História Supernatural Teens - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural, Teen Wolf
Exibições 17
Palavras 6.638
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Famí­lia, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


O próximo sai talvez nessa ou na outra semana! ^-^

Capítulo 9 - Sangue e Revelação


Fanfic / Fanfiction Supernatural Teens - Capítulo 9 - Sangue e Revelação

 -Como assim terminaram? Vocês estão juntos a quanto tempo? 1 semana? Fala sério Henry.

-Vitor, não começa, eu estou indo pra minha casa e depois você vai pra sua, beleza?

-Não, me explica o motivo, começo, meio e fim.

-Sério?

-Sério.

-Sabe o Eduardo do KaraokêMusic? Eu estava no apartamento do Dylan e fui num quarto ai quando eu voltei pra sala encontrei a Vitória e o Eduardo deitados se beijando no chão, ela em cima dele.

-Meu Deus, mas você tem certeza que é o que você está pensando? Talvez ela caiu em cima dele ou ele puxou ela.

-Ela disse que ele puxou ela, mas não acredito nisso.

-Fala sério cara, pra que ela iria mentir? Aliás ele tentou dar em cima dela na noite passada, não duvido nada que ele beijou ela de propósito, e outra, você quase sempre está errado quando fica bravo.

-Foda-se cara, os dois estavam juntos e se beijaram, acabou, vai ver não era pra ser.

-Eu vou te bater. Faz assim, vai pra sua casa, toma um banho frio, vai pro trabalho e esvazia a cabeça, amanhã você conversa calmamente com ela, ok?

-Tá bom. Mas por que se importa tanto se eu estou ou não estou namorando a Vitória?

-Não é porque é a Vitória, é porque eu sei que você fica feliz junto com ela e se você está feliz eu estou feliz, você é meu melhor amigo, não vou deixar você fazer merda e ficar choramingando e ficar com aquela cara de bunda por ai.

-Ownt, quer um beijo?- Fala Henry rindo.

-Quero, mentira, quero não, nem tente. Idiota.- Responde Vitor rindo.

5 minutos depois

Eles chegam na casa de Henry e se despedem com Vitor indo pra casa dele dirigindo.
O jovem entra em casa e vai para seu quarto, ele tira a camisa e deita na cama e com lembranças de alguns momentos que passou com Vitória ele deixa algumas lágrimas caírem, mas logo enxuga e vai para o banheiro tomar banho e se arrumar para ir trabalhar.

 

 


Home Dylan
Eduardo foi tentar conversar com Vitória, porém ela não quer mas mesmo assim ele vai.
-É sério Eduardo, vai embora, não quero fala com você!- Fala Vitória.

-Mas a gente precisa conversar.

-Conversar sobre o que? Você me beijou sem eu querer e Henry, que é meu namorado, viu e terminou comigo.

-Se ele terminou tecnicamente ele não é mais seu namorado.

-Hahaha, vai pro circo que você ganha mais, palhaço.

-A qual é, vai ficar assim só por causa de um menino? Existem muitos outros por ai, tipo eu.

-Se eu quisesse ficar com outros ou com você, eu já teria pegado esses outros mais você, só que eu não quero, eu quero ficar com o cara que eu me apaixonei, com o cara que eu cai de uma árvore por causa de um beijo, com o cara que me faz feliz.

-Nossa.

-Nossa o que? Eu falei a verdade, pode ser meio exagerado? Pode, mas é a verdade.

-Você gosta mesmo dele pelo visto.

-Eduardo, ele foi o único que fez eu me sentir como estou me sentindo, apaixonada, então é, parabéns, você acabou com a chance de mim ser feliz no amor, idiota.
Vitória sai da cama e entra no banheiro deixando Eduardo sozinho ali.
 



Home Spencer
Willian e Helen chegam em casa e vêem Spencer mexendo no celular sentada no sofá.
-Ué, cada o Tyler?- Pergunta Helen à sua sobrinha.

-Ele foi embora, disse que tinha que resolver umas coisas.- Responde a jovem.

-Amém, passou a tarde toda aqui.- Comenta Willian.

-A para, Willian, o garoto é legal, você que implica com todos os meninos.

-Helen, shiu!- Responde Willian fazendo sua irmã rir.

-Eu vou pro meu quarto, tem nada pra fazer.- Comenta Spencer

-Se você quiser, podemos treinar.- Fala Helen.

-Jura?- Pergunta a jovem.

-Claro, vamos lá pro quintal.

-Beleza.
As duas vão para o quintal da casa e começam a treinar.
 

 


Na clínica
  Henry chega na clínica e estaciona a bicicleta, depois entra e cumprimenta alguns clientes e anda até chegar em Carlos.
-Chegou cedo, faltava mais 10 minutos.- Comenta o homem.

-Achei que teria mais trânsito, mas e ai, só vou ficar até as  nove sem fazer nada?

-As vezes aparece uns mendigos trazendo alguns cachorros ou gatos machucados, você dá conta né? Aproveitei que você tá fazendo hora extra e chamei a... uma amiga pra sair.- Fala Carlos dando um pausa na sua fala.

-Minha mãe pra sair? Jura? Podia ter me falado, ajudava você com o restaurante.- Fala o garoto rindo.

-Vamos pra uma balada, hoje é quinta-feira, ou seja, sua mãe sai mais cedo e a balada é mais barata hoje.

-Eu sei que minha mãe gosta, mas é difícil de imaginar ela dançando naquele monte de gente.

-Também é difícil de imaginar você namorando, e você está, então... é a vida.- No mesmo instante que Carlos fala isso, Henry fecha um pouco a cara, transparecendo tristeza.

-Nós... nós tivemos uma briga e demos um tempo.- Responde o garoto.

-Putz Henry, eu sei como é difícil, mas relaxa, vocês vão se resolver, tenta distrair a mente.

-Ok, vocês vão que horas?

-Combinei de passar na casa dela as 18:00

-Balada as 18:00?

-Vamos dar uma volta antes.

-Usando camisinha por mim tá ótimo, não quero ter um irmão agora.

-Você não perde o humor nem quando ta brigado com sua namorada?!

-Fazer o que né?! Sou o Henry.

-Vai lá dar ração pros cachorros e pros gatos, e depois coloca um pouco de comida para os animais feridos lá na sala de cuidados.

-Beleza, mas agora são 17:00, é melhor você ir agora, até arrumar esse cabelo e escolher uma roupa já vai estar atrasado.

-Pior, já vou então, tchau, até amanhã.

-Até.
Os dois se abraçam e Carlos sai da clínica, deixando apenas Henry com os animais, pois os clientes também tinham saído.

O jovem entra no quarto onde ficava os cachorros e vai colocando ração em todos as vasilhas, até chegar na de um cachorro que estava deitado, com uma linha de sangue escorrendo pelo chão e um choro baixo.

O cão era um Pastor Alemão, de pelo claro com os olhos castanhos, era grande, porém era muito carinhoso, pois Henry sempre brincava com ele quando ficava na clínicas, até tinha posto um nome nele.
-Bob? Meu Deus, isso é sangue?- Pergunta ele passando a mão na linha de sangue que escorria do corpo deitado do cão.- Espera que eu vou te ajudar agora.
Henry então abre a gaiola e pega o cão, levando ele até a sala onde eles faziam as cirurgias ou examinavam os animais, pois o cão não conseguia andar, só chorar e sentir dor.

Com muito cuidado, o garoto coloca o cachorro na mesa e procura da onde que vinha o sangue, ele descobre que era de um arranhão bem feio em uma das pernas de Bob.
-Onde será que você conseguiu isso?- Pergunta, mas no mesmo instante Bob tenta levantar e acaba se machucando ainda mais e o sangramento aumenta junto com seu choro que ficou bem mais alto.

-Calma amigão, eu vou te ajudar, só não sei como.- Fala o jovem, abraçando o cachorro e fazendo carinho na barriga de Bob, que deitou.
Henry para de fazer carinho quando percebe que Bob parou de chorar, e no mesmo instante percebe que uma coisa escura subia pela suas veias do braço.
-O que é isso? E por que está subindo cada vez mais?
Quando ele percebe e se olha num espelho ali perto, a coisa escura sobe pelas veias até chegar ao cérebro, e quando chega, ele entende que transferiu a dor do Bob para ele.
-Acho que é um dos meus poderes de lobisomem, não sabia que eu podia ajudar os animais dessa forma, mas de qualquer jeito tenho que dar um jeito nesse machucado, né Bob?- Fala Henry pegando algumas coisas no armário e colocando na mesa, assim fazendo um curativo no cão, que logo começa a agir normal de novo, deixando o garoto feliz.

 

 


Na escola
Derik Kin,  Jinn, Erik e Lucy se reuniram na escola para conversar, pois como a escola só funcionava a tarde em certos dias, eles podiam conversar despreocupados.
-Nixie e Sirena morreram? Mas como? Elas não podiam morrer.- Comenta Lucy chateada ao descobrir sobre a morte das sereias.

-Elas eram sereias e tinham suas fraquezas, eles são mais fortes e inteligentes que pensei, conseguiram matar até o Vlado.- Comenta Kin.

-Tá mas e agora? Segundo a lógica do Vlado, as Fase 1 e 2, já foram derrotadas, agora é a 3, ou seja, eu vou ter que ir lá e matar aqueles pirralhos?- Comenta Jinn.

-Jinn, pode parecer fácil mas não é, você é um Kanimâ, tá, mas continua sendo perigoso você ir, estou pensando em outro plano.- Responde Kin.

-Que plano?- Pergunta Erik.

-Acho melhor não seguir a ordem do Vlado, estou achando que você, Erik pode ir lá e matar eles.

-Mas eu sou a Fase 3 Kin, eu sou um Kanimâ, posso dar veneno pra eles sem eles perceberem, depois é só decapita-los.

-Jinn, você está no meu bando, eu sou o Líder e se eu quiser posso te matar agora, então para de discutir e me obedeça, o Erik que vai agora e vai conseguir matar eles.

-Ok, mas caso precise, tome aqui um pouco de veneno, Erik.- Fala Jinn jogando um pequeno pote de vidro com um liquido dentro.

-Espera, eu vou agora? Neste exato momento tentar matar eles?- Pergunta o homem de cabelo raspado, espantados.

-Seria bom, pois eu estava observando e descobri que o casal brigou, ou seja, é só você se transformar na menina e ir até o serviço do menino ou se transformar no menino e ir até a casa da menina.- Responde Kin.

-Espera que até eu buguei. Explica de novo.- Fala Lucy.

-Assim, você, Erik, que é um metamorfo e tem a habilidade da metamorfose obviamente, vai se transforma no namorado da loirinha que está no bando do Dylan, depois mata a garota, e enfim teremos uma vitória, depois mata o resto aos poucos.

-Tem alguma foto do menino?

-Tenho, só um minuto.
Derik mostra uma foto do time de Lacrosse e mostra quem é Henry, logo após, Erik se transforma nele e sai da escola com o objetivo de matar Vitória.
-Acha que vai dar certo?- Pergunta Lucy à Jinn.

-Acho que sim, mas eles são fortes e espertos, temos que nos preparar para o pior.- Responde o homem.

-Realmente, mas eu estou bolando um plano.

-Que plano?

-Eu estava fazendo um feitiço antes de vir pra cá, mas pra eu terminar preciso de uma coisa.

-Que coisa? E feitiço pra que?

-Sangue de lobisomem, pode me ajudar?

-Eu tenho veneno de Kanimâ, é só me falar quem é lobisomem.

-Amanhã tem treinamento aqui na escola e provavelmente um dos meninos do bando do Dylan vai vim.

-Já entendi, é só me falar a hora que eu entro em ataque, mas feitiço pra que?

-Cura da licantropia, se o um lobisomem cair sob esse feitiço, ele perderá todos os poderes e voltará a ser um humano normal.

-Nossa, pode deixar que eu ajudo então.

-Ok.
Lucy e Jinn saem da escola e se separam, cada um indo pra um lado.
 

 


Home Dylan
Vitória assistia televisão junto com Tyler no sofá, Eduardo já tinha ido embora depois do ocorrido. Enquanto os dois jovens assistiam o programa alguém bate na porta e Tyler vai ver quem é. Ele abre a porta e percebe que é Henry.
-Oi, Henry, tudo bem?- Pergunta Tyler fazendo Vitória olha pra porta no mesmo instante.

-Comigo sim, a Vitória tâ ai?- Responde.

-Claro, pera ai que eu vou cha...- Tyler para a frase quando vê a garota atrás dele.- Bom, eu vou deixa-los a sós.- Ele sai deixando Henry e Vitória a sós.

-Precisamos conversar.- Comenta o garoto.

-Eu sei, você saiu e nem me deu ouvidos.

-Eu estava bravo, aliás esquece, só vamos esquecer tudo o que aconteceu e vamos voltar ao normal, pode ser?

-É sério?

-Claro, vem me dar um abraço.
Quando a garota vai abraça-lo, ele tira um potinho do bolso, abre e joga um pouco na cara dela.
-O que é isso?- Pergunta a garota tirando o líquido do rosto e caindo no chão.- E por que eu não consigo me mexer?

-É veneno de Kanimâ, agora eu vou te dar um chute e você vai apagar.

-Por que você está fazendo isso, Henry?

-Digamos que eu não sou o Henry.- Ele então chuta a cabeça dela, fazendo ela desmaiar.- Assim é melhor, agora eu só vou ali avisar ao Tyler que vamos sair, pra  ele não desconfiar.

-Não vai adiantar, eu já escutei e percebi que você não é o meu amigo.- Fala Tyler aparecendo enfrente ao homem que se transformou no Henry.

-Bom, se é assim...- O homem então volta ao normal, mostrando seu verdadeiro rosto.- Toma, depois eu venho pra te buscar.- Comenta Erik jogando o resto do veneno de Kanimâ em Tyler, que no mesmo instante cai no chão não conseguindo se mexer e o metamorfo volta a usar o rosto de Henry.
Erik pega o corpo de Vitória e coloca em seus ombros, enquanto ele descia as escadas pra ir pra seu carro, Tyler gritava sem parar xingando e mandando o homem voltar.

 

 


Home Spencer
Enquanto Spencer e sua tia treinavam luta juntas, Willian mexia em seu notebook. Depois de um tempo ele descobre que algo está errado, pois com algumas câmeras espalhadas pela cidade, ele descobre que um metamorfo está andando pela cidade usando o rosto de Henry, pois com a câmera instalada no poste perto da esquina da clínica veterinária ele vê o garoto entrando na clínica, e com outra câmera instalada em um poste perto de um depósito que fica na mesma rua da casa de Dylan, ele vê o mesmo garoto entrando no prédio e depois saindo em um carro, junto com o corpo desmaiado de Vitória.

No momento que ele percebe isso, vai correndo chamar Helen para falar do ocorrido. Willian fala que precisa conversar com a irmã e o treino da tia e sobrinha acaba. Spencer vai tomar banho e Helen vai falar com o irmão.
-O que foi?- Pergunta a mulher tomando um pouco de água em sua garrafinha.

-Temos um problema, um metamorfo está usando o rosto de um amigo da Spencer para fazer alguma coisa, e essa coisa envolve uma menina do bando do Dylan.

-Putz, e agora? Como vamos para-lo? Mas espera, se ele sequestrou uma participante do bando do Dylan, significa que ele irá mata-lá, então é só esperar ele matar ela e depois matamos ele.

-Helen! Ele está usando o rosto de um amigo da Spencer, aliás, melhor amigo.

-Tá, eu já entendi.

-Não entendeu não, se ele está usando o rosto desse menino, significa que ele sabe quem ele é, o que significa que ele pode achar que a Spencer faz parte do bando do Dylan, ou que a Spencer é amiga do Dylan.

-Meu Deus, e agora? Vamos correndo atrás desse cara, mas antes eu vou tomar um banho. Tem dois chuveiros né?

-Meu quarto tem um banheiro, pode ir lá tomar banho, mas vai rápido, enquanto isso eu vou tentar descobrir pra onde ele vai.

-Ok.
Helen vai tomar banho e Willian volta a mexer em seu notebook.



20 minutos depois
Em um galpão na floresta
Erik chegou com o Vitória desmaiada em um galpão aparentemente abandonado, mas por dentro era muito bem arrumado, grande, com algumas lâmpadas e paredes de tábuas pintadas de vermelho, igual ao lado de fora, só que bem mais bonito.
-Muito bem, você conseguiu, não foi muito difícil, foi?- Pergunta Derik Kin sentado á uma mesa junto com Jinn e Lucy.

-Claro que não, mas o veneno ajudou muito, valeu Jinn.- Responde o homem.

-De nada. Você matou ela ou só desmaiou ela?- Pergunta Jinn.

-Só está desmaiada, daqui a pouco acorda, não matei como pediu porquê achei que podíamos fazer algumas perguntas antes.- Responde Erik.

-Boa ideia amarre ela nessa cadeira ao seu lado.- Comenta Kin
Erik faz o que Kin falou e amarra ela com uma corda. A garota estava acordando, mas o efeito do veneno continuava, então não conseguia se mexer.
-Parece que alguém acordou, boa noite, Vitória.- Fala Kin se levantando.

-Onde é que eu... estou?- Pergunta abrindo lentamente os olhos.- E por que eu não consigo me mexer? O que fizeram comigo?- Pergunta Vitória sonolenta.

-Calma querida, é só o veneno de Kanimâ em você, daqui a pouco poderá se mexer, mas não vai adiantar pois daqui a pouco você vai morrer.- Comenta Lucy se levantando.

-Quem são vocês? Por que eu estou aqui e por que esse cara está com o rosto do Henry?

-Bom Vitória, eu sou Erik, um metamorfo, e você está aqui pra poder responder algumas perguntas, depois você irá morrer.

-Cadê o Dylan?- Pergunta Kin.

-Já deve ter voltado pra casa.

-E como conseguiram matar Sirena e Nixie?

-Com o único jeito de matar uma sereia, mas espera, como sabe quem é Nixie e Sirena se você é só o diretor da escolass? A não, mentira, você é o alpha que roubou os poderes do Dylan!?

-Exatamente, mas eu não consegui roubar o poder de transformar pessoas, preciso acha-lo, roubar o resto dos poderes e depois fazer o que já deveria ter feito.

-Matar ele?

-Sim.

-Quem matou o Vlado? Me responde se não eu te mato agora.- Pergunta Lucy

-Vocês eram namorados?

-Estávamos ficando, mas eu gostava dele.

-Bom, eu sinto em lhe informa que fui eu que matou ele, enfiando uma pequena adaga de prata no coração dele. Na verdade, mentira, tenho o maior prazer em lhe informar isto.

-Adolescente imbecil! Deveria ter matado você igual matei seu pai naquele dia.

-Foi você?

-Sim, é bom descobrir que alguém matou alguém que você gosta né?!

-Na verdade, eu não gostava do meu pai, ele me usava pra servir ele e ele vivia enchendo a cara, gritando comigo, não sabia fazer nada, foi uma benção ele ter morrido.

-Vaca.

-Essa é você meu amor.

-Eu vou matar essa loira oxigenada.

-Ih Barbie, pode vir, sou loira mas sei... lutar.- Fala Vitória conseguindo se mexer.

-Jinn taca mais veneno nela.- Fala Erik.

-Pode deixar.

-Aff, vou ficar parada de novo? Que saco, cadê o Tyler?- Pensa a garota enquanto Jinn jogava um pouco do  líquido nela.- Vocês são uns covardes mesmo, querem me derrotar mas nem pra lutar servem.- Fala ela se referindo a todos ali.

-Cala a boca.- Responde Lucy.

-Erik, enquanto eu faço algumas perguntas pra ela, tenta enganar o namorado dela, depois o outro menino e por fim o Dylan, depois você trás todos aqui.

-Ok, estou indo então.
Erik sai do galpão e se usa seus poderes pra ficar com o rosto do Tyler.

 


5 minutos depois
Na clínica
  Henry ouvia música em seu celular com seu fone de ouvido enquanto brincava com Bob, ele tacava a bolinha e o cão ia pegar e voltava, estava tudo bem, até ele perceber que alguns cachorros estavam latindo muito alto no quarto onde ficavam os cachorros, ele foi lá ver o que estava acontecendo e viu que um gato fugiu do quarto dos gatos e foi irritar os cachorros.

O jovem vai até o gato e tenta pegar ele, só que leva um arranhão na mão bem forte, o que causa um sangramento rápido, mas logo passa com o poder da cura. Novamente ele tenta pegar o gato, só que rugi pra ele antes, fazendo o animal ficar quietinho e com medo, depois ele leva o gato pra gaiola dele e quando volta pro quarto dos cachorros percebe que o gato causou um ferimento na perna de um cachorrinho, e o mesmo estava chorando um pouco.
-Putz, eu vou ter que fazer um curativo ai em, mas antes deixa eu tentar uma coisa.- Fala o garoto, abrindo a gaiola e chegando perto do cãozinho.
Após se aproximar, ele coloca a mão em cima do machucado e fecha os olhos, após se concentrar em ajudar o cachorrinho, ele abre os olhos e percebe que estava absorvendo a dor do animal igual fez com Bob, mas dessa vez ele se concentra mais e coloca as duas mãos sobre o ferimento, e com isso, o machucado do animal desaparece, como se nunca tivesse existido.
-Uou, eu amo esses poderes. Agora você tá bem amiguinho.- Comenta fazendo carinho no filhote de Pug.- Bob, eu vou deixar você brincando com ele, parece que tem alguém chegando aqui na clínica.
Henry levanta e deixa os dois cachorros brincando, enquanto ele ia ver quem estava chegando, pois escutou alguma coisa com sua audição. Quando chega na entrada, percebe que era Tyler batendo na porta da clínica.
-Henry, oi, preciso falar com você, urgente, aconteceu algo trágico.- Fala o jovem afobado.

-Nossa, calma, senta aqui.

-Eu e a Vitória estávamos lá em casa, ai chegou alguém e bateu na porta, a Vitória foi ver quem era e viu que era um homem, ai depois ele desmaiou ela e depois quando eu fui ajudar ela, ele jogou algo em mim que fez eu não conseguir me mexer.

-Mas e Vitória? Ele levou ela?

-Sim, eu sei pra onde, é um lugar na floresta mas preciso da sua ajuda.

-Claro, é de noite já, se entrarmos na floresta sem ser pela entrada, podemos usar a nossa velocidade que chegamos mais rápido.

-Também pensei nisso, vamos logo.

-Claro, só vou colocar uns cachorros nas gaiolas.

-Ok
Henry foi colocar os dois cachorros que estavam soltos nas gaiolas, enquanto isso, Tyler esperava. Quando o jovem voltou, apareceu alguém batendo na porta desesperadamente, quando Henry foi abrir percebeu que era Tyler.
-Tyler? Mas você não estava aqui dentro?- Fala o garoto olhando pra trás vendo Tyler e na porta a mesma pessoa.

-Ele não é eu, eu sou eu, ele é uma copia de mim.- Fala o garoto da porta.

-Você que é uma cópia. Henry, foi ele que sequestrou a Vitória, ele é um metamorfo.- Fala o outro garoto que estava atrás de Henry

-Espera, quem é o verdadeiro Tyler?

-Ele!- Fala os dois Tyler ao mesmo tempo.

-Já sei, o que aconteceu depois que eu e a Vitória demos nosso primeiro beijo?

-Vocês transaram.- Fala o Tyler que estava atrás de Henry.

-Vocês caíram da árvore, depois eu e o Dylan começamos a rir.- Fala o Tyler que estava na porta.

-Bom, parece que quem é o Tyler verdadeiro está claro.- Fala Henry chegando perto do Tyler que estava atrás dele.

-Isso, ainda bem que você sabe.- Comenta o Tyler que estava ao lado de Henry.

-Henry, eu que sou o Tyler verdadeiro, ele que é o metamorfo.

-Eu sei.- Responde o garoto dando uma cotovelada no nariz do jovem ao seu lado, desmaiando o mesmo.- Você ficou desesperado mesmo em.

-Não tem graça, agora temos que achar a Vitória, ela foi sequestrada por esse cara, ele estava usando o seu rosto e enganou ela.

-Que estranho pensar que alguém estava usando meu rosto pra enganar minha ex.

-Ex?

-Apesar de mim estar apaixonado por ela, eu vi ela beijando um garoto que eu não gosto.

-Depois eu converso com você sobre isso, agora vamos.

-Beleza, mas você sabe onde é?

-Não, mas deve ser na floresta

-Ok.

 


No galpão
-Como você se transformou?- Pergunta Kin a Vitória.

-Dylan me mordeu.- Responde a loira.

-Como que você se comunica com seus amigos quando você está longe?

-Assim, existe uma coisa chamada celular, você conhece?

-Engraçadinha você em, quer o nariz vermelho de uma vez? Posso deixar ele sangrando.

-Ué, posso fazer nada, você perguntou e eu respondi.

-Como você se comunica com seus amigos de forma lobisomem.

-Ah, sei lá.- Responde ela mentindo.- Putz, é verdade, eu posso uivar bem alto, se eu ainda estiver em Mount Wolf Tyler, Dylan ou até mesmo Henry pode escutar.- Pensa a garota.

-Para de mentir, eu sei que você deve saber, eu sou lobisomem também, esqueceu?

-Se você também é, deve saber, por que tá perguntando?

-Dylan podia ter dado educação aos filhotes dele né.

-Se quer saber como que nos comunicamos?

-Se você souber, eu gostaria, porque os lobisomens usam vários estilos pra praticarem suas habilidades, as do Dylan podem ser diferentes das minhas.

-Ah, bom é assim que nos comunicamos.- Vitória Uiva então, bem alto, fazendo Jinn e Lucy se assustarem.

-Cala boca desgraça.- Grita Kin dando um tapa na cara de Vitória, que apesar de não poder se mexer, vira a cabeça com o tapa.

-Ai filha da puta, tá doido? Eu vou te matar.- Fala a garota fazendo muita força pra de mover, e lentamente ela consegue.

-Acho que você não jogou muito veneno nela.- Comenta Lucy.

-Pois é, mas espera que eu jogo mais.
Enquanto Jinn se aproximava de Vitória, a garota consegue sair do efeito do veneno e da um chute na barriga dele, fazendo o mesmo cair com tudo no chão, em seguinte ela consegue se levantar e parte pra cima de Derik, porém o homem com um soco na barriga a joga no chão, novamente ela se levanta e parte pra cima dele, mas Lucy levita uma faca e a joga em Vitória bem na barriga, fazendo a jovem sentir muita dor e sangrar muito, e como a faca estava presa na barriga ela não podia se curar.
-Você não acha que isso vai me parar né?!- Fala Vitória tirando a faca da barriga lentamente e gemendo de dor um pouco.

-Uau, você é valente, mas são três contra um, desista antes de morrer.- Comenta Kin.

-Foda-se, prefiro morrer lutando do que desistir.
E ela novamente parte pra cima de Kin, com uma voadora ela consegue derrubar ele, que logo se levanta e a chuta na barriga, ela cai mas levanta e dá um soco em sua barriga depois outro em seu rosto e por fim um chute na barriga derrubando o homem.
-A moleque, derrubei um alpha, agora posso esfregar na cara do Tyler.

-Meu amor, você não vai sair daqui, tu vai morrer e vai ser agora.- Comenta Lucy levitando várias facas e em seguida jogando todas em Vitória.
Algumas arranham a pele dela, outras não acertam e uma fica presa em sua coxa.
-Sua vadia, vou arrancar esses dentes no soco.- Fala Vitória tirando a faca da coxa e já se curando dos arranhões pelas outras facas que acertaram seu rosto, pernas e braços.

-Terá que chegar perto de mim primeiro, e vadia é tua mãe.

-Não fala da minha mãe.
Vitória uiva e se transforma em lobisomem, correndo rapidamente acerta Lucy a derrubando, e com suas, arranha seu rosto fazendo um corte bem profundo na sua bochecha. Lucy usa seus poderes e empurra Vitória com a mente a jogando no chão com tudo.

A garota logo se levanta e uiva muito alto, fazendo Henry e Tyler ouvir. Depois de uivar, ela corre em direção a Lucy e arranha sua barriga, sujando o vestido da mulher com seu próprio sangue.
-Chega, agora pega essa faca, enfie em sua barriga e sente naquela cadeira e espere sangrar até morrer!- Fala Lucy usando seu poder pra controlar a mente de Vitória, que começa a fazer o que a bruxa falou.

-O que fez com ela?- Pergunta Jinn.
 

 

 

Na praça
Carlos havia ido buscar Mariana e agora estava levando ela pra ir a uma balada, mas antes eles decidiram passar na praça, que ficava linda e calma a noite.
-Foi o Henry que armou isso, não foi?- Pergunta Mariana sorrindo a Carlos.

-Por que é tão difícil pra você achar que eu não posso te chamar pra sair?- Responde ele rindo.

-Porque o Henry fez você me chamar pra ir a vários lugares já.

-Que bom, não é nosso primeiro encontro, quer dizer... não é a primeira vez que saímos como amigos pra se divertir.

-Ele quis ficar em casa com a namorada?

-Hoje ele tinha hora extra no serviço, por isso não é difícil pensar que eu que quis chamar minha amiga pra ir a uma baladinha.

-Quinta-feira na balada, amanhã que seria o dia ideal pra ir não?

-Amanhã é feriado, o ingresso vai ser muito mais caro e ninguém vai.

-Amanhã é feriado?

-Sim, aniversário da cidade, só algumas escola da cidade não vão abrir e outra, amanhã ninguém precisa trabalhar.

-Mas trabalho como médica e você como veterinário, por isso vamos trabalhar amanhã.

-Nos hospitais e nas clínicas veterinárias daqui da cidade fazem algumas trocas de funcionários, se um não trabalhou no último feriado, ele irá trabalhar nesse, e você trabalhou no último, ou seja, não precisa ir amanhã.

-Como sabe que eu trabalhei no último feriado?

-Porque o último feriado foi no Ano Novo, você teve que ir por causa de uma emergência.

-Aé, você e o Henry ficaram a madrugada inteira me esperando e só tomaram o champanhe quando eu cheguei.

-03:30 da madrugada, fomos os únicos a gritar e ligar o som e tomar champanhe naquele dia.

-Realmente. Mas e ai, estamos aqui na praça a quase uma hora.

-Jura? O tempo passa mais rápido quando estou com você.

-Eu digo o mesmo.
Os dois ficam sorrindo um pro outro, e vão se aproximando, fechando os olhos pra iniciar um beijo, mas Mariana recebe uma ligação e os dois disfarçam, ela atende e percebe que era só uma ligação da operada fazendo alguma propaganda.
-Quem era?- Pergunta Carlos pra aliviar o clima.

-Era só a operadora fazendo um tipo de anúncio.

-Ata, bom, quer ficar aqui sem fazer nada só conversando, ou quer ir pra balada dançar e beber um pouco?

-Vamos pra balada.- Ela responde rindo e os dois voltam pro carro pra poderem ir pra balada.

 


Galpão
-Controle de Mente é uma habilidade que eu ando treinando, agora pegue um pouco do sangue dela pro meu feitiço, o que eu te falei hoje.

-Claro.

-Ótimo, agora você manda ela parar de fazer isso e joga veneno de Kanimâ nela, não quero que ela morra, ela não pode morrer.- Comenta Kin.

-Como assim não pode?- Pergunta Lucy.

-Preciso dela pra fazer um acordo com Dylan.

-Ok né, Vitória tire essa faca da barriga e cure-se, mas tire bem devagar e girando. Já que tu não vai morrer, pode sofrer né.
A garota começa a fazer o que a bruxa mandou e quando começa a girar começa ao mesmo tempo a gritar e gemer de dor, fazendo sua roupa, cadeira e chão ficarem sujos de sangue, muito sangue. Quando tira totalmente a faca de sua barriga ela simplesmente cai no chão e vai se curando lentamente pois estava fraca.
-Agora Jinn, jogue seu veneno nela, mas aplique mais do que o normal, apesar de não matar vai fazer ela ficar quietinha.- Fala Derik pegando seu celular.

-Claro.- Responde o homem colocando sua calda pra fora.

-Pode ficar paradinho ai, aplica esse veneno nela que eu uso o mesmo em você.- Fala Henry arrombando a porta do galpão.

-Henry, que bom te ver.- Comenta Vitória com voz baixa com sorriso no rosto.

-Eu sei, mas espera, o vilão da porra toda era você? O diretor da minha escola? A fala sério, que clichê mais bosta.- Responde o jovem olhando pra o diretor Kin.

-Fazer o que, clichês as vezes são bons.

-Sabe que vamos te matar né?- Comenta Tyler entrando no galpão.

-Tyler?!- Fala Vitória começando a se recuperar totalmente.

-Vocês são tão trouxas de acharem que vão derrotar a gente, isso aqui não é Power Rangers não meu filho.- Comenta Jinn.

-Eu sei, mas se fosse eu queria ser o Vermelho ou o Azul, apesar que o Azul na maioria das vezes é feio, mas foda-se, azul é foda.- Responde Henry

-Henry! Foco cara!

-Foi mal. Beleza eu vou lá lutar com o homem que eu ainda não sei por quê tem uma calda, e você vai lá ajudar a Vitória.

-É sério? Vai tentar imitar os Power Rangers? O vermelho sempre fala isso, idiota.

-A para de ser chato, eu ainda nem cantei a musiquinha.

-Que musiquinha?

-Go go go power rangers!- O garoto começa a correr e ir pra cima de Jinn.

-Ai meu Deus, e eu pensando que o idiota era eu.- Comenta Tyler indo ajudar Vitória

-Esse moleques são engraçados.- Fala Lucy rindo.
 



Carro de Willian
-Pra onde estamos indo mesmo?- Pergunta Helen a seu irmão.
-Eu iria pra floresta, mas eu vi o Tyler entrando na clínica veterinária onde o Henry trabalha e depois eu vi ele entrando de novo.

-Como assim? Quer dizer que o metamorfo está usando o rosto do namorado da Spencer agora?

-Exatamente, e depois de algum tempo o Henry e o Tyler ou o metamorfo saíram de lá, ou seja, ainda deve ter alguém e lá, e se dermos sorte é o metamorfo.

-Por que se dermos sorte?

-Ué, é capaz dele estar desmaiado ou amarrado ou preso né, se ele não saiu de lá até agora.

-Realmente, mas dois adolescentes deram conta de um metamorfo adulto?

-Sei lá, dois é mais que um né.

-É, mas se ele estive desmaiado é melhor você ir mais rápido, vai que ele acorda.

-Verdade.
Willian então acelera o carro e eles se aproximam da clínica.
 

 

 

Galpão
Henry dá um soco na cara de Jinn, que reage com um murro na barriga e usa sua calda pra derrubar o garoto, que levanta e da um chute na barriga dele, após o chute, Henry dá um soco muito forte na garganta de Jinn, que agacha com falta de ar, e assim leva uma cotovela nas costas e quando cai no chão leva um chute na cabeça e outro perna.
-Agora é você.- Fala Henry apontando pra Kin.

-Henry, puta que pariu, isso não é Power Rangers, me ajuda a levantar Vitória pra sairmos daqui.

-Aff, pode nem se divertir mais hoje em dia.

-Se acha que isso é divertido, eu te ajudo na diversão.- Fala Kin derrubando Henry no chão e quebrando seu braço com um golpe de pernas.

-Ai filha da puta, eu gostava de você até agora, mas o amor acabou.- Responde Henry colocando o braço no lugar.

-Beleza, chega de gracinha, vem pra cima que cansei de ser o vilão que só assiste as treta.

-Ok então.

-Menina do céu, essa treta vai pegar fogo, vou até sentar e pegar uma pipoca.- Comenta Lucy fazendo um feitiço pra aparecer um saco de pipoca em suas mãos.

-Pera ai que nós também vai ver.- Fala Tyler e Vitória correndo e sentando do lado de Lucy.

-Depois a gente resolve a nossa briga.- Comenta a mulher se referindo a jovem

-Ok.

-Isso é sério? Vocês comem pipoca e assistem eu lutando contra o alpha?

-Exatamente, toma cuidado...- Ia falando Tyler vendo que Kin estava correndo na direção de Henry.
Após derrubar, Derik usa suas garras e começa a deferir golpes no peito do garoto que grita e usa também suas garras pra se defender, enfiando elas na coxa do homem, que solta um leve grito.

Quando ele saiu de cima do garoto, tentou novamente derruba-lo, mas o jovem desvia e acerta o mesmo com uma ajoelhada no estômago e depois uma cotovelada nas costas, fazendo o homem cair e ficar deitado no chão.
-Ae Henry, você consegue.- Grita Tyler.

-Vai Kin, levanta.- Grita Lucy.
O homem se levanta e dá um soco na barriga do jovem, em seguida, ele pega nas perna do menino e o taca na parede do galpão, e logo após, pega novamente as perna do menino e o taca com toda força em um dos pilares que ficava no meio do galpão, quebrando o pilar.
-Porra Henry, você não vai perde e provavelmente morrer também pra esse cara, ainda mais na frente da menina que você está apaixonado.- Pensa ele com alguns corte no corpo e sangue também.

Ele se levanta, uiva e se transforma e Kin continua normal. O homem tentou dar um soco no rosto do jovem, mas o mesmo pegou o braço dele e o torceu, usou sua força pra quebrar, e quando quebrou e o homem começou a se afastar pra tentar colocar de volta no lugar, Henry se aproximou e com um chute derrubou Derik, e com uma pisada bem forte, quebrou alguns dedos do homem caído.
-Um, dois, três, quatro e por fim cinco, todos os dedos quebrados, agora os da outra mão.- Fala o menino parando de pisar na mão direita e indo pisar na esquerda.- Um, dois, três...- Antes de terminar, Kin chuta ele e se levanta, colocando os dedos no lugar e por fim o braço.

-Eu estou começando a ficar bravo, e acredite, você não quer ver um alpha bravo.

-To morrendo de medo.
Depois de dizer isso, ele leva uma rasteira e uma enorme quantidade de socos na barriga, com muito sangue na boca ele começa a se engasgar e a ficar sem ar.
-Puta que pariu, ele vai morrer.- Fala Tyler parando de comer pipoca.

-Henry, levanta!- Grita Vitória.

-Sabe, eu até gostava de você, mas agora que você é do time do Dylan, eu só quero que você morra. Mas deixa eu facilitar isso.- Fala Kin forçando a barriga de Henry com o pé.

-Acho que não em.- Comenta Tyler enfiando suas garras nas costas do homem e o jogando em um dos pilares.

-Ei, a treta era só dos dois, aff, adolescente é tão sem graça.- Grita Lucy.

-Calma, não se esforce muito, só se levante que eu te ajudo a sair daqui.- Fala Vitória ajudando o ex a se levantar. -Enquanto Tyler distraí o diretor nós fugimos.

-Eu não concordo muito, só me leve ali pra fora pra eu me curar.

-Pode deixar.

-Nem pensem em fugirem.- Comenta Lucy entrando na frente dos dois.

-Nossa mas você é chata em, puta merda!- Responde Vitória.

-Fazer o que né, agora eu vou te matar e depois seu namoradinho.

-Tecnicamente não somos mais namorados.- Comenta Henry.

-Foda-se, vocês vão morrer.

-Talvez não.- Responde Dylan batendo com um pedaço de ferro na cabeça de Lucy fazendo ela desmaiar e sangrar um pouco.

-Nunca fiquei tão feliz de te ver.- Fala Vitória sorrindo.

-Leva ele lá pra fora, eu cuido do Kin.

-Pode deixar.
Tyler estava apanhando muito de Kin, até Dylan chegar e enfiar suas garras nas costas do homem por trás e o tacar na parede, quebrando a mesma.  Dylan ajuda o garoto cheio de sangue a sair da li.
-Vamos pro meu carro, está aqui perto.- Comenta Dylan.
Quando eles saem do galpão, Dylan e Vitória ajudam Henry e Tyler a entrarem no carro pra eles saírem da floresta.
 

 


Clínica
  Helen e Willian chegam e entram na clínica e encontram Erik, com o rosto de Tyler, desmaiado no chão.
-Será que é o Tyler de verdade?- Pergunta Helen.

-Não sei, talvez seja, melhor amarrar pra prevenir

-Ta.
Eles amarram Erik numa cadeira e esperam ele acordar. Quando o homem acorda, ele continua fingindo ser Tyler.
-Onde que eu estou?- Pergunta Erik sonolento.

-Na clínica, você é o Tyler ou o metamorfo?- Pergunta Helen.

-Tyler, quem é esse metamorfo?

-Você não sabe ou só ta fingindo?- Pergunta Willian.

-Não sei, eu vim aqui falar com o Henry porque sequestraram minha amiga e quando cheguei só vi uma cópia de mim e depois tudo ficou preto.

-Como chama sua amiga?

-Ana.- Responde inventando.

-Você tem namorada? E se tem como chama?

-Tenho, é sua filha.

-Mas como chama?

-Samara.

-Parabéns.

-Vocês vão me soltar?

-Não, você vai morrer.- Responde Willian dando três tiros no peito de Erik, o matando na hora e fazendo ele voltar a sua forma original.


Notas Finais


^_^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...