu corpo, como se estivesse me sustentando para não me desmontar e ao mesmo tempo como se estivesse a procura de um alicerce.

        -Ah, que saco viu! Eu estou de volta, é isso que importa!  Voltei para assumir o meu lugar. – ela encarou Justin com um sorriso de lado.

         - você pensa que é assim? você chega depois de três anos e quer sua vida de volta? As coisas  mudaram por aqui Anna. Mudaram muito. – Adam a encarou, ela lhe lançou um olhar de protesto.

      - enquanto você não me explicar tudo nos mínimos detalhes , aonde você esteve durante esses aos, o que estava fazendo, com que estava, você não volta para os nossos esquemas. – Justin disse firme.

          - Já despachei as cargas para os seus destinos. – Chaz disse para Justin que assentiu.  ele junto com Chris e Ryan pararam e encararam Anastásia.  

         - você ressuscitou dos mortos ou eu estou tendo uma miragem? – Ryan a encarou espantado.

         - eu sabia que aquela sua morte foi muito de repente. Ainda tinha uma coisa que não se encaixava. – Chaz disse a encarando. – Mas tenho que admitir, ela te fez muito bem. Você esta mais gostosa do que nunca. – ele a analisou de cima embaixo e mordeu os lábios.

         - Mas a pergunta que não quer calar. – Chris disse fazendo com que todos olhassem para ele. – Onde você esteve durante esses anos. E quem  estava dentro daquele carro. – ele a encarou com as sobrancelhas arqueadas.

    - Isso vocês saberão depois. Estou muito cansada por hoje, a viajem foi longa. – ela deu uma leve olhada para o corpo do homem que estava caído no chão perto do caminhão. –Vamos? – ela disse olhando para Justin.

         - Justin você é meu herói. Como você consegue ter duas mulheres gostosas pra caralho. – Chaz disse, de imediato eu e ela o encaramos.

         - como assim duas? – ela disse olhando para Justin. – Não vai me dizer que você me trocou por essa ai? – ela me encarou com cara de “poucos amigos”. – Francamente sou melhor do que ela. – ela jogou a cabeça para trás soltando uma risada alta.- Eai Justin, nosso apartamento ainda esta lá? – ele apenas assentiu.

         - vai rolar orgia hoje Bieber? – Chaz disse rindo. – Não se esqueça dos amigos . – ele piscou o olho e sorriu. Justin o encarou com serio.

         - É só pedir a chave para o porteiro. - ele a olhou. Ele fez um sinal para mim de que íamos embora. – Ainda vamos ter uma conversa. E você me explicará tudo o que aconteceu. – ele disse para ela e em seguida nós rumamos para o carro.

         - eu te espero mais tarde!- ela disse em um som debochado. – Como nos velhos tempos. – ela o encarou, ele nada disse, somente entro no carro e fomos embora.

      Enquanto voltávamos para casa nenhuma palavra foi trocada, reinava apenas um silencio perturbador, que nem eu nem ele quebramos até chegar a nosso destino. Sua expressão durante todo o trajeto foi seria e pensativa, ele encarava fixamente a estrada e suas mãos seguravam firmes a volante. Quando chegamos em casa ele estacionou o carro na garagem, coisa que ele não tinha o habito de fazer  e saiu sem ao menos dizer uma única palavra me deixando ali sozinha.

          A volta dela havia perturbado a todos, mas em especial o Justin, ele não estava mais como antes, ele aparentava esta com algo o perturbando, e o motivo disso tinha nome, Anastásia.

        Entrei na casa, subi até o quarto dele, ouvi o barulho de chuveiro ligado, caminhei até a porta do banheiro e o encarei, ele não reparou minha presença, me retirei em silencio, não iria atrapalha-lo, aquele momento ele precisava refletir, e não precisava ser adivinho ou inteligente para perceber isso. fui para meu quarto, me despi e entrei dentro da banheira , tomei um banho relaxante e demorado, eu também estava  precisando de refletir, pensar. Uma das perguntas que pairavam pela minha cabeça era. Como eu ficarei nessa situação agora que ela voltou?

         Sai da banheira, sequei-me e vesti uma roupa de dormir. Deitei na cama e me permiti relaxar, meu corpo parecia pesar uma tonelada, era muita informação para mim. muita coisa acontecendo em um curto espaço de tempo.

 

         POV. Justin

         Eu  virava de um lado ao outro na cama, aquilo não poderia ser real, ela de volta, mais viva do que nunca. As imagens passavam pela minha mente como se fosse um filme, passando por quando eu a encontrei dentro daquele carro e terminando hoje, com ela saindo do caminhão mais viva do que nunca.  Alguma coisa não conseguia encaixar nessa historia, e isso era o que tirava minha paz. Eu tinha que tirar essa historia a limpo, o mais rápido possível, seria torturante para mim esperar até o sol nascer, eu tenho que resolver agora. E é isso que irei fazer.

         No visor do celular marcava quatro e meia da manhã. Levantei vestindo minha roupa, peguei as chaves do carro, coloquei o revolver na cintura e fui em direção a garagem. Dentro de poucos minutos eu já estava na frente do prédio dela, entrei e sem ser anunciado subi para o andar aonde se encontrava o apartamento. Não me importei em anunciar minha chegada, abri a porta e acendi a luz, por precaução dei uma revista na casa, para ver se ela estava sozinha. Por últimos fui para o quarto dela,  acendi a luz e me pus ao lado dela.

         - que susto Justin, assim você me

mata do coração. – ela disse se sentando na cama.

         - tecnicamente você deveria esta morta não?!- a encarei e ela encarou com um sorriso de lado nos lábios.

          - eu tenho certeza que sou mais útil vida do que morta. – ela disse enquanto passava seus pés do pelo meu abdome até  chegar em meu membro.

         - precisamos conversar! – disse segurando sues  pés.

         - pode ser depois? Estou afim de  fazer outras coisas antes. – ela disse enquanto roçava seus lábios no meu.

         - eu falo serio Anastásia! – disse a segurando.  El protestou.

         - conversaremos amanhã, ou quem sabe mais tarde. - ela disse voltando a deitar. Puxei o  lençol que a cobria revelando  seu corpo seminu dentro de uma lingerie preta. Confesso que aquela visão me deixou um pouco excitado, tentei me recompor ao máximo e a encarei.

         - Não, tem que ser agora.  pode começa!- ela protestou e se sentou na cama.

         - da onde você quer que eu comesse?

         - que tal do começo!

  - dias antes do ocorrido eu já estava desconfiada de que alguém tinha deixado vazar coisas do nosso esquema,  então eu sabia que iam tentar uma emboscada contra nós. Então eu armei uma amatilha para despista-los. Cheguei antes na cabana e deixei seu carro lá para eles pensarem que fosse você.

 - e por que você não me avisou sobre sua suspeita? E como eu te vi dentro do carro morta? – a encarei.

 

         - simples. Não te contei por que você iria estragar tudo Justin.

 

         - e o corpo? Como você explica isso? Pois eu te vi dentro do carro morta!

  - simples, quando eles metralharam o carro quem estava dentro não era eu. Era uma pobre coitada que eu achei na beira do rio morta. A coloquei dentro do carro para pensarem que era eu .

- e como e vi vcê?

 

         - depois que eles foram embora, eu  vi suas chamadas no meu celular, então deduzir que você  viria me procurar, então a coloquei em um porta malas e me sujei de sangue ficando imóvel, quando vi você chegar me fiz de morta , para o truque se parecer real.

  -  como você consegue dizer tudo isso com a maior naturalidade? Dizer que tudo isso só passou de um truque! Você tem noção do quanto eu me culpei pela sua morte, do quanto eu procurei pelo seu assassino?

         -  tinha que parecer real, eles tinham que pensar que vocês estavam vulneráveis, então resolvi sumir do mapa por algum tempo. – ela disse olhando fixamente meus olhos.

 

         - algum tempo? Você sumiu por três anos, TRÊS ANOS ANASTÁSIA!- me levantei de onde estava.

 - eu tinha que esperar a poeira abaixar Bieber. – ela disse se levantando da cama. - tinha que ter certeza de que o Don iria se esquecer um pouco de vocês- ri ironicamente .

         - francamente , enquanto eu fiquei aqui a sua procura, tentando me apegar a algo que me dissesse que o que tinha acontecido com você era tudo um sonho, você estava dado voltas ao mundo? – a encarei. – você merece aplausos. – disse batendo palmas. 

         - eu só fiz o que fiz pensando no bem de vocês Justin. Principalmente no seu.

     - para o meu bem você deveria esta do meu lado.  Você sabe muita bem que a rivalidade entre Bizzle e Perro nunca acabará.

         - se o seu bem é eu ao seu lado, por que  colocou outra em meu lugar? – ela me encarou com aquela imensidão azul.

         - muita coisa mudou desde que você se foi. Desde que você decidiu tirar “ ferias” da sua vida.  Uma coisa eu me pergunto. Por que você voltou?

         - por que é aqui meu lugar Justin.

-e só agora você achou isso?

         - foi a hora propicia!

- vejo que está muito desinformada. – foi indo em direção a porta. – essa não é a hora de mudanças.

- então por que você mudou? – ela me lançou essa pergunta. Eu  não respondi somente sai e fui embora. Eu não havia mudado, mas ela sim



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...