História Sunshine - Capítulo 2


Escrita por: ~

Exibições 11
Palavras 1.841
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Mistério, Romance e Novela, Saga
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Hey ^^
Obrigada por todos os comentários no capítulos anterior <3
Espero que gostem =)

Boa leitura <3

Capítulo 2 - Capítulo 1


 

-----------------------------------------------------------------------

Paris, 5 de setembro de 2016

Querida Emma, aqui é a Camille, mas acho que já deu para você perceber pelo remetente do e-mail, não é? Eu queria ter escrito (digitado) há tipo uma semana atrás para você ler essa carta no seu primeiro dia de aula, mas eu não tinha a quem endereçar, você ainda não tinha quarto ou matrícula fechada.

Eu fiquei TÃO feliz em saber que você fez uma amiga. Okay, não são amigas, mas já é uma simpatia, não é? Eu gostaria de ter notícias do Nath para te dar, mas eu não tenho tanto contato com ele, você sabe.

E essa garota do avião? Soube mais algo dela? Achei um tanto...misteriosa, toma cuidado, você é bobinha ingênua demais.

O Cooper e o Stefan estão bem, mas não param de brigar, ave Maria. As coisas continuam iguais nessa semana, mas vou te mandar um e-mail correndo caso alguma coisa seja alterada.

Olha, essa semana o seu irmão me tirou do sério (o Cooper, o Stefan é o amor da minha vida). Acredita que ele se recusou a me passar o seu e-mail porque eu iria encher sua caixa de mensagens??? Ainda bem que você sabe o meu de cór. Achei essa política de só permitirem usar o computador da biblioteca bem ultrapassada. Seu celular é caro demais para ficar mofando aff.

Emminha, eu tenho que ir trabalhar, se cuida meu bem <3

PS: tudo bem se eu passar esse seu e-mail para o Nathaniel? Acho que sim, vou passar.

 PS parte 2: Saudades. 

Com amor,

Camille

-----------------------------------------------------------------------

Acompanhei os passos precisos de Sally. Seu cabelo loiro parecia ter sido cortado recentemente pelo estado das pontas.

Não foi problema sair do internato, até porque os alunos estavam vindo e indo. Certamente a transição era incontrolável.

As ruas do bairro são bonitinhas. Há poucas áreas comerciais e muitas casas – gigantescas.

Admito já ter entrado no bar procurando Lydia. Eu realmente quero saber mais sobre ela.

Observando o lugar, não gostei do que vi. É literalmente um bar com bebidas, pessoas comendo salgados e assistindo a um jogo de futebol americano.

Sally riu.

-Você tem um rostinho bonito, faça uma expressão a altura – ela piscou e foi até uma mulher alta que estava com o cabelo preto preso em um coque.

-Iai, Lydia – Sally sorriu.

-Oi menina – Lydia sorriu e alargou ainda mais quando me viu – Em! Que bom que você realmente veio me ver!

-Se conhecem, então? – Sally olhou Lydia com um ar provocativo e a mesma fechou a cara.

-Sallyane – Lydia a olhou firme – Pegue a chave – ela estendeu o braço – E pare de gracinhas.

Lydia que parecia tão calma estava até vermelha e ao contrário de mim, na maioria das situações, não é de vergonha. Disso tenho certeza.

  -Até depois – sorri para Lydia tentando amenizar a situação.

-Tudo bem – ela suspirou parecendo se acalmar.

Por mais que Sally já tivesse saído do meu campo de visão, eu havia visto para onde ela foi e a segui. Desci uma escadaria, mas em um ponto, parei.

A onde será que isso me lavará? O lugar me parece escuro. Até demais.

Balancei minha cabeça em negação. Eu tenho que parar de pensar esse tipo de coisa. Sally foi para lá e Lydia não me impediu de descer.

 Cruzei uma porta que estava aberta e o lugar em que eu entrei. Meu Deus. É completamente diferente de lá de cima.

É literalmente um salão de jogos.

-O que é isso? – apontei para uma máquina estranha.

-Qual? Tem de jogos e de sorvete – Sally que estava de costas não havia visto que eu apontava.

Examinei bem o aparelho. Pelas variadas corem deduzi ser uma máquina de sorvete.

-Sorvete, acho.

-É de sorvete sim – Sally afirmou caminhando até ela.

-Quer de que? – Sally ligou a máquina que por sua vez começou a fazer um zumbido irritante.

-Tem de flocos? – sorri meio tímida – É o meu preferido.

-O meu também – Sally sorriu de volta, mas não tímida. Ela não parece ser nem um pouco tímida.

Sally me deu o sorvete e comecei a andar pela sala.

Parei em frente a um quadro negro com várias fotos de vários lugares coladas.

-Fascinante, não? – Sally se aproximou de mim.

Concordei com a cabeça.

-As pessoas que frequentam aqui embaixo sempre deixam suas viagens registradas – ela suspirou – meu sonho sempre foi viajar para ele lugar – Sally apontou para uma foto que eu automaticamente reconheci.

      -Manhattan? – por mais que soubesse a resposta, achei mais educado da minha parte em perguntar.

-Sim – ela sorriu animada – Já esteve lá?

-Já – acabei sorrindo com a lembrança que automaticamente me veio à mente.

 

Flash Back On

-Oh meu Deus, Cooper - eu e Stefan nos entreolhamos e corri abraçá-lo - Você deveria sempre estar bêbado.

-Emminha está na hora de mimir - Cooper começou a fazer gestos de ordem com a mão.

-Cooper! – minha mãe parou de conversar com a tia Karen e a senhora Medonza e chamou-lhe a atenção – Não haja como uma criança de vinte e dois anos bêbada!

-Mas mãe, ele é muito melhor bêbado – Stefan riu.

-E você na sua – ela o fitou firme.

Acabei rindo da cena.

-Não Clara. Eu não vou pegar bebida para você – olhei discretamente para o lado e vi Nath e Clara discutindo.

-Mas Nathzinho – ela choramingou – Você e a Emma estão bebendo.

Revirei os olhos, já irritada. Eu não suporto a Clara. Ela é terrível e para completar fica o tempo todo tentando me colocar para baixo. Como se isso fosse fazer o Nathaniel prestar mais atenção nela do que em mim.

Em aparência ela é uma gracinha.

Magrinha, baixinha, loira, olhos azuis, e o rostinho mais fofo que eu já vi.

Ela tem catorze anos e age como se tivesse nove.

-Nós estamos acostumados a beber vinho e nossos pais permitiram, Clara. Os seus deixaram bem claro que é melhor você ficar longe da bebida – ele a olhou severamente.

-Tá bem... – Clara murmurou – Mas só porque você está pedindo Nathzinho – ela sorriu e eles chegaram até mim – Ah, oi Emma.

-Oi Nath e oi Clara – sorri como se não estivesse a ponto de dar um tapa naquele rostinho de barbie.

-Eu peguei para você – Nath me estendeu uma taça de vinho.

-Obrigada – sorri para ele tentando ignorar totalmente a presença da Clara – Clarinha, por que você não pega um refri? – sorri amigavelmente para ela.

Ela parou um pouco para pensar.

-Ah, tá bem! Vamos lá, Nath? – Clara piscou os olhinhos.

-Eu preciso resolver umas coisas com a Emma, Clara – ele ficou meio vermelho. O que sempre acontece quando ele mente – Vai lá e volta aqui, pode ser?

Meio a contragosto – e pela minha surpresa – Clara concordou.

Mas também, depois de falar tanto, ela deve estar precisando de algum refresco.

Quando ela saiu, olhei para Nath esperando ele falar algo.

-Você está muito bonita – ele sorriu.

-Obrigada – sorri meio tímida – Você também.

-Desculpe, eu sei que você não é a maior fã da Clara – ele pareceu constrangido com a situação.

-Os pais dela são legais – dei de ombros.

-Nathaniel – ouvimos tio Derek o chamar – Venha cá, meu filho – ele pediu.

-Me espera só um pouquinho, raio de sol – Nath pediu meio contrariado e foi em direção ao seu pai.

Me virei procurando Cooper e Stefan, mas eles não estavam mais no mesmo lugar.

Suspirei meio frustrada, mas nem tive tempo de pensar quando senti algo molhada e frio em mim.

-Ai meu Deus – me virei rapidamente e vi Clara me olhando e tentando segurar o riso – Foi sem querer, Em!

Olhei para o meu vestido. O refrigerante havia sido totalmente derramado em mim. Em um impulso, quase virei o vinho em sua cabeça, mas achei melhor me conter.

-Como pode? – sussurrei vendo a lambança feita.

Clara deu de ombros fingindo estar ressentida e eu apressei meus passos para o banheiro.

***

Abri a porta sem o menor cuidado e me segurando para não chorar, mas assim que adentrei, outra cena me chamou a atenção.

-Camille? – balancei a cabeça constatando se realmente vi o que vi.

Camille estava sentada no chão do banheiro com seus sapatos em sua mão.

-Oi Em – ela disse meio desanimada, mas logo me olhou e estreitou os olhos – O que aconteceu com o seu vestido?

-O que aconteceu com os seus sapatos? – pensei melhor – A Clara jogou o refrigerante dela em mim, sabe um “acidente” – revirei os olhos.

Camz pareceu constrangida.

-Hm, eu meio que não consigo andar com isso – algo me diz que se sua pele fosse bem clarinha, sua bochecha teria pegado fogo.

-Ah – pensei um pouco – Qual seu número?

-Trinta e seis – ela olhou para mim meio curiosa.

-Aqui – lhe estendi as minhas sapatilhas azuis, da mesma cor do meu vestido e ela automaticamente me deu seu salto bege – É bonito – sorri – Agora uma de nós vai poder voltar a festa.

Camille negou com a cabeça.

-Nenhuma de nós vai a festa – ela afirmou – Conhece a Escadaria do Met? – neste momento nós duas sorrimos em cumplicidade e eu entendi perfeitamente o que ela queria.

-Sua câmera está em sua bolsa, não é? – olhei para o objeto prateado.

Camille sempre foi apaixonada por fotografia.

Ela concordou com a cabeça levantando.

Saímos o mais rápido que conseguimos daquela festa. O ambiente todo estilo balada já estava me fazendo enjoar. Não era a primeira vez que eu iria para o Met, na verdade. Rezei para que eu realmente soubesse o caminho, era perto, disso tenho certeza.

Não demorou para chegarmos. Camille foi na minha frente, deslumbrada.

-Oh meu Deus, Em! – É tão lindo... – ela sorriu se sentando na escadaria.

-É, não é? – sorri meio boba.

A noite a sensação era completamente diferente.

-Você não ia mesmo ir para a festa, Camz? – a fitei.

-É meio estranho, Em...eu fiquei tão feliz por também ter vindo, mas as vezes... – ela não quis continuar, como se fosse melhor guardar a conclusão para ela.

-Tudo bem – a abracei meio sem jeito devido o fato de estarmos sentadas – Você não tem que dizer.

-Não – Camille negou – Eu tenho. A sua família é maravilhosa comigo, mas a sua avó ainda está certa. Eu não sou desse meio.

-Não – concordei – Não é. Você é muito melhor que todos eles juntos.

Ela sorriu e eu acabei sorrindo também.

-Acha que o Cooper vai dar nossa falta?

Eu ri.

-Fica sossegada, Camz, o bêbado foi colocado na cama pelo Stefan – nós nos entreolhamos rindo.

-Não acredito que perdi isso.

-Daqui a pouco é ano novo – Camz me olhou após fitar a hora em seu relógio.

-Com certeza será um bom ano – eu sorri – Ano que vem eu vou fazer de tudo para estarmos aqui de novo – sorri.

-Eu também, Em – ela sorriu.

Flash Back Off

Me senti mal. Esse ano não será como o outro. Nem de longe será. O meu ano novo não vai ser com a família toda em Nova York. Eu nem sequer tenho mais a família toda.

-Você tá legal? – Sally me fitou meio preocupada.

-Não – respondi meio nostálgica – Mas vou ficar. 


Notas Finais


Hey ^^

Obrigada por lerem <3 espero que tenham gostado.
Qualquer dúvida, sugestão, comentário, crítica ou elogio, ficarei muito feliz de responder <3

XOXO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...