História SuperCorp - Capítulo 189


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ever After High, Riverdale, Supergirl
Personagens Alex Danvers, Apple White, Cat Grant, Cheryl Blossom, Darling Charming, Eliza Danvers, J'onn J'onzz "John Jones" (Caçador de Marte), Kara Zor-El (Supergirl), Lucy Lane, Veronica Lodge, Winslow "Winn" Schott Jr.
Tags Cheronica, Lena Luthor, Maggie Sawyer, Sanvers, Supercorp
Exibições 134
Palavras 2.680
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Romance e Novela, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Intersexualidade (G!P), Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Comentários eu volto a posta

Capítulo 189 - "Pelo Mundo" Traição


Fanfic / Fanfiction SuperCorp - Capítulo 189 - "Pelo Mundo" Traição

EU.

"Outra vez!", Gritou Hyperion. Lena rangeu os dentes, segurando a espada em sua mão esquerda, seus olhos queimando o meio sangue em frente a ela. Um filho de Ares que ela não se preocupou em aprender o nome de. Ele pegou a espada que Lena tinha batido fora de sua mão poucos minutos antes. Agarrando a alça com ambas as mãos, ele começou a círculo Lena novamente. Ela sorriu, erguendo uma sobrancelha provocando-o.

"C'mon meia-sangue. Você pode fazer melhor. "Ela taunted, de pé no lugar, mas seguindo seus movimentos de perto. Ela sabia que seu pai estava observando seus movimentos de perto, verificando se havia alguma fraqueza. Ela se esticou, antecipando o primeiro movimento do garoto. Ia fazê-lo atacar primeiro. Uma de suas maiores habilidades em batalha, sua paciência. Ela esperaria que seu oponente cometesse um erro primeiro, mantendo sua defesa apertada até que alguém deixasse um flanco aberto ou uma perna indefesa. Então ela atingiu com precisão mortal e precisão.

O filho de Ares finalmente saltou depois de alguns minutos de analisar a situação. Ele deu um passo à frente, fingindo para a esquerda antes que ele pulou para a direita. Lena estreitou os olhos para o sutil falso. Ela não estava prestes a se permitir ser apanhada, em vez disso, encontrando a grande espada de duas mãos de seu oponente com suas próprias espadas, o metal se chocando em voz alta. Ela torceu e empurrou com força contra a grande espada, a lâmina saindo das mãos do meio-sangue para o chão enquanto a força do impulso de Lena fazia com que a meia-alma voltasse, quase perdendo o equilíbrio. Lena apenas bufou.

"Patético." Ela disse, armando suas próprias espadas. "Pai, o suficiente disso. Ele precisa de mais treinamento. Isto é um desperdício de ambos os nossos tempos. "Ela insistiu e Hyperion concordou com a cabeça. Ele se virou para o meio-sangue.

"Reed, se você quiser permanecer no nosso exército, suas habilidades precisam melhorar. Rapidamente - disse ele perigosamente. "Nós não temos nenhum uso para halfbloods que pode ser desarmado pelo mais simples dos movimentos. Deixe-nos. "Ele disse, o meio-sangue que Lena supôs ser Reed, inclinou a cabeça, não querendo encontrar nem Hyperion nem o olhar flamejante de Lena, pegando sua espada e se apressando.

- Esses meia-sanguessugas não têm esperança - disse Lena, cruzando os braços. "Se você quiser derrubar os deuses, eles terão que ser treinados mais e mais rápido. Caso contrário, serão mais cinco anos até que sejamos prontos. "Lena aconselhou. Hyperion apenas suspirou.

"Nem todos eles podem aprender tão rapidamente como você Lena. Você conseguiu muito em apenas dois anos. Um mestre de luta de espadas de dupla lâmina. Uma prática que leva mais anos para realizar e somente depois que eles são proficientes com uma lâmina. Sem mencionar o controle total de seus poderes. Lena fez uma careta. Seu pai tinha razão, é claro. Seu regime de treinamento tinha sido brutal. E provavelmente teria matado um meia-sangue normal.

Mas ela era tudo menos normal.

Hyperion olhou para o relógio, aproximando-se das nove horas da noite. "Descanse um pouco, Lena." Ele disse, acariciando-a firmemente no ombro. "Amanhã é outro dia. Outro batalhão de telekhines chega amanhã. "Lena revirou os olhos, mas assentiu levemente. Ela saiu da arena de treinamento, sua capa vermelha balançando-a atrás dela.

II.

Lena abriu a porta de seu quarto, desatando suas espadas embainhadas de suas costas, pendurando-as em um armário de armas na parede junto à porta. Ela então tirou a capa da armadura, pendurando-a num gancho antes de se sentar na cama. Ela suspirou, inclinando-se para soltar as botas e remover a armadura. Ela normalmente não usá-lo em torno do castelo, mas seu pai tinha instruído a usá-lo para o treinamento naquele dia. E, claro, ela concordou. Uma vez que suas botas foram desmontadas e jogadas no canto, ela olhou para a crista grande em sua armadura, pressionando sua mão contra ela. O símbolo do sol em seu peito que também foi queimado em seu pulso brilhava ouro. A armadura começou a retrair, encolhendo de seu corpo até que só se assemelhava a um cinto dourado em torno de sua cintura.

Sua armadura, mais semelhante a um terno mech em construção, embora menos volumosos do que qualquer coisa que um ser humano poderia inventar, tinha sido um presente de seu pai. Após a conclusão de seu treinamento um par de meses atrás, ele tinha lhe dado a armadura juntamente com suas espadas dupla que ela usava orgulhosamente. Ela cuidadosamente começou a desembrulhar as tiras de pano que ela em torno de suas mãos e pulsos. Ela descascou o tecido no pulso direito para revelar a marca que seu pai tinha queimado em sua pele, um lembrete constante das escolhas que ela fez naquele dia.

"Lena, você não pode estar falando sério."

"Eles são titãs, eles são maus!"

"Eu sinto Muito."

Lena balançou a cabeça, voltando as lembranças para os recessos mais profundos de sua mente. Não valia a pena falar deles. Lena agarrou um par de shorts de sua cômoda, puxando-os, sem se preocupar em colocar uma camisa sobre seu sutiã esportivo até mais tarde. Lena aproximou-se da janela que dava para a montanha e as luzes cintilantes de São Francisco à distância. Passara muitas noites olhando para o céu noturno. Noites quando ela voltou para o seu quarto, golpeada e machucada, ela olhou para as estrelas e tentou se recompor. Pare de cair no chão. Ela era a filha do terceiro Titã mais poderoso da existência, ela estava longe de ser fraca.

Nos últimos dois anos, seu treinamento a tinha sangrado em seco. Cicatrizes espalhadas por seu corpo, ganhou em batalha contra alguns dos monstros mais brutais que os Titãs tinham para oferecer. Ela tinha destruído hellhounds, telekhines, incontáveis ​​Dracaena, até mesmo outros halfbloods. Ela era uma assassina. Brilhou em seus olhos ardentes. Com o passar do tempo, quanto mais tempo passava com seu pai, seus olhos se desvaneceram do verde que uma vez foram para as chamas de Hyperion. Até que ninguém se lembrasse do que era a cor original. Somente os olhos flamejantes de Hyperion foram deixados. Uma declaração verdadeira para sua linhagem. E poder.

Os últimos dois anos não foram gentis com Lena Luthor. Mas ela não conseguia se importar. Ela era muito mais forte agora do que nunca. Ela era uma assassina cruel e mortal. Um estrategista brilhante. E o único meio-sangue mais poderoso no Monte Othrys. Ao longo dos anos, à medida que a propaganda da guerra do Titã se espalhou, eles tiveram meia-sangue chegar à sua porta, querendo ajudar os Titãs a derrubar os Deuses. Alguns acreditam na causa, que os Deuses foram corruptos. Outros esperando que estar no lado vencedor lhes concederia poder em vez de morte. E outros ainda por razões próprias. Lena não se importava com quais eram suas razões.

Lena arranhou seu pulso, correndo seus dedos ao longo das marcas de queimadura em seu pulso direito. Ela flexionou a mão um pouco. Nos últimos dois anos a tinha transformado em uma mulher intimidadora. Seus traços, uma vez quentes e inocentes, marcados por cicatrizes e um calor perigoso atrás de seus olhos. Seu regime de treinamento tinha preenchido seus músculos muito bem, seus músculos abdominais, da perna e do braço apertados, mostrando toda a formação de espada que ela tinha feito. Ela trabalhou quase todos os dias para aumentar sua força física e resistência. Tinha se transformado em um hábito depois dos primeiros meses.

Levara tempo para se adaptar a sua nova vida. Durante os primeiros meses, ela tinha sido assombrada por suas escolhas. O rosto de Kara a seguia onde quer que fosse. Mesmo em seus sonhos, ela sempre acordava no meio da noite em um suor. Ela reviveu esse momento uma e outra vez. Ouvindo os protestos de Alex e Winn. Os lábios de Kara contra os dela. A última vez que viu os olhos azuis de Kara. Ela não tinha visto seus velhos amigos em dois anos. Às vezes, ela se perguntava o que estavam fazendo. Além de preparar-se para lutar contra os Titãs. Isso foi um dado.

Lena zombou. Os deuses. Outra coisa que ela tinha percebido era que seu pai tinha razão. Os Deuses eram corruptos. Os vivos, altos e poderosos no Olimpo, fingindo cuidar dos que eles governaram. Mas tudo o que eles fizeram foi controlar os poderosos, deixando os fracos para os seus próprios dispositivos, porque eles não eram uma ameaça ao seu poder. O ódio de Lena pelos Deuses cresceu até que ela os abominou tanto quanto seu pai.

Mas depois de todo esse tempo, ela nunca tinha esquecido verdadeiramente o único que ela já tinha amado. Kara Danvers. Ela não tinha idéia do que Kara estava fazendo agora. Mas Lena só esperava que ela estivesse bem. Lena havia traído tudo o que tinha, para proteger tanto Kara como ela mesma. Nenhuma notícia do paradeiro de Kara dos meia-sanguessugas que chegaram de Demos era provavelmente um bom sinal. Tudo o que sabia pelas pequenas informações que tinham reunido era que J'onn mantinha calada a notícia de sua deserção. Em vez disso, ele tinha decidido dizer a todos que ela tinha simplesmente morrido. Lena riu quando ouviu isso. Uma decisão bastante tola considerando que ela estaria levando seus exércitos à guerra.

Os meia-sanguessugas que chegaram da Demos ficaram visivelmente surpresos com o novo status de Lena. Mas rapidamente aprenderam a respeitá-la ea temê-la. Porque enquanto ela mantinha o status de filha de Hyperion, ela tinha a habilidade eo poder de apoiar suas ameaças e comandos acima. Ela tinha sido treinada pelos melhores, portanto, tinha as habilidades para refletir isso.

3.

Depois de um tempo, Lena decidiu chamá-lo de uma noite e dormir. Ela puxou seu sutiã por cima da cabeça, puxando uma camiseta de tamanho grande em vez disso, rastejando em sua cama. Ela estalou os dedos, a bola de luz que acendeu seu quarto piscando. Um pequeno truque que ela tinha aprendido ao longo dos anos. Com o controle total sobre seus poderes, ela já não desmaiou do cansaço e destrancou o potencial que seu poder de luz lhe concedia.

Lena estava deitada de costas, olhando para o teto, tentando fazer sua mente relaxar. Sua mente voltou para Kara e seus amigos. Apesar dos melhores esforços de seu pai, ela sabia, ela ainda se importava com Kara, e por extensão aqueles que Kara se preocupava. Não era muito difícil, Maggie e Mon-El a trataram como uma irmã mais nova. Dos outros seis meia-sangue, incluindo James, Lena sentira-se o mais próximo desses três em particular. Kara por razões óbvias. E ocasionalmente sentia falta deles.

Mas agora eram seus inimigos. E não havia maneira de contornar isso. Eles estavam trabalhando para proteger os Deuses, ela estava trabalhando para destruí-los. E Lena não achava que pudesse fazê-los abandonar suas lealdades. E ela não estava honestamente segura se ela quisesse. Ela não era tão cruel a ponto de querer sujeitá-los à sua vida. Ela não era má. Não em sua mente. Os dois últimos anos abriram seus olhos a muito. Os Titãs, embora certamente não sejam benevolentes, não eram maus como os Deuses os fizeram ser. E os Deuses também não eram os bons personagens da história. Eles tinham suas próprias falhas. E na mente de Lena, talvez com um pouco de conveniência de Hyperion, os deuses não eram bons para a humanidade. E certamente não eram bons para ela.

Se ela estava sendo honesta, ela tinha duas razões para se juntar aos Titãs originalmente. Um deles era por razões de auto-preservação. Os deuses nunca confiariam nela depois que a guerra terminasse, mesmo se ela tivesse permanecido do seu lado. Ela sempre ia ser uma responsabilidade, portanto, havia sempre um risco que iria acabar com ela depois que ela tinha vivido a sua utilidade. Pelo menos com os Titãs, ela não temia ser presa e descartada. No entanto, ela não era tola. Sabia que muitos dos Titãs a olhavam, inclusive Kronos, e a usavam também. Mas melhor ser um peão com alguma aparência de poder do que um sem. Pelo menos assim, se mantinha o nariz limpo, não temia a morte ou a prisão.

E a segunda razão era proteger Kara. Apesar do que Kara provavelmente pensava nela agora, seus sentimentos pela loira nunca haviam desaparecido, tanto quanto Lena tentou. Ela tinha dormido com alguns dos meia-sangue nos últimos dois anos. Tentei esquecer a garota que ela amava. Mas era impossível. Seu coração ainda se apertava ao pensar no rosto de Kara. A filha quente e borbulhante de Zeus, embora soubesse que Kara tinha seus próprios demônios escondidos sob a superfície, apenas esperando para sair.

E Hyperion ameaçara matar Kara se Lena não se juntasse a eles. E ela não ia deixar isso acontecer, não importa o que acontecesse com ela. Ela não seria morta certamente. Hyperion precisava dela na próxima guerra. Então, em vez disso, ela se entregou para dar a Kara, e seus amigos, uma chance de lutar por outro dia. Não havia garantia de que eles saíssem vivos desta guerra. E Lena não tinha idéia do que iria fazer quando inevitavelmente se deparasse com eles no campo de batalha. Mas isso era um problema para outro dia. Kronos eo resto do conselho de guerra; Hyperion, Krios, Iapetus e Koios ainda não haviam informado seus planos.

Às vezes, ela era permitida sentar-se nas reuniões, mas geralmente, aquelas pertenciam ao treinamento de suas tropas, que foi tornando-se cada vez mais envolvido dentro. Mais ainda desde que tinha terminado seu próprio treinamento e tinham moldado lhe em um guerreiro perfeito e Um assassino perfeito. Mas nada de um cronograma quando eles iriam lançar seu primeiro ataque. Então Lena esperou. Empurrou-se mais forte para se tornar mais forte. Qualquer outra coisa e ela enfrentaria punição de seu pai. E ela tinha aprendido de primeira mão que queria evitar isso a todo custo.

IV.

"Levante-se!" Hyperion rosnou duramente para Lena depois que ele a desarmou e a derrubou no chão, mais uma vez naquele dia. Lena, seus ossos e músculos doloridos lutaram para se levantar, incapaz de levantar sua espada, ela estava em tanta dor.

"Eu não posso." Lena sibilou. Os olhos de Hyperion brilharam, perseguindo a filha.Apesar de protestar, ele pegou seu pulso direito em sua mão. De repente, ela sentiu um fluxo contínuo de dor agonizante disparando através de seu corpo. Parecia que ela estava pegando fogo e sendo eletrocutada ao mesmo tempo. Ela gritou em agonia, tentando desesperadamente não desmaiar porque sabia que só lhe traria coisas piores no futuro.

Ela conseguiu ficar consciente, mas apenas apenas, como Hyperion terminou a dor e soltou seu pulso. Ela caiu de joelhos, respirando profundamente. "Você pode e você vai." Ele disse ásperamente. - Você é minha filha. E você não mostrará nenhuma fraqueza. Os Deuses não mostrarão nenhuma misericórdia e nem eu. Eu estou fazendo isso por sua própria boa Lena. "Ele disse.

"Que bom é esgotar-me à beira do colapso?" Ela disse em voz alta, sua voz áspera de gritar.

"Considerem uma lição. Desobedecer-me e mostrar qualquer sinal de fraqueza novamente e que era apenas um sabor do meu poder. Você pode ser minha filha, e mais poderosa do que eu imaginava, mas meu próprio poder ainda está além de você. "Ele disse cruelmente. "Agora levante-se.

V.

Lena balançou a cabeça, estremecendo com a memória. A dor que ela tinha sido submetida ao longo dos últimos dois anos. Sua vida não era algo que ela jamais desejaria a ninguém. Seu pai era áspero. Frio. Brutal em alguns aspectos. Mas ele fez isso porque ele a queria mais forte. Em algum lugar dentro de sua mente, ela sabia que a maneira como ele a tratava não era normal. Mesmo para um Titan. Mas era sua realidade. Melhor cumprir e realizar seus desejos do que questioná-lo e irritá-lo.

Lena sentiu-se finalmente relaxando, capaz de drift fora em um sono inquieto. O rosto de Kara certamente assombraria seus sonhos novamente naquela noite. Ela não tinha dormido uma boa noite em dois anos. Não desde que ela entregara os Titãs.


Notas Finais


Link do grupo pra que quiser entra

https://chat.whatsapp.com/40KzpoAcLsT6X4Jqcj21Ij

Link da música
https://youtu.be/CxD93O5Bfw0


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...