História Surpreso Com O Amor, Sofrendo Secretamente. - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Lemon, Original, Romance, Yaoi
Visualizações 55
Palavras 3.164
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oie

Bem, como eu havia previsto, não deu pra postar ontem, o dia foi muito corrido e o cansaço me tomou, não queria fazer era nada, mas tinha casa pra cuidar e almoço e janta pra fazer, fora que tinha q fazer comida a parte para minha mãe.... Aish
Como eu não gosto de ficar em débito, hoje ainda é terça 😌 e vai ter capítulo😋, quanto aos dias que eu posto continuará os mesmos.
Sorry por toda essa desculpa (ficou estranho ne ksksjs), mas é que não deu mesmo.
Bem, é isso
Boa leitura minhas fofuras😙

Capítulo 21 - Ciúme


Seus lábios moviam junto ao meu, sua língua brincava com a minha, suas mãos me apertava contra seu corpo e uma delas acariciava minha nuca passando as unhas levemente me causando um arrepio. Minhas mãos repousavam em seus ombros apertando levemente a região, a mão que estava em minha cintura desceu um pouco até chegar em minha bunda e aperta-la, arrancando um gemido meu.

- Q-que porra é essa? – Gritou a voz grossa o que fez o beijo parar, mas não me afastar do corpo a minha frente. – Larga o meu marido, seu aproveitador

- Pelo que o loiro gostoso aqui me disse, ele está livre e desimpedido.

- Legalmente, o Nicholas ainda é meu marido e se você não largar ele, eu irei te dar uma lição.

- Lição? – Disse irônico. – Acha que depois de tudo tem o direito de me impedir de beijar alguém?

- Amor...

- Taylor, você não manda em mim.

- Eu já te pedi perdão, você disse que eu poderia te reconquistar.

- Eu disse tentar.

- Algo que você não vai conseguir camarada. – Afirmou Lewis colando mais meu corpo ao dele. – Acha que vou deixar essa delícia livre por ai? Não mesmo.

Senti meu corpo arrepiar quando sua boca chupou meu pescoço com força, solto um gemido baixinho e assim que o ruivo apertou minha bunda novamente gemi mais alto e pude sentir seu membro duro esfregando no meu, era uma sensação gostosa de sentir, era o carinho que eu precisava, mas com certa luxúria que faz meu corpo incendiar e querer mais.

Toda essa confusão começou quando Greg veio a casa dos meus pais e passou o dia comigo, assim que começou a escurecer o loiro disse que iria me levar a uma boate para nos divertir, voltou para casa e quando o relógio marcou nove horas a campainha da casa do meu pai tocou, e assim que eu abri a porta vi Greg junto de seu marido e um cara ruivo que me olhava de cima a baixo.

Achei que seria apenas eu e o loiro, mas ele havia trazido companhia, Dan apenas levou meu amigo e o ruivo a minha casa, e nos levaria a boate, ele ainda teria que fazer um jantar super especial, já que um crítico gastronômico iria em seu restaurante e se ele não gostasse de nada, uma estrela estaria em risco.

Dan, desde que se formou em gastronomia vem tendo um sucesso absurdo, com seis anos de restaurante ele já possuía uma estrela, e hoje depois de muito suor ele tem três estrelas e hoje se conseguisse êxito ganharia a quarta. Lhe desejo toda a sorte do mundo mesmo sabendo que ele vai conseguir, sua comida era mesmo muito boa.

Ainda confuso?

Irei explicar.

Momentos Antes

- Greg esse lugar é mesmo seguro? – Perguntei, no jornal passava notícias de roubos e brigas em boates e eu não queria estar em uma delas. –

- Calma gatinho, esse lugar é totalmente seguro. – Respondeu o ruivo. – Sou o dono daqui e de varias outras boates espalhadas por Nova York.

- Err...desculpe, qual o seu nome?

- Lewis, o seu Lewis se você quiser, o cara que vai te pegar daqui a pouco.

- Opa, calma lá ruivo, o Nicholas e casado.

- Era, estou livre, leve e solto. – Respondi e bebi o drink que estava sobre o balcão. – Vamos dançar?

- É pra já. – Responderam ao mesmo tempo. –

Fomos direto para a pista de dança e logo uma música animada começou a tocar me fazendo mexer o corpo no ritmo da batida, as luzes piscando no lugar escuro, o álcool em minha veia e a adrenalina me fazia ficar alegre, não estava bêbado isso tenho certeza, estou apenas curtindo.

Lewis se aproximou mais de mim e Greg ficou ao meu lado, umas garotas chegaram e ficaram junto de nos três, sabia que queriam algo, mas Lewis logo cortou as garotas dizendo que nós éramos gay’s, e como recompensa ganhou uma linda e grosseira resposta de uma garota de cabelo roxo, disse que todas ali eram comprometidas e queriam apenas dançar e assim foi, nós dançamos com elas.

Greg pelo menos dançou com elas, já que Lewis colou seu corpo com o meu e me fez dançar junto dele, achei que ele estava brincando quando disse que seria o cara que iria me pegar, mas pelo que vejo estou completamente enganado. 

Seu corpo era musculoso, não tão exagerado, mas o suficiente pra fazer uma garota molhar a calcinha e um homem que curte a fruta, ficar com o pênis ereto e a boca salivando.

Eu não estava desse jeito, mas confesso que estava ansioso para saber como é o beijo desse homem. Não me preocupo se Taylor assinou o divórcio ou não, havia dito pra ele que não existia mas nada entre nós, e ele ainda tenta me reconquistar. Depois que saímos e fomos ao parque, ele me levou para sair várias outras vezes, e quase em todas elas, sempre me beijava quando podia, eu aceitava, era difícil não se entregar a Taylor, quando ainda sinto algo por ele.

Lewis se aproximou de meu pescoço, beijando o mesmo e suas mãos apertaram minha bunda, levei minhas mãos ao seu pescoço e deixei que ele me acariciasse como estava fazendo. Mesmo estando no meio de tanta gente, ele levou uma de suas mãos para dentro de minha calça e apertou minha bunda, senti sua mão quente em contato com minha pele me fez gemer mesmo não querendo. Senti seu dedo deslizando para dentro de mim começando um vai e vem, e nesse momento eu já não dançava mais.

Levei uma de minhas mãos até seu membro e apertei, seu gemido rouco em meu ouvido me estimulou a apertar mais ainda, invadi sua calça e cueca e comecei a masturbar seu membro e Lewis continuava a me invadir agora com dois dedos.

- Você esta tão molhadinho. – Falou em meu ouvido chupando o lóbulo de minha orelha em seguida. – Queria te foder, posso?

- Não acha que está muito cedo pra isso?

Questionei e tomei a iniciativa de beijar seus lábios, sua língua brincava com a minha e explorava minha boca assim como a minha fazia com a sua, não parei de apertar e masturbar seu membro e nem ele parou de me invadir com seus dedos, não me importa se alguém estava olhando, só queria aproveitar que alguém estava me dando o que eu precisava de uma forma cariosa e respeitosa, já que eu estou permitindo isso, e ele pergunta se pode ou não.

Encerrei o beijo e olhei em volta, ninguém nos olhava, nem mesmo Greg que estava próximo dançando com as garotas, fiquei aliviado e tentado a parar com Isso, mas Lewis parecia querer isso ate o final, e não vou me enganar, eu também quero.

- Vamos para o banheiro, gatinho, se não rolar de eu te foder, me faz um boquete.

Olhei para Lewis parando de masturbar seu membro, mas ele não parava de mover seus dedos em meu ânus. Pensei muito sobre e assim que eu tirei minha mão de seu membro, ele retirou seus dedos de dentro de mim, arrancando um gemido meu. Meus lábios foram capturados pelos lábios de Lewis e voltamos a nos beijar.

- Vamos logo antes que eu me arrependa.

Saímos da pista de dança e fomos correndo para o banheiro, assim que chegamos entramos em uma cabine e fechamos a porta, não queria ser interrompido, agora sou eu quem quero o membro desse ruivo na minha boca, entrando e saindo em minha garganta.

Não perdi tempo e ajoelhei, abaixei o zíper de sua calça e desabotoei a mesma, desci sua calça até o meio de suas coxas e finalmente pude ver o briquendo que o ruivo guardava. Sorri malicioso com o tamanho que com toda a certeza ganhava de Taylor por alguns centímetros.

Beijei seu pênis por baixo da boxer azul-escuro que Lewis usava e o ouvi gemer desejoso, abaixo sua cueca com os dentes e deixei seu pau pular para fora. Os pelos pubianos ruivos aparados dava um charme a mais a essa tora de carne que vou colocar em minha boca.

- Abre a boca seu gostoso, deixa eu soca na sua garganta.

- Eu que mando aqui, ruivo.

Abocanhe seu membro começando a sugar com força, parte do seu membro ficava para fora uma vez que seu comprimento não entrava todo em minha boca, o que era questão de tempo. Não tem desafio que eu não cumpra com êxito, e colocar todo o membro de Lewis em minha garganta, era o desafio da noite.

O ruivo gemia alto a cada chupada forte que eu fazia em seu pau, raspava meus dentes levemente, lambia só a cabecinha avermelhada para provoca-lo e o via estremecer a cada vez que eu fazia isso, o que me fazia sorrir safado e satisfeito. Sentia que podia colocar seu membro por completo em minha boca, e assim o fiz, coloquei todo em minha garganta e comecei a chupar mais lentamente para não engasgar com seu pau.

Levei uma das mãos até seus testículos e comecei a brincar com eles, massageava enquanto chupava o grande brinquedo de Lewis, que gemia rouco enquanto acariciava meu rosto e minha nuca. Olhei para cima e pude ver seus olhos fechados e a cabeça encostada na parede de madeira da cabine.

Ouvi a porta do banheiro ser aberta e o ruivo abriu os olhos e olhou para baixo em um pedido mudo para que eu parasse, mas com um sorrisinho mais que maldoso, ele entendeu que eu não iria parar coisa alguma. Comecei a sugar mais forte, mas rápido, com mais fome e vontade, queria ver até quando ele iria aguentar não gemer alto como estava gemendo, queria ver o quanto ele aguentaria prender o gozo e evitar gemer rouco com seu orgasmo.

Minhas mãos balançava seus testículos por conta da massagem e eu mantinha minha boca ocupada. Tirei seu membro de minha boca para recuperar o ar e passei a lamber seu escroto e colocar uma de suas bolas em minha boca, fazendo isso com a outra assim que larguei o testículo esquerdo passei para o direito chupando como fiz minutos antes com o outro. Voltei com a língua passando por seu longo pênis e abocanhei novamente.

A torneira ligada do lado de fora da cabine avisava que o homem que havia entrado no banheiro já estava de saída, e quando o som da porta fechando foi ouvida, Lewis segurou meu rosto e me encarou sorrindo malicioso.

- Seu loiro gostoso do caralho, vou te ensinar a não provocar mais o seu homem.

Sorri com isso e logo o ruivo começou a estocar em minha boca, socando tudo para dentro de minha garganta. Eu sentia ele ir fundo em minha garganta, era uma sensação gostosa não vou mentir, e queria muito sentir o gosto de seu sêmen. Coloquei meu pau para fora da calça e comecei a me masturbar enquanto Lewis metia seu pau em minha garganta.

Seus corpo começou a estremecer evidenciado os sinais de um possível orgasmo que estava próximo, com mais algumas estocadas ele gozou em minha boca e continuou a socar seu membro em minha boca prolongando o orgasmo, um pouco de seu sêmen escorreu para fora de minha boca e quando ele tirou seu membro de minha boca, engoli seu gozo quente e grosso. Lewis se abaixou e lambeu os cantos de minha boca engolindo seu próprio sêmen.

- Vem cá, deixa eu te chupar meu loirinho.

Levantei e deixei ele fazer o que queria, mas sabia que não iria demorar muito, pois estava me masturbando enquanto o chupava. O ruivo colocou meu pênis em sua boca e sugava com tanta vontade que me fazia gemer alto e fora de controle. 

Não demorou muito e já podia sentir meu orgasmo se aproximando, queria poder sentir mais da boca de Lewis em meu pênis, mas era inevital segurar o gozo quando se está com muita vontade. Gozei em sua garganta e o vi engolir tudo e lamber os lábios.

Lewis virou meu corpo e chupou meu ânus por pouco tempo, levantou do chão e posicionou seu membro em minha entrada socando fundo sem nenhuma preparação. Gemi com a entrada bruta, mas não senti doer e logo Lewis começou e estocar sem membro para dentro de mim.

- Awn... L-Lewis, não...

- Diz que não quer que eu paro. - Falou beijando minha nuca. - 

- E-eu não... ah...me fode Lewis.

Ouvi sua gargalhada maliciosa e no instante seguinte o ruivo socou seu pau rápido e forte para dentro de mim. Minha próstata estava sendo castigada e eu estava amando isso. Ele socava seu pênis para dentro de mim, mas se preocupava em me dar prazer também, estava sendo cuidadoso comigo.

Os minutos foram passando, nossos corpos estavam suados e Lewis não parava de estocar seu membro em meu interior, sua boca tomou a minha e com uma última estocada ele gozou dentro de mim gemendo contra minha boca.

- Você é gostoso de mais.

- Você também é, agora pode tirar seu pau de dentro de mim antes que eu peça um bis.

- Loiro safado. - Sorriu e me beijou mais uma vez. - Nicholas.

- Oi? - Disse passando papel higiênico em meu ânus limpando sêmen que escorria e vestindo minha calça assim como ele fazia. - 

- Quer namorar comigo?

- E-eu...Lewis, eu gostaria, mas...meu ex-marido ainda não assinou o divórcio.

- Vou esperar por você.

- Não quero te dar falsas esperanças.

- Fica tranquilo, qualquer coisa pede meu número ao Greg, gostei de você.

- Também gostei de você.

Disse e sai do banheiro seguido por Lewis, voltamos para a pista e dançamos um pouco, o ruivo fogoso começou a passar a mão em meu corpo novamente, e logo sua mão invadiu minha calça segurando meu membro. Ainda dancavamos, mas agora colado um no outro.

Enlacei meus braços em volta de seu pescoço e deixei ele me masturbar enquanto gemia seu nome em seu ouvido. O ruivo safado me chamou para voltar ao banheiro e fazer um segundo round, mas uma força divina interviu e Greg apareceu no nosso lado junto das garotas que se despediram e seguiram para o bar da boate.

- Nico, podemos ir pra casa, meu gostoso me mandou uma mensagem, ele quer comemorar a aprovação do crítico.

- Mas nós mal chegamos Greg. – Respondeu Lewis. –

- Estamos aqui faz... – Olhou as horas no celular. – uma hora e alguns minutos. Eu quero dar ao meu gostoso o que ele quer, vamos Nicholas, por favor. Sei que vocês estavam se comendo no banheiro.

- Greg! - Gritei envergonhado. - Tudo bem. – Respondi e aproximei de Lewis falando em seu ouvido. – Fica para a próxima, mais ainda podemos aproveitar enquanto Dan não vem nos buscar, adorei seu beijo.

- Não faz assim que eu fico louco. – Respondeu beijando minha bochecha. – Não sei quem foi o imbecil que te deixou, mas ele perdeu muito, eu gostaria muito de ser seu e ter você pra mim.

- Falamos sobre isso no banheiro.

- Eu sei, já sabe o que fazer quando estiver resolvido, meu gostoso.

Não dissemos mais nada e saímos da boate, Greg ligou para Dan e disse que já estávamos esperando por ele, e pelo que o loiro disse Dan não poderia vir agora pois ainda iria conversar com o crítico gastronômico, mas ele pediu para um amigo nos buscar e durante esse tempo Lewis aproveitou para me beijar e passar a mão onde podia.

Greg parecia irritado em ficar de vela, e pra provocar o loiro Lewis me apertava contra seu corpo e me beijava com vontade, mostrando o quanto me queria, e foi em uma dessas, que ouvimos a porta de um carro bate com força e logo a voz de Taylor fez presença.

Agora

- Taylor me solta. – Gritei enquanto ele me arrastava para o carro. –

- Solta meu garoto. – Rosnou Lewis. –

- Desde quando meu marido é seu? – Gritou irritado e as pessoas na rua olhava a cena de forma curiosa e alguns com olhares preocupados que rolasse alguma briga. – É melhor você nunca mais chegar próximo do meu marido ou vai se arrepender.

Dito isso, Taylor me colocou dentro do carro contra minha vontade, e Greg entrou logo depois me segurando e começando a afagar os poucos fios loiros que nasciam em minha cabeça, enquanto pedia que eu me acalmasse e ficasse quieto senão as coisas poderiam piorar e Taylor acabaria brigando com Lewis.

O caminho foi em total silêncio, Taylor deixou Greg em sua casa e antes que meu amigo saísse do carro, ele me sussurrou pedindo que eu mantivesse a calma e compreendesse Taylor seja lá o que ele fosse falar.

Agora a estava quase próximo da minha casa e o que eu mais queria era entrar, tomar meu banho, comer algo e me deitar, mas com toda certeza que Taylor iria me prender um pouco nesse carro.

O veículo estacionou em frente a minha casa, e assim que eu tirei o sinto, Taylor travou as portas para que eu não saísse sem antes falar com ele, teria que ser paciente ou acabaria brigando com Taylor e me distanciando mais ainda dele e ele estragaria as chances que ainda tem comigo.

- Porque fez isso comigo? – Perguntou com a voz trêmula é só então pude perceber que Taylor chorava. – Meu pedido de perdão não foi o suficiente, o que estou fazendo para ser alguém melhor para você, para que eu possa ter você de volta em meus braços não é o suficiente? Eu te amo Nicholas, e se foi assim que você se sentiu quando viu aquela cena que me arrependo muito, com meu secretário, você estava completamente certo em ter me batido e batido no Sam. Isso dói muito. – Soluçou. – Por favor, me deixar te amar novamente, eu não aguento mais viver sem você, pode me castigar de outra forma, mas por favor, fica comigo.

- Taylor, eu...

- Eu preciso de você. – Falou entre os soluços. – Eu preciso muito de você Nicholas, meu coração dói só de pensar que você vai seguir sem mim.

- Meu Deus Taylor, está tudo bem. – Falei o abraçando e tentando o acalmar. Lembro-me que quando Taylor está muito estressado, ou assim, ele tem crises respiratórias e o que eu não quero é Tay passando mal. – Te darei mais uma chance, uma última chance.

- Jura? – Perguntou manhoso apertando o abraço e escondendo seu rosto em meu peito. – Promete?

- Prometo, só tenta se acalmar.

- Eu te amo Nico. – Disse ainda soluçando. –

- Não vou te deixar ir pra casa nesse estado, vem. – Ergui sua cabeça. – Hoje você dorme aqui comigo.

- Tudo bem. – Respondeu sorrindo. Levei minhas mãos a sua face e limpei suas lágrimas. – Podemos dormir abraçados, agarradinho um ao outro?

- Podemos, só não faça besteira tudo bem?

- Sim.

Espero não está fazendo a coisa errada. Acho que me equivoquei em me entregar ao Lewis tão rápido, não posso ficar com ele. Eu ainda amo o Taylor e vou deixar meu marrento me amar mais uma vez.

Uma última chance.


Notas Finais


Gostaram?
Vou morrer?
Espero que não.
Kissos, até o próximo capítulo 😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...