História Sutilmente - Capítulo 9


Escrita por: ~ e ~Good_Girl

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Tags 5sos, Luke Hemmings
Exibições 166
Palavras 3.679
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu nao demorei para postar dessa vez! Primeiramente eu queria desejar feliz Natal e ano novo, pois eu acho que eu nao vou conseguir postar capítulo em nenhuma dessas datas. Seguidamente eu queria avisar que eu estou montando uma play list para a fanfic então eu vou deixar o link das músicas nas notas finais se alguma de vocês estiverem interessadas em ouvi-las ou sei la.

PS: EU ESTOU PRECISANDO MUITO DE FOTOS DO LUKE HEMMINGS ENTÃO SE ALGUÉM PUDER ME MANDAR PELO TWITTER EU AGRADECERIA

Link do meu tt:  https://twitter.com/unicornialouca2?s=09

Capítulo 9 - Início de uma longa jornada


Fanfic / Fanfiction Sutilmente - Capítulo 9 - Início de uma longa jornada

Eu estava encostada em meu guarda-roupa a alguns minutos pensando em coisa não muito importantes para esquecer os pensamentos que vinham em minha mente sempre que eu tinha que tomar alguma decisão importante, e com certeza isso era um grande fantasma que insistia em ficar debaixo da minha cama.

Respiro fundo e dedilho as poucas roupas que se encontravam nos cabides, boas lembranças de Blue vieram a minha mente, era difícil estar em um país que eu não conheço praticamente ninguém e mais difícil ainda quando está sem alguém que você se sente confortável para falar sobre assuntos femininos ou apenas das idiotices da vida.

Tiro as três peças de roupa do guarda roupas que agora se encontrava completamente vazio como meu extenso coração se é que eu poderia chama-lo disso não é? Eu via meu coração como uma enorme pedra de gelo que bombeava sangue para todo meu corpo, essa era a certa e mais completa definição para o meu 'Coração', era meio complicado definir minha personalidade as vezes eu era gentil com as pessoas e outras só faltava mandar todos para um buraco negro na via láctea, eu com certeza era  a verdadeira definirão de bipolar/de mal com a vida.

Minha mente era uma grande bagunça mascarada por uma face tranquila e límpida, eu pensava em tantas coisas ao mesmo tempo, que por hora era difícil distinguir o que eu pensava de fato naquele momento, era difícil me entender, e também difícil entender minhas ações e os meus limites posso dizer que sou uma pequena caixa de surpresas.

Boto aquelas roupas de volta em minha mala e a fecho novamente, a deixo do lado esquerdo da cama já que eu não caminhava muito por la, tinha um pacote de salgadinhos e um pouco mais da metade de uma garrafa de coca-cola na escrivaninha, então não tinha necessidade alguma de ir lá em baixo apenas para pegar algo pra comer, já que eu estava em pé vou até a pequena mesa que se encontrava uma pequena caixa de lápis de cor e umas folhas de papel ofício tamanho A4, pego o pacote de salgadinhos que mal tinha tocado e o refrigerante que se encontrava pela metade, vou em passos rápidos para cama e dou um grande gole no refrigerante, escuto minha barriga fazer um barulho estranho indicando que já era hora de tomar o café da manhã, que nessa manhã não passará de uns salgadinhos e meia garrafa de 600ml de refrigerante.

Após acabar de comer eu me deito na cama e começo a pensar em diversas coisas, pego meu celular para poder ver como andavam as notícias já que eu odiava ver algum jornal televisionado, e ler também não era uma coisa tão interessante assim, mas eu tinha que fazer para não ser uma pessoa desinformada, enquanto eu lia aquelas diversas notícias umas um pouco bizarras e outras nem tanto vários pensamentos estavam passando por minha mente, e isso com certeza me incomodou e também tirou toda a minha atenção do que eu estava lendo, um daqueles diversos pensamentos eram minha mãe.

Pensava nela todos os dias e esses pensamentos quase todos os dias se resultavam em lágrimas e mais lágrimas, eu odiava isso, chorar por uma mulher que não dava a minima para mim, a mulher que apontou o dedo onde eu errei. Ela não se preocupou em me consolar e nem nada disso, apenas foi embora na primeira oportunidade que teve ao mesmo tempo que eu a odiava eu também a amava, eu passei doze anos da minha vida com ela, era impossível esquecer tudo isso e ignora-la por completo, as vezes eu queria ter uma mãe por perto para me consolar, me apoiar e até ir no shopping fazer coisas de meninas, mas infelizmente eu tive apenas que me contentar com a presença do meu pai, ele até tentava fazer essas tais coisas que as mães faziam com suas filhas, mas sempre se resultavam em um belo e lindo fracasso.

Sem ao menos perceber eu estava chorando tanto que os soluços saiam por meus lábios involuntariamente, junto com as memórias de minha mãe também vieram as memórias de meu irmão e junto a tudo isso veio a saudade da família feliz que nós tínhamos, nós éramos felizes as vezes tínhamos uma briga ou outra, mas era uma coisa normal já que famílias normais brigam algumas vezes, mas é triste ver que nossa família está despedaçada em três cantos diferentes do mundo e que dificilmente esses pedaços irão se juntar novamente.

A dor que eu sentia era única e inimaginável na vida de quem não a sentia, as vezes a dor era muito mais que uma tempestade de neve ou um temporal, a minha dor conseguia ser muito mais que um desastre natural ou algo assim, a minha dor não podia ser passada para o papel ou ser escrita em versos cantados, a dor foi feita para ser sentida não interpretada por pessoas curiosas que só querem saber a tonalidade da sua dor porque você já foi vista com alguém famoso ou algo assim.

As lágrimas continuavam caindo e minhas mãos começaram a tremer, ainda com as mãos trêmulas eu desço da cama e pego um pequeno frasco de remédio que era para ser usado quando eu estava muito nervosa, sem controle das minhas emoções porque se não tomasse eu não saberia qual seria a minha próxima ação, de acordo com a minha psiquiatra meus ataques de raiva vinham quando eu me lembrava de algo to passado, com essas lembranças eu chorava por saudade e com isso as lágrimas de saudade poderiam se transformar em lágrimas de puro ódio, por hora eu conseguia ser um monstro e por outros um mero "anjo".

Eu não podia ficar o dia todo me lembrando do meu passado e da minha vida feliz, aqueles tempos foram bons e não irão voltar, apenas serão memórias boas que terminaram em um grande desastre.

Pego novamente meu telefone e procuro o número de Blue nos meus contatos, ainda segurando o telefone eu me levanto da cama e vou até a janela, puxo a cortina para ver como estava o dia.

Ligação on

- Helena? - Blue pergunta animada

- É sou eu, espero não estar incomodando. - Eu digo meio sem graça

- Ah você nunca incomoda pelo contrário, bem me conte as novidades. - Ela diz animada e em seguida ouço um barulho suponho que ela se jogou na cama ou algo assim.

- Bem acho que te falei todas as minhas novidades, conheci Luke os meninos, Ah! Eu conheci a namorada do Luke e ela é a pessoa mais insegura em uma máscara confiante e poderosa. - Eu digo e Blue ri alto

- Você não presta Helena! E aí vocês não se deram bem pelo visto, mas brigaram ou algo assim? - Ela pergunta entusiasmada

- Meio que sim ela não foi com a minha cara não, nós tivemos uma pequena briga ontem, Luke e eu marcamos para ir em uma balada legal então eu fui já que eu que tinha dado a ideia de eu e os meninos sairmos, ai eu disse umas coisas para ela que por acaso acho que todos queriam dizer, mas não dizem por falta de coragem, ela me magoou um pouco mas nada que uma boa noite de sono não resolvesse. - digo

- Que vadia essa garota com o nome de bactéria hein, você vai viajar hoje não é?

- É vou, só não sei o lugar que nós vamos, tenho que olhar depois. Ok, chega de falar de mim e agora fala de você, conseguiu arrumar algum emprego, estágio ou algo assim?

- Ainda não, deixei alguns currículos em alguma daquelas empresas dos sonhos enfim vou ter paciência e esperar. - Ela explica

- Entendo como andam as coisas por ai?

- Vão bem, quase não vejo seu pai já que ele vive trabalhando e as poucas vezes que eu o vejo ele está um pouco ocupado indo para o trabalho ou apenas indo comprar equipamentos novos, enfim nós estamos nos falando pouco. - Ela explica e eu sorrio fraco segurando o celular

- Ah! Eu tenho que ligar para ele sabe? Mas acho que é apenas isso...

- Sim se cuida eu tenho que fazer algumas coisas, boa viagem e boa sorte

- Obrigada. - Eu agradeço e encerro a chamada

Ligação off

Deixo o celular ao meu lado, respiro fundo passando a mão por meu cabelo, meus pensamentos estavam uma completa bagunça assim como eu também estava, meus sentimentos intermediava entre medo, saudade e desespero, se fosse por mim eu voltaria para casa e choraria feito um bebe deitada no colo de meu pai, eu estava com tanto medo de fazer algo de errado e decepcionar aqueles meninos que querendo ou não estão confiando em mim nesse momento.

Sorrio ao ver que eu ainda estava de pijama que era composto por um short amarelo e uma blusa azul, sim aquelas cores não combinavam uma com as outras, mas eu tenho que dar graças a Deus por ter forças para levantar e por um pijama na noite passada.

Ouço algumas batidas na porta, de início estranho até porque tio Dave não vinha até meu quarto, bem até agora não, me levanto calço meus chinelos, dou uma leve ajeitada em minha roupa e meu cabelo, caminho até a porta e a abro, me assunto ao ver Luke ali, minha expressão era de pura confusão, só queria saber o que ele estava fazendo ali na porta do meu quarto.

- Oi Luke entra. - Digo com a voz um pouco trêmula, dou passagem para ele entrar e fecho a porta

- Já que eu não te encontrei hoje, eu resolvi vim aqui ver o que aconteceu. - Ele explica se sentando em minha cadeira giratória

- Ah eu apenas estava resolvendo algumas coisas, eu não sou nenhuma protagonista de algum filme americano que pode sair por aí, voltar e ver que tudo está arrumado e perfeito, tenho responsabilidades assim como você seu bobo. - Eu digo e ele solta uma pequena risada

- Desculpe senhora responsável e certinha. Eu pensei que você tinha arrumado suas malas e checado tudo ontem a noite ok? Já que você tem longas noites de insônia. - Ele explica

- Ah eu voltei a tomar meus remédios regulamente para dormir então dificilmente vou passar as noites em claro agora.

- Entendo, mas tem algo de estranho com você,  aconteceu alguma coisa? - Ele pergunta me analisando

- Não Luke, da para parar de me olhar desse jeito? - Eu digo me esquivando do seu olhar intimidador

- Aconteceu alguma coisa sim, Helena se não quer falar sobre isso eu entendo. - Ele confirma sua dívida de segundos atrás

- Bem chorar faz bem para os pulmões não sei porque você vê isso como um problema, e obrigada eu não quero falar sobre isso. - Eu digo

- Eu conheço quando alguém está triste ou se chorou então as coisas ficam bem mais faceis quando nós dizemos a verdade, a base de uma amizade é sinceridade e honestidade. - Ele explica;

Após eu escutar o que ele tinha dito por uns segundos eu o analiso, seu cabelo estava húmido indicando que ele havia tomado banho a pouco tempo. Ele estava vestido com uma blusa cinza um short largo preto, ele estava completamente lindo naquelas vestes tão simples.

- Nós não somos amigos apenas colegas que devem alguns favores um ao outro, será mais fácil para nós se aceitarmos que não existe uma amizade entre nós. - Eu digo e ele me olha confuso, seus olhos azuis pareciam estarem perdidos com o que eu tinha acabado de dizer

- Como assim Helena? Até ontem você me considerava um amigo. - Ele diz confuso

- Eu percebi que será impossível manter uma amizade entre nós, a sua namorada me odeia e se for para escolher entre eu ou ela, você vai escolher ela até porque você me conheceu apenas a alguns dias, então Luke apenas aceite isso. - Eu digo cada palavra lentamente para ele entender melhor, caso estivesse com algum problema de audição, ele pisca os olhos algumas vezes meio confuso

- Você é mais complicada do que eu imaginei. - Ele diz

- Não sou não, apenas estou reduzindo o nível de intimidade entre nós, para que isso não nos machuque no futuro e além do mais, eu vou embora daqui a alguns meses, vou para outro país que consequentemente é o mesmo que o seu, enfim dificilmente nós vamos nos ver novamente quando eu for embora e você retomar sua vidinha feliz com seus amigos e namorada ou sei lá quem for. - Eu digo da forma mais amarga e sincera possível

- Você tem tanto medo que as pessoas vá embora da sua vida que você se prende nessas armaduras e nas suas experiências passadas, você não se da dá a oportunidade de conhecer pessoas novas porque tem medo de se machucar, mas mau sabe você que todos nós vamos embora ou teremos alguma experiência fracassada na vida, isso faz parte, a vida não é feita apenas de acertos, à grandes possibilidades de perdermos também, mas no primeiro não que você leva, você já pensa em desistir e a vida não é assim. - Ele diz aquelas palavras tao rápido, com tanto ódio que eu demoro uns minutos para entender a mensagem que ele quis passar através daquelas palavras, de certo modo ele estava certo, mas algo me fazia ficar no contra ataque.

- Eu só não consigo me achar no meio de toda essa bagunça Luke e não é você que vai ajudar a me achar ou me mostrar sei la quantos motivos para me fazer acreditar na vida novamente. - Eu digo tentando me explicar

- Sabe qual é o problema? Você não aceita os fatos que aconteceram no seu passado e você continua ai se lamentando por coisas que já aconteceram Helena, você tem que seguir em frente e parar de olhar para trás, porque isso só esta atrasando sua vida. - Ele diz e em seguida passa a mão no seu cabelo;

Ele estava disposto a me ajudar em qualquer coisa, mas eu não estava acostumada com isso, ele tinha tantos cuidados comigo mesmo me conhecendo por apenas alguns dias isso era realmente estranho, porque eu tinha planejado apenas conhecê-lo afinal esse é o sonho de qualquer fã, mas eu não planejei em ser amiga dele e era isso que complicava as coisas.

- Eu acho que entendo você, já que você não tem tantos amigos assim...

- Eu só tenho uma amiga. - Eu digo

-Então deve ser estranho pra você me ter por perto, você tem medo de eu ir embora, mas se for por mim eu vou ficar contigo para sempre te ajudando no que for preciso, amigos fazem isso não é? Ajudam uns aos outros no que for, não sei porque você bota tantas barreiras entre a gente Helena, eu só quero ser seu amigo, que mal tem nisso? - Ele termina seu pequeno discurso fazendo uma pergunta que me fez pensar por por uns minutos

- Uma amizade se constrói com o tempo então, se nós devemos sermos amigos ou não só o tempo irá nos dizer, então tenha paciência. - Eu digo o olhando

- É você tem razão, então a gente se vê no aeroporto, tenho algumas coisas para resolver ainda. Até. - Ele diz se levantando

- Obrigada por se preocupar comigo. - Eu digo e sorrio

- Nada, a gente se vê. - Ele diz caminhando ate mim e me dando um beijo em minha testa e logo caminha até a porta e a fecha com cuidado.

Eu encarava aquela porta que agora estava fechada. Ninguém nunca me fez refletir sobre o por que, que eu sou assim, ninguém nunca chegou a um nível de saber qual era o meu maior medo nem em anos de convivência, isso chegava a ser assustador, ninguém nunca foi tão sincero e persistente comigo.

Por que eu tenho tanto medo que as pessoas vá embora? A resposta era simples em um curto período de tempo as duas pessoas que eu mais amava foram embora, desde então esse medo se tornou um trauma que só remédio ou terapias conseguem curar isso, o tempo sara as piores feridas, o tempo é o melhor remédio para isso.

Era estranho como as memórias vinham como um flash, os cheiros os sons das risadas era possível lembrar de praticamente tudo ao som de um boa música, era só fechar os olhos que tudo vinha como vários Flash's desgovernados e ao mesmo tempo tudo tão intenso.

 

(...)

 

Eu já tinha chegado no aeroporto feito o check in despachado as malas e agora eu estava sentada em uma cadeira observando as pessoas irem e virem praticamente o tempo inteiro.

Luke se encontrava um pouco a minha frente com a sua namorada, eles estavam falando com um pequeno grupinho de fãs a sua volta, ele tirava algumas fotos com as meninas e jà sua namorada não parecia estar gostando muito daquilo, típica atitude de namorada ciumenta, realmente aquela cena me fez revirar os olhos e começar a observar outras coisas, Michael e Calum estavam ao meu lado e Ashton do outro, aquela não era uma situação muito agradável, já que eu não falava tanto com eles como falava com Luke.

- Então está pronta para aturar nós 4 durante 6 meses? - Ashton pergunta me fazendo soltar uma pequena risada

- Bem acho que sim. - Eu respondo e ele sorri genuinamente

- Nós não nos falamos tantas vezes, acho que nós começamos do jeito errado. - Ele diz enquanto eu observava  algumas coisas a minha volta

-  Nós começamos do jeito que tinha que ser, porém podemos melhorar nossa convivência daqui pra frente. - Eu digo o olhando

- Luke me disse um pouco sobre você, Sabe? Não disse nada comprometedor apenas conversou com nós que você passou por coisas difíceis que era para nós... Sabe?! Ter um pouco mais de paciência. - Ele diz e eu o olho estranhando o que ele tinha dito

- Ah o Luke é meio estranho. - Eu digo

- Não, ele apenas gosta de cuidar das pessoas que ele gosta, mesmo as conhecendo a pouco tempo. - Ele diz sorrindo

- É, ele é uma ótima pessoa você tem sorte de ter um amigo como ele.

- Espera vocês não são amigos? - Ele pergunta

- Hora de ir Ashton. - Calum diz nos atrapalhando

- Continuamos essa conversa depois. - Ashton diz já começando a andar

- Talvez essa conversa seja apenas mais uma das minhas diversas conversas interminadas. - Eu murmuro enquando botava minha mochila nas costas

Eu estava tão nervosa que eu duvidava se meu coração não iria soltar de meu peito, eu tinha alguns motivos para estar tão nervosa, mas os motivos eram tão idiotas que nem mereciam serem pensados ou passados para o papel.

Assim que entro no avião eu olho o meu papel para ver o meu assento, vou caminhando entre os bancos para achar onde eu iria ficar sentada a droga da viagem inteira, essa era pior parte de viajar, sorrio aliviada ao achar meu assento, porém estranho ao ver que eu iria sentar ao lado de Luke.

- Meu Deus eu nao acredito nisso. - Eu murmuro baixo

- Você vai se sentar aqui? - Luke pergunta enquanto eu guardava minha mochila

- É parece que sim. - Eu respondo sem encara-lo

- Não fique assim, isso é apenas o destino dizendo que nós temos que ser amigos. - Ele diz e eu reviro os olhos

- Se você está dizendo...

- Para vai Heleninha! Conseguiu falar com seu pai? - Ele pergunta

- Infelizmente não, ele sempre me acalma quando eu estou nervosa sabe? Ele é a única família que eu tenho. - digo tentando desviar do olhar de Luke, seus olhos eram tão bonitos, mas tinha vezes que ele conseguia ser tão intimidador.

- Eu gosto que as pessoas me olhem quando estou falando com elas Helena. - Luke diz sério e eu o encaro visivelmente irritada

- O que você quer? - Eu pergunto o olhando

- Você está estranha. - Ele diz me observando

- Eu só estou com medo das coisas não serem como eu acho que serão, sabe?

- Eu prometo que essa sera a melhor experiência da sua vida. - Ele diz sorrindo

- Mas e se não for? - Eu pergunto 

- Ai a gente da um jeito. - Ele responde me fazendo sorrir junto a ele

 

(...)

 

- E aí como ficou as fotos? - Os meninos perguntam em uma sequência super desgovernada

-  Ficaram boas querem ver? - Eu pergunto

- Claro que sim, quero ver se você é boa nisso como o Luke falou. - Michael diz

- Bem não deu para tirar tantas fotos, mas acho que vocês vão gostar. - Eu digo ligando a câmera e começo a deslizar o dedo na tela mostrando as fotos para eles

- Nossa você é realmente boa nisso. - Michael diz maravilhado

- Realemente nossa, nunca pensei que eu ficaria tão bonito em uma foto como eu fiquei nessa. - Calum diz fazendo todos rirem

- Faço das palavras do Cal as minhas. - Ashton diz

- Eu disse para vocês que ela tinha talento. - Luke diz se gabando

- Obrigada meninos. - Agradeço e logo eles vão para o camarim

Era estranho "viver" essa rotina de shows e bastante trabalho, pois até então eu era uma mera fã e o meu único sonho era conhecê-los e tirar apenas uma foto, mas as coisas estavam diferentes agora eu trabalhava para eles e os veriam durante todos os dias até completar 6 meses, eu não estava apavorada porque eu iria passar 6 meses com eles e sim, pois eu não sei o que pode acontecer durante todo esse período.


Notas Finais


Bem esse foi o capítulo, graças as música do Shawm, Halsey e Louis eu consegui escrever essa coisa horrenda ai, queria pedir que vocês comentassem para saber o que estão achando ou se eu devo melhorar em alguma coisa, divulguem para as amigas e inimigas tbm, BOAS FESTAS PARA VOCÊS MEUS AMORES!


BAD REPUTATION (SHAWN MENDES)

LINK: https://youtu.be/xMOewzg3a3E (essa musica define a fanfic toda basicamente então escutem please)

HALSEY  (COLORS)

LINK: https://youtu.be/aVHdEwd0V0I

LOUIS TOMLISON AND STEVE AOKI (JUST HOLD ON)

LINK: https://youtu.be/7GTto5OzmIg


Ps: Obrigada por editar o capítulo taci ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...