História Supermodel - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Kylie Jenner
Personagens Justin Bieber, Kylie Jenner, Personagens Originais
Exibições 57
Palavras 2.399
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Poesias, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Escutem a música que inspirou o nome da fic: Supermodel - Justin Bieber

Capítulo 3 - Shit Kendall


Fanfic / Fanfiction Supermodel - Capítulo 3 - Shit Kendall

Kylie Jenner Povs 

Estava agora contando o dinheiro quando alguém coçou a garganta na minha frente 

—Ah não, cara eu já disse, eu não vou.. 

—Hey hey Relaxa, so vim pedir desculpas —O mesmo loiro da área vip disse me interrompendo —Justin —estendeu a mão 

—Kylie—falei desconfiada e quando ia apertar sua mão, ele segurou a mesma e deu um beijo, sem tirar os olhos dos meus 

—Queria te pedir uma coisa —Ele disse e apoiou os cotovelos no balcão 

Tava demorando 

—O que? —Perguntei e apoiei os cotovelos no balcão. 

Nossos rostos  estavam próximos  e seu hálito quente com cheiro de hortelã misturada com álcool chocava minha face, fazendo os pelos de meu corpo se arrepiarem 

—Me leva pra um tour na região —Ele falou alto  próximo de meu ouvido devido a música alta que tinha aumentado 

—Agora? —perguntei no mesmo tom e o olhei 

—Uhun. 

—Mais tá de noite 

—Dizem que o Rio é mais bonito a noite —sorriu 

—Nem tanto, mais ok, só vou trocar de roupa, vem —passei pro outro lado do balcão o chamei pelo dedo e andei até as escadas 

Conforme íamos andando, o barulho da música ia diminuindo e os gemidos ficavam mais altos 

—Onde estamos indo? —Ele perguntou e ficou do meu lado 

Apontei pra escada e continuei andando 

—O que tem aqui? —Ele perguntou enquanto subíamos

—Minha casa —falei, me abaixei para pegar a chave de baixo do tapete e pude ouvir ele soltar um gemido baixo 

Ri pelo nariz, levantei, enfiei a chave na fechadura, girei e entrei dando espaço pra ele entrar. 

—Você mora em cima da boate do seu pai? —Ele perguntou entrando e olhando em volta. 

—Não é tão ruim assim, quando eu tô sozinha ou intediada, vou lá em baixo e fico conversando com as meninas ou com os seguranças —falei, fechei a porta, trancando a mesma, e tirei os saltos 

—Mora aqui desde quando? —Ele perguntou 

—Desde que nasci, aqui era do meu avô, era um cabaré, na verdade foi construído na década de 60,e foi passando de geração a geração —Tirei a peruca e a redinha

—Sua mãe não liga de seu pai ficar no meio de prostitutas? 

—Minha mãe morreu de câncer quando eu tinha 3 anos. Já volto, fica a vontade —subi as escadas correndo e entrei em meu quarto que se encontrava sozinho 

Tranquei, so pra ter certeza que ele não iria expiar, e fui em meu mini closet. Tirei toda aquela lingerie, vesti uma calcinha preta de renda, um shorts jeans branco curtinho uma regata soltinha preta que marcava o bico de meus seios, cálcei um chinelo, coloquei minha pulseira favorita que comprei quando fui pra Bahia, um brinco de pérolas (falsas) no furo de cima, e um de corações negros no de baixo, tirei meu colar que ganhei de papai e mamãe  em meu aniversário  de 1 ano que estava entre meus seios pra fora (1), e fui pro banheiro. Tirei toda aquela maquiagem pesada, escovei os dentes e sai. Destranquei a porta, desci as escadas  e encontrei o loiro encostado no sofá com um quadro nas mãos

—Deixa eu adivinhar, primeira apresentação de balé? —riu pelo nariz colocou de volta o quadro onde eu estava usando um colã de ballet, uma sainha, um coque e tinha em meus braços um buque de flores rosas. Se me lembro tinha uns 3 anos nessa foto 

—Uhun, vamos —falei com um pequeno sorriso e fiz um coque bagunçado no cabelo usando o mesmo pra prender 

—As damas primeiro —Ele disse e abriu a porta 

Olhei pra ele, Sorri e sai sendo acompanhada pelo loiro. 

So quer te comer Miga 

Descemos e quando estávamos na porta da saída clarões de flashs quase me segaram

—Merda —Ele disse e me puxou pra dentro 

—Relaxa, vem comigo —segurei seu pulso e o puxei prós fundos, onde dava de frente pras favelas 

—Voce não tem que falar com seu pai? —Ele perguntou enquanto andávamos

—E você não tem que falar com o time? —perguntei e o olhei 

—Sou maior de idade, não devo satisfações a ninguém—Ele disse de um jeito meio Grosso 

—Hum —Falei e revirei os olhos disfarçadamente 

—Aliás, quantos anos você tem? —me olhou

—Vou fazer 18 dia 10 de agosto 

—E esse corpo? 

—Sou Rainha de bateria, tenho que me manter  forma 

—Então você sabe sambar? 

—Além de ter sido criada no meio de prostitutas, fui criada também no meio de escolas de samba. Desfilar é minha paixão 

—Entendi 

"Justin Justin, quem é essa?"

"Vocês estão namorando?"

"Ela é prostituta? "

Perguntas assim eram repetidas atrás de nós. Olhei pra de onde vinham as vozes e tinham uns 10 paparazzis. 

—Merda —Justin disse e bufou 

—Vem—Falei rindo por algum motivo talvez porque a reação dele tá de mais, segurei seu pulso e sai correndo

—Onde estamos indo? —Ele perguntou correndo junto 

—É só pra dispistar —falei e soltei seu pulso 

—Eles não vão embora 

—So tem uma questão, paparazzi aqui não entra baby—corri até um bar e entrei no mesmo—Lua, cadê seu irmão? 

—Eiiita boy gato, ce tem sorte em muie —Luanda , mais conhecida como lua, disse atrás do balcão 

—Luanda!  —a reprendi 

—O MARCELO VEM CA, SUA CRUSHA TÁ CHAMANDO —Ela gritou e voltou a lixar suas unhas

—Olha só quem voltou—Marcelo disse saindo de dentro da cozinha e me abraçou

—Oi Ma —Falei sorrindo e devolvi o abraço 

—Quem é o riquinho? Cuidado hein cara, os pivete pode pegar suas joia —Marcelo disse olhando pra trás de mim, onde o loiro se encontrava encostado na parede com os braços cruzados contra o peito e com uma feição seria 

—Me ajuda a espantar os paparazzi? —perguntei e me afastei 

—Famoso? —Marcelo perguntou

—Astro da Chicago Bulls —falei dando de ombros

—Tá né, Bora ajuda os rico que cospe em nois —Marcelo disse saiu e voltou depois de um minuto mais ou menos —Barra tá limpa irmão 

—Valeu —Justin disse e os dois tocaram as mãos 

—Gata tá rolando baile Bora lá? —Lua perguntou 

—Nem da, tô levando ele pra um tour pela área —Falei e olhei pra mesma que agora passava batom

—Ue como assim você quer levar ele pra um tour e não passar pelo principal? Ele precisa conhecer os baile, só mina file —Lua disse e se levantou

—Acho que ele não curte esse tipo de lugar —falei

—Curto sim, vamo lá —Justin disse 

—Tá bom então, Ma vai também? —Olhei pro moreno que encarava o loiro com uma cara feia 

—Não, tenho que cuidar do bar —Marcelo disse e foi pra dentro

—Tá bom, vamos só nois então, Bora se acabar mona —Lua disse e puxou nois dois pelas vielas

—So se segura na catuaba —falei e ri pelo nariz 

Depois de um tempo de caminhada chegamos onde estava rolando o baile. A música Solta o grave- MC Pedrinho, tomava conta do local, junto com o cheiro de bebida. Meninas dançavam até o chão, e rebolava prós caras. E as luzes piscavam. 

—Certeza que quer ficar? Podemos ir pra outro lugar talvez—falei perto do ouvido do loiro, na ponta do pé óbvio devido nossa imensa diferença de altura 

—Motel? —Ele perguntou com um Sorriso malicioso riu pelo nariz e beijou meu pescoço apertando minha cintura de um jeito gostoso

—Eu não vou dar pra você —falei e  ri pelo nariz 

—Será? —Ele perguntou e foi descendo as mãos até minha bunda apertando a mesma com força 

—Vamos dançar —falei ri pelo nariz e o puxei mais pro meio das pessoas 

Me virei de costas para o loiro e comecei a rebolar, roçando minha bunda em seu membro coberto pela jeans, mais que mesmo assim, eu podia sentir um pouco de sua ereção. Ele colocou as mãos na curva de minha cintura e começou a movimentar o quadril junto com o meu de um jeito gostoso. Ele aproximou a cabeça de meu pescoço, fazendo sua respiração calma e quente chocar em minha pele, distribuiu entre beijos mordidas e chupoes, que provavelmente deixariam marca, e simulou uma penetracao me fazendo soltar um baixo gemido. Descansei a cabeça em seu ombro, coloquei uma mão em sua nuca enquanto a outra estava segurando sua grande mão, e comecei a rebolar com mais calma, só o provocando.  

... 

Depois de dançar por um tempo resolvemos passear pela praia. 

—Então, me fala mais sobre esses negócio de rainha de bateria —Ele disse andando pela areia com as mãos no bolso

—Meu pai também faz parte, desde a infância  dele, e depois que eu nasci, quando ele tinha ensaio eu ia junto, e de tanto ver as mulheres sambando, acabei pegando o jeito, isso quando eu tinha  uns 4 anos, e desde então não parei mais. 

—Entendi. E você samba bem? 

—Baby, sou a melhor

—Ok então —riu pelo nariz —Tipo, seu nome não é brasileiro né!? 

—E uma homenagem a minha mãe, ela era americana, nasceu na Califórnia, e veio pra cá com 10 anos quando meu avô conseguiu um trabalho aqui. Aí quando ela tinha 16 conheceu meu pai, com 17 engravidou de mim, e com 20 morreu 

—Nossa, ela era novinha, sinto muito 

—Não, tudo bem, já tô acostumada, já doeu mais 

—Entendo, bom na verdade não entendo, mais sei como é ruim crescer ser alguém importante tipo o pai ou a mãe

—Como assim? 

—Meu pai morava no Canadá, eu em Chicago só nos víamos no final de ano, e agora nem nos vemos mais 

—Por que? —o olhei 

—Ele não apoia muito essa vida que eu levo 

—De jogador? 

—Pegador. Ele acha que eu tenho que me sustentar com uma mulher só, sossegar entende? 

—E por que não sossega? 

—Não achei a mulher certa—deu um sorriso de lado e chutou a areia —É você? 

—Também não achei o cara certo —Ri pelo nariz 

—E  como seria o cara certo pra você? —parou na minha frente me fitando

—Não sei, não me prendo muito a um tipo específico, só importa que me ame, e que só tenha olhos pra mim

—Garota romântica?—riu pelo nariz

—Sonhadora. Mais então, vai ficar quanto tempo aqui?

—Duas semanas 

—Duas semanas? Bom, isso é mais que o suficiente pra conhecer as melhores partes daqui

—Acho que já conheci —me prensou em uma placa, colocou as mãos do lado de meu quadril me impedindo de fugir, como se eu quisesse, e se aproximou deixando nossos rostos próximos 

—Acha é? —Tomei liberdade de colocar as mãos em sua nuca 

—Não, tenho certeza —tomou meus lábios com ferocidade 

Nao me assustei apenas sedi passagem, e sua língua veio de encontro com a minha. Ele apertou minha cintura pra cima me deixando na ponta de pé e aprofundou o beijo. 

—Tá ouvindo isso? —Perguntou encerrando o beijo

—Isso o que? —Perguntei ofegante e descansei a cabeça na placa. Jesus. Melhor beijo da minha vida. 

—Gritos —se afastou e começou a olhar em volta

—Suas fãs talvez —Passei a mão em minha blusa abaixando a mesma que tinha subido um pouco 

—Não, são gritos por socorro —Olha —apontou para um casal encostados na parede,onde o rapaz tentava beijar a garota só que ela não queria. 

Ele rasgou a blusa dela e tampou a boca dela  

—Espera—Dei uns passos pra frente e forcei a vista tentando ver se eu reconhecia um deles—Merda Larissa

—Que? —Justin perguntou confuso 

—É a filha da minha governanta. Vem —Falei e comecei a correr ate eles

—Governanta Kylie? —Ele perguntou vindo logo atrás de mim 

—Eu perdi minha mae, e meu pai não sabe cuidar nem das plantas. HEY, VOCÊ, SOLTA ELA—Gritei diminuindo os passos

—Kylie, Kylie por favor me ajuda —Larissa pediu chorando 

—Não se mete vadia —O rapaz falou e estourou o sutiã da garota que chorava sem parar

—HEY SOLTA ELA AGORA —Justin gritou atrás de mim com uma voz mais grossa e muito assustadora 

O garoto saiu correndo quando viu o tamanho de Justin deixando a garota jogada no chão. Corri até ela, me abaixei e ela me abraçou com força tremendo e chorando ainda mais

—Kylie, foi horrível, e disse que não queria, só que ele não me escutava. Obrigado por me salvar —ela disse chorando 

—Eu disse que seria seu anjo  da guarda —falei acariciando seus curtos cabelos castanhos —Justin me ajuda 

—Uhun—Ele disse veio até nos é me ajudou a levantar a garota que já estava mais calma 

... 

Depois de acalmar a garota, e a fazer dormir desci pra sala a procura do loiro que se encontrava sentado no sofá, mexendo no celular. Me sentei do seu lado e ele desligou o aparelho 

—Iai? Como ela tá? —perguntou e se virou pra mim 

—Consegui fazer ela dormir. Obrigada, obrigada mesmo, se você não tivesse lá eu provavelmente teria ido junto 

—Fico feliz em ajudar. Bom tenho que ir, amanhã vamos ir passar o dia na praia, quer ir junto? Aproveita e leva a pirralha 

—Ok, se ela tiver melhor eu levo. Que horas nos encontramos? 

—11:00

—Ta bom, 11:00,vou tentar não esquecer —ri pelo nariz 

—Se você não aparecer lá até as 11:01 eu venho te buscar e te arrasto pra praia de pijama de ursinho —riu pelo nariz e se levantou 

—Sim senhor. Vem, eu te levo até seu carro —levantei e andei até a porta 

Descemos passando pela boate onde só se encontravam as meninas fazendo a faxina e saímos. O sol já estava nascendo e a cidade acordando 

—Te mando mensagem mais tarde —Ele disse deu um beijo em minha bochecha e entrou em sua Ferrari 

—Eu não tenho seu número —falei, e ri pelo nariz 

—Tem sim, eu salvei, até mais tarde pequena —piscou e saiu cantando pneu 

—Até —falei e Sorri olhando pro nada 

—Bom dia Kylie —Dona bete, dona da lanchonete vizinha disse sorrindo 

—Bom dia dona bete —falei Sorri pra ela e corri e pulinhos pra dentro

—Ih gente tá apaixonada —Brenda disse enquanto limpava o chão 

A ignorei e fui pra cima

Entrei no meu banheiro —no meu quarto — me despi e tomei um banho rápido só pra tirar o suor. Depois que terminei, vesti um baby doll de renda rosa curtinho, que mostrava a polpa de minha bunda(2), prendi meu cabelo em um rabo de cavalo, e fui pro quarto. Me sentei na cama e peguei meu celular pra ver como ele tinha salvado o nome em minha agenda. Ri ao ler "Bieber gostosao 🍆". Troquei o nome por "Crush💕" bloquiei a tela, deixei o aparelho no criado mudo e me deitei ao lado da garota que domina feito um anjo, bom acho que anjos não babam. Nos cobri e depois de pouco tempo adormeci 








Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...