História Summer Tulip - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Assassin's Creed
Personagens Haytham Kenway, Personagens Originais, Ratonhnhaké:ton "Connor"
Visualizações 4
Palavras 2.087
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - O Assassino


Fanfic / Fanfiction Summer Tulip - Capítulo 2 - O Assassino

Connor sentiu toda aquela raiva queimar no momento em que o homem puxou os cabelos da garota. Mas ele não podia correr o risco dele a machucar mais gravemente,afinal, eles estavam armados. Ele precisava ser paciente e esperar pelo momento certo, que se mostrou quando ele se afastou dela, se distraindo com o cinto.

-MAS QUE PORRA ESTÁ ACONTECENDO AQUI? -o homem segurou a flecha a largando ao sentir a dor. Logo os homens sacaram suas pistolas e espadas olhando ao redor e dando alguns passos para trás. Connor ajeitou mais uma flecha em seu arco, mirando em um dos homens e lhe acertando a perna, criando assim a distração que precisava. -O Assassino...

Ele saiu das sombras, segurando seu tomahawk* e checando rapidamente o mecanismo de sua lâmina. Ele parou entre a garota e seus agressores, enquanto alguns dos homens corriam de volta para o forte, provavelmente para avisar aos "casacas vermelhas" que haviam o encontrado.

-Será um prazer acabar com você, Assassino... -um dos homens deu um passo a frente, pronto para atirar, mas Connor foi mais rápido, nocauteando o homem, já acertando outro com o tomahawk. Logo os homens recuaram, correndo e arrastando seus feridos de volta para o forte.

-Precisamos sair daqui, eles vão voltar com reforços... -ele se abaixou ao lado da garota, a ajudando a se levantar e a pegando em seu colo. Ela sorriu para ele, antes de desmaiar ou adormecer, ele não tinha certeza. Ele olhou de relance para trás, encarando uma ultima vez o corpo do lobo cinzento.

🐺❄

Agatha acordou, sentindo o ferimento na testa latejar. Ela piscou algumas vezes, esperando os olhos se acostumarem a pouca luz e se assustando levemente com o par de olhos castanhos que a encarava.

-Fico feliz que tenha acordado... -era o Assassino. As imagens da pequena confusão na clareira surgiram em sua mente, e ela não pode evitar um sorriso ao se lembrar que ele havia a protegido. -Foi uma pancada feia, fiquei preocupado que algo pior tivesse te acontecido. Como está se sentindo?

-Melhor do que pareço. -ela se sentou, olhando ao redor na pequena cabana. Ele havia sido cuidadoso, cobrindo o que queria que ela não visse. -Obrigado por me proteger...

-Não precisa agradecer... -ele sorriu para ela, antes de voltar sua atenção para a série de minuciosos nós que ele fazia em uma tira de couro. -Sinto muito por seu amigo... A propósito, sou o Connor.

-Agatha. -ela se sentou, após certo esforço, olhando tudo ao redor. -E na verdade, era uma amiga... O que está fazendo?

-Bem... -ele se virou para ela, pegando uma presa de lobo de cima da mesa próxima a eles e a prendendo com cuidado na tira de couro. -Eu pensei que talvez você fosse gostar de ter uma pequena lembrança da sua amiga sempre por perto...

Ele sorriu para ela, apesar da expressão triste que ela tinha no rosto. Connor se levantou, juntando as presas em um pequeno embrulho de papel e olhando de relance para Agatha. 

-Por que você sempre levava carne para a loba? -ele se virou, a encarando enquanto se apoiava a porta, cruzando os braços sobre o peito. -Além de perigoso para você, poderia acabar a deixando acostumada a comida fácil.

-Bem, ela estava protegendo a própria toca, mas acabou me protegendo do ataque a um lince. -Agatha deu ombros, enquanto encarava o colar em sua mão. -Ela nunca me atracou e o que era para ser apenas um agradecimento, acabou virando um hábito... Ela era uma boa companhia. A propósito, sabe como rastrear uma toca de lobo?

-Talvez... Por que? -ele olhou para fora, através da pequena abertura na janela, se certificando de que era seguro sair. 

-Bem, eu não tenho muita certeza, mas queria apenas garantir de que nenhum filhotinho de lobo vai acabar morrendo de fome em uma toca escura e fria. -ela fez o mesmo olhar dengoso que usava quando queria algum livro especifico de Haythan, que ele mantinha a sete chaves em sua prateleira.

-Tudo bem... Mas pare com esse olhar. -Connor não pode evitar um pequeno sorriso, enquanto abria a porta e olhava rapidamente ao redor. -Eu vou sair. Descanse mais um pouco, logo estarei de volta. 

Agatha voltou a se deitar, puxando a manta para cima até quase cobrir o rosto. Um vento gélido entrou, enquanto Connor saía, pegando a pá do lado de fora da cabana e votando para a clareira. Antes que percebesse ela adormeceu pesadamente, sem nem mesmo notar quando ele retornou. 

 🐺❄

Connor pegou o corpo do lobo, enquanto olhava ao redor, procurando onde poderia ser sua toca. Após alguns minutos e uma pequena dose de esforço ele encontrou o pequeno esconderijo no tronco da velha arvore. Ele olhou para dentro, vendo a pequena bolinha de pêlos, encolhida em um cantinho.

Connor pegou a pá, começando a cavar a neve e a terra úmida, preparando uma cova para o lobo. Aquele animal merecia ser enterrado de uma maneira digna apenas por ter sido merecedor do carinho e do afeto de Agatha, e o fato dela se importar tanto com ele a ponto de chorar sua perda apenas o fazia crer ainda mais que esse animal era especial.

-Bem, melhor voltar. -ele pegou o filhote, rindo quando ele tentou o morder. Connor abriu a porta de seu pequeno abrigo, sorrindo ao ver Agatha na mesma posição, com parte do rosto coberta pela manta. Ele colocou o filhote ao lado dela, enquanto pousava a mão em sua testa. -Você está com febre.

-Hummm... -ela piscou algumas vezes, antes de sorrir para ele, voltando a fechar os olhos. -Eu estou bem, não se preocupe... Mas vou dormir mais um pouquinho antes de voltar para o forte.

-Eu vou levar você de volta. -ele se sentou aos pés da cama, afastando algumas mechas que insistiam em cair sobre o rosto dela. -Está frio demais para você ficar aqui. 

-Eu estou bem... -ela tentou se levantar, mas ele a segurou pelos ombros a mantendo deitada. Agatha sorriu, enquanto levantava a manta e o filhote se enroscava ao redor dos braços dela. -Além do mais é perigoso demais para você ir lá.

-Não importa. -ele se levantou, pegando algumas de suas armas e as colocando em seu devido lugar, antes de puxar o capuz sobre a cabeça. -E nem adianta tentar aquele seu olhar. Isso não tem discussão. 

Connor a pegou em seu colo, a enrolando na manta antes de sair em direção ao forte. Ele sabia o que encontraria, mas ele não podia deixá-la ali naquele estado. Ele precisava se assegurar de que ela estaria em segurança, afinal aquele homem ainda poderia querer machucá-la.

 🐺❄

Haythan batucava com os dedos em sua mesa, a espera de uma atualização de Marshal ou de qualquer homem que estivesse envolvido na busca a Agatha. Ele soltou um pesado suspiro, antes de se levantar, recomeçando a andar de um lado para outro.

-Acha mesmo que eles podem querer a usar para conseguir informações? -Lee o encarou por alguns instantes, após entrar na sala. -Ela nem sabe ao certo o conteúdo das cartas, nem mesmo sobre a ordem.

-Lee, Agatha é inteligente o suficiente para saber que o conteúdo daquelas cartas é confidencial e de suma importância para mim. -Haythan fuzilou seu companheiro com o olhar, enquanto olhava irritado para os homens que voltavam sem sua protegida. -Bando de inúteis.

-Gostaria apenas de lembrá-lo, senhor, que nada disso teria acontecido se ela tivesse me ouvido e ficado dentro do forte. -Marshal olhou para o Haythan, recuando ao ver seu olhar zangado.

-Cale a boca Marshal. -Haythan se jogou pesadamente sobre sua cadeira, encarando o caderno de anotações de Agatha, presente de Jennifer, com as iniciais dela gravadas em delicadas letras douradas sobre a encadernação de couro.

-Senhor! -um homem entrou afobado, enquanto uma pequena movimentação se formava no portão do forte. -O Assassino!

-Não façam nada. Ele pode estar com ela ou saber onde ela está. -Haythan se levantou, pegando a pistola sobre a mesa e correndo para o portão, sendo seguido de perto por Marshal, enquanto Lee observava a tudo de uma certa distância.

Ele parou em frente ao portão, vendo a figura com o manto dos assassinos se aproximar a passos vagarosos, carregando algo em seus braços. Haythan reconheceu a figura, pegando a pistola e pronto para atirar, vendo de canto de olho os homens ao seu redor pegarem os mosquetes e mirarem na figura, prontos para atirar. 

-NÃO! -o grito de Haythan ecoou por todo o forte, quando ele viu as mechas cor de fogo, contrastando com a neve branca. Ele se aproximou de Connor, afastando a manta do rosto de Agatha. -O que fez com ela?

-Devia perguntar isso a ele... -Connor apontou com um movimento de cabeça para Marshal, que estava alguns passos atrás, olhando assustado para eles. -Ela precisa de cuidados. De um lugar quente e pessoas que possam cuidar dela todo o tempo.

Haythan encarou o filho por alguns instantes, se perguntando a quanto tempo ele rondava o forte. Ele pegou Agatha dos braços dele, a ajeitando do melhor modo que pode em seu colo, sorrindo quando ela acordou, piscando algumas vezes e sorrindo ao reconhecê-lo. Ela apoiou a cabeça e seu ombro.

-Deixe-o ir... Por favor, senhor Kenway. -a voz fraca e rouca dela o fizeram voltar seus olhos para Connor. -Ele me protegeu... Pedir pela segurança dele ao partir é o mínimo que posso fazer.

-Pode ir. -Haythan encarou o filho, que olhou para Agatha, preocupado. -Não vou mandar ninguém atrás de você. É meu jeito de agradecer por cuidar tão bem dela. E não se preocupe, ela ficará bem... e segura.

Connor acenou com a cabeça uma ultima vez, antes de se virar e voltar caminhando para a floresta. Haythan olhou para Marshal, os olhos brilhando de raiva.

-Então... Quer dizer que o Assassino Mohawk foi quem a atacou, enquanto você e seus companheiros, tentaram inutilmente a proteger? -Marshal deu um passo para trás, encontrando com alguns dos homens de confiança de Haythan que o seguraram pelos braços. -Fiquem de olho nele enquanto eu cuido dela. Logo estarei de volta. 

Haythan colocou Agatha sobre a espaçosa cama de casal que havia arrumado para ela, enquanto uma mulher acendia a lareira, que logo começou a aquecer o quarto. Ele sorriu ao ver o filhote que dormia calmamente nos braços dela, puxando as pesadas cobertas sobre ela.

-Você pode me contar o que aconteceu... ou quer descansar mais um pouco? Posso voltar depois. -ele se sentou na beirada da cama, passando a mão sobre o cabelo dela, o afastando do rosto e cerrando os dentes ao ver o corte em sua testa. 

-Eu estou bem, senhor Kenway... -Agatha sorriu, virando o corpo e apertando um pouco mais as cobertas. Ela lhe contou do melhor modo que pode o que havia acontecido.

-Entendo... -ele acariciou o pequeno filhote, que se aninhava cada vez mais contra ela. Ele se levantou, ajeitando o casaco. -Vou resolver algumas coisas... Descanse.

Ele saiu, olhando com atenção para onde seus homens haviam prendido Marshal. 

-Você pensou mesmo que ela era uma mulher... comum. Você é mesmo um idiota Marshal. -Haythan parou em frente ao homem, sorrindo de modo cruel. -Agatha não é o tipo de mulher da qual você pode esperar chegar em casa e a encontrar cozinhando e limpando para você. Na verdade, se você a mandar fazer qualquer uma dessas coisas, ela te olhará com desprezo e mandará você fazer.

-Eu sinto muito, senhor... Admito que foi um erro e que não irá se repetir. -Marshal olhou para cima, na esperança de ver algum vestígio de piedade na expressão de Haythan.

-Realmente, não irá se repetir nunca mais após a lição que você receberá. -ele sinalizou para os homens que observavam a cena. -Deem um jeito nisso... Depois o joguem na prisão por alguns dias... 

Haythan olhou de relance para trás, enquanto seus homens surravam Marshal. Ele não pode deixar de sentir uma pontada de gratificação ao ouvir o homem gritar, sabendo o que ele havia feito a Agatha. 

-Como ela está? -ele olhou para a simpática garota que andava de uma lado para outro, ajeitando as coisas para Agatha.

-Parece melhor senhor... -ela sorriu, colocando a bandeja com comida sobre a mesinha ao lado da cama, antes de se retirar. 

Haythan se sentou ao lado de seu protegida, sorrindo e mentalmente agradecendo ao filho por tê-la protegido, mesmo sem saber ao certo quem ela era ou o quão importante havia se tornado para ele.

 

 


Notas Finais


*Tomahawk é um machado, no jogo é descrito como uma arma nativa americana, ótima para combates corpo a corpo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...