História Sweater Weather - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, V
Tags Vmin
Exibições 71
Palavras 1.650
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Se ficar bom talvez de pra fzr uma long mas eu sou péssima com idéias...

Capítulo 1 - One shot


Fanfic / Fanfiction Sweater Weather - Capítulo 1 - One shot

Sabe aquela sensação de estar completamente fora de si? Ah como eu adoro isso, me sentir tão dopado quanto poderia estar, faz eu me sentir vivo quase tanto quanto ficar na beira de um prédio sem proteção com o vento no rosto e eu poderia explicar de várias maneiras a forma meio esquisita que eu achei pra me sentir "high" mas acabaria sendo até mesmo confuso.

Eu morava sozinho desde meus 17 anos quando por vontade própria sai da casa dos meus pais, o que me deu uma dor de cabeça de início já que eles não  disponibilizaram-se a me ajudar com nada mas também não liguei tanto já que dinheiro nunca me incomodou, o que sempre me interessou foram as sensações que você sente ao longo da vida e eu era jovem e queria sentir tudo desde os dígitos até o fundo da alma e não me importo de ter que doar meu corpo pra conseguir as sentir cada vez melhor. O que eu faço no dia a dia não é nada demais, bem repetitivo eu diria, ir de casa pra faculdade e voltar a pé de noite pra algum lugar perto de lá e chegar de madrugada pra dormir, até que tinha alguns dias que eu trabalhava já que ainda tinha o aluguel pra pagar.

Eu odeio a praia mas eu permaneço na califórnia porque amo sentir a areia fazendo cócegas nos meus pés e tirar fotos das pessoas. Por amar sensações muitos não me levam tanto a sério já que relacionamentos para mim são bobeira, eu poderia amar muitas pessoas ao mesmo tempo, eu amo uma característica única que cada ser humano carrega e minha opinião sobre amor e vida sempre foram as mesmas. A vida é uma bebida, e o amor é uma droga.

Aquela noite eu iria sair, uma boate que eu adorava estava dando uma festa sobre qualquer coisa que eu não me interessava então tomei banho, me vesti e sai, andando claro porque além de tudo eu adoro caminhar.

Desde a hora que cheguei eu já contava várias latinhas de cerveja e alguns copos de vodka que eu havia virado, queria ter experiência completa mas como um moreno mais velho tão doce quanto açúcar não estava por lá drogas não rolariam então ficaria faltando algo mas de qualquer jeito continuei dançando. Agora, eu nunca acho que é o bastante.

Cabeça nas nuvens, mas minha gravidade é centrada.

Depois de um tempo dançando eu já me sentia um pouco tonto mas em meio a todo aquele caos eu via um pequeno com o pescoço pendendo pra trás como quem aproveita cada segundo da música, Deus, como era bonita aquela criatura loira com aquelas calças de couro justas e blusa colada por conta do suor, eu não resisti e fui me aproximando devagar observando cada detalhe desde a boca aberta por conta do cansaço até as mãos que de tempos em tempos passavam pelos cabelos os bagunçando, ele parecia tão envolvido em seu pequeno mundo que nem notou quando eu já estava bem perto e só despertou quando eu por trás colei meu corpo ao dele.
- você parece muito bem com estes jeans - Falei em seu ouvido para logo depois o sentir arrepiar-se de leve, o pequeno não parou de se mexer nem por um segundo - Beleza não é tudo - falou para que só eu escutasse, como quem não quer nada mas eu não o deixaria tão fácil assim - Sempre difícil ver além da superfície, quando parece tão perfeito - ele sorriu de leve com a maneira que eu o dobrei e seu rosto ficou corado pelas palavras que saíram de minha língua.
Muitos rostos bonitos capturam minha atenção mas o dele de longe era outra coisa, ele era sensual sem mesmo se esforçar para o fazer.
-Estou quebrando minhas costas só para saber teu nome - disse para ele saber o quanto me intrigava - Kim taehyung - o nome passou por minha cabeça repetidas vezes, eu o apreciaria bem.
A música que dançávamos havia acabado e eu já não queria mais ficar por ali então o peguei pela mão e fui atravessando o mar de gente até chegar na porta dos fundos, ele não apresentava resistência então eu faria com que ele não se arrependesse.
- que tipo de diversão você procura Kim?
- Qualquer coisa vale mas não pisque pois pode me perder - ele havia dito isso com o olhar tão calmo quanto o tom de voz que usou, eu poderia facilmente  compara-lo com um gato. Eu enrolei um cigarro e ele acendeu o
fósforo, o olhei surpreso e ele sorriu.
- Fume o que lhe resta está ficando tarde e não temos muito a perder - a sensação que ele passava não era de desespero apesar de eu estar louco para come-lo, eu me sentia calmo e ao mesmo tempo louco e em meio a todo esse rolo de sentimentos nós caminhavamos lentamente para meu apartamento.
- você aceita sair assim tão fácil ou meu charme te seduziu? - falei enquanto tentava abrir a porta
- Faça-me sentir como se eu estivesse respirando, sentir como se eu fosse humano - respondeu mostrando que também apreciava sensações independente da situação, ah eu o aproveitaria tanto aquela noite.
Ele atravessou a porta que levava a sala e eu não esperei muito para que pudesse distribuir beijos em seu pescoço, o cheiro era tão doce, ele era tão quente. Eu o levava para meu quarto e podia ouvi-lo arfar de leve com o roçar de meu nariz ao pé de sua orelha e depois que o joguei na cama com certa força, fui descendo a mão para o cós de sua calça sem tirar os olhos de cada expressão que ele me mostrava e parei por um segundo, talvez estivesse sendo demasiado atrevido.
- Toque-me, sim eu quero que você me toque ali - aquilo socou minha sanidade para bem longe - farei o melhor pra te manter satisfeito - Os arrepios começam a chegar no momento em que minhas mãos encontram sua cintura, toquei sua boca e o gosto adocicado era de outro mundo, seus lábios são como o limite da galáxia e seu beijo é a cor da constelação caindo em seu lugar - se sua aparência pudesse matar eu já estaria morto garoto - arranquei sua calça e não hesitei em tocar no volume que se formava por cima da box preta que fazia um belo contraste com sua pele morena e seus gemidos começavam a sair mais alto, aprendi a adorar eles em apenas um segundo.
- Você precisa de alguém para te segurar firme baby - as mãos dele depois de um tempo começaram a se movimentar também  e eu estava cada vez mais animado, estávamos nas preliminares mas meu pau já estava bem vivo então eu tirei minha calça e blusa porque as roupas me incomodavam e voltei por cima dele observando bem cada detalhe do rosto, a boca entreaberta, os olhos cerrados e os cabelos loiros bagunçados, comecei a masturba-lo devagar e os gemidos por parte dele estavam sôfregos
- o que você quer?
- você sabe o que é
- quero que diga em voz alta
- eu quero que você me coma como a boa puta que sou - ele deu uma risadinha sacana logo depois e eu estendi dois de meus dedos para ele
- Coloco meu dedo em sua língua porque você ama o gosto
- você sabe como eu quero - disse antes de engolir os que eu tinha estendido e eu os inseri logo após virar ele de costas porque eu não queria que o pequeno se machucasse, os tirei e logo depois encostei a cabeça de meu falo em sua entrada, a sensação que vem antes das penetrações sempre seriam ótimas, um misto de ansiedade com alegria, então eu entrei, devagar claro mas ele era tão apertado que eu não conseguiria me segurar por tanto mais tempo mas ouvir as respirações pesadas por conta da dor me matavam.
- pode ir - se pronunciou depois de uns segundos e eu fui com a calma que eu podia mas Deus, como era apertado. A bebida e ele ali me faziam ir tão alto.
Retirava por um instante e ele pedia por mais
- que ótimo momento para estar bêbado querido - eu estava cada vez mais sedento.
- beba de mim chim chim - ele ainda era tão fofo mesmo naquele momento
- Estou bêbado e chapado com você tae - eu voltei para ele e ia cada vez mais rápido, cada vez mais fundo conforme ele pedia e então eu aguarrei seu pau com movimento rápidos
- eu só preciso achar o seu...
- CARALHO! - eu mal tinha acabado de falar e ouvi seu gemido alto que  ecoava pelo quarto, eu tinha acertado bem em seu melhor ponto e continuaria indo lá.
- jimin, eu vou... - ele nem terminou e se desfez em minhas mãos e eu também já estava quase lá e me retirei rápido de dentro dele e o virei
- abra a boca kim - disse eu segurando a cabeça do meu pau e ele como um pequeno obediente a abriu rapidamente  então me coloquei lá e puta merda, sua boca era tão quente que soltei tudo ali.
- onde você andou? - perguntou limpado os cantos da boca e se jogando em meu colchão
- eu sempre estive por aí sabe? - falei ofegante - mas a partir de hoje eu posso estar onde você quiser pequeno
- você não precisa ir a lugar algum se me deixar ficar - falou sonolento
- você pode ficar quanto tempo quiser - ele sorriu e adormeceu

Aqui dentro estava quente mas lá fora começava a chover.

"Amor é mal
Con é a confiança
Eros é dolorido
O pecado é sincero"


Notas Finais


Bem, primeiro eu queria agradecer a minha amiga Giovana que me ajudou a escrever, sem ela eu nunca conseguiria kk, só é uma pena ela não ter uma conta.
Eu escrevi essa one baseada em diversas músicas mas acho q a principal é sweater weather do the neighbourhood que eu recomendo para vocês e por enquanto é só, obrigada para vocês que lerem (=^•^=)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...