História Suíte Quarenta e Oito - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Madison Beer
Personagens Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Amber, Justin, Megg, Oito, Quarenta, Quarto, Sadomasoquismo, Sadomia, Suite
Visualizações 204
Palavras 1.404
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Famí­lia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ME PERDOEM PELA DEMORAAAA

Capítulo 24 - VINTE E DOIS - Cate tudo (Vocês queriam briga??)


P.O.V AMBER

Os nossos corpos pareciam pesar centenas de quilos tamanha exaustão, mesmo após o banho já pela manhã para acompanha-lo ao trabalho de modo que já não se tornava mais novidade as frases manhosas repetidas várias e várias vezes, por mim claro, que deveríamos tirar um dia de descanso, sem sexo ou trabalhos, afinal, após a noite anterior exaustiva nós merecíamos, e muito. Como esperado, ele consegue se arrumar mais rápido do que eu, e com razão, já que o mesmo parecia usar sempre a mesma roupa, já virando uma farda, composta por uma calça social, uma camisa social, um terno e as vezes uma gravata, só. Ele só tinha isso para se arrumar, era injustificável caso ele se atrasasse com tão pouca coisa. Já eu, nunca fui de me arrumar para trabalhos, já para começar que eu trabalhava de camareira onde minha vontade era de nem por uniforme assim indo de pijama mesmo, mas quando comecei a trabalhar como secretária, aquele visual "acabei de acordar" seria totalmente proibido me fazendo então caprichar um pouco mais, uma saia mais curta hoje, uma blusa um tanto decotada amanhã, salto fino, cabelo preso, rímel, batom vermelho, e outra série de coisas variadas, afinal, eu me arrumava mais para ele do que pro próprio emprego. Ele gostava.

- Estamos atrasados

Ele reclama quanto nota as horas no display do seu celular e larga o seu copo na pia causando um estridente pelo vidro quebrado, se fosse eu ele diria que estava quebrando a casa. O meu café é dispensado por conta do meu "atraso", era isso ou sair com um olho delineado e o outro não, mas opto por "preencher" o meu estômago com algumas barrinhas de cereais que eu havia encontrado em minha bolsa enquanto íamos para a sede da empresa.

A quantidade de papéis na mesa do Justin me surpreende de forma que eu apenas encaro o mesmo sem nem saber o que dizer, como todo aquele material havia sido acumulado em tão poucas horas a ponto dos papéis serem organizados em pilhas. Por segundo eu forço a minha mente a me livrar do pensamento exaustivo de que todos aqueles papéis seriam para serem lidos, relidos, assinados e com relatórios mais do que explicativos, ou seja, a quantidade de novos papéis somente triplicaria porém, o Justin apenas me dá um choque de realidade ao dizer que tudo aquilo havia sido acumulado pela Megan, que não havia sido trabalhos de horas procrastinados e sim de semanas, resultando naquelas pilhas com necessidade de serem assinadas para o dia seguinte, uhh eu já estava de saco cheio daquela mulher.

- Ela vai assinar todos esses papéis. - Digo mantendo o olhar sério para o Justin, eu não culpava somente a Megan por aquele deslize, ela era secretária dele, ele ao menos deveria saber da existência daqueles documentos e exigir dos mesmos - Ah ela vai.

- Amber, são nove e quarenta e três da manhã, aquieta ai. - Ele resmunga enquanto se aproximava a mim e por míseros segundos me segura assim tendo falha em seguida.

- Me solta - Reclamo enquanto pegava uma das pilhas, confesso que um tanto pesada, e caminho em direção a sala da Megan já me livrando dos saltos pelo caminho, a vagabunda ia aprender a trabalhar, nem que eu fosse sua professora pelo resto do mês, o que não seria uma má ideia.

Escancaro a porta da sua sala fazendo a mesma se assustar de forma com que de imediato esconda a lixa que usava como passa tempo, a fazendo então me encarar com uma expressão até bonitinha. Espalho as dezenas de folhas por sua mesa, e aquele não era a única pilha de documentos que ela teria o trabalho de assinar, ela acumulou por que quis agora se vira.

- Acho que isso é para a secretariazinha dele - Debocha.

- Isso mesmo, você - Respondo passando a língua entre os meus lábios logo em seguida esbanjando um sorriso um tanto vitorioso pelo que viria a seguir - Eu sou a mulher dele, abre o olho Megan, voltei com tudo.

Ela não mediu dois segundos para acertar a palma da sua mão em meu rosto, por hora eu tinha o azar de ter tirado os saltos ainda na sala do Bieber porem ela ganhava a sorte, já que ela não teria muito o que ver em seu rosto após aquele conflito. Mesmo sem o salto, eu avanço sobre os seus cabelos que ainda estavam presos porém em segundos se soltam, não apenas o seguro como trato de enrola-los em meus dedos a medida que os puxava, eu não era mais forte do que a Megan, muito menos ela era mais forte do que eu, o que realmente contava naquele momento era quem tinha a raiva maior, ela provavelmente tinha raiva por não ter conseguido o posto que queria, já a minha era por pura vontade de quebrar a cara dela a muito tempo. As mãos dela também correm em direção aos meus cabelos porém eu puxo os dela notando que uma lágrima já escorria para o canto dos seus olhos, talvez eu até estivesse pegando "pesado" de mais, mas eu não tinha culpa, afinal, eu não tinha culpa alguma se eu estava apenas me defendendo e aproveitando o máximo da oportunidade, a força com que eu apertava os seus cabelos não se media a dela, ela já parecia estar exausta em tão pouco tempo de modo com que não demora para que solte os meus fios e leve suas mãos agora em direção a minha na tentativa de que eu a soltasse.

Nunca fui de me meter em brigas, apenas quando necessário porem as mesmas geralmente eram verbais, mas para tudo havia uma primeira vez, principalmente para tacar a mão na cara de alguém. A respiração dela já estava totalmente descompassada, eu notava seu peito subir e descer rapidamente enquanto ela apertava os olhos pedindo que eu a soltasse, a soltasse? Nem dei meu recado ainda. Empurro o seu corpo contra a parede atrás dela, de forma com que a mesma praticamente colasse o corpo na pintura vermelha puxado aos tons de vinho, apesar da dor de cabeça que ameaçava chegar, eu consigo olha-la vitoriosamente pondo um sorriso debochado em meus lábios, ela estava longe de chegar aos meus pés, nem para me imitar a vagabunda prestava.

- Vou aproveitar para deixar um recadinho para você. - Sussurro calma já que a aproximação dos nossos rostos era mais do que suficiente - Encosta no Bieber de novo, que eu faço questão de ralar essa sua carinha no asfalto - Continuo dando pequenos tapinhas em seu rosto enquanto a olhava friamente.

Eu teria mais coisa para dizer, muita mais coisa para jogar na cara dela mas eu sinto as mãos mais que conhecidas do Justin me puxar para trás assim o seu corpo tomando a minha frente e dando uma de preocupado para cima da Megan, faça-me o favor Bieber. Ele a pede uma breve explicação para o ocorrido e a única coisa que consigo arrancar de mim é um riso alto ao escutar a Megan mentir dizendo que eu havia a agredido sem motivos, com motivos ou não, agora eu quebrava a cara dessa vadia, percebo o olhar do Justin me fuzilar em repreensão aquele ato então somos sentenciadas a uma breve palestra de sermões sobre tudo aquilo e que ele tomara providências da penalização de cada uma, quando a ela, certamente seria despedida já que era inútil, já a mim, veríamos o Quarto Quarenta e Oito em poucos dias.

Eu não pude deixar de encara-la quando o Justin se retirou da sala, apenas por segurança, da Megan claro, ele deixou três dos seus funcionários na mesma sala, caso resolvermos nos atacar novamente ela não morresse, mas toda aquela situação havia até me dando um ponto de exaustão e já sabendo que ainda ouviria do Justin eu me via obrigada a voltar a sua sala o mais rápido o possível, para da mesma forma deixar de escuta-lo.

- Agradeça ao seu patrãozinho Megan... -Dedilho os dedos pelo brasão da empresa que estava impresso nas folhas a cima da mesa dela. - Mas depois, você ainda tem muuuito trabalho pela frente - Estalo a minha língua no céu da boca

 enquanto deslizava a minha mão para a lateral da pilha por fim a empurrando em direção ao chão.

- Cate tudo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...