História Sukui "A esperança esta além das estrelas" - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Caos, Destruição, Devastação, Espaço, Esperança, Estrelas, Guerra, Hilbert, Hilda, Iker, Monstros, Naves, Robôs, Stars, Wars
Visualizações 16
Palavras 2.728
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ai está o capítulo 2 galera ^^
Boa leitura, espero que gostem!

Capítulo 2 - Mudanças


DIA 23 DE AGOSTO DE 2XXX

Durante todo esse tempo fiquei estudando sobre Sukui, algumas coisas para a montagem da nave e algumas dicas para agir sem ser notado. Lá parecia uma gigantesca cidade subterrânea, com casas, comércios e também alguns consultórios de médicos, de todos os tipos. Fiquei dormindo no quarto da Hilda pois o Keithy já tinha uma parceira de quarto, foi meio constrangedor nos primeiros 3 dias mas acostumamos. Admito que tem sido divertido esse tempo que passei com eles e que ainda estou passando, parece que encontrei um ótimo refúgio.

Saio do quarto e vou em direção a central de operações que ficava bem no centro da cidade, em uma rua muito movimentada e ampla, e eu ainda não sei como esse lugar existe e as pessoas não desconfiavam nem um pouco de que houvesse um lugar assim. Ao entrar na CDP vou até o centro de comando e sou recebido por Clarence.

-Hilbert! –Chamou o Clarence

-Olá, Clarence!

-Venha comigo, já foi decidido oque você irá realizar. –Clarence me levou até a sala de reuniões onde estava Keithy e Hilda- Você vai ajudar esses dois a fazer uma nave, pois a nave que eles estão tentando fazer, tem bastante espaço porém é bem complicada de ser feita, e suas peças são bem raras, sua ajuda será muito boa para eles! Aceita?

-Sim, com certeza aceito! -Assenti sem pensar duas vezes.

A missão é resumidamente você montar sua nave, claro que é difícil mas volta e meia você recebe ajuda de alguém especializado. A primeira parte é buscar material, que é o problema, pois chega a ter momentos onde você deve buscar peças no outro lado do planeta. Eu e a Hilda ficamos responsáveis por buscar peças, enquanto o Keithy monta, ele é muito bom nisso, lembro que quando éramos mais novos, ele sempre construía algo usando peças de brinquedos ou de qualquer outra coisa eletrônica.

Primeiramente precisávamos ir até um outro estado buscar umas 5 peças, a Hilda falou o nome dessas peças mas eu não consigo decorar. A viagem foi até rápida, essa organização tem coisas incríveis, tais como automóveis super velozes ou até mesmo vídeo games da ultima geração ou até mesmo vídeo games do século XXI.

-É aqui... –Disse Hilda enquanto encostava o veículo que era uma espécie de moto que facilmente passava de 500 km/h.

Ambos descemos das “motos” em um lugar completamente árido, sem sinal de vida nas proximidades, havia apenas uma grande fábrica velha, e como normalmente, estava muito quente. Era raro quando a temperatura ficava em 25 graus Celsius, isso é o que chamamos de “frio”.

-Esse lixo aqui? –Respondi.

-E oque você esperava? Bobão... O mundo esta uma loucura. Esperava que ele fosse estar inteiro?

-Er...

Deixamos de lado esse assunto e partimos para procurar as peças. Na hora que entramos senti uma dor forte na minha barriga.

-Ah...

-Hilbert, você está bem?

-Estou... Foi só uma dor passageira.

Ativei o Exo e desferi um soco na parede daquela fábrica, cujo quase se vai toda a parte da frente da fabrica.

-Vamos, as peças estão todas em um lugar só. –Disse Hilda- Por aqui, esse aparelho esta falando a localização exata delas!

-Depois que pegarmos essas peças oque precisaremos fazer ainda?-Falei numa tentativa de cortar um silencio eminente.

-Muita coisa... A nave não está nem pela metade...

Ficamos andando por vários minutos procurando as peças para a nave até que encontramos elas em um quarto todo bagunçado, com coisas quebradas, monitores de computadores quebrados, uma verdadeira bagunça.

Quando faltavam uns poucos centímetros para entrar no quarto, senti algo muito estranho, parecia que havia algo ali dentro, não sei como diabos eu estava sentindo aquilo.

-Ei, não avance... –Falei

-Por que? -Perguntou Hilda confusa.

-Eu meio que... sinto a presença de alguma coisa aqui dentro...

-Como?!

-Acho que tem algo a ver com o monstro que matei no túnel... Sério, não entra.

Cerrei os punhos e rapidamente apliquei um forte soco em um “obscreature” que avançou na nossa direção. Hilda ficou impressionada por eu ter sentido a presença da criatura.

Obscreature foi o nome dado por nós seres humanos para chamarmos as criaturas que vem aparecendo, eles chegam a ser diferentes, como no tamanho, na aparência e até na força, velocidade e outros atributos básicos. Oque todos eles tem em comum, é a aparência tecnicamente, e uns barulhos estranhos que eles emitem.

-Como é possível? -Perguntou Hilda abismada pelo oque acabou de ver.

-Eu não sei Hilda... Mas isso foi incrível! – Falei enquanto me animava de um jeito absurdo, eu me sentia incrivelmente bem.

O monstro já ia se desintegrando com apenas aquele soco que acertei nele, ele transformou-se em cinzas, cujo foram absorvidas pelo meu corpo, assim como aconteceu no túnel. Nós saímos da fábrica e fomos embora daquele local.

No caminho todo de volta ficamos conversando não só sobre oque acabou d acontecer, mas sobre vários assuntos, tínhamos muito oque conversar, afinal, ficamos alguns anos sem conversar, então havíamos muito oque conversar.

Chegamos na cidade durante a noite, Hilda e eu entregamos as peças para o Keithy, que estava analisando o desenho da nave.

-Gente, vou fazer um relatório para o Clarence, daqui uma hora eu volto.

Eu e Keithy concordamos juntos, logo em seguida comecei a falar sobre oque aconteceu na busca pelas peças de hoje e expliquei oque houve.

-Cara, foi sensacional! Você tinha que estar lá para ver.

-Imagino que tenha sido cara!

Clarence me chamou para a sala dele para conversarmos sobre oque tinha acontecido.

-Então Hilbert, Hilda me contou tudo, eu fiquei impressionado!

-Clarence, na hora foi muito mais impressionante para mim. Eu nunca imaginaria que poderia sentir a presença de alguém que não é humano nem animal, foi sensacional!

-Haha. O jeito que você fala é impressionante... Se mais alguma coisa acontecer de anormal me conte imediatamente, certo?

-Tudo bem!

-Ótimo, pode se retirar. – Disse Clarence- Ah , e por favor fale para o Keithy que amanhã ele terá que ir buscar a peça central.

-Certo!

Me retirei da sala e fui em direção ao quarto da Hilda para finalmente descansar desse dia louco. Na hora que deitei na minha cama, a mesma acabou quebrando assim que me deitei nela.

-Aah! –Gritei

-Hilbert? Oque foi? –Disse Hilda

-Minha cama quebrou...

-Ah, dorme comigo – Disse Hilda meio envergonhada- Relaxa, não vou me deitar agora, tenho muita coisa pra fazer. Até eu terminar você já acordou.

-Hm... Ok...

Fui em direção a cama da Hilda e finalmente comecei a dormir...

DIA 24 DE AGOSTO DE 2XXX

Comecei a acordar, e imediatamente notei que os braços da Hilda me envolviam. Provavelmente ela deve ter ido dormir a uns minutos atrás então fiquei um pouco mais deitado. Após ficar uns 10 minutos deitado sem fazer nada, decidi me levantar devagar para a Hilda não acordar. Após me levantar fui logo para a cozinha onde estava o Keithy comendo um pão e bebendo café...

-Credo cara... Como você consegue beber isso? –Comentei

-Ah, vai encher o saco de outro vai- Disse Keithy

Rimos juntos e nos cumprimentamos.

-Como foi a noite deitado na mesma cama que a minha irmã? Haha

-Normal... Dormi por 12 horas seguidas cara...

-Haha! A Hilda foi se deitar a uma hora atrás.

-Hm, quando ela me disse que tinha muita coisa pra fazer ela não estava brincando...

Ficamos conversando por um tempo até que me lembrei do que o Clarence tinha pedido para eu falar para ele.

-Keithy, o Clarence falou que você vai ter que ir atrás da peça central hoje... Desculpa te avisar só agora...

-Tudo bem, vou daqui a pouco!

-Mas você não era responsável pela montagem?

-Sim, mas de vez em quando eu vou atrás de algumas peças...

-Ah tá... Bom, eu já vou indo por que vou sozinho atrás de algumas peças... Até mais tarde Keithy!

-Tchau cara, Boa sorte!

-Para você também!

Após me arrumar fui direto a garagem pegar uma das motos que haviam por lá, mas claro que não eram simples motos. Em questão de umas 3 horas encontrei quase todas as peças necessárias. Faltava apenas uma. Ao chegar no local, senti a presença de vários obscratures nos arredores. Quando fui tocar no meu bolso, percebi que eu não tinha pego o exo esqueleto.

-Fudeu...

Fiquei com muito medo do que pudesse acontecer ali, mas mesmo assim eu deveria confronta-los. Cerrei os punhos e fui em direção a alguns, meus socos estavam muito mais fortes do que quando estou com o exo. De alguma forma eles se tornaram mais poderosos... Talvez teria algo relacionado a aquela poeira do primeiro obscreature que enfrentei. Rapidamente, todos estavam caídos no chão atordoados ou já evaporando. Peguei as peças necessárias e cai fora dali. Após finalmente estar chegando perto da base, notei que haviam vários membros do exercito ali na rua, provavelmente estariam procurando eu e meus companheiros. Não havia maneiras de eu entrar escondido, e se me virem aqui, vão explorar o local e encontrarão a base... Talvez eu devesse explorar mais as habilidades que eu adquiri, não se sabe se tenho mais alguma habilidade “secreta” . Após ficar uns minutos escondido, senti uma forte dor de cabeça atrás dos olhos. Após essa fortíssima dor passar, notei que eu não tinha nenhuma outra habilidade secreta. Um forte estrondo roubou a atenção de todos os membros do exercito de lá, ou seja, a brecha que eu precisava estava bem na minha frente. Avancei rapidamente e consegui entrar na base. Ao chegar lá notei que todos estavam trabalhando como se não estivesse acontecendo nada lá em cima. Entreguei as peças para o Keithy e fui ver a transmissão de Sukui. Lá as coisas também não estavam tão boas, houve relatos de que algumas obscreatures apareceram por lá, mas os mesmos não causam problemas para os moradores, em Sukui eles tinham um grande sistema de segurança.

-Hilbert! –Chamou Clarence

-Sim?

-Venha até aqui por favor.

Fui em direção a onde estava o Clarence e ele começou a fazer várias perguntas sobre o fato de eu conseguir sentir a presença dos Obscreatures e tudo mais... Eu cometi um leve erro ao falar da força que eu obtive... O Clarence me fez tantas perguntas que eu fiquei cansado de responder... Mas, felizmente não durou muito esse interrogatório chato.

-Hilbert! –Era a Hilda me chamando enquanto corria na minha direção e me abraçava com força

-Oi Hilda! Só acordou agora?

-Faz uma hora que acordei, mas estava ocupada com algumas coisas da nave. Então, me conta tudo sobre a sua busca pelas peças hoje.

Contei tudo oque tinha acontecido para a Hilda, ela parecia realmente muito interessada no assunto. Principalmente após eu falar sobre a dor atrás dos olhos.

-Hm... Essa dor, foi passageira? Doeu muito?

-Er... Foi e sim.

-Hm... Enfim, você já ta bem! Trouxe as peças e esta são e salvo aqui com a gente!

-É! Haha..

-Hihihi. Vem pro quarto você tem que dormir!

-E você?

-Também vou!

-Er...

Nessa hora fiquei completamente envergonhado, procurando maneiras de me distrair enquanto ela não falava sobre dormirmos juntos de novo. Joguei vídeo game, assisti aquelas transmissões de Sukui, ouvi musica, mas nada tirava o pensamento de que eu teria que dormir de novo com uma menina que gosto.

-Keithy, eu não consigo cara.

-Oque Hilbert?

-Dormir com a Hilda. É frustrante cara!

-Relaxa mano, é normal simplesmente não fique pensando em coisas “erradas”.

-Okay.

Fui até a sala do Clarence pegar os dados das peças que terei que coletar amanhã junto da Hilda. Após ver uma lista com uma centena de peças espalhadas pelo país. Decidi partir logo para a cama e descansar enquanto posso. Após uns 10 minutos desde que me deitei, Hilda se deitou na minha frente, pensando que eu estava dormindo , pegou meus braços e os posicionou como se eu estivesse abraçando-a. Tive que me segurar para não inventar de me levantar de vergonha. Naquele momento eu esqueci todos os problemas que eu estava enfrentando e só me lembrei de todos momentos felizes que passei ao lado dela...

DIA 25 DE AGOSTO DE 2XXX

Já eram quase 17 horas da tarde e faltavam muitas peças para recolher, eu e a Hilda estávamos nessa busca desde as 10 horas da manhã... Ambos estávamos cansados demais para pegar as 2 dezenas de peças que faltavam. Enquanto nos dirigíamos a um dos locais determinados, o celular da Hilda tocou. Hilda atendeu, após ela atender, um holograma do Clarence apareceu vindo do celular da Hilda.

-Hilda, Hilbert. Tenho uma boa noticia, todas as 20 peças que vocês precisam pegar, estão em um único endereço. Exatamente a 20 kms de onde vocês estão! Boa sorte!

-Ufa, finalmente vamos voltar para a base. Não aguento mais isso!

-Você não gostou de fazer essa missão comigo?

-Não, não, não foi isso que eu quis dizer Hilda... Eu gostei sim, aliás, adorei. Mas eu não aguento mais ficar nesse sol quente. -Caso você não saiba, a temperatura média, apenas a temperatura média atual do planeta é de 45 graus Celsius.

-Ah, entendi... Então vamos logo pegar essas peças.

-Certo!

Após chegarmos no local, senti a presença de vários obscreatures ao redor e principalmente perto das peças.

-Hilbert, pega as peças eu cuido deles!

-OQUE?!?

-É isso mesmo! Agora vai!

Entrei rapidamente no galpão velho que estavam as peças e peguei sem que os Obscreatures notassem minha presença, foi inacreditável, mas... Quando fui para fora vi a Hilda dando um verdadeiro show de luta. Ela conseguia desviar de TODAS as tentativas dos inimigos de acerta-la, ela acertava golpes com tanta rapidez que tive dificuldade de acompanhar. Em questão de poucos SEGUNDOS todos estavam se reduzindo a cinzas no chão.

-Oque que...

-Vamos logo Hilbert!

Hilda pegou minha mão e me puxou para a minha moto e voltamos para a base. Ao chegar, Hilda foi relatar os detalhes da missão para o Clarence enquanto eu conversava com o Keithy.

-Hill, falta só mais uma peça para estarmos com todas elas. Porém, ainda vai faltar todo o processo de montagem e etc. E o pior, para buscar essa peça, você vai precisar estar muito mais forte, e não pode ir apenas com a minha irmã.

-Caramba, onde raios é esse lugar? E quem esta com essa peça?

-Em uma base dos guardas interestelares...

-Ta de zueira comigo né? Você enlouqueceu? Como raios vamos pegar uma peça da base dos guardas? Eles tem a segurança do nível de sukui! Você viu oque eles fizeram com aqueles obscreatures né?

-Você é idiota? Cara, você pode sentir a presença desses monstros, tem uma força devastadora e ta reclamando que eles fazem coisas que você sozinho faz? Precisam de no mínimo 6 guardas para matar a mesma quantidade que você mata! E outra coisa, sobre a dor nos olhos, eu acho que aconteceu algo em relação aos seus olhos e você não percebeu.

-Como assim?

-Vou fazer uns testes em você depois, mas seus olhos estão diferentes de antes... A cor deles, era castanho escuro e agora parece um cinza bem escuro. Você não notou?

-Não me olho muito no espelho...

-Mudança de cor dos olhos não é normal... Vou realizar alguns procedimentos em você amanhã... Algo esta escondido por trás desses olhos.

O papo do Keithy até parecia com histórias daqueles desenhos japoneses. Mas fazia bastante sentido.

DIA 26 DE AGOSTO DE 2XXX

Depois de 2 horas de analises, testes, exames e tudo mais, finalmente o Keithy chegou a conclusão de que meus olhos adquiriram uma habilidade diferente. Mas qual seria ela? Não sei...

-Lembra que eu te falei que você vai ter que ficar mais forte para pegar a peça final? Sei a pessoa perfeita para você treinar.

-Pode falar, Key...

-A Hilda. Eu imagino que você já tenha presenciado um momento no qual ela mostrou sua verdadeira força, não?

-Sim, ontem mesmo eu vi ela fazer isso.

-Ótimo, você e mais algumas pessoas vão treinar com ela por 2 semanas. Eu imagino que esse tempo seja suficiente para vocês aprenderem bastante coisa com ela.

Após conversarmos bastante sobre assuntos variados, fui até o meu quarto para me deitar um pouco, afinal daqui algumas horas já vai ser o dia seguinte... E também vai ser o primeiro dia de treino com a Hilda. Imagino como são as outras pessoas que vão ter que treinar com ela...


Notas Finais


Se curtirem ja compartilhem e etc.
Obrigado ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...