História Sunshine - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias G-Friend
Personagens Eunha, SinB, Sowon, Umji, Yerin, Yuju
Tags Eunha, Gfriend, Sinb, Sinrin, Sowon, Umji, Wonha, Yeju, Yerin, Yuju
Visualizações 193
Palavras 5.288
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, FemmeSlash, Fluffy, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ayo Buddies! *-*
Muito contente em saber que vocês tem gostado da história. Muito obrigada por acompanharem! <3
Nos vemos nas notas finais! Boa leitura! ;)

Capítulo 5 - Capítulo 4: encantos


Eu estava maravilhada. SinB acabava de me surpreender novamente. Nossa professora de dança havia pedido para o início das aulas que cada uma de nós escolhesse uma música e dançássemos livremente em uma curta apresentação para a turma. Uma a uma, cada uma das meninas presentes foi se apresentando. Algumas arriscavam alguns passos de hip hop, outras apresentavam algum cover de coreografias de artistas conhecidos.

Eunha havia performado alguns passos sexy de dança, o que resultou numa apresentação que levou sorrisos divertidos aos nossos rostos e um biquinho em seus lábios, porque ela confessou baixinho para nós quando voltou ao seu lugar que ela queria assovios. Tive que morder meu lábio para evitar o comentário que o sorriso enfeitiçado da sala por sua apresentação estava nos lábios de Sowon, que em momento algum retirou os olhos de Eunha. Podia jurar que minha amiga sequer havia piscado durante a apresentação.

Yuju se apresentou em seguida, executando perfeitos passos de balé e arrancando exclamações encantadas, palmas e sorrisos de todas as meninas presentes. Meus olhos seguiam avidamente cada salto, giro ou esticada de pernas e braços de Yuju. Ouvi SinB ao meu lado soltar vários ‘uau’ a cada passo de Yuju e sorri para a reação dela. Eu mesma ainda ficava sem palavras para descrever a beleza que era Yuju dançando. A postura de seu corpo; a extensão que a linha de seus braços formava; a expressão séria, concentrada e perfeita que seu rosto exibia; a boca meio entreaberta, o olhar intenso. Fortes aplausos preencheram a sala quando Yuju finalizou com uma mesura e um tímido sorriso. As palmas de minhas mãos ficaram vermelhas do quão forte havia aplaudido. Minhas exclamações elogiando Yuju de linda só foram interrompidas quando a professora sinalizou que era minha vez.

Na minha apresentação escolhi uma música animada que me permitisse dançar livremente e me divertir com a melodia. Meus braços, ombros e quadril mexiam-se ao ritmo das batidas que tomavam conta da sala. Aos poucos comecei a bater palmas harmonizando com o ritmo da música, e palmas das meninas e de nossa professora me acompanharam até o final da apresentação. Na parte final da dança eu tinha ficado de frente para a professora, e acabei transformando minha última batida de mãos em uma que acabasse soltando um beijinho no ar para ela, fazendo-a rir. Ao me virar para meu lugar, notei Yuju e SinB revirando os olhos para meu último comportamento, o que me fez rir e mandar outros beijinhos na direção delas.

E então havia chegado a vez de SinB se apresentar e eu estava curiosa para ver SinB dançando. Todas as outras meninas eu já havia visto o jeito de dançar de cada uma, mas com SinB seria a primeira vez. Mordi meu lábio ao escutar os primeiros acordes da música que ela havia escolhido. Era uma música com uma batida forte que pedia por uma dança tão envolvente quanto à música. Mal SinB começou a dançar e ela já tinha capturado toda a minha atenção. Seu corpo executava com uma naturalidade incrível cada passo na dança. Eu tinha minha boca aberta à medida que suas pernas, braços, quadril e ombros balançavam ao ritmo da música. Meus olhos acompanhavam intensamente cada movimento das curvas do corpo de SinB; sentia minha pele se arrepiar ao vê-la deslizar as mãos pela cintura seguindo as batidas da música; voltei a morder meu lábio ao ver SinB rebolar na coreografia. SinB dançava tão naturalmente que tornava ainda mais prazeroso vê-la dançando.

Exclamações, palmas e gritinhos animados preenchiam a sala à medida que a música ia se encerrando. Eu estava tão absorta olhando SinB dançar que só tinha consciência que minha boca continuava levemente aberta e não conseguia sequer liberar o aperto de minhas mãos em meus joelhos para aplaudi-la. Quando SinB finalizou sua apresentação ela estava de frente para mim, com um sorriso enorme no rosto. Um sorriso ainda mais lindo e grandioso do que qualquer outro que eu tenha visto até então. E aquele sorriso me tirou o ar. Linda. E a única coisa que poderia fazer no momento era deixar que um sorriso semelhante acompanhasse o seu. Senti meu coração dar um sobressalto quando SinB piscou para mim. O que quer que fosse que aquela garota tinha, eu sabia que estava me tomando como refém daquele sorriso.

Ouvia os murmúrios da professora e das outras garotas a elogiando pelo desempenho enquanto ela voltava a se sentar ao meu lado, mas eu ainda me sentia extasiada para prestar atenção aos por menores. Apenas registrei brevemente que a professora havia pedido para as meninas continuarem com as apresentações, mas não conseguia prestar atenção em nada que não fosse as imagens que havia registrado da garota ao meu lado dançando.

SB: “Que foi?” Ela havia virado o rosto em minha direção. Eu continuava olhando para SinB descaradamente e ainda não havia a parabenizado pela dança. “Yerin?” Ela passou a mão em frente aos meus olhos, me fazendo piscar.

YR: “Você dançando é... Uau!” Finalmente havia encontrado minha voz de volta.

SB: “Bem, obrigada, eu acho.” As bochechas de SinB haviam ficado um pouco vermelhas e ela havia sorrido apertando os olhos em minha direção.

YR: “Sério. É impressionante, SinB. É impossível tirar os olhos de você.”

SB: “Pare de exagerar. Eu só gosto muito de dançar.” Deu de ombros.

YR: “Pude ver que sim, o que te deixa ainda mais linda.”

SinB tinha voltado a olhar as outras garotas dançando, mas dava para notar que ela realmente não prestava atenção. Ela me olhava pelo canto do olho e cobria a boca com uma de suas mãos para encobrir um sorriso.

SB: “Pare de me olhar, Yerin. Antes que a professora chame nossa atenção por não estar prestando atenção às outras meninas.” Falou baixinho.

Cheguei meu corpo mais para o lado de SinB, de maneira que estivéssemos sentadas ainda mais próximas.

YR: “Eu disse que é impossível tirar os olhos de você.” Sussurrei em seu ouvido e notei que SinB mordia o canto de seu lábio.

SinB empurrou seu braço contra o meu e eu retribui o gesto. Enfim voltei meu olhar para frente. Pelo canto do olho vi SinB se remexendo, e dessa vez ela que havia se sentado mais próxima de mim, quase fazendo a distância entre nossos lugares desaparecer. O braço dela tinha encostado ao meu e assim nós deixamos ficar. Era mínimo o contato entre nossas peles, mas era o suficiente para que o sorriso não abandonasse minha boca. E pude ver que a de SinB também.

**

A aula de dança havia finalizado sem que eu prestasse mais tanta atenção a ela, mesmo sendo sem sombra de dúvidas a aula prática que eu mais gostava e me interessava. Tinha ficado agradavelmente surpresa com as meninas dançando – todas eram muito boas e tinham um estilo próprio. Umji transparecia mesmo na dança seu jeito tranquilo de se portar, com movimentos sincronizados e harmoniosos; Sowon tinha elegância dançando, movimentos coordenados e precisos; Eunha esbanjava fofura dançando, mesmo quando tentava movimentos sexy na dança, eu tinha que admitir que ela ficava mais adorável ainda assim. Yuju era exuberante dançando balé, era inevitável não ficar encantada com seus gestos e expressões, o balé combinava com ela. E havia Yerin que era tão autêntica dançando, tão espontânea, tão vívida, tão... Yerin. Eu tinha gostado de vê-la dançando, de vê-la brincando com a música e com a coreografia. Yerin causava sorrisos inclusive dançando.

E ainda era cara de pau o suficiente para ficar de gracinhas mesmo com a professora. Não contive o revirar de meus olhos para o modo como ela mandou beijinho para nossa professora. No meu campo de visão também vi Yuju revirando os olhos para esse comportamento dela. Yerin ao retornar para seu lugar tinha notado nossas ações e acabou por mandar beijinhos também em nossas direções. Pensei que eu deveria revirar os olhos novamente para ela, mas aquela garota possuía aparentemente o dom de me fazer sorrir, mesmo com as atitudes mais bobas possíveis.

Quando foi a minha vez de dançar eu escolhi propositalmente uma música intensa, com uma batida provocante da qual eu gostava. Mais do que atrair a atenção da professora ou das meninas da turma, eu queria atrair a atenção da garota que era minha dupla. Podia não verbalizar isso, mas queria que Yerin prestasse atenção em mim. Enquanto deixava meu corpo sentir as vibrações da música livremente e agir por vontade própria, para além dos olhares sobre mim, eu sentia um em especial, quase que queimando em minha pele, e eu tinha quase certeza de a quem pertencia aquele olhar.

No fim da música eu escutei os aplausos das demais pessoas na sala, mas francamente apenas uma reação me interessava no momento. E o sorriso que enfeitava meus lábios durante a apresentação só aumentou ao encontrar o olhar de Yerin e ver o que ela tinha achado. Tive que me controlar ao máximo para não rir de sua reação abobalhada, ela tinha a boca entreaberta enquanto me olhava. E quando sorrio para mim, eu só pude sorrir ainda mais, porque eu tinha a atenção dela, e aparentemente a havia surpreendido também.

Quando voltei a me sentar ao lado dela, eu não podia esconder que estava satisfeita por ter conseguido chamar sua atenção. Só que aparentemente Yerin também não queria facilitar minha vida porque ela me olhava de uma forma que até então ninguém havia me olhado, e eu não sabia se saberia lidar com isso. Mas estava disposta a tentar. Ela havia me elogiado pela forma de dançar, e nunca um elogio tinha me balançado tanto. Da mesma forma que me fazia sorrir, Yerin também tinha a habilidade de me deixar um pouco sem graça. Ela me afetava.

Ouvi-la sussurrar em meu ouvido que era impossível tirar os olhos de mim me fez arrepiar e tive que morder meu lábio para não deixar um suspiro audível me escapar. Nós estávamos próximas, mas eu desejava mais contato com a menina ao meu lado, que enfim tinha tirado os olhos de mim. Por isso me aproximei mais, deixando nossos braços se resvalarem novamente e assim permanecer. Era tudo muito novo, mas estar perto de Yerin me fazia muito bem, me encantava.

O restante das apresentações ocorreu de maneira tranquila, eu já não prestava tanta atenção como no início, porque minha atenção estava dividida entre as meninas apresentando e a garota sentada ao meu lado. Yerin e eu não voltamos a nos falar, mas ficamos nos comunicando durante toda a aula, fosse por olhares de canto de olho, fosse cutucando a outra com nossos braços. O único momento que obteve toda nossa atenção de volta à aula foi quando a professora comunicou o motivo de termos sentado em duplas.

As duplas formadas iam preparar apresentações de dança para se apresentarem futuramente nas aulas. Teríamos total autonomia para decidir como seria essa apresentação, fosse o gênero, a coreografia, a música, a encenação, o vestuário. E que parte das aulas serviria como ensaio e outras de estudos dos estilos de dança, até que decidíssemos como gostaríamos de nos apresentar. Mal a professora terminou de falar, gritinhos, risos e palmas preencheram a sala. A ideia era muito boa. O barulho de nossas vozes se misturando só foi cessado quando o sinal soou indicando o término das aulas.

YR: “Isso vai ser muito bom!” Yerin havia levantado em um pulo. Ela estendeu a mão para me ajudar a levantar.

SB: “Yeah, a ideia é muito boa! Vai ser interessante.” Tinha pegado em sua mão e ela havia me puxado para cima com força. “Uou! Você é forte, Yerin.” Tinha me desequilibrado um pouco, mas Yerin havia me segurado.

YR: “Um pouco.” Deu de ombros.

Nós duas estávamos de frente uma para a outra até o momento que Sowon se aproximou, colocando os braços ao redor dos meus ombros e dos de Yerin, fazendo-nos caminhar com ela para fora da sala.

SW: “Definitivamente vai ser a melhor aula desse semestre.” Tinha dito animada. Acenei concordando com ela.

EH: “E a ideia da professora também é sensacional.” Eunha tinha empurrado Sowon e eu para lados opostos ao passar por nós e parar na nossa frente com uma expressão animada. “As ideias na verdade tem sido ótimas! Primeiro a nossa peça” falou apontando pra Sowon e pra si “e agora performances de dança!” finalizou com uns pulinhos.

UJ: “Vocês já tem alguma ideia do que vão querer dançar?” Umji tinha colocado os braços ao redor da cintura de Eunha para contê-la.

YJ: “Nenhuma ainda especificamente.” Yuju tinha abraçado Yerin por trás.

EH: “Nós vamos fazer uma apresentação cute sexy.” Eunha apontou o dedo para Yuju que arqueou a sobrancelha para ela.

SB: “Você fica com a parte cute e Yuju a sexy, né baixinha.” Tinha apertado as bochechas de Eunha e as meninas explodiram em risadas.

EH: “Volta aqui, SinB!” Eunha tinha tentado me beliscar, mas eu tinha corrido para longe dela e ela estava atrás de mim agora. Tínhamos nos distanciado das meninas que rindo seguiam para o pátio do colégio.

Dei a volta e corri em direção onde as meninas estavam, Sowon era a mais próxima então comecei a correr ao redor dela com Eunha tentando me alcançar.

SW: “Ok crianças, parem com isso!”

Sowon havia capturado Eunha em seus braços e levantando-a um pouco do chão. Eu estava rindo de Eunha, que esperneava nos braços de Sowon, e estava a ponto de provocá-la quando senti um braço envolver por trás minha cintura e me puxar para perto. Virei meu rosto apenas para encontrar o sorriso divertido de Yerin.

YR: “Não que eu não goste de provocar a pequena sexy diva, mas dê um tempo a ela agora.” Ela piscou para mim antes que deslizasse o braço de minha cintura.

UJ: “Francamente vocês duas parecem ser mais novas do que eu.”

YJ: “Toda razão, Umji.”

Eunha e eu exclamamos ao mesmo tempo um ‘hey’ para as meninas. Eunha já havia se libertado do abraço de Sowon e tinha dado um tapinha na testa de Umji. Enquanto eu havia cutucado as costelas de Yuju com meu braço.

EH: “Foi SinB que começou!”

SB: “Só porque eu disse que você fazia a parte cute e Yuju a sexy?” Falei arrancando mais risos das meninas.

EH: “Urg! Vou embora. Tchau para vocês!”

Eunha revirou os olhos para nossas risadas e ameaçou caminhar para longe de nós, mas Yerin agarrando sua mão puxando-a de volta a impediu.

YR: “Vai pra canto nenhum sem nós, sexy diva.” Tinha colado o braço ao redor dos ombros de Eunha e deixava vários beijinhos na bochecha dela.

YJ: “Você sabe que gostamos de te provocar, Eunha.” Yuju tinha bagunçado o cabelo de Eunha.

EH: “Não sei qual a graça nisso.”

UJ: “Você fica ainda mais fofa, unnie.” Nós acenamos concordando e voltamos a caminhar, deixando o colégio.

SB: “Até mesmo mais sexy.” Eunha me olhou com os olhos semicerrados e soltei um beijinho para ela, que acabou revirando os olhos antes de rir.

Yerin, Eunha e Yuju caminhavam alguns passos a frente. Umji tinha ligado o braço ao meu e Sowon havia passado o braço sobre meu ombro.

SW: “Agora que as crianças já gastaram energia, o que acham de tomarmos sorvete?” Mal Sowon terminou de falar, todas nós já estávamos falando ao mesmo tempo, aprovando a ideia.

YJ: “Muito boa ideia, Sowon! Vamos!”

EH: “Finalmente alguém aqui tem coisas boas para falar.” Eunha havia parado a nossa frente novamente e tinha puxado Sowon pra junto de si.

UJ: “Vocês podem continuar caminhando, por favor? Eu quero sorvete. Anda!”

Umji tinha segurado uma das mãos de Eunha e saiu puxando-a consigo, arrastando Sowon por consequência. Yuju, Yerin e eu estávamos rindo das três garotas à frente, enquanto caminhávamos um pouco mais devagar.

YJ: “Hey SinB!”

SB: “Yeah”

YJ: “Então acha que a parte sexy da apresentação ficaria comigo, é?” Yuju me olhava de um jeito divertido.

Eu tossi um pouco porque não esperava a pergunta. Yerin deu risada de mim antes de dar leves tapinhas nas minhas costas. Limpei a garganta antes de voltar a falar.

SB: “Você sabe, Eunha faz mais o estilo cute sexy, você parece se encaixar melhor na parte sexy, Yuju.” Dei de ombros quando Yuju arqueou uma sobrancelha pra mim.

YR: “Eu concordo com a SinB, baby.” Yerin tinha piscado para Yuju que havia corado um pouco.

YJ: “Bem, obrigada, eu acho.”

SB: “Yeah, agora vamos andar mais rápido, que aquelas três já avançaram muito.” Falei apontando para as três meninas que já passavam pelo caminho das cerejeiras.

YR: “Vamos! Que eu também quero sorvete!”

Yerin tinha segurado minha mão e a de Yuju, começando a andar mais rápido e nos puxando junto.

YJ: “Esperem!” Yuju havia parado nos fazendo parar também. “Que tal uma corrida?” Olhava para mim e para Yerin com um sorriso divertido. Vi Yerin morder o lábio antes de olhar para mim.

YR: “Eu topo!”

SB: “Quem perder paga os sorvetes das outras duas.” Estiquei meu dedinho para elas. Vi Yerin e Yuju se olharem antes de soltarem risadinhas e franzi a testa para elas. “E então?”

YR: “Combinado!” Yerin juntou o dedinho com o meu e Yuju fez o mesmo.

YJ: “Ok! Na contagem do três.” Nós tomamos nossas posições. “Um...”

YR: “Dois...”

SB: “Três!”

E nós começamos a correr. As pessoas que transitavam pelas ruas poderiam pensar que erámos três garotas bobas, mas pouco me importava. No momento a única coisa que me importava era o som dos risos que escapavam de nós e, claro, ganhar daquelas duas.

**

EH: “Eu acho que vocês deveriam ter feito uma aposta melhor, por exemplo, que pagasse os sorvetes de todo mundo, não só os de vocês duas.” Eunha tinha acabado de mergulhar a colher no sorvete novamente.

YJ: “Da próxima vez vocês não nos deixem para trás e fazemos essa aposta.” Yuju piscou para Eunha.

YR: “Yeah, não seria justo com a SinB, já que vocês não estavam na corrida.” Dei de ombros.

SB: “Justo com a SinB também seria as duas terem avisado que eram boas corredoras.” SinB tinha um beicinho em seus lábios enquanto resmungava.

YJ: “A ideia da aposta foi sua.”

SB: “Porque eu achei que erámos todas amadoras e não que estaria competindo com profissionais.”

A mesa onde estávamos explodiu em risadas, atraindo alguns olhares das outras pessoas presentes na sorveteria. Sowon, Eunha e Umji estavam sentadas de frente para SinB, eu e Yuju. Na aposta que fizemos SinB saiu perdendo, por isso havia pago os sorvetes meu e de Yuju. Não sem ficar resmungando que não havia sido uma corrida justa, considerando as diferenças grandes em que chegamos à sorveteria, onde Sowon, Eunha e Umji nos esperavam.

EH: “Ai como é bom não ser o alvo das provocações para variar.” Eunha tinha atirado uma bolinha de papel em SinB.

UJ: “Vocês duas não recomecem.” Umji bronqueou enquanto roubava um pouco do sorvete de Eunha.

SW: “Na verdade, a aposta era basicamente entre você e a Yennie, SinB. Yuju é a mais rápida entre nós. Sem chances de vocês ganharem dela.”

YJ: “Obrigada, Sowon unnie.” Yuju tinha mandado um beijinho para Sowon.

SB: “Então você sabia o tempo todo que era entre nós duas a aposta?” SinB tinha se virado para mim, me olhava com os olhos semicerrados.

YR: “Uhum, o tempo todo.” Pisquei para ela. “Obrigada pelo sorvete, SinB.” Deixei um beijo gelado em sua bochecha.

SB: “Vou querer uma revanche, Yerin.” Tinha cutucado minha bochecha. “Mas não vai ser corrida.” Acrescentou rapidamente e eu ri. “Agora me deixa provar um pouco desse sorvete.” SinB tinha se servido do sorvete que eu havia escolhido.

YR: “Tudo bem, você tem direito a sua revanche, quando souber em que me fala. Agora a aposta também vai ser outra.” SinB arqueou uma sobrancelha para mim e eu dei de ombros. “A gente decide o que depois.” Acrescentei e SinB sorriu concordando. “Gostou do sorvete?”

SB: “Gostei, mas prefiro o meu.”

YR: “Me deixa provar.” Abri a boca e SinB trouxe uma colherada de seu sorvete até mim. “Hum, bom... mas acho que os dois juntos ficavam melhor.”

SB: “Na próxima a gente pede os dois juntos para ver como fica.” Falou voltando sua atenção para o sorvete. E eu prendi um sorriso porque eu tinha outra ideia para experimentar os sorvetes juntos, uma que bastava SinB experimentar o dela e eu o meu, e deixar nossos lábios se entenderem depois. Mordi meu lábio e sacudi a cabeça, não era hora desses pensamentos.

Voltei a prestar atenção às meninas. Eunha tinha acabado de pedir para experimentar o sorvete que Sowon pediu. Sowon tinha imediatamente atendido ao pedido de Eunha, levando uma colherada até a boca da mesma. Fiz um esforço para não rir do olhar fixo que Sowon tinha sobre os lábios de Eunha, enquanto ela tinha os olhos fechados, saboreando o sorvete.

EH: “Hm! Delicioso! Obrigada, Sowon unnie.”

Eunha tinha deixado um beijo rápido na bochecha de Sowon, pegando-a desprevenida com o gesto repentino e fazendo-a corar. Mas a baixinha não percebeu e logo se voltou para Umji, buscando mais sorvete outra vez. Vi Sowon fechar os olhos rapidamente, antes de erguer o rosto encontrando meus olhos em si. Sorri para minha amiga que timidamente sorriu de volta, e depois voltou para seu sorvete.

Virei-me para o lado e meu olhar caiu sobre o sorvete que Yuju havia pedido, era um dos meus preferidos e Yuju estava distraída olhando a avenida através da janela do local. Aproveitei para aproximar minha boca do sorvete e experimentá-lo. Quando me distanciei, meu movimento chamou a atenção de Yuju que se virou para me olhar. Tentei minha melhor expressão de inocente, mas Yuju semicerrou os olhos para mim.

YJ: “Roubando sorvete, hm.” Acenei negativamente para ela e Yuju riu. “Bem, você está com a prova do crime.” Eu franzi a testa para ela.

Yuju segurou meu queixo com uma de suas mãos e com a outra limpou um pouco de sorvete que havia no canto de meus lábios.

YJ: “Não deixe as provas do crime à vista assim, baby.” Ela piscou para mim antes de pegar mais uma colherada de sorvete pra si.

UJ: “Ah! SinB!” Umji comentou alto, atraindo a atenção de todas nós. “Com você e Eunha sendo crianças depois, eu me esqueci de comentar o quão bem você dança!” Umji tinha um sorriso grande no rosto.

SW: “Oh! Verdade! Dança muito bem mesmo, SinB.”

EH: “Vou deixar passar o comentário sobre ser criança dessa vez, Umji-ah” Eunha havia esbarrado seu braço em Umji “mas yeah, SinB, você dança bem demais! E nem parece fazer o menor esforço para isso.”

YJ: “Exatamente, Eunha! É muito natural o modo com dança, SinB. É muito bonito!”

SB: “Obrigada, meninas! Eu só gosto de dançar” deu de ombros “e vocês falam de mim, mas vocês se viram dançando! São todas muito boas!”

EH: “Nós todas realmente somos muito boas em dança.” O sorriso e o tom de voz convencido de Eunha nos fez rir. Mas ela tinha toda a razão, eu também achava que erámos boas.

YR: “Tem razão, sexy diva. Nós somos boas e é bacana que cada uma tem seu próprio estilo de dança também.”

UJ: “Isso unnie. Desde a tentativa de dança sexy da Eunha unnie...”

SW: “À dança animada da Yennie...”

YR: “Aos passos precisos de Sowon unnie...”

EH: “E o ritmo harmonioso de Umji-ah...”

SB: “Aos passos lindos de balé de Yuju...”

YJ: “Até os movimentos sexy da SinB.” Yuju tinha esbarrado em meu braço assim que terminou de falar.

SW: “Dá um bom conjunto!”

EH: “Muito!” Eunha tinha batido palmas.

Nós rimos e conversamos um pouco mais, roubando sorvete umas das outras, até que terminássemos nossos sorvetes. Era muito bom compartilhar esses momentos com minhas meninas. Durante as férias é do que eu sentia mais falta era estar com elas. Sorri para Sowon tentando roubar a última colher de sorvete de Eunha, que tentava afastar as mãos de Sowon, de Umji tentando distrair Yuju para pegar sorvete dela, e Yuju não se deixando enganar por Umji. E então meus olhos pousaram na minha mais nova menina, SinB. Tínhamos pouco tempo juntas, mas eu estava contente por ter SinB por perto, e gostaria que ela ficasse ainda mais. Sorri ao encontrá-la me olhando de volta.

SB: “Yerin, o que você vai fazer depois daqui?”

YR: “Hum, nada demais, só ia pra casa, fazer as atividades das aulas.” Dei de ombros e vi SinB morder o lábios. “Por quê?”

SB: “Ah, nada demais.”

YR: “Me fala, SinB.”

SB: “Hm, sei que está cedo, mas pensei que poderíamos começar a pensar na nossa apresentação da aula de dança, se estiver tudo bem pra você.” SinB mexia no restinho de sorvete derretido que havia em sua taça.

YR: “Acho uma ótima ideia!” Deixei o sorriso se espalhar pelo meu rosto. Eu não ia negar a oportunidade de poder passar um pouco mais de tempo na companhia de SinB.

SB: “Mesmo?” Ela tinha voltado a me olhar agora, um sorriso se formando em seus lábios. Acenei para ela. “Poderíamos começar hoje então?”

YR: “Claro! Pra onde a gente vai?”

SB: “Pode ser para minha casa, depois que a gente sair daqui.”

YR: “Ótimo! Bom que já descubro onde te encontrar.” Pisquei para ela que riu e empurrou seu ombro contra o meu.

Enquanto aguardávamos que todas terminassem os sorvetes, eu podia sentir um friozinho se espalhando em minha barriga. Eu só não sabia se era devido aos sorvetes ou pela ansiedade de passar um tempo a mais com SinB, e só com ela dessa vez.

**

Eu havia convidado Yerin para minha casa com uma desculpa cretina. Certo que precisaríamos eventualmente discutir e planejar a apresentação que gostaríamos de ter, mas tínhamos tempo para isso. E se fosse honesta comigo mesma, eu só queria passar um pouco mais de tempo perto dela. Queria que nos conhecêssemos mais e ficássemos mais próximas. Felizmente ela havia aceitado meu convite.

Quando saímos da sorveteria nos despedimos das meninas, porque minha casa ficava no quarteirão contrário ao que elas seguiam. Vi Yuju e Yerin se despedindo com um aviso que mais tarde se falavam. Eu ainda não sabia como funcionava a relação que Yerin tinha com Yuju, mas sabia que era diferente das que ela tinha com as outras meninas. No entanto, eu não tinha coragem o suficiente ainda para perguntá-la sobre.

Minha casa não ficava muito longe dali, por isso não demoramos a chegar. Durante o trajeto até minha casa, Yerin ia me indicando um ou outro ponto interessante, já que eu era nova naquela região e não conhecia muita coisa ainda. Yerin era uma pessoa tátil, por isso ao longo do caminho, nós caminhamos com nossos braços ligados. Pensei que poderia facilmente me acostumar com isso, como já estava me acostumando. Nossos braços só se distanciaram quando precisei abrir a porta de casa e dar espaço para que ela entrasse.

YR: “Seus pais estão –”

SB: “Fora. Basicamente só voltam à noite.” Dei de ombros.

YR: “Irmãos?” Acenei negativamente para ela. “Então fica só esse tempo todo?” Yerin tinha uma voz um pouco engraçada.

SB: “Basicamente sim.” Indiquei as escadas para ela enquanto começava subir os degraus. “Você acaba se acostumando.”

YR: “Ainda não me acostumei.” Olhei para ela com a testa franzida. “É a mesma coisa lá em casa, filha única e meus pais ficam o dia inteiro fora.” Foi a vez dela de dar de ombros.

SB: “E o que você faz então?” Disse enquanto abria a porta de meu quarto e a deixava entrar.

Yerin girou em torno de si mesma tendo uma visão 360º graus do meu quarto. Enquanto Yerin olhava cada canto do meu quarto, eu tinha me recostado à porta, observando-a. A decoração era bem clean. O lado direito era ocupado pela suíte e o closet; havia uma grande estante na parede oposta, preenchida com discos e mangás. Minha escrivaninha ficava ao lado da estante e no momento só estava ocupada com alguns livros, cadernos e notebook, e havia também um sistema de som anexo à escrivaninha. Alguns pôsteres de grupos e de dança completavam a decoração. A janela de meu quarto dava acesso à parte dos fundos da minha casa, e ficava próxima a um pinheiro de médio porte.

YR: “Gostei do seu quarto, SinB.” Ela enfim tinha posto os olhos em mim novamente.

Vi Yerin largar a mochila próxima à escrivaninha e caminhar em direção a minha cama, jogando-se nela, puxando um dos travesseiros para apoiar a cabeça e parecendo muito confortável.

Em qualquer outra situação eu teria bronqueado a pessoa que mal chegasse e já se atirasse em minha cama, eu sequer até então tinha convidado alguém para minha casa. Eram ações que costumavam a me incomodar, mas não me incomodaram quando vi Yerin as fazendo. Pelo contrário, a presença dela tinha deixado o ambiente de meu novo quarto mais confortável. Por algum motivo, eu me sentia bem a vendo aqui. E só conseguia perceber que aquela garota realmente estava fazendo as coisas serem diferentes dessa vez para mim.

Joguei minha mochila para perto da dela e repeti sua ação, me atirando em minha cama também. Enquanto Yerin estava deitada de costas, eu tinha me deitado de bruços, afim de que continuássemos nos vendo.

SB: “Você não respondeu minha pergunta.”

YR: “Hã?”

SB: “Sobre o que você faz pra não ficar só.” Repeti.

YR: “Ah sim! Basicamente me revezo entre a casa de Yuju ou Sowon.”

SB: “Eunha e Umji, não?”

YR: “Também, às vezes. As duas moram mais longe.”

Eu queria perguntar se era apenas pela questão da distância ser menor que costumava se revezar entre as casas de Sowon e Yuju, mas honestamente eu não sei se queria ouvir a resposta já.

SB: “Mais longe do que a minha?”

YR: “Na verdade, sua casa não fica muito longe da minha também, SinB.” Yerin sorriu pra mim. “O que significa...”

SB: “Significa?” Arqueei a sobrancelha.

YR: “Que pode se acostumar comigo aqui também, porque gostei do seu quarto.” Ela piscou e eu dei risada. “E também se acostumar a ir lá em casa.”

SB: “Ainda não sei onde é sua casa.”

YR: “Vai saber, o próximo ensaio a gente faz lá.” Acenei pra ela, me virando e deitando de costas para a cama também, encarando o teto. “SinB?”

Yerin havia virado o rosto em direção e eu retribui o olhar dela. A mão dela tinha pousado sobre meu antebraço e tinha deixado um leve aperto nele.

YR: “Nenhuma de nós precisa passar tempo sozinha, ok? Estou aqui, SinB.” Yerin tinha um pequeno sorriso em seus lábios.

Era uma sentença tão simples, mas que havia feito minha pulsação acelerar. Eu via nos olhos de Yerin que ela estava sendo sincera e sabia que podia confiar nela. E eu confiava. Deixei que o sorriso em minha boca retribuísse ao seu. Coloquei minha mão sobre a sua que ainda repousava em meu braço e apertei meus dedos sobre os seus.

SB: “Eu sei que está, Yerin. Nós estamos.” Nós sorrimos uma para a outra.

YR: “Ótimo! Agora vamos ver o que você tem na sua playlist!” Disse levantando-se, indo em direção a minha estante. “Ah! E me lembra de trazer umas pelúcias para você, é isso o que tá faltando em sua cama.” Disse por cima do ombro.

Eu tinha pegado o travesseiro em que ela tinha deitado e o abraçado sem ao menos perceber o que estava fazendo. Tinha fechado meus olhos por um segundo enquanto deixava Yerin examinar meus discos. Abrindo-os logo em seguida e me sentando rapidamente na cama ao processar a última parte de sua fala. Yerin havia dito... pelúcias? Oh não!


Notas Finais


E então... o que acharam?! ~curiosa~
Segurem-se que lá vem overdoses de SinRin por aí! E vocês sabem que eu amo meu OT3, não é? hahaha
Wonha shippers: segurem-se amores! *-*
O capítulo da próxima sexta é o maior que eu já escrevi, gente (quase 8.000 palavras para vocês). E vou postá-lo durante a tarde da próxima sexta, porque à noite a unnie aqui tem compromissos na faculdade ~party time~ ;)
Beijinhos e espero vocês! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...