História Summer Breeze - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Nico di Angelo, Will Solace
Tags Solangelo, Wico
Exibições 70
Palavras 1.159
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Me desculpem, só isso.

Capítulo 17 - Meu docinho


Fanfic / Fanfiction Summer Breeze - Capítulo 17 - Meu docinho

POV Davi

Nervoso, talvez, sem paciência, também, só sei que vamos comprar uma porta de entrada nova, um espelho para o banheiro e chamar o Asclépio para dar uma olhada na minha mão.

— Davi Souza Rochester, por que a porra da porta da sala esta partida ao meio... O espelho do banheiro todo quebrado e sua mão sangrando? Aff Davi, disse para você não fazer nenhuma burrada, ai você me apronta essa? Você não é mais criança, seu inconsequente, o que sua mãe diria ou faria. – O Josh entra no meu quarto e senta na minha cama.

— Ela não vai fazer ou falar nada Joshua, ela esta morta... E você sabe e viu quando aconteceu. Me deixa quieto, por favor, qualquer coisa pega o cartão da empresa e compra a porta e o espelho, eu só quero descansar e pensar um pouco. Okay, tchau. – Falo e o joguei para fora da cama.

Ele sai do meu quarto sem falar nada, ele sabia eu estava frustrado, cansado e sem muita paciência e que a qualquer minuto eu poderia estourar com alguma coisa. Queria entender o que levou à aquela cadela me beijar no corredor principal, lembrei, o "meu" dinheiro, o qual não faço questão de ter, meu pai deixou uma empresa multinacional de roupas a ROCHESTER, o sonho de consumo de todo viciado em roupa, por mim eu já tinha voltado para o Brasil e voltado a minha rotina, más tinha um juramento a zelar, manter a empresa e ajudar o Josh nos negócios. Me lembro do dia que foz o juramento detalhadamente.


— Davi. Me promete... que vai ajudar seu irmão com... Com a empresa do seu pai. Só... Assim eu vou morrer em paz...

— Não fala isso mãe. – Dezenas de lágrimas caem por meu rosto. – Você é forte, vai melhorar tão rápido quanto adivinhar meu nome quando tá todo mundo reunido.

— Meu docinho... Não complica, por favor, ei sei que de hoje eu não passo... Então me prometa... Prometa que vai ser forte e que vai se mudar pro Estados Unidos... Cuidar do Joshua e da empresa. – Ela fala de uma forma doce e calma que só piora meu estado.

— Eu prometo mãe, vou cuidar de todos e ir morar com o Josh. Eu juro que vou fazer se orgulhar de mim. – Falo e ela seca minhas lágrimas com a mão tremula.

— Eu sempre vou me orgulhar de você Davi... Sempre. Não importa o que acontecer lembra que eu te amo e sempre vou estar com você. Agora por favor... Chame seus irmãos, quero falar com eles. – Afirmo com a cabeça e dou um selinho nela (era uma mania de cumprimentar deles) e saio do quarto e já abraço meu padrasto nos dois aos prantos.

Não demorou mais de 3 horas e vem a noticia que ela faleceu como se fosse uma facada nos nossos corações.


— Dona Vilma, por quê? Por que você me deixou, já não bastava o papai, você também tinha que me abandonar nessa droga de mundo? Me fala o que eu tenho que fazer por favor. – Começo a chorar pouco me importando se o Josh ia ouvir ou não.

~

— Davi... Maninho, acorda! Por favor Davi. Acorda desgraça.

— Josh... Me deixa aqui com meu momento Pablo. – Resmungo.

— E-eu... Sua mãe. – Ele fala e me sento instantaneamente e ele respira fundo. – Ela me deixou esse DVD antes de... Você sabe, mandou te entregar quando algo do tipo acontecesse. Me desculpa não ter te entregue antes, mas ela pediu para que eu guardasse e esperasse o momento ideal para te entrega. – Ele fala e eu o abraço.

— Obrigado, Josh.

— Que ver agora ou depois?

— Agora. – Ele se levanta e liga o aparelho DVD, coloca o cd e joga o controle e agarro no ar.

— Já vou.

— Fica.

— Não, é o seu momento com ela. E por Deus não quebra mais nada, somos ricos não destruidores de móveis e espelhos. – Sorri e sai do quarto.

Dou o play e já sinto as lágrimas se formando por simplesmente ver a imagem da minha mãe na tela da TV, com um turbante colorido, olhos cansados, sorriso quase transparente por causa da fraqueza e as mãos tremulas e aquela roupa de hospital. Uma lágrima foge, e mais outra.

— Já esta ligada filho? Obrigada Josh. Há oi filho, se está vendendo isso é porque esta sofrendo por causa de amor, o que por acaso é bem comum por sua idade, primeiro se você pulo a cerca, não adianta, mas se essa pessoa te deixou, primeiro, reveja o que aconteceu para chegar a tal ponto, se foi você ou a pessoa quem errou. Se vocês já não iam bem desculpe, mas já acabou e só você não percebeu. Más se você o ama de verdade, corra atrás e não desista, só se você ama essa pessoa. Esse é um dos vídeos que deixei com seus irmãos. São conselhos curtos mas do coração e úteis. Lembre-se eu te amo e muito e sempre vou estar com você, e até o próximo vídeo meu amor... Meu docinho.

Quando dou por mim sinto várias lágrimas descendo pelo meu rosto, era reconfortante ouvir a voz dela, mesmo que seja por um aparelho de DVD, era maravilhoso, me sentia perto dela, conseguia sentir ele me abraçando e dizendo para eu me acalmar e parar de chorar, mais isso é uma coisa que não tenho vontade de fazer, quero chorar até não ter mais líquido em mim. Eu queria que ela estivesse comigo dizendo que tudo ia melhorar e que eu vou superar. Me levanto e vou para o terraço do prédio.

— Não vá fazer besteira, meu jovem. – Me assunto com a voz atrás de mim.

— Há. Olá Sr. Terminos. Só vim pensar um pouco no que fazer.

— Brigou com a namorada?

— Não, não deu tempo de pedir!

POV Nico

Depois do show de horror que foi aquela cena da Kyara e depois ver o Davi levar um soco e desmaiar, confesso que tenho medo de ficar perto da Rose com raiva, e levar ela para o apartamento dela foi meio estranho e assustador, até para mim. Ela ficava resmungando ameaças, pragas, estava com olhar ameaçador como se fosse estraçalhar alguma coisa, realmente me deixou com medo.

— O que foi aquilo? – O Will pergunta sentado no banco do carona.

— Eu tenho medo da minha namorada. – Agora o Adam.

— Tenho dó do Davi. Ser beijado a força pela Kyara e ainda levar um soco na cara da Rose não deve ser divertido, nem um pouco. – Me manifesto parando no sinal. – Aquela não é a moto do Davi? – Aponto para trás e vejo a moto estacionar em frente o prédio dos Quartzo.

— Se for o Davi, que tenha um bom convênio medico para falar com a Rose. – Meu namorado fala e eu começo nosso caminho, para o nosso apartamento.




Notas Finais


Comentários me anima e deixa feliz.
Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...