História Sweet Revenge - Capítulo 34


Escrita por: ~

Postado
Categorias Death Note
Personagens Anthony Rester, Kanzo Mogi, L Lawliet, Light Yagami, Misa Amane, Nate "Near" River, Personagens Originais, Ryuuku, Sachiko Yagami, Sayu Yagami, Shuichi Aizawa, Touta Matsuda
Tags Anime, Death Note, Lawliet, Light, Magia, Misa Amane, Near, Nota De Morte, Rem, Riuk, Romance, Sobrenatural, Terror, Watari
Exibições 17
Palavras 2.161
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Spoilers, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 34 - O passado de L parte 2


Fanfic / Fanfiction Sweet Revenge - Capítulo 34 - O passado de L parte 2

Light corria desesperadamente, sem nem ao menos olhar para trás. Ele desejava encontrar L em certo lugar, naquele lugar. Ele sabia que L estaria lá, era o lugar mais óbvio para ele estar. Mesmo que ele fosse somente sentar-se no chão e chorar como uma criança, ou simplesmente sair quebrando e rasgando tudo, ele sabia que ele estaria lá.

Ele sabia porque ele conhece L, apesar de ter uma relação de ódio com ele, e ter tentado matá-lo diversas vezes. Ele sabia que L estaria lá porque era o lugar mais óbvio, e porque ninguém além de L iria lá. A biblioteca.

Qual o melhor lugar para L estar senão em meio a um monte de livros? Definitivamente, depois de investigar casos interessantes e comer doces, era o que L mais gostava: ler livros.

Light correu e não parou um segundo para descansar ou respirar, só parou de correr quando entrou na biblioteca, então começou a andar com passos lentos, com medo que assustasse L e ele saísse Dali.

Andou pelos corredores procurando por ele, olhando para cada canto da biblioteca e por entre as prateleiras de vários e vários livros. Pensou em desistir, mas ouviu um barulho vindo de algum canto. Parecia barulhos de livros e mais livros sendo atirados ao chão, socos na parede e um choro baixo, mas desesperador para qualquer pessoa que ouvisse.

Light então olhou para os lados, caminhou um pouco e finalmente avistou uma figura de um rapaz, bem conhecida por sinal. Light avistou uma cena única, aquele tipo de cena que você sabe que só vai ver uma vez na vida. L carregava em si naquele momento ódio, muito ódio. Carregava também tristeza e desespero.

Light já o havia visto chorar, já o viu gritar, mas nunca o viu descontrolado daquela forma, socando a parede e destruindo livros que para ele eram super valiosos.

Light arregala os olhos e fica observando a cena, até que L percebesse sua presença.

-Por que me seguiu!?-L grita e joga na direção de Light um livro. Light desvia-se.

-Estava preocupado com você, Ryuuzaki!-Light também grita

-Não percebeu ainda que você só me traz problemas?!-L grita mais uma vez

-O que eu fiz dessa vez?-Light pergunta aproximando-se de L

-Quem você pensa que é para ficar encostando seus lábios no meu? Por um acaso algum dia eu disse que estava apaixonado por você?-L pergunta e joga novamente um livro na direção de Light, o qual dessa vez não consegue desviar-se.

-Me desculpa, eu pensei que...-Light é cortado por L

-Pensou o que? Que por eu ter lhe contato um por cento do meu passado e ter aceitado comida de você, eu me apaixonei por você? Francamente Light! Por que tudo tem que ser do seu jeito?!-L grita aproximando-se de Light.

Agora Light e L estavam frente a frente.

-Eu nunca disse que tudo tem que ser do meu jeito! Que eu saiba o tempo todo as coisas foram do seu jeito, não do meu! Sempre eu tive que fazer o que você queria e o que você achava que era certo! Você nunca se importou com o que os outros sentiam ou pensavam Ryuuzaki! Eu sempre me preocupei com você e você me tratava em troca friamente... Sabe de uma coisa? Eu cansei! Eu queria que você realmente tivesse morrido!-Light grita. A última frase de Light paralisou L: “Eu queria que você realmente tivesse morrido”.

L parecia ter prendido a respiração enquanto olhava fixamente para Light, de uma forma que parecia pensar que não acreditava no que havia escutado.

“Querido. por que não consegue ver a minha dor?

Não sabe como é se sentir assim?”-Love Gone Wrong (You+Me)

L balançou a cabeça como se despertasse de seus pensamentos e retomou a palavra.

-Você não faz a mínima idéia do porque eu ajo dessa forma quando você... Aproxima-se demais. Eu na realidade não me importo com nada do que aqueles caras pensam. Sabe de uma coisa Light? Você tem razão. Eu não me importo nem um pouco com o que você pensa ou sente, e agora eu vou fazer as coisas do jeito que eu quero.

L aproxima seu rosto do de Light, e com as mãos puxa a cabeça do rapaz, o beija sem dar espaço para que Light desviasse.

Enquanto os lábios dos dois se tocavam, um estranho fenômeno acontecia. A alma de Light agora estava em fusão com a de L. As almas se juntam e tudo o que Light podia ver era tudo ficando branco. Tudo o que ele podia escutar eram falas de fundo. Uma voz grossa de um homem, uma voz fina de uma criança. Choros, gritos, pedidos de socorro... Estranhamente ele também podia ouvir uma criança dizendo ao pai que o amava.

Em poucos segundos Light acorda em um lugar diferente, um lugar que ele nunca tinha visto. Estava escuro, e ele estava sozinho. Light olha para suas mãos, suas vestes, passa a mão no cabelo e percebe que ele ainda está em seu próprio corpo.

Light demorou em entender o que estava acontecendo, só podendo perceber quando um pequeno garotinho apareceu. O menino era branquinho, tinha cabelos negros e bagunçados, uma voz doce e um rostinho angelical. Estava óbvio para Light que era L, e logo ele imaginou que estava no passado dele. Só não podia entender como um beijo o levou até ali.

Light acompanhava tudo, e não podia sair dali. Light era invisível, agora era somente um espectador, e independentemente do que acontecesse, Light não poderia fazer nada.

O garotinho desce as escadas que levava para o porão, junto dele estava um homem de terno e gravata, também tinha cabelos negros, mas diferente de L, não tinha um rosto angelical, na verdade ele tinha uma expressão bem perversa.

O garotinho aparentava ter em torno de dois a três anos, era realmente bem pequeno e inocente.

O homem que pelo jeito era o pai do menino, o puxa pelas mãos e o leva para dentro do porão.

-Vamos meu filho, sente-se no chão enquanto o papai pega a surpresa que prometeu-O homem diz para o menino com uma voz rouca e falha. O homem cambaleia enquanto caminha para algum canto do porão, e L senta-se no chão sorridente.

O sorriso de L era realmente um lindo sorriso, e por um momento, Light sentiu dor ao perceber que jamais vira aquele lindo sorriso.

O pai pega um pano dentro de uma caixa, caminha novamente cambaleando até o garoto.

-Preparado para a surpresa?-O pai pergunta sorrindo para o filho.

A criança assente

-Então feche os olhos-O pai diz e caminha para trás do filho

O menino fecha os olhos e espera pela surpresa do pai.

O homem tampa a boca do filho com o pano que carrega em suas mãos. A criança abre os olhos assustada e tenta levantar-se do chão, mas o pai o segurava.

-Você não vai fugir, vai? O papai tem que descontar a raiva em alguém! Não se preocupe, eu só vou tocá-lo de leve-O homem diz com um sorriso perverso no rosto.

Em seguida ele levanta bruscamente a criança e a joga contra a parede. O pequeno garotinho parece querer gritar, mas não pode, pois o pano em sua boca o impede.

O pai começa a socá-lo, chutá-lo e pisar no garoto.

Após cerca de dez minutos, o pai para de bater na criança, coloca ela no chão e senta-se ao seu lado. Encolhe as pernas contra o peito e coloca as mãos no rosto, então começa a chorar.

-Me desculpe filho, eu não queria fazer isso, eu queria descontar aminha raiva, mas eu não deveria ter feito isso em você!-o pai diz chorando e soluçando.

A criança tira o pano de sua boca e encosta a cabeça na do pai

-Tudo bem papai. Eu falo para a mamãe que eu caí de bicicleta-O garotinho diz com a voz doce e serena.

-Obrigado filho, papai te ama-O homem diz e em seguida abraça o filho.

Após essa cena, Light se encontra em meio a várias outras, todas acontecendo ao mesmo tempo.

Em todas as cenas apareciam o pai de L batendo no filho, e cada vez mais de forma agressiva. Antes de agredir a criança, o pai sempre dizia: “Não se preocupe, só vou tocá-lo de leve”. No final, O garoto sempre dizia a mesma coisa: “Tudo bem papai, eu não vou contar nada. Eu sei que isso te deixa melhor”. E o pai sempre respondia: “Obrigado filho, papai te ama”.

Light  se encontra então em outra cena.

Uma mulher de cabelo preto e liso estava deitada em sua cama, ao lado de várias caixinhas de remédio. L entra no quarto da mãe, usando uma calça, um casaco e um cachecol, provavelmente para esconder todos os machucados feitos pelo pai.

-Mamãe, para quê todos esses remédio?-O garotinho pergunta subindo na cama da mãe

-Mamãe está doente-A mãe responde sem olhar para o filho

-Por que mamãe?-O menino pergunta acariciando a cabeça da mãe.

-Por que o papai tem problemas-A mãe responde

-Que problemas?-O garotinho pergunta curioso

-Você muito pequeno para entender essas coisas-A mãe responde dando de ombros

De repente alguém entra no quarto, era o pai de L. trazia consigo algo que escondia atrás de si.

-O que você tem aí papai?-O garotinho pergunta descendo da cama da mãe

-Um presente para o melhor filho do mundo!-O pai responde sorridente.

-me deixe ver!-O menino diz correndo e saltitando em direção ao pai

-Aqui está! Eu comprei aquele livro que você tanto queria! Eu me orgulho de ter um filho tão estudioso igual você!-O pai diz entregando para o garoto o livro

-É porque eu quero ser dono de uma empresa igual você papai!-O menino diz abraçando o pai.

-O que acha de passearmos?-O pai dá a sugestão

A mãe de L levanta-se da cama lentamente e caminha até o guarda roupa.

-Qualquer coisa que possa me distrair eu aceito-A mãe diz tirando um vestido azul do guarda roupa.

Logo a cena é cortada para uma seguinte, onde somente estava a mãe.

-Desculpa meu filho. Eu não posso salvá-lo das mãos perversas de seu pai-A mãe pensa em voz alta e algumas lágrimas escorrem pelo seu rosto.

Novamente a cena é cortada para uma seguinte.

Está de noite. L e sua mãe estão apavorados encostados na parede. A mãe do garoto o abraça forte, enquanto o pai troca socos com um homem misterioso de máscara. O misterioso tira de seu cinto uma faca, e subitamente acerta o pai de L. Ele cai no chão, e dá sua última palavra antes de ficar inconsciente: Eu só o toquei de leve. Papai te ama.

Logo ele recebe várias facadas do misterioso homem. O homem corre e deixa sua “Obra de Arte” para trás.

O garoto chora e a mãe o pega em seus braços. Ela começa a correr e não para. O último som que Light pode escutar era a sirene do carro de polícia.

De repente tudo começa a ficar branco de novo, e aos poucos Light começa a ver a biblioteca tomando forma novamente.

Light afasta-se rapidamente de L, em choque.

-Dá próxima vez, você vai possuir meu corpo por inteiro-L diz olhando fixamente para Light

-Eu possuí. Quer dizer... Literalmente-Light diz ainda em choque

-O que?-L pergunta e em seguida dá uma curta risada

-Quando... Quando nos beijamos... Olha, eu sei que parece loucura, mas quando você me beijou eu fui para o seu passado, eu vi tudo Ryuuzaki, vi tudo o que aconteceu com você!-Light responde com os olhos arregalados e aproxima-se de L.

-Do que você está falando?-L pergunta franzindo a testa

-Eu vi seu passado, Ryuuzaki. Eu vi seu pai batendo em você diversas vezes, e você era só uma criança indefesa. Eu vi sua mãe tomada por remédios provavelmente antidepressivos. Eu vi seu pai dizendo que te amava, eu vi ele te agradando, mas abusava de você em segredo. Mas... Sua mãe sabia, porém, ela não podia fazer nada. Eu vi você carregando tudo em silêncio, parecia amar seu pai mais que tudo, mesmo apanhando dele das formas mais brutais possíveis. Eu vi seu pai ser assassinado na sua frente. E por último, tudo o que pude ouvir, foi a sirene do carro da polícia.

L estava com os olhos arregalados e boquiaberto.

-Agora eu sei a origem dessas cicatrizes, e agora eu sei porque você não quer que eu te toque. Agora eu sei porque você não quer que eu me aproxime de você. Agora tudo faz sentido!-Light diz e em seguida dá um sorriso nervoso.

-Mas... Como?-L pergunta ainda boquiaberto.

-Eu ainda não fui capaz de explicar isso para eu mesmo.

“Me tornei mais forte,

Porque onde eu estou

Não é questão de sorte

Nessa guerra é vida ou morte

Vou me livrar de todo esse tormento

Que me devora por dentro e

Vou encontrar o lugar que tanto anseio

Até lá estarei perdido no meio”-Perdido no meio (The Kira Justice)


Notas Finais


Bom , gentezinha!!! Essa última musica aí, de The Kira Justice, é uma banda que vc pode encontrar na youtube (já que a banda deles é um canal)
Eu não to divulgando, mas é muito massa o canal deles, eles fazem músicas para diversos anime@ Tem até a música do L lá kkk
bom é isso, espero que tenham gostado! Beijos e fui!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...