História SWEET WHISPERS (Jikook) - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor, Ansiedade, Bangtan Boys, Bts, Depressão, Jeon Jungkook, J-hope, Jikook, Jimin, Jin, Jung Hoseok, Jungkook, Kim Namjoon, Kim Seokjin, Kim Taehyung, Min Yoongi, Park Jimin, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, Suícidio, Sukisaturn
Visualizações 546
Palavras 1.396
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Acho que vocês não vão me matar mais, não é meixmo?
Ah, leiam as notas finais por que tem um 'spoiler' que eu acho que vocês vão curtir. :3

Capítulo 21 - Ação e Consequência.


A ideia central da teoria do caos é que uma pequenina mudança no início de um evento qualquer pode trazer consequências enormes e absolutamente desconhecidas no futuro. Por isso, tais eventos seriam praticamente imprevisíveis – caóticos, portanto. Ação e consequência.

JUNGKOOK

Dia 34-35

Não poupo esforços e pulo da traseira da caminhonete no mesmo instante. Ver aquele pequeno e pálido corpo caído me trouxe adrenalina o suficiente. Corro até Park e todos à sua volta. Seu corpo repousa sobre os joelhos de Taehyung, que tentava o sentar e levantar sua cabeça para que o sangramento nasal parasse.

Meu corpo tremia, sentia que a qualquer mínimo segundo eu poderia desmaiar, minha visão era turva, mas tudo o que me fazia continuar de pé era o pequeno à minha frente. Seguro em seu rosto.

- Jimin? Jimin! Vamos, acorde! – Acaricio suas bochechas com cuidado, minhas mãos estão trêmulas, assim como todo meu corpo. – Por favor, acorde.

Seguro seu pequeno corpo em meus braços. Ação e consequência. Talvez o destino aconteça da mesma forma, talvez o destino o tire dos meus braços de novo, não importando quantas vezes o momento se repetisse, ele sempre iria embora. Sua respiração é quase inexistente, seu corpo era gelado e seu nariz ainda sangrava muito. Toda a cena só me deixava a cada segundo mais em estado de pânico.

O que foi tirado ainda será tirado. O que nasce, ainda nasce, e o que morre, ainda morre.

Assim que percebo, tenho seu corpo abraçado em meus braços, com a cabeça em meu peito, enquanto choro em desespero. Tento me levantar e o carregar até o carro, de onde eu procuraria o hospital mais próximo mas minhas pernas teimavam em não funcionar propriamente. Assim que me levanto com ele, minhas pernas se dobram e caímos novamente na areia fria. Todos ao redor apenas nos olhavam estáticos.

- ME AJUDEM POR FAVOR – Minha voz rouca e falha deixava escapar soluços, meu choro era a única coisa audível naquele lugar paradisíaco. – Ajudem o meu Jimin – Sussuro.

Ponho seu delicado rosto pálido entre minhas mãos ainda o observando, agora ele não respirava mais, sua aparência pacífica me dizia que já era tarde demais, que todo o meu esforço fora em vão. O abraço ainda mais apertado em meu peito enquanto grito para os céus em vão. Ainda não entendia por que não faziam nada, todos olhavam enquanto eu perdia meu menino. Toda a dor de perde-lo novamente arrebata meu corpo da forma mais forte o possível. Apenas desejo voltar ao início de novo e salva-lo de novo. Repetir os nossos seis meses juntos novamente, isso significaria reconquista-lo de novo, ou vê-lo com outra pessoa, e apesar disso também significaria vê-lo vivo, e era tudo o que me importava.

Ver seus olhos sumindo entre suas pálpebras com seu largo sorriso, suas bochechas corando em um tom claro, ver seu dom para as mais diversas artes. Ele era por completo a minha arte particular, e eu gostaria de pinta-la para sempre em minha memória. Dos pés à cabeça, do exterior ao interior.

Meu corpo subitamente se sente aquecido, com uma grande sensação de bem estar, meus olhos se fecham sob minhas lágrimas e sinto meu corpo amolecer junto ao do menor, até que ambos caímos com os corpos unidos.

Abro os olhos em um salto, e estou na traseira da caminhonete entre cobertores com um Jimin sonolento ao meu lado. O restante dormia de alguma forma nos bancos frontais da picape preta de Namjoon. Me sento e tento respirar propriamente por alguns segundos. Park se senta ao meu lado esfregando um de seus olhos enquanto me fita confuso.

- O que foi, Kookie-ah?

- Vo-você tá bem? – Não evito gaguejar.

- Claro que estou, Kookie. – Ele faz um pequeno bico enquanto me olha confuso – O que aconteceu?

- Nada – aperto minhas pálpebras com o interior de minhas duas mãos abertas. Em seguida o puxo para um abraço apertado. – Não é nada, pequeno – Sussurro em seu ouvido, o sentindo se arrepiar em meus braços. Ele logo retribui meu abraço acariciando um de meus braços e minha nuca, me causando uma grande mistura de sensações novas e confusas.

Ficamos abraçados por alguns minutos enquanto quando nos separamos fitamos nossos lábios. Percebo que ele observa os meus com a mesma intensidade da qual eu faço com sua boca farta que me causava arrepios por todo o corpo, apenas com uma mordida ou uma lambida de Jimin sobre ela. Nossos lábios se aproximam cada vez mais até que damos início a um beijo calmo e apaixonado, logo de início ele pede passagem com sua língua para dentro de minha boca e eu a permito, nos mantemos por alguns segundos de tal forma, enquanto minha mão viaja por seu corpo. Seu pescoço, braços, peito, quadril, coxas. Até sentir uma pontada inapropriada entre minhas pernas, logo retiro minha mão de onde estava, entre ambas as suas fartas coxas e coço minha nuca enquanto separamos nosso beijo.

Ele logo percebe e não evita um riso delicado, pondo sua mão em frente a boca e suas bochechas rosadas. Era tudo o que durante aquele sonho eu queria. Ver aquelas bochechas, aqueles lábios, aqueles olhos e aquele sorriso.

- Ei – Ele me olha enquanto espera que eu continue minha frase – Quer ver as estrelas? – Ainda coço minha nuca e evito o olhar no rosto, estava envergonhado com a situação por baixo de minhas calças coladas, aquilo com toda certeza era visível. – A gente meio que acordou.

Ele apenas assente com a cabeça enquanto me deito novamente em nosso pequeno ninho, sua cabeça repousa sobre meu braço aberto, minhas mãos mexem com seus fios leves enquanto ele sorri.

- Olha, Kookie! – Disse ele, arrastando a última letra com um tom manhoso. Eu que o observava com um grande sorriso bobo nos lábios volto minha atenção para o céu. Mais especificamente o ponto no qual Jimin apontava. Eram um aglomerado de estrelas brilhantes que piscavam.

- O que você acha que é? – O pergunto.

- Hmmm... – Ele grunhi pensativo. – Aquelas ali parecem uma raposa.

- Uma raposa, ham? – Espremo minhas pálpebras para de alguma forma enxergar melhor o que o menor vê. – Nah, sem chance de eu conseguir ver uma raposa.

- Kookie- ah, olha direitinho – Ele dizia animado, segura em meu rosto e o move para uma direção exata. – Ali estão os olhinhos, as orelhinhas, o focinho, e olha! Ali estão as patas.

- Não consigo ver muito bem uma raposa, sabe o que eu vejo? – O olho, tirando minha atenção do céu, não contendo o meu sorriso com o que estava por vir em seguida. – Eu vejo um... PEQUENO MOCHI! – Digo logo em seguida pegando seu corpo e o virando de costas para o meu, em um movimento brusco, enterro meu nariz em seu pescoço o movimentando rápido para um lado e outro para que o pequeno sinta cócegas, com sucesso. Ele se movimenta ao meu lado e dá gargalhadas com os movimentos de meu nariz sobre sua pele de marfim.

Ambos paramos quando uma voz, de dentro da caminhonete grita.

- Tem quem quer dormir aqui, pombinhos. – Era Hobi, que colocava a cabeça para fora da janela, ele tinha os olhos inchados e os lábios avermelhados. Ele dá ênfase na palavra “dormir”. Sem falar do cabelo desgrenhado que ao invés de tomar caminho sobre sua testa, estava lhe dando um novo visual engraçado. Ele nos fitava com uma expressão engraçada de sono, logo em seguida ele entra novamente e percebo que Taehyung se aninha novamente perto do mesmo.

Rimos ainda mais depois de ver Hope hyung entrando novamente. Ele realmente estava mais engraçado que o normal daquela forma descabelada.

Logo nos aninhamos novamente juntos, com os corpos próximos, enquanto olhamos os olhos alheios.

- Aquilo tudo fo-foi um sonho? – Ele me pergunta receoso. Assinto com a cabeça. – Pode me falar o que era?

- Não acho que seria bom falar sobre isso, ChimChim. Não seria bom nem pra você, nem pra mim. Acredite.

- Por favor? –E ele diz juntando suas duas pequenas e fofas mãos de maneira adorável, ele sabia ser persuasivo.

- Bom, estávamos aqui, eu olhava a sua foto e você não estava mais lá, então olho para a praia e você está... – Me demoro a juntar palavras.

Ao abrir a boca para continuar a contar-lhe ele me interrompe com os olhos arregalados.

- Desmaiado. 


Notas Finais


~~~~ spoiler feliz~~~~~
acho que logo meus sweeties e eu vamos ter limonada.
cof cof


TIED TO THE MOON/ ATADO À LUA (Jikook - ABO): https://spiritfanfics.com/historia/tied-to-the-moon-jikook--abo-9368639
HALO AND WINGS (Jikook/Yoonmin): https://spiritfanfics.com/historia/halo-and-wings-9179056


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...