História Sweet Tears - JiMon - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), TWICE
Personagens Jimin, Jungkook, Rap Monster, Sana, V
Tags Bts, Jimin, Jungkook, Minimoni, Minjoon, Namjoon, Sana, Taehyung, Yaoi
Visualizações 12
Palavras 1.342
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Um


Fanfic / Fanfiction Sweet Tears - JiMon - Capítulo 1 - Um

PARTE UM

PARK JIMIN


____________________


Conte-me lindas mentiras,

    Olhe-me nos olhos.

    Diga que me ama,

    Mesmo sendo mentira.

    Porque eu realmente não me importo...


- Desculpa, desculpa... - Jimin soluçava, passando as mãos nos cabelos recém coloridos freneticamente.

Ele não devia ter deixado seus fios, antes negros, com aquele nojento tom rosa bebê. Pelo menos foi isso que escutara de Jungkook, quando se encontraram naquele ensolarado sábado. Dois anos de namoro e tudo o que o garoto fazia era decepcionar seu namorado. Ganhou peso e foi criticado. Emagreceu e foi criticado. Tentou aulas de dança e foi criticado. Jeon Jungkook nunca se satisfazia.

- Agora que está feito, não há o que reclamar, certo? - o mais novo murmurava sem olhar para Jimin. - Ainda bem que te amo de qualquer jeito.

A frase soara rude. Mas Jimin gostava de acreditar que era o jeito do outro demonstrar seus sentimentos. Ainda assim, ficara magoado. Levantou-se dizendo que estava com muita dor de cabeça, inventara uma enxaqueca que nunca teve na vida e falou que voltaria para casa. Esperava que Jungkook percebesse o que tinha falado, pedisse desculpas e o enchesse de beijos, mas ouviu um simples "okay" seguido de um leve beijo no rosto.

Nenhum "eu te amo". Ao menos um "melhoras".

Mas para Jimin estava tudo bem. Se Jungkook não estivesse insatisfeito, ele não teria motivos para estar.

No elevador, o garoto ficara se olhando no espelho que existia na parede ao fundo. Não estava tão ruim, estava? Combinava com sua pele levemente morena, com suas roupas quase sempre azuis, com o seu olhar assustado. Olhar que surgiu desde que se apaixonara por Jungkook, e que virou uma característica de seu rosto. O desespero e preocupação só não era evidente em um momento do dia. Quando ele assistia o pôr-do-sol. Mas não era porque as cores do céu o acalmavam, e sim porque seu rosto era tomado pelas lágrimas.

"Chore, mas chore como homem."

Ele lembrava de seu pai repetindo isso, enquanto acolhia o indefeso filho nos braços, sofrendo com sua primeira decepção amorosa. Jimin não levava o conselho como homofóbico. Seu pai teve sim uma criação machista, mas nunca disse nada ofensivo ao filho. Aquela frase era dita até a própria esposa. "Chore como homem". Era não chorar por quem não merecesse suas lágrimas. Jimin chorara por um bonitão duas turmas mais velho que falou que não sairia com um gay afeminado. Só porque o garoto dançava na época. Agora, todas as tardes, Jimin chorava pelo amor da sua vida. Isso não era problema. Ele chorava como o forte menino que o pai criara.

Ele pensava assim.

-*-

O celular marcava 17:46 quando Jimin descia as escadas de madeira para a Praia de Mangsang. Estava em um lado mais vazio. Algumas pessoas estavam sentadas na areia, lendo grossos livros. O sol ainda não baixara, mas a brisa vinda do mar estava gelada. O garoto fechou o zíper de seu moletom e cobriu o rosto com as mãos. Tentava esquecer do mundo. Das construções atrás dele que tapavam o pôr-do-sol. Da mãe, que deveria estar ligando para o celular que deixara no silencioso. Do namorado. O maldito e adorável namorado que parecia feito para Jimin. Mas era tão cruel. 


Park se perguntava por quê, como e o que raios tinha na cabeça quando se envolveu com o mais novo, que agora não conseguia largar.


- Eu te amo tanto, Jeon...


Entre um rodopio e outro, privando seus calçados da água fria e salgada, pouco a pouco o mundo sumia entorno do pequeno. Como se estivesse sozinho e abandonado em uma ampla sala ventilada, ele cantava baixinho. Estendeu seus braços, deixando o capuz do moletom escorregar dos cabelos rosados e sentindo o vento gelado anestesiando seu rosto. As lágrimas que caiam sem ele perceber, gelavam mais a cada giro. A mesma frieza que Jimin sentia todas as manhãs quando mandava um bom dia ao namorado, reproduzida diariamente à beira-mar.


Mesmo com os olhos fechados, percebeu que o céu escurecia, parando sua melancólica dança para olhar os tons do céu. Ficava admirado com o grande leque de cores entre laranja e preto. Aquela mistura mágica do dia com a noite era uma de suas visões favoritas. Sentiu as leves ondas baterem em seus tênis de pano, mas não se importou. Por ele, o mundo podia acabar ali, porque ele teria a última visão mais linda de toda a Coreia do Sul.


Quando o Sol começou a tocar o horizonte, muito além da praia, Jimin foi surpreendido por palmas. Isoladas palmas que se despediam do grande astro, vindo de alguém logo atrás do menino. Nunca vira alguém fazer aquilo naquela época do ano, em que o turismo era quase inexistente. Bater palmas na praia era coisa de estrangeiros.


Não tirou a expressão confusa quando se virou e encontrou com um homem aparentemente coreano. Não um homem. Um jovem? Parecia novo. Era um pouco alto, bem moreno e usava roupas escuras e bonitas, aos olhos de Jimin. O que ele mais gostou foi o sorriso fechado com doces covinhas, enquanto admirava o pôr-do-sol. E os cabelos roxos. O desconhecido também tinha os cabelos descoloridos.


- Desculpe se atrapalhei sua dança. - o homem disse com sua voz grave, aproximando-se devagar. - Parecia cheia de sentimentos.


Jimin deu um passo para o lado. Apesar da boa aparência, o outro tinha os olhos fundos e solitários. Pareciam tristes. Sem querer, identificou-se com o modo que ele olhava o céu naquele momento. Com uma expressão fechada e pensativa.


- Não me atrapalhou. E eu não estava dançando. É o meu jeito de andar por aqui. Seguindo o desenho das ondas.


- Ah, entendo.


Logo os tons alaranjados tomaram um pouco de lilás e algumas estrelas podiam ser vistas ao longe. Jimin gostava de fazer uma analogia ao seu relacionamento. A tarde ensolarada era ele, a noite misteriosa era Jungkook e a transição confusa eram os dois anos em que estavam juntos. Era dolorida e explosiva, mas era linda.


- Ei, você estava chorando?


O garoto levou as mãos ao rosto, sentido suas bochechas úmidas, os olhos deveriam estar vermelhos também. Secou rapidamente.


- Sim, mas... não é nada demais. Eu chorei por chorar.


- Se tiver algo pra falar, desabafar, é mais fácil fazê-lo com quem não conhece. - rebateu ainda com sua serena expressão e voz cantada.


- Não é nada.


- Vem aqui com frequência?


- Todos os dias. Até quando chove. Eu moro aqui perto.


- Que sorte. Procurei algo para alugar para cá, mas era tudo muito caro. O lado norte nunca me pareceu tão confortável e acolhedor. Eu costumo a passear no lado sul.


- Mangsang é muito movimentada para lá. Os poucos turistas não sabem o paraíso que perdem...


A maré descia aos poucos. Logo os tênis de Jimin não eram mais atingidos pela água. As poucas estrelas que abriam a noite estavam mais brilhantes que o normal, fazendo os dois garotos sorrirem involuntariamente quando cruzaram o olhar. O mais velho achou curioso o jeito do outro se expressar e sentir o mundo e quis conhecer mais daquela pequena história. Um pouco sem jeito, conseguiu fazer Jimin acompanhá-lo à borda das águas.


- Eu gosto do pôr-do-sol também. - começou depois de um longo silêncio. - Eles são únicos. Claro, o Sol é o mesmo, a praia é a mesma, mas não faz esse fenômeno menos especial. Nunca é do mesmo jeito. Um ano, tem trezentos e sessenta e cinco despedidas do sol. E cada uma das aproximadamente sete bilhões de pessoas do mundo a vê de um modo diferente. Muitas nem se dão conta. Você pode saber muito sobre alguém, apenas pedindo uma descrição do mais recente pôr-do-sol. Saber uma parte da sua história.


- Qual o nome do seu pôr-do-sol?


Mesmo pego de surpresa, tentando entender as intenções daqueles pequenos olhos inchados, o homem não hesitou em responder. Havia entendido a pergunta, mas a novidade era alguém fazê-la. Ninguém entendia suas analogias e metáforas.


- Kim Namjoon. E qual o nome do seu?


- Park Jimin.


Notas Finais


Oiee ♡

Essa é a primeira fic que pretendo postar pra valer no spirit, trabalhando minha nova escrita e percepção. Espero que gostem ♡♡

Gostam de brincar? Em todo capítulo terá um trecho de música. Quem acertar a música e o artista primeiro, tem seu nome citado aqui no final u..u

'Sweet Tears' também é postado na plataforma do Wattpad, na minha conta de mesmo usuário. Link: http://my.w.tt/UiNb/XH6vsbp7uG


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...