História Summer Love - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Bangtan Boys, Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Love, Summer, Verão
Exibições 8
Palavras 1.456
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oláa meus amores, andei um pouco sumida, mas apareci :3

Boa leitura, anjos <3

Capítulo 3 - Ela nunca foi minha mãe!


Fanfic / Fanfiction Summer Love - Capítulo 3 - Ela nunca foi minha mãe!

 

***

 

Já eram cerca de 23hrs, tinham acabado de voltar do restaurante e decidiram ver as estrelas na praia, já que o hotel era em frente a mesma.

 

 

- Nunca havia reparado que o céu é tão... tão.. deslumbrante á noite. – Disse Namjoon sentado na areia olhando para cima.

 

 

 

- Realmente, é lindo! – Exclamou Jin, deitando sua cabeça no ombro de Namjoon

 

 

 

- Sempre fazia isso com minha mãe.. digo, madrasta. – Falou Jungkook, também olhando para o céu e continuou. – Ficávamos horas, nessa vibe, apreciando a noite.

 

 

Ficaram apreciando a linda noite naquela praia, deserta e iluminada pela iluminação da rua, até o celular de Jungkook tocar. O mesmo olhou no visor e viu quem era, seu pai.

 

- Diga, pai.

- Onde estás? Já fui em seu quarto e não havia ninguém lá. Achei que já tivesse voltado.

- Ah, não, decidimos ficar um pouco aqui na praia, já que a noite está tão bela.

- Entendi, mas podia vir aqui no meu quarto para conversarmos? Preciso muito falar com você.

- Ah ok, em 5 minutos estou ai. – Finalizou Jungkook desligando o celular.

 

 

O que será que seu pai queria? Há muito tempo não dirigia a palavra com seu filho naquele tom.

A preocupação na face de Jungkook era evidente.

 

 

- Jungkook? Aconteceu algo? – Perguntou Jimin se levantando e ficando ao lado do mais novo.

 

 

- Bom, hyung, por enquanto, que eu saiba, não. – Disse Jungkook com um sorriso de canto. – Meu pai apenas quer conversar comigo, só ainda não disse do que se trata.

 

 

 

- Entendi. – Indagou Jimin. – Mas pretende voltar, ou vai ficar lá de vez? 

 

 

- Dependendo do horário, voltarei sim. – Concluiu Jungkook afagando os cabelos do mais novo. – Quanto mais rápido eu for, mais rápido eu volto, hyung. – Disse o mesmo se retirando do local.

 

 

 

No meio do caminho, mil pensamentos passavam na cabeça de Jungkook. Da última vez que seu pai agiu daquela forma, fora quando Rebecca morreu. Rebecca era a madrasta de Jungkook, mas o mesmo considerava ela como mãe, pois realmente era uma figura materna muito importante para ele.

Quando nem se quer percebeu, já estava na porta do quarto do seu pai, estava nervoso e com medo do que seu pai queria conversar. Tomou coragem e bateu de leve na porta.

Seu pai, logo em seguida, destrancou a mesma, pois já sabia de quem se tratava.

 

- Jungkook, meu filho, entre. – Disse seu pai um pouco apreensivo, e logo em seguida, sentando na cama, Jungkook fez o mesmo.

 

 

- Vamos, pai, prossiga. – Disse Jungkook, não aguentava mais esperar para saber sobre o que seu pai ia falar.

 

 

- Bom, filho, eu realmente não sei como te dizer isso, eu sinceramente, já imagino sua reação. – Suspirou o Diretor, pai de Jungkook.

 

 

- Pai, por favor, seja breve. – Pediu seu filho, com a cabeça baixa.

 

 

- Então, sua mãe. Sua mãe voltou da América e está aqui em Busan.

 

 

- E? Minha mãe de verdade, hoje em dia, é um anjo e mora no céu. Não sei de quem está falando. – Disse Jungkook fazendo pouco caso sobre o assunto. – Já posso me retirar?

 

 

- Jungkook, não seja infantil! Você sabe muito bem de quem estou falando! – Exclamou seu pai um um tom de raiva.  – Hyun-Jae, sua mãe biológica, ela q-quer te ver.  – Concluiu seu pai, gaguejando um pouco.

 

 

 

Jungkook parecia uma granada, pronta para explodir de tanta indignação.

 

 

 

- Pai, ela nunca foi minha mãe. Você sabe disso.  – Disse e continuou.  – Que tipo de mãe larga o filho, com 4 anos, apenas com o pai? E ainda é capaz de dizer que eu era um atraso na vida dela.  – O menino cospe as palavras com os olhos marejados e seu pai percebe isso.  – Some, vai para a América e muito menos dá notícias. Me diga em qual ano, no meu aniversário, ela ligou  para me dar os parabéns?

 

 

- Eu te entendo meu filho, mas entenda o lado dela também.  – Seu pai dizia de cabeça baixa.  – Ela tinha sua idade quando te teve, 17 anos, não era nem uma adulta por completo.

 

 

- Foda-se!  – Gritou Jungkook.  – Para mim, ela não passa de uma desconhecida, e isso nunca vai mudar. Passei 4 anos da minha vida chorando no meu quarto no dia das mães, pois eu não tinha uma.  – O mesmo já soluçava e as palavras saiam falhas de sua boca.  – Você acha que é fácil ver os seus amiguinhos do segundo ano com uma mãe? Você acha? Você acha que é fácil falar para uma criança que ela foi abandonada e a mãe dela nem se quer quer saber como ela anda? Se ela ta bem?  – Jungkook se sentia mau, muito mau.

 

 

 

- Não fale assim comigo!  – Levantou da cama o velho onde se encontrava sentado, apontando o dedo na cara do filho.  – Eu não tenho culpa do que ela fez com você, eu apenas fiz meu papel de pai em não te abandonar e assumir minhas responsabilidades. Seu avô e sua avó, quando eram vivos, me ajudaram bastante a cuidar de você e te dar tudo do bom e do melhor.  – Disse seu pai já magoado com as palavras que o filho havia dito.  – Você não foi abandonado por mim, Jungkook, eu te amo meu filho.

 

 

- Me desculpe.  – Disse o mais novo enxugando as lagrimas que havia em seus olhos com as mãos.  –  Mas nunca, nunca mais, diga para mim que aquele monstro é a minha mãe.  – E continuou.  – Minha mãe e única mãe, foi Rebecca.  – O menino disse e seu pai parecia ter os olhos marejados também.  – Mesmo sem ter nem um traço sanguíneo comigo, me tratava como um filho, e foi uma das pessoas mais importantes pra mim, depois do senhor, mas uma droga de um câncer tirou ela de mim, há dois anos atrás.  – O garoto de cabelos negros não conseguia mais conter suas lágrimas, e chorava desesperadamente.

 

- Filho, calma.  – Disse o diretor o abraçando.  – Eu sei que ela era muito importante pra você, e pra mim também. Eu a amava.  – A voz de seu pai já era quase irreconhecível por culpa do choro.  – Mas Hyun-Jae, quer muito te ver para tentar endireitar a relação de vocês, e te dar algumas explicações, já que ela se encontra aqui, em Busan.

 

 

- Mas pai, como ela soube? Como ela soube que estaríamos aqui, se moramos no interior?  – Peguntou o menino desmanchando o abraço com o pai.

 

 

- Não sei se sabes, mas sua mãe ainda possui vínculos com a escola, então ela ficou sabendo da viagem, e que você viria junto, já que tive que fazer uma ficha pra você, assim como a dos outros alunos.  – Respondeu e continuou.  – E se você não for vê-la, ela pode alegar na justiça que eu estou proibindo ela de ver você.

 

 

- E eu sou obrigado? Mesmo não querendo?  – Perguntou.  – Minha vida estava indo tão bem, já tinha superado o fato de não ter uma mãe e que Rebecca não está mais entre nós.  – O menino dizia isso com o tom de voz já tremula, provavelmente choraria de novo com qualquer palavra que o pai dirigisse. 

 

 

- Sim, Jungkook, infelizmente você ainda é menor de idade e não decide as coisas sozinho.  – Respondeu seu pai.

 

 

- Pra mim, essa mulher, nem existia mais.  – Dizia isso furioso.  – Se ela me der ou não, explicação, o que ela fez, não há perdão. Agora já posso ir embora?

 

 

 

- Você verá ela no final de semana que vem, em um restaurante próximo daqui.  – Falou seu pai olhando no celular.

 

 

Jungkook saiu do quarto sem ao menos se despedir.

 

Não conseguia entender o que Hyun-Jae queria, estava tão bem sem aquela mulher importunar a sua vida. Queria mesmo que ela explodisse e nunca mais aparecesse em sua vida.

Foi para seu quarto, e não sabia fazer mais nada além de chorar, chorar e chorar.

 

- Por que Hyun-Jae? Eu nunca fiz diferença na sua vida, que diferença vou fazer agora? Me rejeitou, nunca se quer quis saber se eu estava bem, por quê agora? POR QUÊ?  – Dizia Jungkook chorando, em voz alta, andando de um lado para o outro no meio do quarto.

 

 

***

 

 

- Jungkook disse que voltaria, mas até agora nada.  – Disse Jimin, andando junto aos outros a caminho do hotel.

 

- Verdade, já tem mais de 40 minutos que ele saiu e nos deixou aqui.  – Disse Yoongi.  – Mas ele deve ter tido preguiça de descer novamente e pegado no sono.

 

 

Os meninos voltaram para o hotel. Tae, Jin e Yoongi foram para o quarto e os outros fizeram o mesmo. 

Chegando já encontraram Jungkook dormindo como um anjo no dormitório.

 

- Eu disse que ele estaria aqui. –  Disse Yoongi tirando os sapatos e deitando em sua cama.

 

 

 

 

 

 

 

 

Notas Finais


Bom, foi isso. Desculpem os erros, pois só revisei uma vez e tentarei fazer o próximo capítulo maior.

Bjs, e como diz o Luizinho, EU TE AMO VCS <3

Minha amiga tem uma fic, se quiserem ler, ficarei grata <3 https://spiritfanfics.com/historia/preciso-de-voce-meu-amorjikook-6036805


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...