História Sweet things - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Bottom!taehyung, Hazzabs, Kooktae, Kookv, Shotacon, Taekook, Top!jungkook, Vkook
Visualizações 1.453
Palavras 7.476
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ooi gente, cocmo vão vcs? ^-^ eu to bem sjsj mais ou menos, to nervosa
Mas então, eu fiz essa fanfic baseada em sweet things do the pretty reckless de novo, eu disse que faria mais fics kookv baseadas nessa banda mas não esperava que fosse tão rápido, mas ok.

já vou avisando que é shotacon então se não gosta não leia, não venha falar merda depois tbm, por favor.

todos os atos nessa fanfic não tem objetivo algum de influenciar ou romantizar a relação desse tipo, por isso eu digo, não leia se não gosta

eu fiquei surpresa pelo tanto de palavras, nunca escrevi tanto, espero que gostem tbm
E para aquelas que são amantes de kookv, aproveitem o/
boa leitura

Capítulo 1 - Evil, knocking at my door


Sozinho em casa, Kim Taehyung passava a maior parte do tempo desenhando,  ele desenhava qualquer coisa que viesse em sua cabeça,  nada mais o consumia mais que o tédio,  então,  ele geralmente desenhava coisas monótonas e repetitivas de sua mente. 

Era  recém chegado em Seul, sua família se mudara a pouco tempo,  menos de um mês,  seus pais tão ocupados empregados em um hospital, ficavam no trabalho mais do que em casa,  Taehyung ia de  casa para a escola e da escola para  casa,  todos os dias,  pouco conversava, estava tão difícil ficar sozinho,  o início de sua adolescência deveria ser marcado de animação e aventura,  já não aguentava mais ficar sentando e perambulando em qualquer cômodo de sua casa que seja,  era tudo a mesma coisa.

Mas o que poderia fazer? Não conhecia nada,  nem sabia direito andar em seu próprio bairro, mas ele não queria ser um garoto de quatorze anos enfiado dentro de casa sem poder ver as coisas novas lá fora,  além disso,  ele não iria se perder se saísse,  só iria dar uma volta no quarteirão e nada mais que isso.

Estava decidido. 

Mas, antes de sair de casa,  pegou uma bola,  pensou na hipótese de encontrar alguém para jogar por aí,  sorriu animando e esperançoso,  fechando a porta atrás de si num baque e revelando a vista das ruas.

Não sabia ao certo porquê estava tão nervoso,  talvez inseguro, mas isso não deveria acontecer,  Taehyung era um menino muito positivo e com energia de sobra,  ele só queria brincar um pouco antes de sentir os ataques da famosa puberdade em seu ser e se divertir com sua aura infantil antes que alguém a manchasse com impurezas.

Durante o trajeto inacabável de ruas e quarteirões naquele grande condomínio luxuoso que vivia, se viu beirando a saída, então voltou para trás, e pior,  não estava divertido e nenhuma criança brincava por ali,  que ótimo,  era tudo o que ele mais temia, além de ficar sozinho em  casa,  a rua também não lhe sugeria companhias. Se deu por vencido e resolveu voltar pelo mesmo trajeto que viera, então andou,  andou,  andou e andou,  mas mal percebera que passou de sua casa,  era pouco mais das duas da tarde e o sol o incomodava,  suspirou cansado,  onde será que errou o caminho?  De qualquer forma,  não se desesperou, pelo contrário,  ele avistou umas árvores bem no fim do condomínio,  ali haviam poucas casas e pareciam bem mais antigas que as de lá da frente,  mas ele apenas deu de ombros e foi até lá.

Ah, a sensação das sombras em seu corpo quente era maravilhosa, era um ótimo lugar para brincar,  mesmo sozinho,  por que será que não fizeram um parquinho ali? Mas isso não era problema,  ele apenas soltou sua bola de futebol no chão com leves gramados e chutava de um lado para o  outro devagar para não ir longe, fingia ser narrador de seu próprio jogo,  capitão do time,  goleiro e atacante, e quando se deu conta, a animação veio com força, literalmente,  que ele chutou a bola tão alto fazendo atravessar o muro alto de uma das poucas casas ali,  agora sim ficou desesperado.

O que diria para sua mãe? Além de sair de casa sem permissão, sozinho,  andando pelo condomínio sem saber e encontrar um lugar estranho,  por cima, chutou a bola dentro da casa de alguém,  estava morto,  se não fosse por sua mãe,  seria morto pelo dono da casa,  mas por sorte,  ele não ouvira nenhum barulho de vidro quebrado. Devagar,  caminhou até a casa,   não ouvira nenhum barulho sequer, ele queria sua bola de volta,  colocou as mãos no portão alto e por sorte,  estava aberto, mas Taehyung estava com medo.

Aquela casa era enorme com um muro muito alto,  e o portão já parecia estar enferrujado,  parecia mesmo mais antiga e diferente de todas as outras casas,  ficou ainda mais com medo de pensar na pessoa moradora, um velho malvado, talvez? As chances eram muitas, mas ele só iria entrar e pegar sua bola,  depois disso iria sair correndo e nunca mais voltar neste lugar.

Seus passos ecoavam  nas folhas secas  no jardim da casa,  de cara, avistou sua bola, mas ela estava próxima a porta, que para sua surpresa,  estava aberta,  uma fresta que vislumbrava uma leve escuridão lá dentro,  nessa hora,  sua curiosidade cutucou suas pernas e ele caminhou até lá,  lentamente.

O mal batendo na minha porta.

Suas mãos tremiam,  ao empurrar a massaneta da porta dando mais abertura,  teve certeza de que era mesmo escuro,  agora dentro da casa,  a pouca luz que irradiava vinha de uma das janelas sem cortinas da sala,  estava tudo tão calmo e vazio,  será que não tinha ninguém?  Que tipo de pessoa sai e deixa a casa toda aberta? Mas,  ele sentia que não estava sozinho,  seu coração pulava em seu peito a cada passo que dava, um temor possia seu corpo mas não o suficiente para fazê-lo parar, ele não parou.

Quando subia as escadas,  ouviu sussurrares e suspiros,  uma voz baixa e suave que o atraía,  então ele foi,  e cada vez mais perto o som ficava cada vez mais alto,  audível. Até que,  andando por aquele corredor enorme,  ele encontrara algo que fizera seus olhos saltarem para fora, sua respiração parou e ele ficou totalmente imóvel; algo não,  alguém.

O Kim sempre foi criado sozinho,  sem muitos amigos,  sempre se mudando,  seus pais lhe passaram todos os limites possíveis para se viver e ser controlado,  o famoso certo e errado,  ele andava nos trilhos e não reclamava, mas a maioria dos garotos de sua idade já faziam coisas que ele não podia fazer, e ele não fazia ideia de que ia conhecer dessa forma tal coisa tão... gostosa.

Olhando pela brecha da porta de um quarto no fim do corredor, ele viu um cara,  a luz do quarto dava visibilidade dos seus cabelos negros, seu corpo branco e forte, sentado na cama de olhos fechados totalmente sem roupas.  A boca de Taehyung salivou. Aquele  homem se tocava no meio de suas pernas gemendo baixinho e sem se importar se estava alto demais ou não,  suor descendo por suas têmporas deixando seus fios caírem em sua testa enquanto ele se remexia entre  a própria mão, aquilo parecia tão bom,  sons eróticos eram dirigidos diretamente em seus ouvidos, sua boca estava seca,  não piscava,  sua respiração se acelerou e um calor horrendo subiu em seu corpo,  um misto de frio e cócegas na barriga o fez esfregar suas pernas uma na outra sentindo tudo ficar pior,  e aqueles gemidos,  Taehyung nunca quis tanto gemer como aquele homem gemia se contorcendo na própria mão,  Taehyung queria fazer tudo isso,  tudo igual a ele,  jogar a cabeça para trás,  tirar suas roupas, se tocar,  era um desejo que estava se tornando incontrolável em tampouco tempo.

Um gemido mais alto e arrastado foi emitido,  ele não tirava os olhos um segundo sequer dos movimentos do desconhecido,  quando viu algo branco sendo atirado para fora de seu membro e escorrendo pelos seus dedos foi o estopim; Taehyung gemeu,  era incontrolável.  Os olhos daquele homem se abriram lentamente revelando suas íris negras,  era sério,  seus olhos capturaram a figura de Taehyung parado na porta sem dizer nada, o garoto teria que sair dali,  agora, não viu outra opção, a não ser sair correndo casa a fora.

    

                                                                                                 ▶◀

 

Estava pasmo,  chegou em casa desesperado, todo caminho foi feito sem ao menos olhar para trás para ver se alguém - o alguém - o seguia. Se trancou em seu quarto como se um monstro fosse o pegar,  mas então tudo ficou em silêncio e ele percebeu que estava sozinho novamente. Fechou os olhos e respirou fundo.

- O que... O que foi aquilo? - sussurrou, interrogando a si mesmo.  Piscou os olhos mais de três vezes com força e se sentou na cama olhando para as próprias mãos.

Não havia trazido sua bola. Mas, havia trazido uma outra coisa,  uma sensação... nova. Devagar,  ele abriu suas pernas e passou os dedos das mãos pelas barra de seu short,  seu pênis doía mas ele não sabia o que fazer,  em segundos,  puxou a peça para baixo junto com a cueca relevando sua ereção,  mordeu o lábio, estava molhado.

E se ele repetisse os mesmos movimentos feitos pelo homem resolvesse? Esfregou as mãos nas coxas antes de se tocar devagar,  apertou os lábios um no outro para não emitir sons mas foi difícil não se render ao se rodear entre os dedos.  Ele começou,  lentamente,  o que parecia piorar a cada segundo,  seus olhos estavam arregalados,  suava frio,  sentia cócegas na barriga que o fazia se contorcer e fazer algumas caretas,  essa sensação estranha que ele nunca havia sentindo antes estava dominando seu ser.

Se viu suspirar apertando seu membro na mão que ali comandava,  subindo e descendo,  rápido,  mas sempre diminuía a velocidade quando os espasmos se tornavam mais frequentes. Estava com medo de que acontecesse a mesma coisa com aquele homem,  aquelas coisa saindo de dentro dele o fazendo gritar e gemer alto,  aquilo parecia ser um alívio, mas mesmo assim,  hesitou um tanto em prosseguir.

Mas, pontadas repentinas o incomodava, não teve escolha a não ser começar de novo,  respirou fundo aumentando os movimentos de subir e descer,  esfregou as pernas e encolheu os dedos dos pés conforme tudo ficava mais intenso, ousou fechar os olhos e abrir sua boca,  por onde liberava gemidos sôfregos baixinhos, jogou a cabeça para trás tombando para o lado,  se contorcia na própria mão quase gritando.

- Deus, isso é... Isso é... Ahh... - abriu seus olhos, suas pálpebras tremiam, seu corpo vibrava e sentiu-se quente demais, se deixou levar e se viu derramar aquele mesmo líquido branco como um creme em seus dedos - Ohh,  isso é muito bom. 

Tentando controlar sua respiração, ele caiu deitado na cama,  levantou sua mão melada e levou até a boca sugando o dedo do meio,  não sabia deduzir o gosto, mas também não reclamou.  Mordeu o lábio e sorriu, estava satisfeito.

O mal me fazendo de prostituto.

- TaeTae?  Filho,  chegamos - ouviu a voz de sua mãe vinda lá de baixo e arregalou os olhos.

Guardou seu membro dentro do short e correu para destrancar a porta, limpou as mãos na camisa e  desceu. Seus pais estavam lá na sala.

- Por que chegaram cedo? - perguntou logo de cara.

- Não tínhamos mais trabalho por hoje,  então tivemos uma ideia,  que tal dar uma volta para conhecer o condomínio?  Sei que nunca sai de casa,  você precisa ver o que está a sua volta - seu pai disse.

Ver o que está a sua volta; estava morrendo de medo de  ver o cara daquela casa de novo por aí,  por outro lado,  achou um máximo a ideia de sair, ele nunca saía,  e agora que seus pais sugeriram iria recusar? Não.  Ele estaria com seus pais,  não aconteceria nada de mais.

- Sim,  eu quero - respondeu animado.

- Tae, o que é isso na sua camisa e no seu short?  - sua mãe perguntou.

- É... Eu me sujei com creme,  vou trocar de roupa e podemos ir - disparou escadas a cima.

Em menos de cinco minutos Taehyung voltou,  trocado e limpo, animado para sair de casa,  de novo.  Seus pais conversavam sobre o bairro, a escola, interagindo com o garoto o mantendo sempre a par dos assuntos. A tarde ensolarada estava bela e por um momento,  ele até se esqueceu do acontecido mais cedo,  mas,  como se fosse coincidência - ou azar - ele deu de cara com o cara desconhecido da casa,  seus olhos arregalaram e ele apertou forte a mão de sua mãe.

- Olá, moço - a mãe o cumprimentou.

- Oi, vocês são os vizinhos novos aqui? - sua voz era suave,  Taehyung se escondia atrás da mãe como se fosse uma criança com medo.

- Não tão novos,  chegamos a pouco menos de um mês mas ainda não tivemos tempo de andar por aqui, mas hoje,  tiramos uma folga e também estamos apresentando a área para nosso filho,  Taehyung - o pai disse segurando seu ombro - Tae,  cumprimente o nosso vizinho de condomínio.

Então seus olhares se encontraram novamente,  só que agora estava bem mais claro,  os cabelos negros do moço bagunçavam com o vento e ele era alto,  seus  olhos escuros sugaram Taehyung mentalmente e ele estremeceu, engoliu um seco. Aquele homem era mesmo o da casa? Taehyung não seria capaz de se confundir,  ele se lembrava de tudo perfeitamente bem,  e tinha certeza de que este homem também se lembrava, por isso mesmo estava com medo,  de ser dedurado aos seus pais  por ele agora.

- O-oi - Taehyung disse baixo,  olhando sem piscar para o homem.

- Oi Tae, eu sou Jeon Jeongguk - ele se abaixou um pouco e colocou as mãos no ombro de Taehyung,  seus olhos se arregalaram com o toque e ele prendeu a respiração - Quantos anos você tem?

- Quatorze - respondeu tímido e Jeongguk arqueou uma sobrancelha.

- Taehy tem essa idade mas é um menino extremamente quieto - a mãe disse.

- Ah é?  - Jeongguk o analisou - Geralmente é nessa idade que eles mais aprontam.  Sabe como é,  hora de descobrir coisas novas...

Taehyung sabia muito bem o que Jeongguk estava insinuando,  que o garoto de cabelos castanhos o vira completamente nu se masturbando e gemendo dentro de sua própria casa,  ele nem deveria estar lá naquela hora,  essa coisa nova era totalmente proibida para o Kim,  mas, como o próprio Jeon dissera,  essa idade de descobrir coisas aumenta o nível de curiosidade, e Taehyung estava curioso sobre aquilo, e sobre Jeongguk ser tão amigável aos olhos nus, mas dentro daquela casa,  naquela hora, ele estava totalmente diferente.

- Eu quero ir para casa - Taehyung puxou sua mãe.

- Já? Mas...

- Estou cansado - olhou para Jeongguk, na verdade, ele não tirou os olhos do mais velho um segundo sequer.

- Tudo bem. Foi um prazer conhece-lo, Jeon - o pai acenou.

- Se precisarem de algo, minha casa fica no fim do condomínio,  número 474 - ele deu um risinho para Taehyung, sabia muito bem que ele já fora seu visitante secretamente.

- Você mora sozinho?  Woah, parece tão jovem.

- Pois é - ele riu - Eu acho que sou jovem,  tenho vinte e dois anos,  mas tenho um bom emprego,  gosto de ficar sozinho e me manter - ele deu de ombros. Taehyung puxou a blusa de sua mãe.

- Aish,  Taehy, já vamos.  Até logo.

O Kim não fez nada,  apenas seguiu os pais olhando para trás vendo Jeongguk o observando a todo instante,  sem piscar. Estava com medo,  ele só queria esquecer tudo o que viu e fez por conta desse cara,  voltar para os seus desenhos e sua inocência, mas agora,  sua vida fora rabiscada, rabiscada por Jeon Jeongguk.

 

 Eu não me importo se você tomar o que é seu

Mas me dê o que é meu.

 

                                                                                                ▶◀

 

Lembranças,  aquelas mais marcantes são as piores de se esquecer,  aquelas que grudam na cabeça e não saem tão facilmente,  era exatamente isso que acontecia com Kim Taehyung. Não havia um dia sequer que ele não pensara no acontecido da casa,  já se passaram duas longas semanas e tudo piorava.

Já tivera diversos sonhos com isso e achou que estava ficando louco,  como um simples ato pode mudar sua vida assim? Seus sonhos mandavam mensagens e incentivos para que se aprofundasse nisto, se aprofundar em Jeon Jeongguk.  Parecia real quando suas mãos o tocavam e sua boca o beijava, as vezes lentamente,  as vezes com tamanha voracidade; parecia real os gemidos emitidos pelo mais velho em seu ouvido,  segurando seu corpo colando junto ao do outro,  atingindo uma sensação prazerosa em ambos os corpos.  Mas não era real,  era apenas um sonho,  era apenas um dos sonhos.

Depois disso,  Taehyung passou a se tocar com mais frequência,  sempre que de pegava pensando nos olhos profundos de Jeongguk e a forma suave de seus gemidos,  sempre que se lembrava dos seus músculos se contraindo enquanto jorrava sêmen em seus dedos,  ele se via necessitado,  queria de todas as formas vê-lo de novo,  mas tinha medo,  porém,  o desejo era maior,  e para falar a verdade,  ele não se importaria em se arriscar só para poder sentir essa sensação mais viva em si, nem que seja extremamente errado.

Tão distraído em seus devaneios,  mal percebeu que seu celular vibrava,  havia recebido mensagens da mãe,  suspirou fundo e abriu.

" Não chegaremos tão cedo hoje

Acha que consegue se virar? 

Não se preocupe,  amanhã teremos o dia livre, me desculpe

Caso precise de algo,  me ligue

Tranque e porta e não abra para estranhos. "

Passava das oito da noite,  ele não estava com fome,  havia feito um sanduíche e tomado banho a pouco tempo,  suspirou desanimado,  embora fosse acostumado a ficar sempre sozinho. Foi então que umas palavras brilharam em sua cabeça junto com uma voz suave encantadora.

"Se precisarem de algo, minha casa fica no fim do condomínio,  número 474."

Ele realmente precisa de algo.

Saiu as pressas trancando a casa toda, o vento frio da noite o deixou arrepiado,  mas ele não se importou,  só queria poder ver Jeongguk de novo nem que seja de longe,  pediu mentalmente para que ele estivesse nu como da primeira vez somente para admirar seu corpo de perto com mais atenção.  Mas o que estava pensando?  Isso era de fato errado,  inadmissível,  mas ele não ligava mesmo,  sentir essa atração por um homem,  um homem mais velho,  um homem lindo que o mostrou de forma totalmente errada  uma coisa nova,  ele adorou,  Taehyung achava que precisava de mais,  seus conhecimentos não eram o suficiente,  se tocar não era o suficiente,  ele queria mais,  ele queria sentir mais.

Parado um pouco distante da casa de Jeongguk,  ele observava o local entre as árvores,  estava pouquíssima iluminada, o que o fez engolir um seco. Mas então,  viu algo se mover portão a fora e um corpo esguio se revelando cada vez mais próximo de si.

- Ah, você está aí - aquela voz - Sua mãe me ligou agora pouco,  eu ia até sua casa mas,  você já veio então... Quer entrar? 

Aquela parte do condomínio era escura, com pouca luz,  e Jeongguk usava roupas de tom escuro para ajudar. Taehyung ficou inseguro agora,  iria ficar sozinho com Jeongguk,  não sabia se isso era bom ou ruim.

- Taehyung?  Está com medo?  - agora,  Jeon se abaixara para falar bem próximo ao garoto,  que fechou os olhos tremendo.

Ei, pequeno menino

Entre,  eu tenho algumas coisas doces.

O mais velho riu pelo nariz e segurou a mão de Taehyung o puxando para dentro da casa.  Agora estava mais iluminada, embora luz seja fraca.

- Você quer alguma coisa?  - agora,  Taehyung vendo suas vestimentas, Jeongguk usava uma calça jeans e uma regata preta,  exibindo seus braços,  aqueles braços que Taehyung vira com os  músculos contraídos ao se tocar.  Fechou os olhos ao recordar.

- Não - disse apenas isso, eu quero ver você sem roupas de novo,  só isso.

- Bom,  eu vou para o meu quarto,  você pode ficar... a  vontade.

Ele nunca estaria a vontade se não estivesse próximo de Jeongguk,  mas ficou ali por um instante,  parado,  pensando no que fazer. E se ele subisse as escadas e fosse até o quarto do mais velho e visse toda aquelas cena novamente? Seria  muita sorte, era o que ele queria,  afinal.

Nesse período de evolução que Taehyung passou,  desde que descobrira como pode sentir prazer,  ele vem se tornando mais ousado, costumava ficar sem roupas por sua casa,  costumava assistir coisas que nunca assistira na vida,  em pouco tempo ele se tornou um garoto no mundo da perversão,  cujo o mal era Jeongguk,  o cara que o apresentou tal coisa.

Não imaginava que podia fazer essas coisas só porque seus pais diziam que não,  mas o errado é bom,  ao seu ver,  e ao seu ver,  ele deveria ir até o quarto de Jeongguk e faze-lo beijar sua boca e tocar seu corpo sem parar. Só de pensar nisso, o corpo de Taehyung estremeceu e ele já estava ficando excitado,  ficava sempre que pensava no corpo do mais velho sob o seu o agarrando forte e o marcando. Quando se viu,  já estava se tocando com a mão dentro de seu short mordendo o lábio inferior,  mas ele queria que fosse Jeongguk,  com aqueles dedos longos rodeando seu pênis e apertando.

Mas, lentamente,  com um sorriso malicioso nos lábios, como se estivesse tendo um pensamento maligno,  ele retirou a mão de dentro de seu short e o puxou para baixo tirando seus tênis juntamente,  ficando apenas com sua cueca e a camisa grande que ia até suas coxas.  Começou a subir as escadas.

Subiu um, dois,  três... Tirou sua camisa e riu baixinho,  sua aura infantil desapareceu completamente em questão de segundos enquanto ele se despia,  na verdade,  essa coisa de inocência e infantilidade foi jogada fora assim que bateu na porta da  casa de Jeongguk,  só não sabia que estava lidando com um demônio gostoso.

No início do corredor,  se desfez da última peça, sua cueca.  Foi andando até a porta do quarto de Jeongguk a passos lentos sem muita pressão com o piso e ficou sério,  tentou fazer a expressão mais inocente de todas para bater na porta que,  ao ser aberta,  revelou o moreno apenas com uma calça  moletom, sem camisa, estava espantado.

- Gukkie,  posso entrar?  - Taehyung passou a língua entre os lábios - Eu não quero ficar sozinho.

O olhar de Jeongguk sobre si era forte,  analisava o menor nu em sua frente como se fosse normal,  aquilo era um pedido para uma foda, pelo menos é o que Jeongguk pensava.  A expressão inocente de Taehyung deixou tudo mais proibido,  como se estivesse jogando sua inocência fora quando ele entrasse no quarto,  mas sua inocência fora perdido assim que pos os pés dentro da casa.

Eu não me importo com a decadência

Você é o cavaleiro que salva meu dia.

Jeongguk apenas cedeu espaço para que o mais novo passasse,  indo diretamente até sua cama sem analisar o quarto direito. O moreno se sentou na ponta da cama de costas para Taehyung sem ao menos o olhar,  estava surpreso,  seu corpo já começava a responder o ato de Taehyung ficar nu em sua frente e aquilo não era nada bom,  era uma provocação enorme e teria consequências, não que ele de importasse,  Jeongguk era sério e errado,  ele era obscuro e cheiro de malícia em si, não é a toa que morava no fim do condomínio,  para que ninguém o visse ou o questionasse por ser tão sublime e fechado, poucas pessoas entravam em sua residência,  mas, as poucas que iam quase não voltavam.

Enquanto tentava pensar em algo,  sentiu dedilhares leves em seus ombros nus e fechou os olhos,  depois,  um selar foi deixado em sua nuca junto a uma leve lufada de ar quente.

- Jeonggukie - Taehyung sussurrou em seu ouvido, rodeou as pernas em volta da cintura do mais velho por trás ao se sentar na cama,  suspirou quando seu membro fez contato com as costas do outro. Levou suas mãos até a barriga definida de Jeongguk alisando-a de leve e dando leves arranhões,  o mais velho não se movia, deixava Taehyung aproveitar passeando por seu corpo com os dedos e com a boca,  beijando suas costas. Mas, Taehyung aumentou o contato entre os corpos,  começou a se remexer fazendo movimentos circulares nas costas de Jeongguk,  segurando forte sua cintura e gemendo baixinho - Jeong...

- O que pensa que está fazendo?  - Jeongguk se levantou depressa empurrando Taehyung para trás,  caiu apoiando-se com os cotovelos na cama.

- Não sei, o que acha que estou fazendo? - perguntou debochado.

- Garoto - Jeongguk começou a falar,  puxou Taehyung pelo braço o fazendo se sentar e olhar fixamente em seus olhos - Você não faz ideia de onde está se metendo. 

Eu sou o mal batendo na sua porta.

- Eu não faço idéia de onde estou me metendo,  mas eu quero muito que você meta seu pau em mim.

Nesse momento,  Jeongguk segurou forte os cabelos de Taehyung puxando sua cabeça,  se aproximou de sua boca se debruçando sobre o menor.

- Seus pais sabem que você se comporta como uma vadia? - sussurrou próximo a boca de Taehyung ameaçando beija-lo, mas apenas modeu seus lábios algumas vezes - Que você está aqui abrindo as pernas para mim,  na minha cama,  Taehyung? 

- Eles não precisam saber - Taehyung sussurrou, queria beijar Jeongguk mas  ele estava fazendo um jogo - Só você precisa saber. Você não pode recusar agora,  eu sei que você quer,  Gukkie. 

Dessa vez,  Taehyung foi empurrado com mais força,  caindo deitado na cama,  ele rastejou até o travesseiro e sorriu sentindo o perfume de Jeongguk,  ficou com as pernas abertas sem vergonha alguma enquanto observava o mais velho mexendo no guarda-roupas, até ele se virar novamente com uma caixa nas mãos. Colocou-a em cima da cama e retirou de lá um plug ball com seis esferas de cor vermelha, olhando para Taehyung malicioso.

- TaeTae, primeiro vamos fazer um teste - Jeongguk subiu na cama ficando por cima de Taehyung - Se você passar,  eu vou foder você, bem gostoso.

Jeongguk fazia um jogo com os lábios de Taehyung,  ameaçava beija-lo mais não fazia,  dessa vez se afastou,  indo até a caixa novamente, pegando um tubo de lubrificante,  parou no meio das pernas de Taehyung as abrindo e colocou o gel em seus dedos,  esfregando na entrada apertada do mais novo.  O Kim se contorceu e estremeceu por causa do contato gélido, Jeongguk sorriu vendo a cena.

- Vai doer só um pouquinho - Jeongguk disse baixo e foi introduzindo as esferas dentro de Taehyung.

 Na hora ele gritou e apertou os olhos,  duas esferas dentro de si, o objeto não era grosso, mas o local virgem era extremamente apertado. Jeongguk ficou excitado com isso.  Massageou as pernas de Taehyung e sussuva coisas baixinho para ele ficar tranquilo,  lágrimas saíam de seus olhos e ele só queria gritar.

- Calma, bebê, ta quase... - estava terminando de colocar todo o conteúdo dentro de Taehyung para que ele se acostumasse e foi uma tortura,  a cama já estava desarrumada pelo fato da inquietação e dor do mais novo, ele ainda gemia de dor, mas por fim, fora cortado pelo tão esperado beijo de Jeongguk.

Em menos de cinco segundos de beijo, Jeongguk foi enfiando sua língua na boca de Taehyung.  Ele nunca havia beijado e aquilo estava muito bom,  suas mãos buscaram as costas largas do Jeon o puxando para mais perto e o arranhando de leve,  mordidas nos lábios também eram deixadas a cada segundo que eles tiravam para respirar,  por um momento,  Taehyung até se esqueceu da dor.

Eu sou o  mal fazendo você de meu prostituto.

O beijo foi interrompido por Jeongguk saindo de cima da cama,  ele bagunçou os cabelos e mordeu o lábio olhando para Taehyung.

- Se toque para mim, TaeTae - cruzou os braços olhando para o garoto largado em sua cama.

Taehyung fez,  levou sua destra livre até seu membro e jogou a cabeça para trás,  estava duro só de pensar em Jeongguk agora,  de  ver Jeongguk e de te-lo beijado.  Gemeu baixinho,  a dor em sua cavidade anal e o prazer do seu estimulo se misturavam e seu corpo se contraía.  Quase parou de se tocar quando viu Jeongguk colocando a mão dentro de seu moletom sem tirar os olhos de si.  Estava se tocando também.

- Gukkie... Me deixe ver... Ahh - se tocou com mais vontade e rapidez - Me deixe ver seu pau.

O mais velho subiu na cama mais uma vez,  agora tirando a mão de Taehyung do próprio membro e levou as duas para cima de sua cabeça.  Jeongguk debruçou em cima do Kim fazendo movimentos circulares roçando seu membro ereto dentro da calça no de Taehyung,  mordeu o lábio segurando um gemido e depois, atacou  os mamilos do menor,  sua língua molhou os pequenos botões rosados e Taehyung gemeu.  Então,  Jeongguk largou os braços do mais novo e levou até a cintura,  apertando-o contra a cama e seu corpo,  passou da cintura para as coxas e depois foi direto ao membro,  o segurando forte entre os dedos.

- Jeongguk,  me toque, por favor - Taehyung choramingou. 

- Eu vou fazer algo bem melhor que isso - Taehyung o viu se abaixar entre suas pernas e fechou os olhos,  apenas sentiu a sensação de estar sendo molhado pela boca de Jeongguk. 

Arqueou as costas e agarrou o lençol da cama,  aquilo, definitivamente,  era melhor do que se tocar com as mãos.  Seu membro estava quente dentro da boca do mais velho e pulsava,  com sugadas lentas e tortuosas ele se via caindo de um penhasco em delírios, precisava de mais,  mas não tinha forças.  Apenas deixou Jeongguk fazer do jeito que quisesse, afinal,  nunca ninguém havia o chupado antes,  e a primeira vez estava sendo melhor do que imaginava.

Ele ficava cada vez mais fraco,  tentava levantar a cabeça para observar o ato,  mas tudo o que sentia era seu corpo arrepiado,  Jeongguk dava leves arranhões em suas coxas e as apertava sem trégua alguma. 

- Ohh, Hyung... - mal tinha forças para gemer, de debateu sentindo ir fundo na garganta de Jeongguk e urrou,  sua glande já começava a ficar mais inchada e seu pênis pulsou ainda mais,  queria que seu orgasmo viesse logo,  ele sentia que estava perto,  sentia sua barriga subir e descer se contraindo e os dedos de seus pés se encolhiam,  ele ia chegar lá. Mas então,  Jeongguk parou de chupa-lo e todo seu sêmen voltou para trás o fazendo quase chorar - Hyung... Meu Deus... Por que você parou?

- Você não vai gozar agora,  TaeTae - Jeongguk sorriu malicioso - Você só vai gozar quando eu quiser.  Agora,  fica de joelhos no chão.

- Mas eu n-

- De joelhos,  agora - Jeongguk o puxou para fora da cama, Taehyung o olhou ficando de joelhos,  o plug o incomodava e se mexia de dento de si, queria se livrar disso logo.

Vou fazer do meu jeito com você.

Jeongguk ficou de pé na frente de Taehyung,  segurou o queixo do garoto o fazendo olhar para cima e sorriu,  pegou uma das mãos do mais novo e levou até sua barriga comandando carícias.  A boca de Taehyung salivou olhando para os gominhos e o volume da calça do mais velho.

- Abre a boquinha - devagar, foi tirando seu membro para  fora da calça e Taehyung abriu a boca automaticamente,  seus olhos brilharam e ele queria se tocar agora mais do que nunca.

Foi segurado pelos cabelos com força,  se apoiou nas coxas de Jeon, este que segurava seu membro o masturbando bem no rosto do garoto,  batendo em sua boca algumas vezes antes de puxar a cabeça do Kim enfiando seu membro de uma vez só em sua boca. 

Com força, Jeongguk segurou com as duas mãos a cabeça de Taehyung se enterrando em sua boca por completo,  gemeu quando seu membro tocou a garganta do mais novo o fazendo engasgar,  saiu de dentro da boca por um momento,  mas logo voltou,  dessa vez,  estocando a boca de Taehyung simulando uma penetração,  gemendo com mais frequência e ficando fraco ali de pé.

- Isso TaeTae,  chupa - gemeu arrastado,  puxando os cabelos do menor e indo cada vez mais fundo - Que delícia foder essa boquinha gostosa.

Lágrimas saiam dos olhos de Taehyung,  mal respirava,  mas de alguma forma,  estava gostando disso,  ouvir os gemidos de Jeongguk e chupar o que tanto queria desde que o vira pela primeira vez,  era bom,  sentir o gosto dele e ver que o prazer o deixava aos delírios.

Sentiu que iria cair,  foi deixando a boca de Taehyung, saindo devagar,  e quando manteu somente sua glande dentro da boca do mais novo,  Taehyung a pressionou com a língua e Jeongguk se desfez,  atingindo dentro e fora,  escorrendo por seu queixo. Ele engoliu e lembeu os lábios.

- Eu passei no teste,  Gukkie?  - perguntou soando manhoso. 

Jeongguk o pegou pelo braço e o jogou na cama novamente,  dessa vez,  Taehyung caiu de bruços e gemeu por conta do atrito de seu membro com o colchão. Começou a se movimentar roçando na cama  e gemendo baixinho o nome do Jeon, então sentiu um ardor,  foi repentino,  um tapa em sua bunda.

Levantou Taehyung o fazendo ficar empinado e massageou suas nádegas,  deu beijos e mordeu.

- Vamos ver como você está se saindo - dito isso,  Jeongguk removeu com tudo o plug ball de Taehyung o fazendo gritar.  Ficou circulando a primeira esfera na entrada apertada  ameaçando penetrar, mas não fez. O que Jeongguk fez,  foi separar as nádegas do mais novo e o penetrar com a língua.  Taehyung gemeu,  todo o ardor que tinha ali foi sumindo e ele rebolava contra a face de Jeongguk ao ser molhado.

Mas ele parou,  se afastou dando outro tapa ba bunda de Taehyung e pegou mais lubrificante,  despejou uma boa quantidade em seus dedos e esfregou no orifício do Kim,  e sem avisar,  penetrou dois dedos de uma vez só.

- Caralho,  Gukkie... - Taehyung quase chorou,  afogou a cabeça no colchão da cama enquanto o mais velho o adentrava com os dedos. 

- Shhh, olha a boca,  não fale palavrão,  é muito feio - Jeongguk disse provocador, adentrou mais um dedo no Kim.

- Hmmn, filho da puta... - não dava para evitar,  ele estava se acostumando com os movimentos e agora mais relaxado na cama,  seus gemidos se tornaram manhosos, aquilo com certeza,  deixou Jeongguk duro de novo,  ver Taehyung a mercê de seus atos.

- Você não vai parar de gemer, não é?  - tirou os dedos de dentro do Taehyung e o virou bruscamente na cama.

- Não vou - Taehyung riu mordendo o lábio rodeando os braços em volta do pescoço de Jeongguk o trazendo para cima de si -  E quando você me foder, eu vou gemer muito mais.

Novamente,  foi posto com as mãos para cima de sua cabeça e atacado nos lábios.  Ele não tinha beijado Jeongguk por muito tempo então dessa vez contribuiu com sua língua também. Ele ainda não tinha pegado a prática totalmente,  mas beijar Jeongguk o fazia pensar que podia fazer qualquer coisa.  A boca do Jeon praticamente o engolia e ele arfava ficando cada vez mais excitado,  quanto mais encostava em Jeongguk,  seu membro gritava por atenção, era incômodo demais.

 Quando o moreno afastou o beijo,  foi descendo com mordidas no queixo e indo para a orelha,  mordendo também,  mas o alvo principal de Jeongguk era o pescoço lisinho de Taehyung,  que ele começaria marcar a partir de agora. Marcou o maxilar,  atrás da orelha,  na curva do pescoço,  na clavícula,  tudo que via naquela região era colorido com vermelho e roxo das mordidas,  algumas fracas, outras mais fortes. 

Taehyung não reclamava,  ele apenas espalmava as costas largas de Jeongguk e gemia em seu ouvido, se remexia em baixo do mais velho tentando manter seus membros juntos,  estava necessitado, mas Jeongguk não estava ligando,  ele só queria marcar o Kim,  seu primeiro projeto de desvio de caminho, ele o levara para o mal,  ele tinha o direito de fazer o que quisesse.

Eu sou como a decadência

 Vou apodrecer o chão que orienta seu caminho.

- Hyung, você é tão forte - Taehyung gemeu,  como uma criança da forma que consegue o que quer - Eu preciso de você agora,  por favor. 

Estava inquieto,  não aguentava mais tanta enrolação e apenas ser marcado,  ele poderia ser marcado enquanto Jeongguk o fodia com força,  mas essa lentidão o deixava impaciente,  estava quase se masturbando sozinho,  mal via a hora de se libertar e descarregar aquele incômodo em seu pênis,  onde os efeitos vinham por todo seu corpo,  agoniado,  com sua barriga borbulhando, os dedos de seus pés já estavam dormentes de tanto se encolher.

- Acho que você já está preparado o bastante -  aquelas palavras fizeram os olhos de Taehyung se arregalarem, mas para sua enorme surpresa,  Jeongguk o penetrou,  o penetrou de verdade.

Quis chorar.  Era mais grosso que o plug,  era mais grande que os dedos.  Tudo o que fez foi agarrar as costas do homem em sima de si e rasgar a pele sem dó. Jeongguk urrou,  e por raiva,  se enterrou ainda mais em Taehyung o xingando alto. Suas costas ardiam,  o suor escorrendo pelos corpos entravam direto nas fendas de sangue; em Taehyung,  as marcas de chupões ardiam seu pescoço e seus ombros,  ele mal conseguia se mexer,  mas nenhuma dor era párea em relação a Jeongguk dentro de si.

Jeongguk,  ao entrar em Taehyung,  gemeu alto,  se sentiu esmagado,  apartado pelas paredes do mais novo. Aquilo fez seu corpo se contrair,  queria sair dali mas não conseguia, fechou os olhos se arrastando para fora bem devagar ouvindo Taehyung gritar.  Nunca havia transando com alguém como Taehyung,  certamente,  aquilo era o cúmulo dos erros da vida,  mas ele nem se importava, afinal,  foi o menino Kim que viera até sua porta e abrira as pernas para ser fodido,  ele queria,  então Jeongguk daria isso a ele.

- Calma, TaeTae,  calma... - a voz de Jeongguk emitia um nervosismo mas isso não era problema. Saiu finalmente de Taehyung suspirando ofegante,  aquilo o cansou.

- Não,  não Hyung,  coloca de novo porq...

- Cale a boca,  só abra para gemer - foi virado bruscamente ficando de bruços na cama, Taehyung fechou os olhos,  Jeongguk mais uma vez separou suas nádegas roçando seu membro na entrada do mais novo,  este que agarrou o travesseiro e apenas esperou.

Foi lento, como se alguém tivesse o partindo no meio , urrou gemendo o nome do mais velho e afundou a cabeça no travesseiro. Jeongguk fechou os olhos,  seu pênis ainda esmagado dentro fe Taehyung mal se movimentava,  mas ele fez um esforço e começou a se mover,  ficar parado era ainda pior,  devagar,  ele se mexeu,  segurou a cintura do Kim e debruçou ainda mais sobre o menor,  ajeitou as pernas lado a lado de Taehyung e se esquivou,  movendo seu membro lá dentro,  indo para cima e para baixo com o corpo,  beijando os ombros lisos de Taehyung que ainda não foram marcados na parte de trás,  passou a língua por ali antes de chegar até sua orelha, a mordendo.

- Ahh... Você é mesmo tão... apertado - deixou um gemido baixo no pé do ouvido de Taehyung que fez seu corpo estremecer.

A medida em que os movimentos iam ficando mais constantes, Taehyung nem choramingava mais,  tirou sua cabeça do travesseiro para tomar um ar e liberar mais gemidos presos. Jeongguk não estava todo por inteiro em si,  mas a cada segundo ia ficando mais intenso,  a dor do pênis de Jeongguk se arrastando em suas paredes tão tortuosa era quase invisível agora,  mas ele precisava de mais para se sentir totalmente a vontade.

- H-Hyung...Hmmm,  vai mais... R-Rápido... - a voz manhosa de Taehyung fez Jeongguk gemer e o puxar para cima,  o agarrando pelos cabelos e trazendo de quatro para si, segurando em volta de sua cintura,  Taehyung rebolou contra o pênis de Jeongguk e sentiu uma estocada funda,  seus braços fraquejaram.

Até parecia que Jeongguk estava com medo de estoca-lo com força. Mas não era,  só estava sem forças em tampouco tempo,  mas naquela posição,  começou mais uma vez,  indo fundo até que estivesse lá dentro por completo. A cintura de Taehyung doía,   sentia seu corpo desabando em cada estocada recebida, gemia de olhos fechados e Jeongguk agora não parava.

Estava forte, tão forte mas tão lento,  o cérebro de Taehyung não processava mais nada,  ele apenas queria mais,  mais e mais. Queria ser tocado,  mas não tinha forças nas mãos para ir até seu membro e se estimular. Só fazia por gemer.

Começou a ouvir o barulho dos testículos de Jeongguk se chocando contra suas nádegas e a velocidade aumentando, ficava cada vez mais fraco,  mas o corpo de Jeongguk estava  cada vez mais forte,  era como se ele estivesse com raiva e descontasse tudo em Taehyung.

Nem o próprio Jeon se continha mais,  seus gemidos as vezes eram mais altos que os de Taehyung,  ele se via cego,  só enxergava Taehyung ali,  de quatro na sua cama sendo fodido com força,  aquilo o deixava ainda mais excitado,  ainda mais nervoso,  aquele garoto foi responsável por leva-lo a fazer uma loucura,  talvez a maior de todas,  havia caído em delírios pelo Kim. Ele sabia que era errado e sentia raiva por estar cometendo algo assim,  mas seu corpo não negava,  e pensar nisso o fazia continuar ainda mais,  mais fundo,  mais rápido...

- Taehyung... Eu não posso,  eu não consigo parar... - gemeu entre os dentes.

- Não pare,  Hyung... Vamos... Me fode.

Me fode.  Me fode.  Me fode.

- Ahh, filho da puta,  vadia - ficou descontrolado, e como uma ordem,  o penetrou como nunca.

Taehyung passou a gritar,  seu corpo ficou mole ao ser atingindo em um ponto dentro de si que achou que iria gozar no momento,  então aconteceu de novo,  e de novo,  aquela sensação fazendo-o ter espasmos e o deixar mole,  quase caindo,  era tão bom.

- Ah meu Deus,  Gukkie... Que gost... ahh, que gostoso. Jeonggukie, eu vou goz... Ohhh.

- Não,  não vai - em segundos,  Jeongguk parou as estocadas saindo de Taehyung e o virou na cama de novo,  seus olhos estavam cálidos e ele respirava ofegante,  acelerado.

- Eu preciso... - não tinha nem forças para falar,  e nem as juntou,  seu corpo foi puxado para frente o fazendo ficar sentado na cama, aquilo doeu, não conseguia sentar.

- Vamos,  Taehy - com ajuda,  se encaixou no colo de Jeongguk e se acomodou em seu membro novamente,  mas dessa vez,  ele se afundou e gemeu,  agarrando os ombros do mais velho e jogando a cabeça para trás.

E ali começou mais uma vez,  mas, os movimentos eram mais suaves e eróticos,  os corpos estavam mais próximos e as reboladas eram lentas, mas não dolorosas,  eram prazerosas, Taehyung estava sim, sentindo prazer. Ele sorriu enquanto se mantinham no ritmo e pensou no quão isso tudo valeu  a pena, só lhe faltava uma coisa para que atingisse o alge do prazer. Ele queria um orgasmo.

Levou a direita até seu membro encostado na barriga de Jeongguk e o segurou,  gemeu só com isso,  quando começou a movimentar a mão,  jurou que iria gozar em segundos. Ficou feliz que Jeongguk não o parou,  nem segurou suas mãos ou lhe dera ordem de não se tocar,  pelo contrário,  ele gemeu olhando Taehyung fixamente e mordeu o lábio,  ficando próximo ao ouvido do mais novo.

- Goza, TaeTae, vem no colo do Gukkie.

Aquelas palavras foram o estopim,  foi tão rápido, segundos depois já estava se derramando entre os dedos,  gemeu alto, aquele fora o melhor orgasmo já tido.  Nem percebera que enquanto se derramava na mão,  algo quente o preenchia lá dentro.  Jeongguk.

Os gemidos se mesclaram e um abraço forte,  como se fosse fundir os dois, foi feito antes de caíram juntos na cama.

 

                                                                                                ▶◀

 

Os olhos de Taehyung se abriram e ele deu de cara com as íris escuras de Jeongguk.  Sentia seu corpo pesado,  e parecia que tinha dormido por dias,  mas foram apenas algumas horas. 

Não falou nada,  sabia que já era dia e que sua mãe apareceria e que deveria ir para casa antes que seus pais chegassem do hospital  que trabalhavam. Jeongguk  se levantou,  ainda estava nu, mas não se preocupou nem sentiu vergonha, apenas sentiu o olhar de Taehyung sobre si e riu baixinho deixando o quarto.

Com certa dificuldade,  Taehyung se levantou e se vestiu devagar,  de frente para um espelho que havia no quarto,  pode ver marcas em seu pescoço e fez cara feia, mas as lembranças o fizeram sorrir,  não deveria,  afinal,  ele estava sujo de impurezas que Jeongguk lhe passara, como poderia ficar feliz com isso?  Não sabia,  apenas ficava.

Depois de se vestir,  Taehyung desceu as escadas, mas ele não procurou Jeongguk pela casa,  não se importou em comentar sobre a noite nem se despedir,  sabia que iria ve-lo de novo,  apenas deixou um bilhete em cima do travesseiro do mais velho antes de abandonar a casa.

" Como você gosta de mim agora?

Eu me sucedi em fazer você orgulhoso?"

- The Pretty Reckless. 


Notas Finais


Bom gente, foi isso, cocloquei alguns trechos da música pelo meio e essa frase final tbm é um trecho qq
eu amo essa música e achei ótima pra escrever algo em cima disso, mas sinto que esgotei minhas energias, eu escrevi isso em menos de uma semana, bom, eu estava atacada de ideias, não deixei escapar sjsjsjsj
só isso, perdoem os erros e perdem meus vacilos
aé a próxima
Malikissesss <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...