História Sun And Stars - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias The 100
Tags Clexa, Drama, Romance, The 100
Exibições 29
Palavras 2.400
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Orange
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi, oi gente tudo bem com vocês? Comigo tá tudo bem.
Esse capítulo demorou por que eu fui refazer ele não tinha gostado muito, mas enfim tá aí.

Capítulo 6 - Não morra Lexa.



Lexa


Ainda estava escuro quando levantei e era esse o propósito não queria que ninguém acordado me vendo sair. Vesti minhas roupas, estava frio e por isso me preparei bem prendi minha faca no cinto e segurei a espada com a bainha na mão pra não fazer barulho e não acordar o mudinho.
Fui até o quarto de Clarke entrei devagar e ela nem percebeu tentei chama- lá sem fazer barulho, mas ela não acordava então resolvi sentar na cama.
- Clarke. - falei perto do seu ouvido mexendo no seu cabelo.  -Clarke, acorde. - aos poucos seus olhos foram abrindo era lindo vê aqueles doces olhos azuis. - Clarke acorde sou eu.
Clarke acordou um tanto assustada pedi pra ela fazer silêncio e ela fez o que pedi, entreguei algumas roupas pra ela vestir.
- Aonde está a capa? - perguntei sussurrando e e ela apenas apontou para a cadeira perto da pentiadeira.
Peguei a capa e enquanto Clarke se vestia tive que sair do quarto por alguns minutos pra ela conseguir se trocar e assim que ela saiu do quarto e eu pude olhar pra ela percebi o quanto ela era linda.
Coloquei a capa sobre seus ombros e prendi sobre o vestido.
-Use assim e você não irá sentir frio. - arrumei a capa em seu corpo.
Fomos até os estábulos e já começava a clarear, nossos cavalos já estavam prontos e o portão aberto, nada que a herdeira da ilha da árvore não possa mandar fazer. Ajudei Clarke a subir e depois saímos do castelo.
- Lexa aonde estamos indo? - Clarke me perguntou enquanto saíamos do castelo.
- Você vai vê. - sorri na frente e logo Clarke me alcançou.
Chegamos bem na hora, o sol estava nascendo a neve finalmente estava no chão e sobre as árvores ao longe vimos a árvore de carvalho branco com suas folhas vermelhas, era uma árvore rara por isso ela era o símbolo de nossa casa e representava nossos deuses a visão de tudo era linda e Clarke parecia admirar.
- É muito lindo aqui. - ela não notou que desci do cavalo e estava olhando pra ela.
- Sim é lindo. - ajudei ela a descer do cavalo e segurei as rédeas. - Eu vinha aqui quando queria fugir de tudo. Aqui é meu refúgio.
- E você trouxe muitas garotas aqui? 
- Não … você é a primeira. - respirei e dava pra vê a fumaça saindo da minha boca. - Esse é um lugar sagrado é onde nossos Deuses estão, foi aqui que eu meus irmãos fizemos nossos votos e  pais casaram aqui… provavelmente nós também.
Clarke olhou tudo ao redor a árvore era grande e ela não sabia conter o espanto em seu rosto. Ela tocou a árvore e olhou todos os galhos e todas as folhas e em seguida olhou pra mim.
- Você nunca trouxe a Anya aqui? - Ela se aproximou mais de mim.
- Não nunca. Eu e Anya tínhamos história nos conhecemos ainda criança, treinamos juntas e nós apaixonamos, mas amor de verdade acho que nunca sentir por ela. - me afastei de Clarke não queria que ficássemos tão próximas. - Nunca sentir a necessidade se traze - lá aqui.
- Porque não?
Decidi cortar o assunto nao queria que ela soubesse muito, afinal não estavamos aqui pra isso e enquanto algumas folhas caíram ao chão eu peguei para analisar.
- O nome dessa árvore e árvore coração, você só irá encontra - lá na ilha da árvore. É um carvalho de madeira branca raro em todo lugar, menos aqui.… alguns tem igrejas, estátuas, septo, templo… mas nós temos a árvore coração aonde quer que vá, nos oramos e falamos com os deuses aqui além se virmos lembrar das nossas obrigações e nossas promessas.
 Clarke parou um momento pra me olhar. - Então porque você me trouxe aqui?
-Eu te trouxe aqui pra te dizer uma coisa. - Joguei as folhas no chão e olhei para ela. - Eu vou lutar nossa guerra Clarke e eu prometo que vou vence - lá, nós vamos nos casar e sei o quanto será difícil para você casar com alguém que você nunca viu, por isso eu prometo que não tocarei em você até que você queira.
- Vamos lutar para que isso de certo, você não precisa me prometer nada sei que seus valores já falam por si. - Clarke me olhou tão seria e tocou meu rosto.
Suas mãos estavam frias e macias seu toque era calmo me fez suspirar e quase perder o controle. Fechei os olhos procurando uma forma de sair daquela situação mas senti Clarke se aproximar senti sua respiração bem próxima a minha.
-Eu preciso saber como é …
-Clarke acho melhor voltarmos. - Me afastei dela e fui até nossos cavalos. - já devem ter percebido nossa ausência.
- Tudo bem.
 
Clarke


Estávamos voltando pro castelo o céu estava mais claro o sol brilhava sorte, mas a neve e o frio eram constantes. Lexa parecia não sentir todo aquele frio ou já estava acostumada eu por outro lado estava congelando e se não fosse pela capa da Lexa eu já teria congelado.
Desde que saímos da árvore coração eu e Lexa não nos falamos eu apenas à seguia tranquilamente, tentei achar um jeito para quebrar todo aquele silêncio.
-Minhas mãos estão congelando. - Lexa viu que minhas mãos realmente estavam congelando estavam até um pouco roxas.
- Você não colocou luvas?
- Não.
Então Lexa parou e desceu do cavalo veio até mim, e olhou minhas mãos parecendo analisa - lás.
- Estão dormentes? - Ela olhou mais um pouco pareceu está com receio, após isso soltou minhas mãos das rédeas do cavalo.
- Sim, um pouco. - Lexa riu da minha cara tanto quanto educadamente. - Não vou perder minhas mãos né? - Olhei e ela continuava rindo.
- Clarke você é muito inocente. - Ela tirou suas luvas.- Aqui, coloque nas suas mãos, vão te aquecer até chegarmos ao castelo.
Ela me ajudou a colocar as luvas e depois pegou as rédeas do cavalo e a mesma conduziu.
- Eu não sou inocente. - Estava tentando me equilibrar.
- Uma garota que vem da parte Oeste do país para o extremo norte sem trazer sequer um vestido e um par de luvas de inferno, para mim é inocente.
- Eu não fazia idéia de que aqui era tão frio, geralmente as ilhas são quentes.
- Aqui é quente Clarke. - Lexa me olhou sorrindo. - Aqui é o lugar mais proximo de onde nos chamamos de verdadeiro norte... Depois do mar, seguindo ao norte pela mata do lobo você vai vê que não existe vida ou comida, nenhum ser vivo consegue viver lá e nossas roupas se quer conseguiriam nos manter aquecidos.
- Você já foi lá? - a curiosidade foi maior que eu.
- Sim, sobrevivi lá por um mês com meus irmãos logo após fizemos nossos votos na árvore coração. 
- Achei que ninguém vivesse lá. - estava  confusa quanto a isso.
- E ninguém vive esse é o último teste que fazemos para nós tornamos guerreiros temos que matar uns aos outros até sobrar apenas três e isso prova se fomos verdadeiros filhos da árvore e aí podemos voltar para casa. 
O castelo já estava próximo e dava pra vê a grandeza do lugar era lindo com aquelas grandes bandeiras esse povo era acreditava eles tinham um propósito em sua existência.
- Isso é horrível Lexa…
-É o modo como vivemos Lady, acreditamos nisso. Não se torna um guerreiro apenas jurando lealdade ao seu Lord.
Longe, em cima da torre principal do castelo uma grande bandeira negra estava sendo posta e vários corvos voavam pela torre.
- Lexa olhe. - Lexa me olhou e em seguida olhou a torre. - O que está acontecendo?
-Estamos em guerra Lady.


Lincoln


Entrei apressado no salão meu pai estava discutindo com os outros Lords e seus vassalos o que seria feito após o casamento. Assim que entrei todos olharam para mim com a mesma expressão seria de todos os dias, Jon estava imóvel como uma estátua apenas ouvindo, Lord Tywin parecia sério e preocupado como sempre, Lord Eddard sorria para mim o velho parecia gostar da minha presença. 
-Pai, os malditos dos Lobos estão do outro lado da costa estão nos nossos limites e ameaçam atacar, se não tomarmos posição eles chegarão ao castelo amanhã pela manhã. - dispensei as formalidades não havia tempo para isso.
- Eles tem força vinda do mar? - Lord Eddard perguntou surpreso.
- Acredito que eles roubaram os navios que estavam do outro lado, são apenas 10 mas são grandes suficientes para 400 homens cada. - respondi tomando um gole de vinho para acalmar
- Lobos atravessando o mar… Isso é uma afronta a mim. - Meu pai estava com raiva.
- Aonde está sua irmã Lexa? - Lord Tywin me matou com os olhos.
- Eu não sei…
- Ela saiu de manhã cedo e acho que ela estava com a Lady Clarke. - Jon pela primeira vez falou algo já tinha achado q ele morreu.
- Minha filha? O que ela fez com minha filha? - Tywin avançou para cima de Jon perdendo o bom senso.
- Eu não sei senhor. - Jon estava sendo enforcado.
-SOLTE ELE TYWIN.… o garoto não tem culpa de nada. - Meu pai puxou o braço do velho com tanta força que Tywin esbarrou sobre a mesa.
o estrondo da porta fez novamente todos olharem para Lady Joana.
- Cadê a Lexa ? - olhou para todos pela primeira vez a vi furiosa suficiente para mata - la
- Ela não está no castelo. -Jon respondeu seco.
- Jon procure minha filha. - antes de sair meu pai falou algo no ouvido de Jon e ele saiu apressado.
- Eu também vou. - segui o Jon.
- Lincoln fique..
- É minha irmã…
-Você é meu filho e o segundo comandante você fica. - aquele momento eu apenas queria fugir e ir atrás de Lexa, mas não podia deixar meu pai era meu dever.
Minha mãe então sentou ao lado do meu pai me encarando 
- Me deixem a sós com minha família senhores.- todos se olharam, não pareciam querer receber ordens de uma mulher. - AGORA.
ninguém mais questionou e apenas saíram. 
- Lincoln você formará a aliança hoje e irá se proclamar senhor protetor do Sul e assim que Lexa chega e se casar com Clarke e então vamos fugir pro oeste …
- Lexa não vai querer fugir mãe. 
- Não vamos fugir…
Se ficarmos morreremos..
- Se fugirmos perderemos todo o respeito do nosso povo. - Meu pai olhou para mim. - Lincoln chame todos os guerreiros.
- Já chamei pai até o anoitecer teremos cinco mil homens, com o cerco armado em volta do castelo.
- E as alianças? - Minha mãe perguntou um tanto seca e preocupada com o nosso futuro.
- Foda- se o casamento mãe, estamos em guerra. - Não me aguentei e soquei a mesa.
- Deixamos Lexa voltar e então vamos jurar fidelidade ao Lord Eddard e ao Lord Tywin. - disse meu pai, nada contente.
- Vamos nos preparar agora.
Minha mãe saiu sem dizer uma palavra se quer e antes dela sair Lexa atravessou o salão.
- o que diabos está acontecendo aqui. - Seu olhar aparentava medo e ao mesmo tempo raiva.
- Estamos em guerra, nos lobos marcham até nós. - me apoiei na mesa.
Mexa bebia vinho, seja o que for ela estava com sede e não estava bem, parecia até que os lobos a assustavam.
- Então vamos a guerra.
- Eles só vão chegar aqui amanhã...
-Vamos ataca - los hoje enquanto não estão esperando. - Lexa pegou o mapa da ilha.
- É arriscado…
-Você me mandou para lá como cativa deles justamente para aprender como eles pensam e eu sei que eles não esperam um ataque assim. - Lexa e o Lord Titus batalhavam com o olhar.
- Enquanto eu tiver no comando não vamos nos assim, eles são maiores em números.
- Então renuncie e passe o comando para mim. - Lexa era a única a enfrentar nosso pai daquela maneira. - Eles vão vir por mar suas forças são pequenas se atacarmos a praia em duas horas eles estarão mortos.
Olhando o mapa e todo o plano de Lexa não havia forma de dar errado, o plano e a formação que ela montou era perfeito.
- Pai acho que a Lexa está certa. - Enchi a taça e bebi.
- Eu lutei guerras…
- Eu lutei guerras e matei pessoas por você  enquanto você se escondia no seu castelo com sua bunda nessa cadeira… renuncie.
- Não..
Então se tranque mais uma vez no seu castelo, tenho uma guerra pra vencer.
Lexa saiu tão rápido quanto entrou o velho permaneceu em silêncio e eu não sabia o que fazer.
- Deveria confiar mais nela é sua herdeira pai.
Apois isso apenas peguei o mapa e sai.


Lexa


Estavam todos reunidos todos os soldados de Lord Eddard e Lord Tywin totalizavam mil e quinhentos homens era muito pouco se quer podia enfraquece- los.
- Um nortenho vale por dez sulistas. - Lincoln observou. - Não vamos ganhar.
- Números não vencem guerras Lincoln. 
Lexa se preparava para lutar e ela parecia disposta.
- Temos dois mil homens até agora.
Lexa empunhou sua espada no cinto ja estava de saida quando minha mãe entrou.
- Eu amo vocês. - ela nos abraçou forte, ela sempre fazia isso antes de toda batalha. - Não morram.
- Árvores não morrem no inverno mãe.
Bem atrás da minha mãe Clarke e Octavia nos esperavam, Lincoln abraçou ambas e prometeu voltar para Octavia dando um beijo na sua testa.
Clarke por outro lado apenas me olhou.
- Volte para cumprir sua promessa Lexa.
-Voltarei Lady Clarke.
E antes que pudesse sair ela puxou meu braço e me deu uma fita amarela a cor do símbolo da sua casa.
Estávamos marcando para a guerra e as garotas nos olhava nós era a primeira vez que tínhamos alguém nos esperando voltar da guerra.
-Gosto da Clarke. - Lincoln sorriu.
-Gosto da Octavia. - devolvi o sorriso. - aposto que mato mais que você.
- Apostado então.
 


Notas Finais


Se você gostou comentem, favorite e mande pras amigas e pras inimiga também.
Um beijo espero que gostem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...