História Survivors Runners - Mabias - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Apocalipse, Aventura, Baekhyun, Bangtan Boys, Bias, Big Bang, Bts, Chwe, Exo, Fim Do Mundo, Got7, Jaeho, Kpop, Madtown, Mark Tuan, Misterios, Monsta X, Seventeen, Taehyung, Top, Twice, Tzuyu, Wonho
Exibições 5
Palavras 1.902
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oeoeo gente,
tudo bom com vocês??
Mais um capítulo !!
Espero que gosteem...

Capítulo 11 - O Número


Fanfic / Fanfiction Survivors Runners - Mabias - Capítulo 11 - O Número

O número – the number

— Deixe-me ver isso de novo... — disse Ava pela terceira vez, vendo atrás da orelha de Taehyung que havia um 01. — Vocês nunca tinham visto isso? — perguntou Ava para os garotos.

— Você acha que alguém vai reparar na orelha dos outros? — perguntou Taehyung revirando os olhos.

— Olha como você fala com a Ava! — disse Mari nervosa ficando mais perto dele.

— Eu falo como eu quiser! — fala ele a encarando, já ficando exaltado também.

— Pessoal, vamos parar de brigar aí... — interrompe Baekhyun. — E descobrir o que é isso na sua orelha? — ele aponta para orelha de Tae.

Todos ficaram olhando confusos, até que cabelos roxos abriram espaço no meio de todos e foi parar vendo o que estava na orelha de Taehyung.

— Eu sei o que é... — disse Hanna distanciando um pouco depois de olhar o número estranho por alguns segundos.

— O que é então? — perguntou Baekhyun curioso.

— Isso provavelmente é uma contagem. Como um, dois, três... Ele provavelmente deve ser o primeiro de alguma coisa. — disse Hanna. — Eu já vi esses números em alguns dos caras que eu matei.

Passou alguns segundos de Ava fazendo os cálculos para tentar encaixar uma ideia na outra.

— Hanna você tem razão! — disse ela, fazendo Hanna soltar um “tenho?”. — Ele pode ser o primeiro experimento que os homens fizeram!

— Como assim? — pergunta Taehyung confuso.

— Você não se lembra de ter passado por nenhum experimento? — pergunta Jaeho.

— Que eu saiba, não... — disse Taehyung dando de ombros.

— Tem alguma coisa errada nisso. — comentou Mark.

— Como vocês se conheceram? — perguntou Ava olhando para cada um dos garotos.

— A gente se conheceu meio que num acampamento... Quando o mundo todo já estava desse jeito, nossas famílias foram para lá, mas, as máquinas invadiram tudo e tivemos que ir embora. — explicou Baekhyun.

— Vocês se lembram como Taehyung chegou lá? — perguntou Ava novamente, tentando chegar à uma conclusão.

Todos os garotos fizeram em negativa com a cabeça, menos Chwe.

— Minha família chegou no acampamento antes do Tae aparecer... — ele começou a explicar. — Foi quando os experimentos começaram a acontecer, bem no início do fim do mundo. — ele fazia gestos com a mão, devia ser uma mania. — Quando o Tae chegou no acampamento houve uma enorme bagunça... Pessoas em volta dele pra ver o que estava acontecendo e parecia que ele estava desacordado quando chegou.

— Não me lembro disso... — fala Taehyung, mas, Mari o interrompe colocando a mão em sua boca.

— Ele estava sozinho e a médica do local logo pediu para leva-lo à barraca de tratamento, pois, ele estava inconsciente e bem machucado. — disse Chwe encarando Ava, que não tirava os olhos dele. — Eu não era amigo dele naqueles dias... Por isso, não sei de muita coisa. Só sei porque, bastante gente do local falou e eu não me importei muito com isso, então não perguntei nada para o Tae até hoje...

— Eu não me lembro de nada disso... — falou Taehyung com a mão na nuca.

— Qual a sua história então? — Ava perguntou à ele.

— Quando eu acordei no acampamento, eu estava bem fraco... Não sabia o que estava acontecendo e queria uma explicação. A médica me disse que minha família devia ter sido pega pelos homens da indústria, como não sabia disso ainda, ela me explicou tudo, eu chorei durante muitos dias, sabendo que havia acontecido aquilo com os meus pais... — disse Taehyung um pouco triste.

— Mas, antes de você chegar no acampamento... Você não lembra de nada? — perguntou Candy pela primeira vez na conversa, com a voz fofinha de sempre.

— Não... — disse Taehyung balançando a cabeça negativamente.

— Taehyung você é o número um do experimento, você foi o primeiro a ser testado por todos aqueles homens da empresa. Você deve se lembrar de algo! — disse Ava encarando o garoto.

— Eu... — Taehyung colocou a mão na cabeça. Alguma coisa estava prejudicando a sua lembrança, ele não conseguia lembrar, estava bloqueando e doendo. Até que uma música saiu nos seus pensamentos, uma música que ele não conhecia mas, estava presente na maioria das lembranças. Alguém a tocava com um piano, perfeitamente e Taehyung gostava daquilo, mas, estava fazendo sua cabeça doer. — Não lembro...

E foi a última palavra de Taehyung, depois, ele desmaiou, mas, seus amigos conseguiram segura-lo e leva-lo para a cama de uma das garotas. Ava sentou ao lado direito da cama junto com Baekhyun e Mari ao lado esquerdo.

— Vocês tem primeiro socorros? — pergunta Mark, à Ava.

— Sim... A Mi-Cha deve saber onde está. — fala Ava colocando a mão na testa de Taehyung e vendo que ele estava quente.

— Ava... O primeiro socorros está no armário ao lado, mas... — Mark colocou a mão no ombro dela e entregou o primeiro socorros em sua mão. — A Mi-Cha não apareceu do seu esconderijo até agora, que eu saiba.

Ava olhou para os lados e viu que Mi-Cha realmente não estava ali com os outros no quarto, der repente ela se levantou.

— Temos que procura-la! — avisou Ava.

— E o Taehyung? — perguntou Chwe olhando para o garoto desmaiado na cama.

— A Mari fica com ele... — disse Ava, mas, Mari nem sequer ouviu, ela começou empurrar todo mundo pra fora do quarto.

Assim que todos saíram, Mari se levantou pra ir também, mas, Ava entrou na frente dela.

 — Você fica com ele... — disse Ava dando uma piscadinha.

— Porque eu? — perguntou Mari indignada.

Ava riu debochando e fechou a porta, Mari tentou sair, mas, Ava havia trancado. Mari encarou Taehyung, que estava desacordado e suado, depois viu que havia um primeiro socorros ao lado dele na cama, suspirou e foi andando até ele. Era a única coisa pra fazer...

[...]

 

Ava estava abrindo todas as portas possíveis da fábrica, assim como os outros. Mi-Cha não estava em nenhum lugar, isso demorou mais de meia hora... Ava já sabia o que poderia ter acontecido à ela, os homens a levaram.

— Você a achou? — perguntou Naomi encontrando Ava no corredor.

— Não... — disse Ava olhando para o lado.

— Ela deve ter sido pega, Ava. — Naomi falou com calma.

— Como vamos traze-la de volta? — perguntou Ava nervosa.

— Eu sei que você vai pensar num plano... — disse Naomi colocando a mão na cintura e jogando seus cabelos loiros para o lado.

— Naomi, não é tão fácil assim... — disse Ava já quase chorando. — A Mi-Cha foi pega! Você não está nem um pouco triste?

— Não. — disse Naomi friamente. — Porque eu sei que vamos resgata-la, não é?

Ava apenas a encarou sem saber o que dizer, pela primeira vez, ela estava sem planos em mente... Aquilo era muito ruim. Muito mesmo. Mas, Mark e Jaeho chegaram no local rapidamente.

— Achamos combustível. — disse Mark encarando Ava.

Uma luz clareou a mente de Ava, era uma nova ideia, perigosa? Muito.

[...]

 

Taehyung estava naquele mesmo lugar da sua visão do depósito, porém, estava tudo escuro e dessa vez a porta estava fechada, sem ninguém por lá. Ele se levantou meio cambaleante e percebeu que estava com uma roupa de hospital, parecendo um jaleco, mas, era fechado e todo azul esverdeado. Ele estava descalço, pisando naquele chão frio, foi até a porta e viu que ela estava trancada, começou a bater na porta fortemente para sair de lá. As paredes do local, estavam ficando apertadas, ele percebeu isso, então ficou mais desesperado do que antes.

— Alguém por favor! Me ajuda! — gritou Taehyung batendo na porta, fazendo um enorme barulho. — Abre! Abre! Por favor! — disse Taehyung já chorando desesperado, batendo mais e mais rápido. — Por favor... — disse ele por fim, ficando de joelhos de frente a porta, chorando.

— Taehyung? — disse uma voz, fazendo tudo ficar embasado. — Taehyung! — o rosto de Mari começou a aparecer, assim que Taehyung foi abrindo os olhos com calma.

Mari? — perguntou Taehyung com uma voz fraca e rouca.

— Sou eu... — disse Mari o encarando preocupada.

— Eu tive um pesadelo. — disse Taehyung fechando os olhos e suspirando.

— Percebi. — disse Mari levantando seus pulsos que Taehyung segurava, ele viu que estava todo vermelho em volta, com marcas de sua mão.

— Eu fiz isso com você? — perguntou Taehyung sentando na cama rapidamente e vendo o pulso de Mari com mais cuidado.

— Não... Não se preocupa. — disse Mari levando o braço para longe de Taehyung.  — Eu vou ficar bem... A Mi-Cha sumiu. — Mari tentou mudar de assunto.

— Como assim? — perguntou Taehyung confuso.

— Acho que ela foi pega... — disse Mari um pouco triste.

— Onde tá todo mundo? — pergunta Taehyung já querendo levantar da cama.

— Não. — Mari o impediu. — O pessoal está procurando a Mi-Cha pela fábrica e você tem que repousar por enquanto...

— Eu estou bem... — fala Taehyung encarando Mari.

— Taehyung, você desmaiou de dor de cabeça. Você não está bem... — fala Mari. — Você está tendo pesadelos.

— Isso é normal. — Taehyung dá de ombros.

— Você tem um número tatuado atrás da orelha! — fala Mari irônica.

— Eu posso ter tatuado e não estar lembrando... — diz Taehyung se fazendo de sonso.

— Ah! Tá bom então... Mas, a Ava trancou a gente aqui! — fala Mari nervosa olhando para a porta.

Passou alguns segundos e Mari encarou Taehyung que estava a olhando.

— O que foi? — perguntou ela um pouco nervosa.

— Você fica fofa quando está brava... — diz Taehyung rindo de canto.

— Nem vem! — fala Mari. — Você é tão clichê...

Passou mais alguns segundos e Mari colocou a mão em seu pulso vermelho, porque ardeu um pouco.

— Ah, deixe me ver seu pulso... — fala Taehyung tentando pegar o pulso de Mari.

— Já falei que não precisa se preocupar. — diz Mari desviando seu pulso da mão de Taehyung.

— Peguei! — disse Taehyung, quando segurou firmemente do pulso de Mari, depois de algumas tentativas falhas. — Vamos enfaixar isso...

— Olha, eu não quebrei o pulso, tá? — fala Mari revirando os olhos.

— Eu sei... Mas, até melhorar você vai ficar com isso. — disse Taehyung pegando a caixa de primeiro socorros com a mão sobrando. — Entendeu?

— Faz logo isso... — disse Mari impaciente.

Taehyung abriu a caixa e pegou a faixa. Parou o pulso de Mari em cima de sua perna e deixou a caixa no mesmo lugar que estava antes. Com uma mão segurou o pulso de Mari e com a outra foi passando a faixa, com muito cuidado.

— Bobo. — falou Mari revirando os olhos e vendo que ele estava concentrado em enfaixar seu pulso. Assim que ele terminou, encarou Mari.

— Não se mexe... — disse ele.

— Eu estou totalmente parada. — fala Mari não entendendo a fala do garoto.

Com um impulso rápido, Taehyung colou seus lábios nos de Mari. O beijo era provocante. Mari não entendeu no início, mas, logo cedeu. Quando eles se afastaram para buscar ar. Mari viu que Taehyung tinha ficado vermelho, ela não entendeu, porque antes ele era muito pervertido, para ficar com vergonha assim.

— Taehyung! Não era pra isso ter acontecido!  — disse ela, mas, ficou algum tempo em silencio encarando o garoto, vendo que ele não reagiu. — O que foi?

— Foi o meu primeiro... — disse Taehyung envergonhado.

— Você nunca tinha beijado antes? — perguntou Mari surpresa.

— Não que eu me lembre... — disse Taehyung a encarando.

— Não brinque comigo, Taehyung! Sei que já beijou antes... — disse Mari sem tirar os olhos do garoto.

— Sério... — disse ele olhando para a boca de Mari.

A garota só ficou observando, na hora que eles iriam se beijar novamente, um barulho de doer os ouvidos ecoou em todo o quarto, fazendo os dois pularem da cama de susto, quando a porta se abriu revelando uma Ava, muito nervosa.

— Mi-Cha foi realmente pega! Não encontramos ela em nenhum lugar! Mas, eu tenho uma ideia de como resgata-la!

 


Notas Finais


E aí o que acharam?
Comentem!
Bye,
Kisses <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...