História Suicide love - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Pattie Mallette, Personagens Originais, Ryan Butler
Visualizações 1.703
Palavras 1.800
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 37 - Quatro rodas


- Eu acho melhor nós irmos. – disse sessando o beijo.  Ele assentiu me dando um beijo rápido.

          O puxei pela mão conduzindo até a sala, ele pegou as chaves do carro e em seguida rumamos até o mesmo.  O trajeto até o tal lugar era longe, o que estava me deixando mais ansiosa ainda. Eu encarava  fixamente a estrada e perguntava a ele aonde íamos, se estávamos chegando e sempre recebia as mesmas respostas  “ espere que você vai ver” ou “ já estamos chegando”- coisa que era mentira, pois nunca chegávamos e para piorar o transito estava horrível. Ele cruzou a esquina e finalmente parou em frente a uma boate com letreiro iluminado, assim como a faixada. Saímos do carro e vimos que os garotos estavam a nossa espera.

         - pensei que iriam demorar mais. – Chaz disse meio impaciente  enquanto apoiava o queixo em Candice que estava  ao seu lado.

         - eles pararam para fazer uma rapidinha. – Ryan disse rindo e dando uma piscadela.

         - esse é meu garoto. – Chris riu . Justin me abraçou por trás se apoiando no carro  e me deu um beijo no pescoço, não se importando com o comentário dos garotos. 

         - vocês são uns idiotas. – disse rindo, eles fizeram o mesmo.

         -  nós vamos ficar nessa ou vamos entrar? – Adam se manifestou. Todos concordaram e foram para entrada da boate.

         - vocês não vão entrar? -  Candice perguntou para Justin e eu  que  ainda estávamos no mesmo lugar.       

        -Pow Justin, no meio da rua não, pode passar alguma criança. – Chris disse fazendo uma voz engraçada enquanto ria. Justin balbuciou um “vai te catar”.

-  está pronta para consumar sua entrada no The Bizzle? Está pronta para uma festa de gente grande? – ele me olhou fixamente com um sorriso fraco.

- eu já nasci pronta, meu amor. – sorri e lhe dei um beijo rápido.  

 Ele passou os braços em minha cintura e fomos em direção à entrada da boate. Passamos pelos seguranças  com facilidade, não foi preciso nem ao menos mostrar identidade -   coisa que pegaria, pois eu era menor de 18.   No interior da boate tudo transbordava luxo, as luzes coloridas com rotações sincronizadas me causaram um pouco de vertigem, a pista de dança estava cheia, assim como os camarotes. Justin me conduziu até onde ficaríamos, subimos as escadas que davam acesso aos camarotes. O que nós ficamos era espaçoso e luxuoso e  todos já estavam lá só a nossa espera.

- pensei que tivessem desistido e voltado para casa. – Ryan disse  com um copo de bebida na mão. -  demoraram um século. – Ryan como sempre, exagerado.

- porra, anda logo. As gatinhas já estão clamando por mim. – Chris disse impaciente também com um copo de bebida na mão. Rimos do seu convencimento.

- chega aqui, chega aqui. – Adam fez um sinal para que nós nos aproximássemos dele. Assim fizemos.  –peguem seus copos. – ele disse. Justin me entregou um copo- cujo conteúdo eu não sabia qual era. Quando todos já estavam com seus respectivos copos, ele continuou.  -  vamos fazer um brinde a nova membra dos Bizzle. – ele apontou o copo para mim e o levantou em sinal de brinde.  Todos fizeram o mesmo.

- espera ai. – Chaz disse fazendo com que nós abaixássemos os copos e o olhasse. – vamos fazer no estilo Bizzle. – ele riu e abriu uma das mãos revelando várias capsulas. Eles riram e assentiram. – peguem a de vocês. – eles pegaram e eu fiz o mesmo. – agora batizem. – ele disse abrindo a capsula e jogando o conteúdo dentro do copo de bebida e misturando-o. Os outros fizeram o mesmo, olhei meio desconfiada, mas repeti o ato deles. -  agora sim, um brinde. – todos levantaram o copo e brindaram em seguida bebendo o conteúdo em um gole só. Aquela bebida desceu queimando pela minha garganta, não estava acostumada com bebidas fortes, e aquilo me causou um mal estar passageiro.

 

Já havia perdido a conta de quantas doses já tinha ingerido, a única coisa que eu sabia é que estava  muito agitada, as luzes e a musica alta eram convidativas para se soltar e dançar como se não houvesse amanha.  Com o copo na mão eu comecei a dançar de forma sensual na ponta do camarote, um cara do camarote da frente me observava atento, e quando eu o olhava ele levantava o copo em sinal de brinde, eu retribuía e o provocava com danças e expressões sensuais.

Quando voltei minha atenção para o interior do   camarote  onde estava me deparei com duas  ou quatro vadiazinhas  - não deu para identificar, pois estava com a visão embasada- dançando quase esfregando aquelas bundas na cara do Justin, mesmo eu estando meio alterada- ou totalmente alterada, fui até lá para mostrar quem mandava. Cheguei chegando e o beijei intensamente o prensando contra parede, o peguei de surpresa. Comecei a subir minhas mãos por debaixo de sua blusa arranhando levemente seu abdômen, enquanto ele apertava meu corpo contra o dele subindo suas mãos por debaixo da minha roupa. Intensifiquei ainda mais minhas caricias descendo minhas mãos  por dentro de sua calça apertando seu membro e ouvindo-o gemer baixo, eu não estava me reconhecendo, aquelas atitudes não eram do meu normal, não em publico.

Em resposta ele inverteu a posição, me prendendo contra a parede e pegando-me  no colo fazendo com que minhas pernas ficassem entrelaçadas em  sua cintura enquanto ele descia seus beijos até o decote da blusa. Estava me vendo no dia em que o encontrei na boate e ele fez a mesma coisa comigo, mas agora era diferente, agora ele estava fazendo porque eu queria, porque eu instiguei, agora eu estava na condição de “mulher” dele e não de uma “ garota de programa”.

Eu estava tentando me controlar para não ir mais além e fazer ali mesmo, mas estava cada vez mais difícil se controlar. Ele subiu suas mãos por debaixo da minha blusa e apertando levemente meus seios, quando ele ia tira-la fora o impedi.

- vamos embora. – disse em seus lábios.

- tem certeza? – ele beijou meu pescoço.

- tenho. – disse tentando ficar seria, tentando me controlar. Ele me pôs no chão, com uma certa indignação  e foi falar algo com Ryan  e em seguida voltou me conduzindo por dentre a multidão até a saída.  Ele estava  com uma cara de insatisfeito.

Entramos no carro e ele arrancou, ele  estava com os olhou fixos na estrada e uma expressão de puto – pois com certeza ele queria ficar na festa. Já eu estava inquieta,  mexiam as pernas  incansavelmente enquanto  mordia os lábios e encarava a estrada sem interesse nenhum. Meu corpo parecia que estava entrando em combustão, pois sentia como se estivesse  em chamas. Tudo que eu queria era chegar em casa e terminar o que tinha começado  na boate. Comecei a passar as mãos pelos cabelos, mexer os pés incansavelmente e apertar o banco, eu não aquentaria  em mais um segundo.

- Justin, para o carro. – ele me encarou confuso. – para o carro.Para o carro agora. – disse novamente com mais firmeza. Ele parrou o carro com brutalidade  em frente uma loja.

- o que aconteceu? – ele perguntou confuso e meio preocupado.

- não dá para esperar mais.  – em questão de segundos me sentei no colo dele e comecei a beija-lo sem dar tempo para que dissesse algo.

Ele logo correspondeu ao meu ato me ajudando a tirar minha blusa. Apertei o botão para que os vidros se fechassem e ele tirou a chave da ignição a deixando cair o chão do carro. Comecei a tirar sua blusa enquanto o beijava, e a  joguei em qualquer lugar, comecei a beijar seu peitoral subindo novamente a sua boca. Ele tirou meu sutiã distribuindo beijos e chupões fazendo com que gemidos roucos saíssem da minha boca. Ele ajustou a inclinação do banco fazendo com que ele ficasse o mais reclinado possível , o que nos dava mais espaço. Pude distribuir melhor minhas caricias indo até a ponta de sua cueca. Abri a calça a descendo o máximo que dava e em seguida tirei sua boxer pegando seu membro em minha mão, o abocanhei logo de cara ,pois não estava a fim de tortura-lo e sim tê-lo dentro de mim o mais rápido possível. Comecei a estimula-lo com a boca rapidamente  enquanto ele gemia de prazer, era assim que eu queria, ele gemendo com o prazer que lhe dava. Senti seu membro crescer ainda mais e suas veias subirem, tirei a boca e o olhei  passando a língua lentamente pela sua glande.

- não, não faça isso. – ele me olhou com uma cara de reprovação, mas nem liguei e fiz o que iria fazer, mordi de leve sua glande o que o fez soltar um gemido roco e alto e gozou na minha boca, sem pensar engoli seu sêmen , antes que eu sentisse nojo o suficiente para cuspi-lo na cara dele.

 Ele sorriu malicioso e começou a tirar meu short , com certa dificuldade pois o espaço dentro do carro não era grande, em seguida ele tirou minha calcinha e me colocou sentada em cima do seu membro ereto. Rebolei no mesmo e comecei os movimentos de vai e vem lentos, depois rápidos nos quais nós dois gemíamos , ele passou a mão por meu corpo apertando meus seios e descendo até minha cintura me conduzindo agora em movimentos de sobe e desce  rápidos e fundos enquanto eu estimulava meu clitóris ,  quando estava sentindo que estava quase chegando  ao ápice ele parou , o olhei com uma cara de reprovação.

– agora é sua vez. – ele disse mordendo os lábios.  Joguei os cabelos para um lado e apoiei as mãos em seu peito começando com movimentos lentos e torturantes e depois rápidos, fortes e profundos, enquanto gemia. Já sentia as paredes da minha intimidade se comprimirem, comecei entocadas mais rápidas e profundas e senti que iria gozar, aumentei ainda mais e soltei um gemido alto e roco enquanto senta meu liquido escorrer por seu membro.  Eu havia chegado ao ápice, mas ele não, então ele entocou forte mais algumas vezes e  senti seu liquido preencher e em seguida o meu  escorrer novamente pelo seu membro .

 Eu estava suada e ofegante, os vidros do carro estavam embasado, minhas pernas bambas, meu corpo parecia esta em chamas, o encarei e ele sorriu, aquele sorriso malicioso que só ele tinha.

- está cansada? – ele disse mordendo os lábios, mas não tive tempo de responder, ele inverteu as posições em uma velocidade absurda- levando em consideração que  estávamos em um carro, e ficou em cima de mim, ele se posicionou entre minhas pernas e penetrou seu membro em minha entrada lentamente me fazendo gemer, ele calou meu gemido com um beijo intenso enquanto começava as entocadas . Eu estava exausta, mas não dispensaria um segundo tempo.  


Notas Finais


omg.... :o
o que foi isso minha gente ? rsrs
esses dois rsrs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...