História Suicide love - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 1.833
Palavras 1.873
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 36 - Uma de nós


POV. Anastásia

 

         “- não minta para mim Anastásia. Eu sei muito bem que você só esteve em Seattle nos últimos seis meses. “

 

         Eu não podia está acreditando, aquele cretino do Adam andou fuçando na minha vida. Isso não é nada bom, se ele descobriu que eu só estive em Seattle nos últimos seis meses ele deve ter descoberto mais coisa. DROGA, DROGA , DROGA. Justo agora que eu já tinha conquistado a confiança da maioria, ou melhor,  espantado a desconfiança da maioria. Isso não seria nada bom para meus planos.

         - Droga Adam, eu te odeio. – estapeei a cama. Eu tenho que tira-lo do meu caminho, se ele estiver por aqui àquela ratinha estará protegida. - Tenho que dá um jeito nele o mais rápido possível.

          Ouvi o celular tocar, fui tateando a mão pela cama até pega-lo. Olhei no visor rapidamente  e vi que o numero era restrito, joguei o celular de novo na cama. A pessoa era insistente, então resolvi atender, não estava a fim de ficar mais irritada.

         - Alô?

         - pensei que não iria me atender… -  uma voz roca disse do outro lado da linha.

         - Eu acabei de acordar. – menti. Já estava acordada a um bom tempo.

         - eu vou ser direto…  a garota já esta com você ? – ele disse firme

         - a-a-ainda não… - estremeci.

         - eu não estou de brincadeira. – ele disse meio rude. – você esta sendo paga para isso, você voltou para isso.

         -  eu tenho tudo sobre controle.

         - você esta  dizendo isso a duas semanas,  e até agora  não estou vendo resultados. Você já teve chances demais.

         - eu tenho tudo sobre controle. Eu te garanto. – disse tentado contornar a situação para ganhar mais tempo. -  eu te peso só mais duas semanas, e ela estará em suas mãos.

         -  eu já estou perdendo a paciência com você. Esse é seu ultimo prazo. - concordei. – não vou sair perdendo nessa historia, tenho outros cães atrás dessa coelhinha, ela não me escapa. Que ganhe o melhor. – ele desligou antes que eu pusesse perguntar quem eram as outras pessoas que estavam atrás dela.

         Joguei o celular com força no chão, ele provavelmente  deve ter se quebrado em vários pedacinhos. O que aquela garota tinha de tão especial? O que ela tinha para homens poderosos matarem e morrerem por ela?  Uma garota que a meu ver não tinha nenhum atrativo, mas aos olhos deles tinha tudo.

         A campainha tocou,  pensei em ignorar, mas a pessoa era insistente e a tocava incansavelmente.

         - JÁ VAI! – gritei irritada já levantando da cama e indo em direção à porta. Abri sem vontade nenhuma, mas estremeci quando vi a pessoa que estava de pé do lado de fora. -  v-você ? – disse com a voz meio falha por conta do medo.

         - sentiu minha falta? – ele disse com um sorriso de lado me olhando de cima embaixo.

 

         POV. Lilyan

 

         Estava jogada na cama do Justin enquanto enrolava e desenrolava o cordão em meus dedos. Ele estava andando de um lado para o outro do quarto falando no celular com uma pessoa que eu não sei dizer quem era. Ele parou em frente à parede de vidro que havia de frente para cama, depois de alguns minutos ele desligou jogando o celular na cama e entrando no banheiro. Depois de algum tempo ele saiu com uma toalha enrolada na cintura e tirando o excesso de agua dos cabelos.

         - quando eu estava em Nova York fui a um chá de senhoras. – disse quebrando o silencio que estava entediante. Ele apenas resmungou indo para o closet.  -  e conheci uma mulher que sonha em ser sua sogra… - ri fraco.  Ele apareceu na porta do closet com o cenho cerrado ajeitando a boxer.

         -   eu pensei que você fosse órfã… - ele sorriu. O encarei incrédula, era isso mesmo que eu havia ouvido? Ele quis dizer que se minha mãe fosse viva ela seria sua sogra?

         - não… quer dizer sou. Mas eu não estou falando da minha mãe. – apoiei os braços na cama o encarando.

         - não?! -  ele perguntou com uma expressão de “interrogação” e um sorriso semicerrado  enquanto colocava uma calça. Neguei. – então de quem você está falando. -  ele caminhou até a cama colocando os braços um de cada lado do meu corpo enquanto me encarava.

         - É sobre uma tal de Caroline. - ele me olhou confuso. Eu não ia sossegar enquanto não soubesse quem era essa Caroline, e por que sua mãe era tão esperançosa em vê-lo junto com ela.

        - não sei de quem você está falando. – ele disse com um sorriso de lado. O encarei. – foi tanta Caroline, que até perdi a conta – ele disse pegando a blusa que estava em cima da cama. – você precisa ser mais especificas. – ele vestiu a blusa.

         - tá bom, vou ser mais especificas. Ela provavelmente deve ser uma daquelas princesinhas mimadas  que tem tudo e todos a hora que quer, deve ser a rainha do colégio, mas provavelmente vai ser igual a mãe dela, uma dondoca mal amada pelo marido e para satisfazer seus desejos vai estourar todos os cartões de créditos dele e vai ter um caso com o motorista. – disse o encarrando. Ele me olhou e cai na risada, uma risada descontrolada. – por que está rindo? – perguntei confusa.

         - eu já sabia quem era ela. – ele riu ajeitando os cabelos em frente ao espelho. – você só esqueceu-se de dizer que ela é muito gostosa. -   ele me olhou rindo. Peguei a jaqueta que estava em cima da cama e taquei nele com o máximo de força que consegui, mas ele conseguiu desviar e veio até a mim. – ela foi só mais uma, assim como as outras. – ele deu de ombro.

         -   eu também só fui mais uma? – o encarei, ele fez o mesmo.

         -  se você fosse “só mais uma”  eu estaria transando só com você?  - ele olhava em seus olhos fixamente, ele umedeceu seus lábios e em seguida os uniu ao meu em um beijo rápido seguido de um mais longo e intenso. Aquilo não era a declaração mais romântica do mundo, mas era uma declaração- pelo menos a meu ver.

        O celular dele começou a tocar fazendo com que nós nos separássemos. Ele o pegou e atendeu.

         - Salve Bieber! – ouvi uma voz masculina do outro lado da linha.

         - chora pra mim. – coloquei o celular no viva-voz para escutar a conversa também – não sou nem um pouco folgada.

         - eai, a festinha para saldar a nova membra do the Bizzle ainda esta de pé? – olhei confusa para ele.

         -  obrigado por estragar tudo Chris! – ele me olhou.

         - ela está do seu lado? – Justin somente resmungou. – foi mal mano. – ele se desculpou. – pelo menos ela não sabe que vai  ganhar uma… - justin resmungou para ele ficar quieto.

         - eu ainda estou ouvindo Chris. – me intrometi.

         - ah, oi Ly… foi mau ai.  - ele desligou.

        

- por que eu não poderia saber? –  me levantei ficando de joelhos na cama e o encarei com as sobrancelhas arqueadas.

-  Adam pediu para que fosse assim. – ele deu de ombro.  –  vai entender. – ele se aproximou pegando o seu cordão que estava em meu pescoço e em seguida o colocando. – você não vai se arrumar? – ele me encarou. Assenti e rumei para o banheiro. Tomei uma ducha em tempo razoável. – não foi demorada nem rápida, e sai enrolada na toalha. – estou te esperando lá em baixo. – assenti e rumei para meu quarto -  o que  ficava minhas coisas.

 Abri o guarda roupas e peguei um short de couro na qual tinha um  detalhe de fecho do lado e uma blusa xadrez tartã. Vesti uma lingerie preta e em seguida vesti a roupa, fui até o banheiro aonde seguei meu cabelo e o penteei, fiz uma maquiagem rápida escurecendo um pouco os olhos e dando um destaque especial para a boca. Encarei meu reflexo no espelho e estava perfeito. Voltei para o quarto e calcei um sapato de salto alto preto gladiador com pequenos detalhes dourados na frente, o que combinava com minhas correntinhas- que eu sempre usava.  Olhei mais uma vez no espelho, passando a mão pelo coro em seguida pelos cabelos e desci.

         Na sala não havia ninguém, estranho, pois Justin havia dito que me esperaria aqui. Corri o olho pelo ambiente e só vi a porta do escritório entreaberta.

         - Justin?! – o chamei

         - venha até aqui. – a voz veio de dentro do escritório. Caminhei até a porta do mesmo. – entre. – entrei meio receosa, ele estava encostado na mesa de braços cruzados, me aproximei dele meio que desconfiada.

         - por que me chamou aqui? -  perguntei receosa, depois que eu roubei o dinheiro nunca mais entrei aqui- pois tinha jurado pra mim mesma que não entraria e olha que ironia, estou aqui. Ele pegou uma caixa aveludada azul escuro na mesa.

         - chega mais perto. – obedeci e cheguei ficando entre suas pernas. Ele abriu a caixa revelando uma pulseira maravilhosamente linda, ela era de ouro e brilhantes, nos espaços entre os brilhantes havia a sigla TB dentro de um curinga, era realmente perfeita . Ele a pegou nas mãos. – me de seu braço. – estendi o mesmo para ele. Ele abriu a pulseira e a colocou no meu braço. – agora você é uma de nós. – ele me encarou e sorriu fraco.

         - Serio? – ele assentiu.

         - poucos são dignos de ser um dos Bizzle, para isso você tem que passar por uma prova de fogo. E ela ser aceita. -  ele explicou.

         - e qual foi a minha?  - perguntei. agora eu estava curiosa.

         - muitas, sem ao menos perceber. A maior delas foi ter conseguido me roubar. – ele riu pelo nariz. - Mesmo eu ainda estando  puto com isso, eu tenho que admitir que foi uma proeza e tanto. – ele me olhou sorrindo fraco, fiz o mesmo. –  você quebrou a confiança que eu tinha em você… -  abaixei a cabeça. Eu havia errado, e isso eu admito, mas só de ouvi isso dele me entristecia de imediato. - … mas a renovou quando mostrou que está disposta a dar sua vida por seus amigos, por quem você ama. -  ele levantou meu rosto fazendo com que eu olhasse naquela imensidão cor de mel. – mostrou isso quando me roubou para salvar uma amiga. Não abandonou um amigo quando ele precisava de ajuda, se dispondo a morrer com ele e lutando até o fim. E, maiormente quando se despois a dar sua vida pela minha, quando eu estava totalmente desarmado… indefesso. – ele acabou de ajeitar a pulseira em meu pulso. – está satisfeita com os motivos? – assenti e  balbuciei um “ obrigada” seguido de um “ eu te amo”. Ele sorriu me puxando para mais perto enlaçando os braços em minha cintura e selando nossos lábios em um beijo intenso, cheio de paixão e desejo.  . Eu não sabia que palavras tão bonitas poderiam sair da boca do Bieber, e também não sabia- ou não conseguia acreditar- que eu era  igual a eles. Eu que a dois anos atrás levava uma vida normal, certinha, clichê, que sonhava em virar uma bailarina de sucesso, hoje ,  a partir de hoje viraria uma criminosa. 


Notas Finais


NÃO SE ESQUEÇAM DE COMENTAR....
ESPERO QUE TENHAM GOSTADO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...