História Suicide love - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 1.802
Palavras 1.262
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 31 - Hold tight


Já havia  se passado mais de uma semana que eu estou aqui, meus dias são cada vez mais cinzentos,  como se o mundo tivesse perdido a graça, o encanto, e refletisse somente a tristeza e solidão. Me vejo mais uma vez pressa nessa caverna fria e inóspita que há dentro de mim. Estou como um viciado  que precisa da droga para se acalmar e viajar, meu corpo clama por ele, clama por uma overdose que somente ele pode me proporcionar. As noites  tem sido as mais frias e solitárias, sonho com ele toda noite , ele vindo ao meu encontro, me estendendo a mão e tudo se iluminando com apenas um sorriso, sonhos esses que me deixam feliz e acabam comigo ao mesmo tempo. Era preferível eu viver em um eterno sonho, pois ele está me proporcionando o que a realidade insiste em me negar.

         Dentro de uma banheira cheia d’agua eu me encontro, peguei uma das giletes que encontrei no armário do banheiro, comecei a pressiona-la contra meu pulso, fui aprofundando cada vez mais e a lamina brilhante começava a ficar suja com o sangue e o mesmo escorrer pelo restante do braço, era uma dor necessária e prazerosa, era o meio que eu achei para me encontrar com ele, de vê-lo, toca-lo, senti-lo. O sangue começava a gotejar na agua a tingindo de vermelho, vermelho esse que se espalhava tomando conta da banheira. Larguei a lamina que gotejava sangue e mergulhei o braço cortado debaixo d’ agua , fazendo a agua adquirir um tom mais escuro. Eu encarava meu  reflexo no suporte de metal que havia em frente a banheira, os olhos perdidos, a expressão vazia, os cabelos já havia perdido o brilho,  eu não me reconhecia mais. Me imergi na água vermelha da banheira, ali de olhos abertos eu podia ver perfeitamente o busto dele por cima da agua, abri um sorriso ao vê-lo, e balbuciei seu nome, via as bolhas de oxigênio subirem da agua e duas mãos me puxarem de volta para a superfície.

         - Você esta louca. – ele dizia enquanto me tirava da banheira. Meus olhos piscavam incansavelmente, eu não  estava acreditando no que estava vendo, era ele, sim era ele.

         - Justin? – balbuciei o nome dele em meio a tose.

         - Você esta querendo se matar? – ele disse enquanto amarrava uma atadura em meu pulso. Neguei com a cabeça, minha visão estava meio embasada. Senti quando ele me pegou nos braços me levando até a cama, aonde me colocou na mesma.

         - Justin?!  É você mesmo? – disse ainda tossindo.   Ele assentiu.

         - não foi você mesma quem me prometeu que aquele não seria um adeus permanente, e sim um temporário?! – ele deu um sorriso de lado.

         Ele começou a tirar minha roupa que estava ensopada, pegou minha toalha e começou a me secar, o toque nele era real, eu o sentia. Ele pegou uma muda de roupa na cômoda ao lado da cama e começou a me ajudar a vestir. Me pôs sentada na cama, de jeito que eu ficasse encostada na cabeceira.

         - você tem que se alimentar. Olha seu estado, está fraca. – ele pegou um prato que estava ao lado da cama, o conteúdo parecia ser uma sopa. Ele encheu uma colher e levou até minha boca, recusei. Ele me olhou serio. – Você precisa comer… para ficar forte para mim. – ele sorriu fraco.  – Vai Lilyan, por mim! – abri minha boca e ele começou a me dar o alimento. Depois de alguns tempo acabou .

          Ele se sentou do meu lado  e eu encostei minha cabeça  em seu ombro, ele começou a acariciar meus cabelos. Seu cheiro era tão singular, assim como seu toque.

         - Justin, me leve embora daqui. – disse olhando em seus olhos. – Por favor!  - ele tocou em meu rosto e sorriu fraco.

         - tudo vai ficar bem! Tudo vai se resolver! – ele deu um beijo em minha testa.

         - LILYAN, LILYAN!  - uma voz dizia enquanto me sacodia. Fui abrindo os olhos aos poucos e pude ver o semblante assustado de Victoria. Comecei a tossir engasgada com a agua que tinha ingerido da banheira.  – Você esta ficando louca? Não come direito, agora esta tentando se matar? -  ela disse me ajudando a levantar .

          Não acredito, aquilo foi só mais um sonho, um sonho que parecia ser tão real. Eu o toquei,  o senti, mas era só fruto da minha cabeça, fruto de um sonho, o reflexo do maior desejo do fundo da minha alma.

          - fica ai que eu vou pegar uma roupa para você tomar um banho. – ela disse e eu assenti. Não demorou muito para ela voltar com uma muda de roupa e uma toalha. Ela me conduziu ate o box, aonde me ajudou a tirar minhas roupas e ligou o chuveiro. A agua quente entrava em contato com meu corpo frio o que parecia me dar um choque. – Você consegue se esfregar sozinha? – apenas assenti. Ela me deu a esponja e o sabonete e comecei a me esfregar.  Logo quando terminei ela me ajudou a sair do box me enrolando em uma toalha.

          Ela ajudou a me secar e a vesti uma roupa. Me conduziu até a cama , aonde me deitei.

        

         - aonde você pensa que esta com a cabeça. – ela pegou o braço machucado e jogou um remédio que o fez arder, gemi de dor. –foi você quem procurou isso. – ela disse agora amarrando uma tala em meu braço.

         - eu o vi! Foi tão real! – ela me encarou. – ele tinha vindo me buscar Vick!  Ele veio para mim. – não contive minhas lagrimas e elas rolaram pelo meu rosto.

         - não fica assim! Tudo vai se resolver, você vai ver. – ela disse deitando minha cabeça em seu colo. – vai ficar tudo bem. – ela começou a acariciar meus cabelos, enquanto minhas lagrimas rolavam.

 

POV. Pattie

 

- Como ele está doutor? Qual o real estado do meu filho? – perguntei olhando fixamente nos olhos do médico que estava em minha frente.

- Bom, o quadro dele já é estável. Esta reagindo muito bem, as dosagens dos remédios estão sendo diminuídas. Ele já esta saindo do coma. – respirei mais aliviada quando ele disse isso. – mas tente poupa-lo de noticias que o deixaram preocupado, estressado ou coisas do tipo.  Nesse processo de recuperação ele tem que evitar ao máximo fortes emoções.  – assenti.

- mas eu posso vê-lo doutor? – ele me olhou.

- O horário de visitas já acabou. Ele tem que repousar, recebeu muitas visitas hoje. – ele disse.

- por favor. Eu te peço, só por alguns minutos. -  implorei.

- Está bem. Dou-lhe dez minutos. - assenti e caminhei até onde ele estava.

Entrei no quarto que ele estava. Era estranho e ver daquele jeito, uma pessoa tão agitada agora imóvel ligada por vários aparelhos. Me aproximei mais dele e toquei sua mão , que estava com aparelhos.

- você não sabe a saudade que eu estou de você, meu filho! – disse em um sussurro.

Comecei  a acariciar sua mão de leve e depois seu rosto, seus cabelos não estavam  alinhados em um topete como era de costume, estava desgrenhado, os acariciei de leve.

Senti a mão dele se mexer de leve, confesso que tomei um susto. Olhei para o aparelho do coração e as batidas do mesmo estava aceleradas. Me virei para chamar algum enfermeiro , mas parei quando o ouvi resmungar algo. Me virei para  ele e afastei um pouco o aparelho de oxigênio que estava em sua boca e pude ouvi.

         - Li-li-lia….

         - o que? – perguntei , pois não estava conseguindo compreender.

         - Li-li-lilyan…


Notas Finais


nao se esqueçam de comentar o que acharam


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...