História Sweet Revenge - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber
Personagens Jaxon Bieber, Jazmyn Bieber, Jeremy Bieber, Justin Bieber, Personagens Originais
Tags Criminal, Justin Bieber
Exibições 168
Palavras 4.918
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Hello, eu amei esse capítulo. Nome : precisamos confiar.
A capa é a tal desert eagle.

Capítulo 7 - We need to trust


Fanfic / Fanfiction Sweet Revenge - Capítulo 7 - We need to trust

Hilary Blake p.o.v

- Ele te chamou pra equipe dele?! - Lana diz inconformada.

- Disse que precisa de mim pra capturar o R. Blanco. - Suspiro pesadamente girando a Desert Eagle na mesa do escritório - Eu concordei.

- VOCÊ É LOUCA! - Amber diz e eu a encaro - Hilary, ele é perigoso!

- Amber… - Suspiro - Preste bem a atenção : Eu sei o joguinho dele, ele está desconfiado de mim, acha que eu sei demais, aquele papo de “Vou te proteger”, é farsa. - Concluo - Na primeira oportunidade ele me joga de um precipício.

- Então por que concordou? - Lana pergunta e Amber revira os olhos falando :

- Depois loira que é burra! - Dou risada - Lana, ela aceitou porque assim chega até Blanco e descobre quem ele é!

- Ah tá… - Lana ri - E depois? Vai descobrir e ficar quieta? - Pergunta para mim.

- Depois, minha cara Lana, eu vou matar Blanco; claro que vou descobrir o que ele quer primeiro, e Justin, vou extermina-lo. - Digo simples rodando na minha cadeira - Serei parte da equipe dele e claro, serei uma infiltrada. - As meninas colocam total atenção em minhas palavras - Todos os planinhos de roubos e drogas, eu vou saber e sabotar, mudar o trajeto, eu vou enlouquecer Justin Bieber!

- E ele? Acha que ele não vai ficar de olho em você? - Lana indaga.

- Claro que ele vai, mais o melhor é que ele se sente atraído por mim, é fácil conquistar alguém assim - Suspiro - Depois do sequestro eu fiquei de sutiã na frente deles e todos se perderam um pouco no meu corpo, somos mulheres poderosas, vamos acabar com o Império de Bieber e eu vou dominar toda a máfia da América do norte, Londres já está sendo invadido por mim, enfim… Poder, poder e mais poder para nós!

- Somos meio loucas - Lana diz - Eu gosto disso.

- Eu ainda acho que vai dar problema! - Amber sugere.

- Am - Digo seu apelido e ela revira os olhos, ela odeia que a chamem de “Am”, “Ambbie” e essas outras viadagens - O Christian Beadles é você na versão masculina - Ela me olha cruzando o cenho - Observador, muito mesmo. Eu tenho que me cuidar em relação à isso. - Ela assente já entendendo onde eu quero chegar - Hoje Justin Otário Bieber marcou uma reunião na Mansão deles, eu irei e tentarei pegar dados da equipe, quero que você invada todos os dados e puxe a ficha com bastante cautela de cada um deles, principalmente do Chris, preciso saber onde ele foi treinado.

- Certo, consegue colocar uma câmera na roupa? Quero ver as expressões de todos - Lana diz - Eu sei identificar um mentiroso de longe.

- Perfeito, farei isso. - Sorrio - Mais uma coisa, eles provavelmente irão frequentar nossa mansão, todas as coisas referentes à Marvin, devem estar escondidas, Lana, você vai ser a menina do mundo cor de rosa, Ambbie - Provoco e ela mostra o dedo do meio - Você é a nerd gostosona viciada em livros e séries.

- Broxante - Amber diz e eu gargalho. - Mais se é isso que vossa majestade quer - Sorri e eu me levanto, fazemos um toque e falamos o nosso lema, todas juntas :

- MAIS MACHO QUE MUITO HOMEM POR AI!

Começamos a rir e eu me sento prendendo o cabelo, Lana, me olha e grita um “ Ah!” histérico.

- Que foi?! - pergunto.

- Seu pescoço está com mordidas e marcas de chupões!

Porra, Bieber!

- Fui sequestrada, tô machucada. - Dou a desculpa esfarrapada.

- EU SEI O QUE SÃO CONSEQUÊNCIAS PÓS SEXO! - Sim, Lana sabe. Sem brincadeira nenhuma, ela já teve que comprar pomadas de bebê quando saiu com um britânico da máfia inglesa.

- Lana, não é nada. - Digo e Amber observa. A loira é tão vagabunda que enxerga o fundo da alma, como se estivesse vendo todos os meus pecados. Amber ri de lado maliciosamente e eu concluo, ela sabe.

- Charles tem dentes mais redondinhos na frente, as presas são um pouco tortinhas, coisa de um milímetro. Analisei a foto dele outro dia  e vi tudo, tudo mesmo. - A loira observadora com olhos das trevas diz - As marcas estão mais vermelhas, ou seja, a pessoa que você transou era bruta, o cheiro de sabonete e desodorante masculino está no seu cabelo -  Preciso falar do olfato dessa menina?

- Não é nada, pare com suas conclusões.

- Seu lábio está roxo no canto, pelo soco,mais no lábio inferior, onde você está travando a mandíbula nesse exato momento, tem mordidas iguais a do pescoço.

- E…? - Reviro os olhos.

- Chaz é “carinhoso” - faz aspas - Ryan tem medo de você bater nele de novo, Chris nunca foderia você, ele desconfia demais… o mais bruto, com cheiro  de maconha com whisky e perfume do Hugo Boss, músculos forte e dentes alinhados é o seu inimigo mortal, Justin Drew Bieber, você esteve com ele então… - Deixa no ar.

- Eu e ele não tivemos nada! - Digo.

- Hill, somos suas irmãs, não dá pra esconder algo que está na cara. - Lana revira os olhos.

Suspiro e jogo as mãos pra cima.

- Ok! Ok!  - Digo por fim - Transamos.

- Não me admira, gostoso daquele jeito não dá pra resistir! - Lana de levanta e me lança um sorrisinho malicioso - Quantos orgasmos, huh?

- Cala a boca! - Digo e as meninas dão risada - Aquilo foi um meio de atrair o inimigo.

- Ah, claro! - Amber diz e se levanta - Que dia iremos roubar o banco?! - Pergunta.

- Em três dias e… - Fico pensativa - Precisamos de encomendar armamentos novos, vou falar com Reymond. - Suspiro.

Ouço alguém bater  na porta e ergo o olhar.

- Entre! - Digo e Martha, a empregada aparece com a caixa de uma loja.

- Seu celular chegou, senhorita Blake. - Sorrio e ela me entrega a caixa. Eu havia encomendado o celular e pedido pra recuperar meu antigo número.

- Obrigada, Martha!

- Disponha, senhorita.

[...]

Justin Bieber p.o.v

- VOCÊ FEZ O QUE!? - Christian grita - Ela é furada, Bieber, vai dar merda!

- Beadles, eu sei o que faço, ela já está caindo no meu papinho. - Pego uma cerveja na cozinha e volto para a sala de jantar me sentando com os garotos - Blanco me quer e por algum motivo, que não me interessa, quer a ruiva, eu vou colocá-la na equipe, descobrir pra que magnata ela trabalha, se realmente ela trabalhar pra alguma facção; e vou atrair Blanco. Simples.

- Já considerou a hipótese de ela se infiltrar? - Ryan diz e eu reviro os olhos.

- Eu fui na casa dela, nada de anormal. Conversamos e ela já foi da marinha e aeronáutica, daí a esperteza. - Estalo os dedos - Ela é inofensiva, talvez esconda coisas grandes à respeito do passado, até mesmo sabe sobre Blanco e o Governo Mafioso, mais quanto à nossa equipe, podemos ficar tranquilos, tenho tudo no meu controle!

- Você que sabe. - Chaz dá de ombros, está claro que ele está amando a ideia da ruiva entrar na equipe - Só não a machuque.

- Chaz, você está gostando dela? - Ryan pergunta e Charles nega - Porque você está um grude com a ruivinha.

- Ela é mulher, não é justo que saia machucada ou até morta por conta dessa guerra. Ela não tem culpa.

- Ela sabe se defender, Charles - Digo - Ela é esperta.

- Não deixa de ser mulher e ser mais frágil. - Suspira - mais tudo bem, pelo menos vou ter uma bunda feminina para olhar nas missões.- Ele ri.

- Vai se distrair e levar um tiro na cara - Christian diz e eu gargalho.

- Ela chega em trinta minutos - digo - Achou os infiltrados, Beadles?

- Sim,eles estão sendo vigiados. Amanhã você assassina eles. - Chris responde - Parece que eles trabalhavam para R. Blanco.

- Enfim, vão morrer mesmo - Digo simples.

- Olá, Olá! - Ouço a voz de Hilary. Uma voz um pouco sensual.

- Adiantada? - Pergunto e ela cruza os braços dizendo :

- Tenho compromissos, espero que a reunião não demore. - Charles se levanta e a abraça.

- Desmarque! - Sorrio cínico - Hoje temos a nossa primeira missão.

- Ah, então é assim!? - Ela ri - Você monta uma missão e me avisa em cima da hora, eu não posso desmarcar.

- Mas irá desmarcar.

- Não irei. - Diz convicta e eu suspiro me levantado. Ryan, Chaz e Chris observam tudo em silêncio.

- Eu mando aqui! - Digo ríspido - Quem dita as ordens sou eu, porra!

- Você me chamou pra sua ganguezinha - Abre os braços - Então eu posso opinar sim. E digo que não, não vamos ter missão hoje.

- Hilary, temos que ir hoje - Charles diz - É importante e precisamos de você, gata. Seja lá o seu compromisso, estamos falando do cara mais odiado pela máfia.

Ela fica pensativa e assente.

- Desde que todos tenham a educação que você tem, Chaz. - me olha - Vamos, comecem a reunião.

- Para o meu escritório! - Ordeno, Chris e Ryan se levantam enquanto Charles beija a ruiva me deixando incomodado.

- Podem transar depois, ok! - Suspiro pesado e todos entram no escritório.

- Hilary, você sabe o que sobre Blanco?! - Beadles pergunta.

- Sei que ele era um Magnata e agora é do governo. - Diz simples.

- E como sabe disso? - Continua a perguntar.

- Marinha, aeronáutica, eu já fui treinada por militares, FBI e CIA.

- Uau, então é inteligente o suficiente pra saber que eu não acredito em nada do que diz - Chris diz e eu o encaro.

- Então temos a mesma impressão, pois todos aqui, até mesmo Charles, mente pra mim. Na primeira das oportunidades vocês me jogam na frente de um caminhão. Vocês me odeiam.

- Eu não te odeio, você é uma delícia, por que eu te odiaria? - Ryan diz e ela sorri de lado.

- Está na cara que vocês querem algo à mais, vocês acham que eu sou uma espécie de chave mestra, ou acham que eu sou puta mandada de algum inimigo  - Conclui. - Eu não sou pau mandado de ninguém e sim, eu estava com um ponto no dia da festa, pois Amber, trabalha com informática e queria testar as escutas que ela montou, o trabalho dela é encaminhado para a CIA. - Explica e eu a encaro incrédulo.

Como ela concluiu a verdade desta maneira?

- Eu não quero nada com vocês, eu apenas queria correr contra Justin quando nos conhecemos e se vocês acham que eu sou uma traidora infiltrada, me matem agora, coloquem os seguranças pra me vigiar e revirem minha vida. Eu não escondo nada.

- Como sabe de nossas conclusões? - Pergunto.

- Aquele papo de “ Me proteger” deixou especulações. Não subestime uma ex militar. - Diz.

- Eu ainda não acredito em você! - Christian se levanta.

- Foda-se! - Da de ombros - Você que se entenda com seu chefe, ele me quis aqui.

- Você esconde algo de nós - Christian continua.

- Eu não preciso falar da minha vida pra vocês! - O encara - Mais que merda, me chamou pra me interrogar?!

- Não, Christian já chega! - Falo e Chris me olha travando o punho.

- Essa vagabunda está mentindo! - Diz e a mão esquerda de Hilary acerta o rosto de Christian com força.

- Você meça bem as suas palavras antes de falar comigo! - Diz séria - Não ouse me julgar sem saber da minha vida! - Me olha e eu respiro fundo.

O que eu menos preciso agora são brigas internas.

- Se acalmem, parecem crianças!- Charles diz e Hilary ri alto em pura ironia.

- Claro, eu sou criança! - Sorri amarelo - Bom, essa é a minha deixa. Busquem Blanco e o caralho todo sem mim! - Sai dali batendo a porta. - Ótimo, Christian! - Digo nervoso.

- Vou falar com ela! - Chaz diz e eu o interrompo. - Eu falo com ela! - Reviro os olhos - A fera ruiva precisa de ficar na equipe, controle a boca, Beadles.

Hilary Blake p.o.v

Mas é claro que o gênio iria perceber minhas mentiras, mais me insultar?

Ah, o coitado não me conhece. Eu acabo com a vida dele em um estalar de dedos.

Saio da sala principal andando pelo Jardim e chego até o grande portão da mansão, o segurança me olha e abre o portão, ajeito minha jeans e caminho até meu Impala ouvindo passos atrás de mim.

- Hill, espera! - Justin me chamando de Hill? Essa é nova.

Continuo a andar e ele puxa meu braço.

- Me solta - Ordeno.

- Hilary, eu preciso de você!

- Não precisa, Justin, volte pra sua equipe e faça o caralho à quatro, mais sem mim. Eu não tenho nada a ver com seus problemas e não quero um nerd desconfiando de mim sem ao menos saber minha história.

- Me fale sua história então. - Diz simples - Vamos ter que confiar uns nos outros.

- Na sua equipe eu me sinto em um covil. - Digo ríspida.

- Está escurecendo, vamos dar uma volta, me conte mais sobre você e eu falarei sobre mim. Precisamos de confiar um no outro.

Suspiro e fico pensativa.

Saber da história dele pode me ajudar, e muito!

- Vou no meu carro. - Digo simples.

- Vamos juntos, quero ver como seu impala é por dentro, ele é um carro e tanto.

- Presente de aniversário. - Entro e fecho a porta e ele se senta no banco do passageiro.

- Dezesseis anos?

- Catorze - Sorrio.

- Com catorze anos ganhou um Impala? - Pergunta incrédulo.

- Sim.

- Com catorze eu ganhei meu Dodge.

- Você tem um Dodge?! - O encaro surpresa - Aquele carro é perfeito, qualquer pessoa sonha em ter um, qual a cor?

- A mesma que a do seu impala, Preto. O que muda é a cor do almoxarifado, ao invés de ser escuro  é bege.

- Você tem que mostrar esse carro pra mim um dia!

- E você tem que me deixar pilotar a sua máquina.

- Meu impala foda? - Pergunto - Não mesmo, ninguém toca nesse volante a não ser eu!

- Certo, senhorita - Diz rindo e eu me perco um pouco no seu sorriso branco.

Parece que pela primeira vez estamos tendo uma conversa civilizada.

- Hm… onde vamos? - Pergunto.

- Não sei - Da de ombros - Vamos sair por aí.

Assinto e sou partida no carro ouvindo o ronco forte do motor, música para os meus ouvidos.

Saio cantando pneu e Justin ri me fazendo rir também.

Sigo até a avenida principal do centro da cidade e acelero ao máximo ultrapassando alguns carros, em seguida, cruzo o sinal vermelho ouvindo buzinas e xingos.

- Você é doida! - Ele diz e eu olho para ele mudando de marcha.

Andamos por mais alguns minutos e eu paro na frente de um parque público, um pouco deserto.

- Um parque? - Ele ri - Que baboseira.

- Meu pai me trazia aqui quando criança - Sorrio fraco. - Era legal.

- Agora você já está grande pra brincar na gangorra - Debocha e eu reviro os olhos - Ok, diga, como seu pai se chama?

- Não quero falar sobre isso - Ligo o som baixinho e ele pega em minhas mãos.

- Confia em mim, lembra? - Sorri e eu suspiro.

- Meu pai era pai e mãe, sabe? - Digo - Ele me criou sozinho, desde bebê. Eu não sei quem é a minha mãe - Olho para sua mão  - Ele que me ensinou a dirigir e consequentemente, eu tenho esse jeito de moleque por causa dele.

- Seu lado moleque é excitante - Justin ri - O que houve com o seu pai?

Olho para Justin sentindo meu sangue ferver e lágrimas se formarem nos meus olhos.

Aqui, ao meu lado está o assassino do meu pai.

- Ele morreu há dois anos - Digo - E… eu sinto falta dele.

- Disse que seu pai te trazia aqui quando criança, mas você não é nova aqui? - Ignora as minhas palavras.

- Eu nasci e vivi aqui até os cinco anos - minto - fui pra Washington e voltei.

- Certo, gosta de carros por causa dele também?

-Meu pai era um amante do volante, ele também amava armas, ele até me dava força pra virar militar - Uma puta mentira, já imaginou, um pai Magnata e uma filha militar?

- Se fosse militar iria me prender? - Sorri de lado. - Se fosse preciso sim - Mordo os lábios e desvio o olhar - Só quero que saiba que eu sou fechada,  porque eu fui criada assim, e que se é pra me ter na sua equipe, você e seus amigos tem que aceitar que as vezes eu fico quieta e observo tudo, mas é meu jeito, eu gosto de ser assim.

- Pode ter certeza, Hilary, eu te entendo - Diz e eu volto à olha-lo. Os olhos dizem a verdade, por isso eu não olhei nos olhos dele enquanto mentia, mas agora, ele está olhando no fundo dos meus, e eu vejo sinceridade. - Eu também perdi meu pai, um cara matou ele por poder sabe? - Assinto, uma cara? Marvin Blake, meu pai, cujo matou Jeremy pra me proteger, Pra defender o império, por justiça. - Eu entrei nesse mundo com dezesseis anos, agora tenho vinte, Hilary, eu tinha sonhos, eu já fui um ser humano com sentimentos, mais todos eles se apagaram quando meu pai morreu, eu tenho um mundo diferente nas minha mãos, eu tenho uma vida diferente das pessoas normais, eu mato e minto todos os dias, eu tenho dois irmãos e uma mãe pra proteger! - Vejo ele fechar os olhos - Meu pai deixou duas crianças, e sabe o que eu menos quero pra elas? - Nego - Eu não quero ver minha irmã sendo vendida numa boate quando eu morrer e o poder ficar nas mãos dela, por isso Ryan é meu sucessor, eu não quero meu irmão desistindo da faculdade por causa de poder, eu fui obrigado a entrar nesse mundo, Hilary, eu sei o que é se sentir fechado, e sei como é ser observador, eu vejo como você me olha, você não confia em mim, mais eu peço que confie, eu prometi que iria te proteger e eu vou, você não tem culpa se Blanco está atrás de você, ele quer me atingir usando você, eu ainda não sei o por que, mais se me ajudar, vou descobrir, só me prometa estar comigo nessa guerra.

Eu confesso que estou com lágrimas nos olhos e ele não está diferente, assim como eu, Justin foi privado de viver.

Por impulso - ou algo muito forte dentro de mim - puxo Justin para um abraço apertado e apoio minha cabeça na curvatura de seu pescoço sentindo seu cheiro, deposito um beijo carinhoso ali e passo as mãos nos seus fios.

- Seja qual for o plano desse Blanco, vamos descobrir. - Digo por fim e ele sorri.

- Não conte à uma mosca que me viu quase chorar  - Diz tomando postura e eu assinto.

- Não direi a ninguém - Seguro seus rosto e seco suas lágrimas.

Mais que merda eu estou fazendo?!

- Está tudo bem, Hill, chega. - Empurra minhas mão e eu abaixo a cabeça sentindo vergonha.

Eu não posso estar ficando vermelha por causa de um homem, o pior : Por causa do assassino do meu pai.

Um lado meu quer encher essa carinha linda de tapas e o outro quer abrigar essa pessoa que eu acabei de conhecer.

- Está vermelha - Comenta e eu reviro os olhos - É ruiva, eu pensei que nunca ia te ver com vergonha.

- Não conte isso à ninguém.

- Tudo bem - Se inclina e dá um beijo em minha bochecha - Não irei contar. -Sinto seu olhar sobre as sardas quase invisíveis do meu rosto - São lindas.

- Obrigada - Digo desviando o olhar e sou surpreendida por um beijo longo nos lábios, fecho os olhos e sinto sua língua pedir passagem, autorizo e deixo sua boca explorar a minha, paramos aos poucos com selinhos e ele me olha sorrindo.

- Isso também fica aqui - Digo e ele revira os olhos me puxando para outro beijo.

E não era pra mim estar gostando.

Pego impulso subindo em seu colo e ele coloca a mão por baixo da minha blusa fazendo carinho, sorrimos entre o beijo e eu passo a mão em seu topete bagunçando completamente.

- O cabelo não… - Murmura.

- Fresco - Digo e ele ri, quando penso em voltar a encontrar seus lábios, seu celular começa a tocar.

- Porra - Resmunga e pega o aparelho atendendo. - Ah, eu estou ocupado… não, não estou longe de casa - Me olha mordendo os lábios - o que? COMO ASSIM!?! - Muda de expressão - Já vou!

- O que foi?!  

- Blanco mandou um avisinho.

Justin Bieber p.o.v

Claro que eu não conseguiria ficar em paz por muito tempo, esse cara quer morrer com um tiro no meio do cu.

- Vamos logo, ruiva! - Apresso Hilary que acelera ao máximo dobrando a rua da minha mansão.

- O que ele fez?! - Ela pergunta e eu suspiro.

- Não sei, só deixou um aviso - Murmuro e ela assente entrando na rua de casa, logo o portão abre e ela entra estacionando rapidamente, saímos do carro vendo dois seguranças mortos e os vidros quebrados.

- Que merda é essa!? - Grito entrando na sala principal segurando as mãos de Hilary, o que é estranho, ela puxa a mão e me olha sem graça. - Hein, porra?!  

- Olha o seu e-mail! - Christian diz e eu corro pro escritório abrindo o notebook.

Logo meu celular começa a tocar.

- Atende, Justin, pode ser importante - Hilary diz aflita e eu vejo Charles a abraçar por trás, precisa dizer que isso me incomodou? Claro. A garota estava me beijando à segundos atrás e agora meu amigo está a abraçando.

Não é ciúmes, só não é algo legal de se ver.

Atendo o celular deixando no viva-voz, e uma voz abafada começa a falar :

- Olá Bieber, Olá senhorita Levy… - Olho para Hilary - Estou querendo muito falar com vocês dois, quero seu Império, Bieber e você, Hilary, eu quero toda a sua fortuna, sabe que a melhor coisa que vocês fizeram foi se unir contra mim… - O cara ri.

- Você é um filho da puta! - Hilary diz.

- Você é uma putinha de beco - Volta a rir - Quero a cabeça dos dois, mas isso requer tempo. Bom, pelo menos eu sei que tem mais alguém tentando acabar com você, já que na noite que eu invadi você estava sendo invadido.

- Diz logo o que quer! - Vocerifico.

- Quero você e a sua nova amiga, sozinhos, no Deserto da fronteira em duas horas… não se atrasem. - Encerra a chamada, abro o e-mail vendo uma imagem de duas covas, a legenda da foto é a seguinte :

“ Uma sua, Bieber, e uma da senhorita Levy”.

- Você vai ir?! - Charles pergunta se afastando da ruiva.

- Vamos - Hilary diz decidida - Vamos acabar com isso. - Suspira e Christian a encara.

- Não aja como se ligasse, você quer nos ver mortos! - Segura o braço dela - Para de ser uma puta fingida, no mínimo você é pau mandado do Blanco! - a chacoalha - Vagabunda, assume!

- Christian, para caralho! - Me levanto batendo na mesa - Deixa ela em paz, porra! - Cerro os dentes - Eu mando aqui, entendeu?! Não está satisfeito com as minhas decisões, foda-se, não precisamos de brigas internas!

- Você os engana, mais a mim… - Hilary ri e vira um puta soco em sua cara.

- QUEM É A VAGABUNDA?! - Diz descontrolada - Quem? Me responde seu filho da puta! - Vejo ela com os olhos marejados, Hilary chorando?

- Lágrimas de crocodilo? - Beadles debocha.

- Quer saber, eu não fico aqui nem um segundo, você só me julga, que porra!

- Hilary, você prometeu me ajudar! - Digo lançando um olhar matador para Christian.

- O que adianta te ajudar e ser julgada? - Vai até a prateleira de armas e pega uma AA-12 - Se é pra fazer isso, eu vou fazer por mim, quero saber o que esse homem tanto almeja em mim - Carrega a arma - Depois eu devolvo.

- Hill… - Charles diz segurando seu braço.

- Não toca em mim - Ordena - No fundo você pensa igual à ele, todos vocês.

Abre a porta e sai batendo a mesma.

- EU MANDO AQUI, BEADLES, EU! - Grito - Não me faça perder a cabeça com você.

- Vai me tirar da equipe? - Desafia.

- Quer saber, você é um otário, porra, custa deixar ela em paz?

- Defendendo a amiga?! - Ele ri e Ryan apenas observa, caso as coisas piorem - O que ela fez com você? Já caiu no papo da cobra?

- Se você soubesse da metade do que eu sei sobre ela, também a defenderia. Ela é muito mais do que um rostinho bonito.

- Está apaixonado? - Debocha cruzando o cenho.

- Vá a merda, estou vendo que não é tão inteligente, não a conhece e a julga - Pego uma Submetralhadora.

- Vamos com você  - Ryan diz.

- Fique! - Ordeno e saio do escritório vendo que o Impala não está mais ali.

Entro na minha Ferrari seguindo até o local.

Eu realmente briguei com o meu melhor amigo por causa de uma mulher? É, eu fiz essa merda. O que me deixou com ódio foi ele ter xingando ela, porra, o que eu menos preciso agora são brigas internas, estamos em uma guerra com Blanco e ainda tem o invasor do galpão que não deu mais as caras. Eu preciso de defender meus patrimônios, preciso encontrar Blanco e dar fim nele antes que as coisas saiam do meu controle.

Parece que Hilary é a chave mestra, Blanco a quer, mais e o papo de tratá-la como chave mestra e apenas usar, não está funcionando, hoje ela me mostrou que existe uma pessoa boa por trás da carranca e da marra, ela é uma boa pessoa, eu não vou a usar, eu só preciso da ajuda dela. E pra ter a ajuda dela, é inadmissível brigas internas.

Dirijo por mais alguns minutos e vejo o impala preto estacionado com Hilary sentada no capô olhando em volta. Estaciono atrás dela e ela me olha de soslaio carregando a arma.

- O que deu em você pra pensar em vir sozinha? - Pergunto parando ao seu lado olhando em volta, está escuro e sem sinal do Blanco.

- Ele me quer aqui - Abaixa a cabeça.

- Ele nos quer aqui - Digo e ela me olha - Esqueceu que eu te protejo?

- Como se eu precisasse… - Suspira - E os seguranças mortos?

- Foram só os dois melhores da minha facção - Digo com raiva.

- É uma pena… - Morde os lábios olhando para o horizonte - Está muito calmo, só tem nós dois aqui.

Dito isso, vejo dois carros pretos cortar a areia em alta velocidade disparando tiros contra nós, Hilary pula do capô se deitando no chão e me olha, deito no chão carregando a arma e atiro contra eles, o ataque continua e eu ouço Hilary gritar.

- Que foi?! - Pergunto e os carros fazem ziguezagues atirando sem parar.

- Quebraram o vidro do meu carro - Se levanta em meio aos tiros - Meu carro não! - Dispara os tiros contra os carros que já estão longe ainda em ziguezagues.

- O que eles pretendiam com isso? - Pergunta olhando para o carro - Ah, eles amassaram minha lataria, isso é aço puro! - Reclama e eu vejo um papel no chão, me inclino pegando o mesmo vendo uma foto.

Meu coração congela.

- Merda, meu pneu, meu aro vinte e dois cromado!

- HILARY! - Grito e ela vem até mim.

- O que foi? - pega a foto da minha mão. - Quem é?

- Pattie - Fecho os olhos com força - Leia o que está atrás - Minha garganta fecha e o vento sopra poeira contra nós.

- “ Linda não acha, morta é ainda melhor, durma de olhos abertos”. - Ela lê e me olha confusa - Quem é Pattie?! - Pergunta.

- Minha mãe, Hilary - Olho pro horizonte vendo as luzes da cidade - Eles… - travo o maxilar - Ele está ameaçando minha família.


Notas Finais


É isso, comentem aí. Tô com pressa pq tô com sono ♡
Bjs estrelinhas


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...