História Sweet Armoris: uma escola sobrenatural. - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Tags Castiel
Exibições 16
Palavras 1.018
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Hentai, Romance e Novela, Sobrenatural
Avisos: Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, desculpa eu to meio atrasada com os capítulos e esse daqui eu reescrevi uma mil vezes até ficar do jeito que eu queria. Boa leitura!

Capítulo 9 - Ciúmes?


Eu trabalhei voando e pensando nos beijos que demos. Até que uma coisa me surpreende.

Viktor, um antigo amigo entra e começa a me observar. Eu fui até ele e pergunto:

-O que você está fazendo aqui?

-Vim comprar flores, o que faz aqui?

-Eu trabalho aqui! Há quanto tempo não te vejo! -Digo o abraçando.

Ele também me abraça e quando nos separamos eu levo ele à um local com as melhores flores.

-Posso te perguntar uma coisa?

-Sim.

-Pra quem são as flores? – pergunto e ele cora.

-Para uma menina que eu gosto. Ela se chama Tainá.

-Que coincidência! Uma amiga também se chama Tainá.

-De que tipo de flores ela gosta?

-Eu não sei. – ele responde – eu só fiquei sabendo que ela gosta de plantas e coisas do tipo.

-Tudo bem, então eu sugiro pra você um buquê com vários tipos diferentes. Aí é provável que ela goste.

-É uma boa ideia!

Eu mostro para ele várias flores, e ele decide quais ele quer colocar. Eu monto o buquê. Ela já ia pagar as flores enquanto conversávamos e riámos, quando um poste intruso chega e começa a olhar para Viktor com raiva. Ele vem até mim e me beija. Eu fico surpresa e o Viktor ainda mais. Assim que Castiel sessa o beijo, eu coro.

-Oi! Nem tinha te visto! – diz Castiel

-Prazer, meu nome é Viktor. – falou Viktor sem graça e percebendo que Castiel o olhava com raiva.

-O meu é Castiel!

-Bom, já vou indo – responde Viktor e me paga.

-Tchau Viktor! –assim que ele sai, eu fuzilo Castiel com o olhar – O que você está fazendo aqui? E por que você falou assim com ele?

-Estou aqui por que já está quase na hora do seu trabalho acabar e eu falei assim com ele porque... –Castiel não termina a frase e eu deduzo:

-Está com ciúmes?

-Não, claro que não! Mas também vim para ficar te observando, claro! – Castiel se fala e eu coro.

-Então dê meia volta e vai pra escola por que eu tenho que trabalhar e você está me atrapalhando., ciumento. 

-Eu não estou com ciúmes!

-Está sim! E agora me dê licença que tenho que trabalhar!

-Ei, ei! – interferiu seu Jorge – Isso não é maneira de tratar clientes! – ele olhou para quem era o “cliente” e sorriu – Castiel! O que faz aqui?

-Você o conhece? – indaguei surpresa

-Sim! Eu sou um grande amigo da família dele.

-Pois é, fiquei muito surpreso quando você disse que trabalhava aqui. Mas ainda não ouvi meu pedido de desculpas. Eu vim comprar algumas flores.

Que ódio de Castiel!

-Desculpa Castiel – disse com raiva e sorrindo falsamente. – Qual flor você quer?

-É para uma pessoa especial, qual você me recomenda? –Castiel fala e meu coração se faz em mil caquinhos. Seguro o choro.

-Bom, tenho que resolver algumas coisas – diz seu Jorge indo para a sala dele.

Eu peço para Castiel me seguir e vou ao local onde tem as melhores flores, o local mais afastado e pergunto:

-Você quer que eu perca meu emprego? Por que você está aqui?

-Isso é maneira de tratar um cliente?

-Se você fosse um cliente.

-Eu sou um cliente! E vim comprar flores para uma pessoa muito especial.

-Para quem?

            -Para uma pessoa. – ele diz simplesmente.

            -Para alguma garota? – pergunto com medo da resposta

            -Sim, estou pensando em chama-la pra sair.

            Será que aquele beijo não significou nada? Será que eu fui só passa tempo? Disfarçando a tristeza eu falo:

            -Ela gosta de flores? Se for assim recomendo um buquê. Caso você vá dar mais alguma coisa para ela sugiro que você esqueça o buquê e dê uma coroa de flores.

            -É uma boa ideia. Quero ver as coroas.

            -Claro! – respondo – siga-me!

            Mostro para ele várias coroas e ele finalmente escolhe uma. Uma muito bonita. E paga a coroa de flores.

            -Bem, agora é só chama-la pra sair. Então... quer sair comigo?

            Como assim? A coroa não era pra alguém especial? Não estou entendendo mais nada. Pera, a pessoa especial era eu?

            -Não entendi. – respondo confusa

            -Haha! Você é muito lerda tábua, a pessoa especial era você. E aí? Vai querer sair ou não?

            -S-sim! – respondo.

            -Ótimo. Já são 5 horas. Vamos.

            -Falta organizar algumas coisas...

            -Pode ir termino as coisas aqui! – interrompe seu Jorge falando lá da sala dele. Pera, ele ouviu a conversa toda?

            -Bom, então vamos. – Castiel diz me puxando para a moto.

 Ele coloca a coroa de flores em minha cabeça e acelera a moto. A cada curva eu segurava muito forte em Castiel, ele ia muito rápido. Eu achei que ia cair mais de 10 vezes! E cada vez que eu me segurava nele forte ele ria. Eu ainda mato esse poste ambulante.

            Assim que chagamos na escola, eu desço da moto e ele também. Eu estava toda descabelada. Tentei arrumar meu cabelo com as mãos em vão. E Castiel começou a rir.

            -Tá rindo do que poste?

            -De você, baixinha. –ele responde e eu reviro os olhos-  Bom, para onde você quer ir?

            -Não sei.

            -Pode ser em uma pizzaria amanhã? Aproveitando que é sábado?

            -Claro! – respondo feliz. Eu nem acredito nisso, sei lá eu nunca imaginei que ele gostasse de mim.

            Eu vou ao meu dormitório e ligo para a Rosa e Alexy. Eu conto TUDO para os dois. E eles ficam eufóricos e prometem me ajudar amanhã a me arrumar. Eu estou PULANDO de felicidade. Eram seis horas e eu tinha que limpar a sala de música.

            Cheguei e Castiel já estava limpando a sala. Eu entrei e usei meus poderes para limpar tudo. Em menos de 5 minutos estava tudo no lugar e limpo. Castiel ainda teria que limpar as quadras. Eu ofereci ajuda e ele disse que já tinha as limpado.

            -Então boa noite! Vou para meu dormitório! – eu disse, mas antes que eu saísse ele me segurou e me beijou.

            -Boa noite. – respondeu.

           Então eu fui para o meu dormitório e ele para o dele. Eu dormi feito pedra, mas não sem pensar em Castiel. Amanhã nós vamos sair. Tem como eu estar mais feliz?


Notas Finais


Desculpem não postar antes!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...