História Swords and Guns - Capítulo 30


Escrita por: ~

Exibições 25
Palavras 3.835
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


OIII MEUS AMORES!!! VOLTEI U.u
Bem, estou postando mais tarde que o normal, eu sei, mas tá ai o capítulo de hoje.
Espero que gostem :3

Capítulo 30 - Eu conseguia imaginar uma vida ao lado dele


Sayu POV.

Acordei com o despertado tocando alto em meu ouvido. Tudo o que eu queria fazer era joga-lo na parede que voltar a dormir, mas se eu quisesse ser uma boa guerreira, teria que ir para a aula, mesmo que não tenha mais graça sem o Toji lá.

Me levantei e coloquei a roupa da escola, que eu sempre deixava na minha mesinha de noite. Passei uma maquiagem leve para esconder minha cara inchada e minhas visíveis olheiras, que davam ao meu rosto um aspecto de gente doente e seria inadmissível preocupar a população só porque eu não dormi bem, talvez devesse ter aceitado aquele nocaute do anônimo.

Peguei meu celular chequei meu email e para a minha felicidade, havia um da minha mãe, que estava fazendo uma viagem diplomática para o reino do ar e não tinha data para voltar. Antes de abri, lembrei que ela ainda não sabia do estado do meu pai e cedo ou tarde, eu teria que contar a ela, só não sabia como e nem como ela iria reagir. Apesar dessa vida na realeza parecer muito superficial, a única certeza que eu tinha era que meus pais de casaram por amor e que ainda se amavam.

"De: [email protected]
  Para: [email protected]
  Assunto: ...

  Oi filha, como você está? Está tudo bem ai? Alguma novidade?
  Decidi te escrever, pois já estou morrendo de saudade de você e do seu pai. 
  Aqui está tudo maravilhoso, é um lugar muito encantador e todos estão sendo bem educados. Acredita que eles me cederam uma casa com vista para o mar no tempo que eu ficar aqui? Eu realmente queria que você tivesse vindo junto para podermos ir na praia juntas, como a muito tempo não fazíamos. A praia daqui é realmente muito linda, você iria amar.
  Sinto sua falta, querida, logo, logo a mamãe volta, então, cuide bem do seu pai enquanto isso.
  Beijos."

Ela parecia estar tão feliz. Eu não queria ter que dar uma notícia tão ruim para ela, mesmo que seja necessário e ela mereça saber. Minha mãe é uma mulher muito sensível e não sei como ela iria reagir ao saber disso.

"De: [email protected]
  Para: [email protected]
  Assunto: Re: ...

  Oi mãe, fico feliz que você esteja bem e que esteja gostando dai.
  Estamos todos bem e também estamos com muita saudade de você, aqui fica bem vazio sem você andando para lá e para cá, admito.
  Estamos te esperando.
Beijos."

Eu me sentia mal por mentir assim para a minha própria mãe. Ela merecia saber o que estava acontecendo, mas eu não tive coragem, eu fui fraca, como sempre, e não consegui contar. Assim que li em seu email "cuide bem do seu pai", já não conseguia pensar em mais nada a não ser o fato de ter falhado com a minha mãe e também com o meu pai.

Sai do quarto com o celular na mão e fui para a sala de jantar. Depois de tanto tempo, eu finalmente voltei a comer aqui. Sasuke, Kurapika e a garota loira já estavam lá esperando a refeição ser servida e, talvez por estarem acostumados com a minha ausência, ninguém notou que eu havia entrado, e eu não fazia questão.

- Bom dia - Disse e fui me sentar no lugar da princesa, mas recebi um olhar mortal de um conselheiro, que eu nem havia notado a presença até então, me mandando sentar na cadeira da rainha e foi o que eu fiz para evitar encrenca.

- Bom dia, Sayu, como foi sua noite? - Sasuke perguntou enquanto cortava um pedaço da sua fruta e a comia.

- Seria certo dizer que foi exaustiva? - Disse e ele deu uma leve risada.

- Bom dia - Kurapika e a loira disseram quase juntos, e por conta disso, ou por outro no qual eu não estou a par, eles se olharam parecendo estar com raiva um do outro.

A doce servente colocou meu prato na mesa e eu a agradeci. Comecei a comer minhas frutas antes de comer o bacon perfeitamente preparado que estava acompanhado de ovos mexidos.

- Acho que você deviam reforçar a segurança do castelo - A loira disse, quebrando o agradável silêncio que havia ali.

- Porque acha isso? - Perguntei e logo depois, comi um pedaço do delicioso bacon, enquanto esperava a resposta da menina.

Sasuke e Kurapika pareciam confusos quanto a isso, o que quer dizer que, independentes dos motivos dela, todos descobriríamos juntos agora. Ela olhou para todos nós e terminou de mastigar a maça que comia.

- Ontem, entrou um garoto no meu quarto - Ela disse de uma maneira calma.

Deu para ver que o Kurapika se segurou para não cuspir o sico que estava tomando e o Sasuke parecia surpreso também. Tentei fingir estar surpresa, mas ultimamente se tornou normal as pessoas entrarem no meu quarto sem minha permissão, bem, era normal, até o Killua sumir.

- Iria providenciar uma segurança melhor, mas me responda uma coisa, como era esse garoto? - Disse como se fosse mandar guardas a procura dele, mas na verdade, só queria que ela me dissesse as características do Killua somente para eu ter a certeza de que ele está perto.

- Ele devia ser um pouco mais baixo que o Sasuke e um pouco maior que o Kurapika, estava usando uma calça jeans e um moletom azul - Ela parou para dar um gole no seu café. - Ele tinha olhos azuis e um cabelo incrivelmente claro, acho que era branco ou algo assim e sua pele era clara, acho que era isso, ou parecido com isso, não me lembro direito.

- O que ele fez lá? Te machucou? Fez algo que colocaria alguém em risco? - Eu sabia que se fosse o Killua, ele provavelmente não faria nada disso, mas perguntei somente para não parecer insensível.

- Na verdade ele ficou falando sobre você - Ela disse, algo que me surpreendeu. Eu não esperava que ele fosse falar de mim e muito menos voltar ao castelo depois de eu tê-lo mandando nunca mais voltar para a minha vida, mas às vezes, ele era bem imprevisível. - Queria saber se tinha chance de se casar com o Sasuke, depois disse que você gostava de outra pessoa, não quero me meter na sua vida, mas você o conhece?

- E-eu o que? Er... N-não, eu não o c-conheço, quer dizer... acho que não - Disse aparentando estar mais nervosa do que eu devia mostrar, então provavelmente deu para notar que eu estava mentindo. - Bem... E-eu tenho aula agora, tenho que ir, tchau, bom dia para todos.

Me levantei e sai de lá antes que alguém fizesse alguma pergunta sobre isso. Fui para a garagem, onde o motorista já estava a minha espera e entrei no carro, pedindo para que ele já fosse para a escola, mesmo ainda sendo cedo.

 

A aula foi até animada, os alunos estavam mais dispostos e em vez de trabalhos em trio, fizemos trabalhos em grupo o que deixou tudo melhor e mais fácil de superar o fato do Toji não poder participar. Meu grupo era o Naruto, Neji, Sai e Shikamaru, contra o outro time que tinha a Hinata, Kiba, Choji, Rock Lee e a irritante da Ino.

Pude notar que não foi somente eu e o Naruto que ficamos mais fortes, mas sim toda a turma, o que tornou a luta bem mais emocionante, porem mais perigosa também, e por conta disso, Naruto, Kiba e o Rock Lee acabaram ficando as outras aula da enfermaria. Mas, o meu tima ganhou por pouco do time da Ino.

- Quer ir lá para casa? Toji vai estar lá - Perguntei assim que vi o Naruto saindo com vários curativos da enfermaria.

- Eu topo e espero que aquela moça faça lámen para mim novamente - Naruto disse e deu um enorme sorriso pensando no almoço. Ele era complemente apaixonado por lámen, algo que chegava a ser engraçado e às vezes, irritante, mas era o seu jeitinho de ser e eu o amava assim mesmo.

Ajudei o Naruto a ir até o carro e lá ficamos conversando sobre a luta. Naruto disse que contaria para o Toji cada detalhe e também disse que contará tão detalhadamente que parecerá que ele mesmo estava lá observando tudo, o que me fez rir, já que não acho que o Toji vai gostar de saber que fizemos algo tão legal sem ele.

Assim que chegamos em casa, pegamos nosso lámen e fomos direto para o quarto onde um funcionário disse que o Toji estava, e lá estava ele, sentado na cama, com uma agulha no braço, recebendo provavelmente soro ou algum remédio e assistindo TV com um sorriso no rosto, talvez fosse um desses animes de comédia que ele gosta.

- Chegamos - Naruto disse e se sentou em uma das cadeira ao lado da cama dele, já começando a comer sua comida sem nem ao menos me esperar, mas era só mais uma característica do meu Uzumaki favorito que já não me incomodava. - Preciso de contar o que aconteceu hoje. - Ele disse ainda de boca cheia.

- Trouxemos para você também - Disse e entreguei para ele, que pareceu feliz com isso, já que, pelo que um enfermeiro do hospital em que o Toji estava disse, eles não o permitiam comer nada fora essas comidas sem sal horríveis. - E relaxa que o doutor autorizou.

Ele sorriu a abriu enquanto escutava com atenção tudo o que o Naruto dizia, de uma maneira mais animada do que o necessário. Me sentei em outra cadeira, também próxima a cama do Toji e comecei a comer enquanto escutava novamente o Naruto falar sobre como a aula de hoje foi legal e diferente.

Toji o escutava e ria de algumas coisas que ele falava, mas eu conseguia ver em seus olhos que ele estava triste. Talvez por conta do irmão ou talvez pelo fato de que ficar, literalmente, acorrentado a uma cama para que não acabas fazendo alguma loucura ou algo do tipo.

- Você tinha que ter visto a cara do Kiba quando eu fiz a Kage Bunshin no Jutso - Naruto contou e fez uma careta tentando imitar a do Kiba, porém sem sucesso, o que fez com que eu e o Toji ríssemos da sua careta. - Ele ficou assustado e pediu para o Akamaru recuar, só que ele ignorou o Kiba e continuou me atacar.

- E ele mordeu a bunda do Naruto, o original - Disse me lembrando na cena e comecei a rir, por conta disso, fazendo o Toji rir junto.

- Doeu pacas, sabia? Aquele cachorro não tem dentes, tem agulhas - Naruto disse e terminou seu lámen, enquanto eu e o Toji estávamos ainda no começo. - Se não forem comer, eu não me importo de comer para vocês.

- Pretendo comer tudo - Toji disse e voltou a comer.

- Já pode parar de me olhar que eu vou comer tudo também - Disse e continuei comendo também.

- O que? Vão deixar o amigo de vocês morrer de fome assim? - Naruto disse, fingindo estar indignado.

Eu e o Toji rimos e continuamos a comer, sem dar nem um pouco para o Naruto, já que ele já havia comido toda a sua tijela, que era a maior.

- Princesa? - Escutei alguém dizer e logo bater na porta, me fazendo virar e ver o conselheiro que está em todo o lugar que eu vou. - O rei do reino da terra chegou e está aguardando a senhorita.

- Diga a ele que já estou descendo - Disse e comi mais um pouco do meu lámen, entregando o resto ao Naruto, que ficou bastante contente com isso. - Prometo que volto assim que der e quando você quiser ir embora, Naruto, só ir para a garagem e pedir para o motorista te levar, já deixei avisado lá.

- Boa sorte - Toji disse e sorriu, com aquele seu sorriso meigo e inocente que eu tanto amo e ultimamente quase não via. - Foi bom poder conversar com vocês, mesmo que bem pouco, voltamos a ser um trio.

- Do que está falando? Nunca deixamos de ser um trio, baka - Naruto disse já bravo de novo. - Você deve estar enlouquecendo mesmo, vou ter que chamar um psi... psic... Psiqu... o médico que cuida de gente doida.

- Psiquiatra, Naruto - Toji disse e riu. - E não é bem um médico para gente louca, é um médico para... - Ele ia começar a explicar, mas foi interrompido pelo Naruto que já parecia impaciente com tudo isso.

- Já vai começar com essas coisas de nerd de novo? - Naruto disse cruzando os braços.

- Vou e ficar quieto, olha, o psiquiatra... - Eu ri e sai de lá, indo em direção ao meu escritório, mas em uma parte do caminho, ainda conseguia ouvir a conversa do dois. - Cuida de identificação, diagnóstico e tratamento...

- Já está chato - Naruto disse parecendo impaciente.

- Então me deixa terminar logo.

- Mas eu não quero saber.

- Mas vai, e deixa eu... - Assim que sai daquela ala, parei de ouvi o que eles estavam falando e tudo o que eu queria, era poder voltar lá e ficar com aqueles dois para rir dessas discussões deles.

Desci as escadas e fui para o meu escritório, vendo o Rei e o príncipe do reino da terra, o Sasuke e um representante do seu reino, a loira e algumas testemunhas, caso realmente fechemos o contrato, algo que eu pretendo.

- Boa tarde a todos - Disse e me sentei na cadeira do rei, enquanto recebia respostas de quase todos, menos do rei do reino da Terra, que me olhava como se eu fosse inferior, mesmo sendo da mesma classe.

- Quero falar com o rei - Ele disse de uma maneira grossa e o Kurapika me olhou como se pedisse desculpas com o olhar.

- O rei não está em condições de fazer isso, então estou aqui para representa-lo em nossa negociação - Disse calma.

- Não posso fazer um negócio desse porte com uma garotinha - O rei disse ainda grosso, então o Kurapika foi tentar fazê-lo se acalmar, mas foi em vão. - Kurapika, fica calado, que a negociação também não é com você.

- Entretanto, foi graças a ele que você teve essa oportunidade - Sasuke disse calmo e mantendo sua pose, como sempre faz em eventos oficiais, sempre de cabeça erguida.

O rei respirou fundo e olhou para o Sasuke, como se quisesse o matar por interferir, mas sabia que ele era poderoso demais e causaria muito prejuízo se o fizesse. Enquanto o Sasuke não disse nada, continuou mantendo sua pose, enquanto o rei se recompunha.

- Acho que posso esperar até o rei se recuperar - O rei disse já mais calmo, mas com um toque de raiva na sua voz.

- O rei pode demorar para voltar, eu fui coroada rainha temporária e tenho total direito de fazer essas negociações no lugar do meu pai - Disse ainda calma. - Não se preocupe, tudo que for decidi aqui será oficial.

- Não é simplesmente de se tornar oficial ou não, é porque garotas que nem você, não devem fazer um trabalho tão bom quanto o de um rei experiente - Ele disse, o que me fez ficar com raiva. Não conseguia entender como ele vinha até o meu reino e ainda tinha coragem de dizer que eu não sou capaz.

- É o seguinte, desde que eu fui coroada rainha, sou eu quem mando em tudo aqui, então se o senhor quer fazer uma negociação entre nossos reinos, terá que fazer diretamente comigo, caso não queira, pode se retirar e voltar ao seu reino - Disse apontando para a porta. - E se quer saber mais, você que é um rei tão experiente, só conseguiu essa chance de aliança graças ao seu filho, então me diga, onde está a sua experiência?

O rei fechou as mãos e as bateu na mesa, se levantando e me olhando com um olhar de ódio. Eu sentia que se ele pudesse me matar com a visão, eu já estaria morta e também imaginei que ele pudesse me atacar a qualquer momento.

- Exijo que fale com respeito comigo, garotinha estupida - Ele disse com tanta raiva e sem tirar os punhos fechados da minha mesa. - Você acha que sabe de algo, mas na verdade não sabe, você não sabe ser uma boa rainha.

Eu ia dizer algo para me defender daquele homem arrogante. Mas antes que eu pudesse pensar em uma resposta, o Sasuke tirou a mão dele da minha mesa e entrou entre eu e ele, olhando para o homem, ainda com a sua expressão calma e sem perder sua postura, como sempre conseguia e eu o admirava por isso.

- Se o senhor for ficar aqui para ofender a minha futura esposa, eu prefiro que você saia dessa sala e cancelemos qualquer contrato que iríamos fechar, tanto do reino do fogo, quanto do reino da água - Ele disse de uma maneira tão fria que fez o rei recuar com um passo para trás, enquanto o olhava parecendo um pouco assustado. - Agora se pretende fechar algum acordo, sugiro que se sente nessa cadeira e trate com respeito a rainha Sayuri.

Eu ainda estava em choque com as palavras 'minha futura esposa'. Eu sabia que era provável que ele tenha dito isso para dar ainda mais credibilidade a mim, mas mesmo assim foi algo que eu não esperava ouvir. Porém, estranhamente, eu conseguia nitidamente me imaginar sendo realmente a futura senhora Uchiha.

- Desculpe os meus modos, rainha, estou disposto a fechar o contrato se ainda quiser - O rei disse e se sentou, ainda com a expressão de assustado.

O Sasuke realmente conseguia colocar uma moral nas pessoas como se ele mesmo fosse o próprio dono do mundo, algo que era uma ótima características para reis, que precisam governar todo um reino. Ele era maravilhoso no que fazia, e cada dia, eu tinha mais certeza de que ele seria um ótimo rei.

- Eu acho que para ser bom para todos, os três reinos devem sair lucrando - Disse mas logo fui interrompida.

- Você fará o acordo dos dois reinos? - O rei perguntou confuso, enquanto intercalava os olhares entre eu e o Sasuke.

- Ela consegue, será a melhor rainha de todos os tempos. - Sasuke disse e sorriu para mim, então eu sorri de volta

Comecei a explicar tudo direitinho, dizendo como cada reino iria lucrar e mostrando o quando seria benéfico para os três reinos aquela negociação. O rei somente ouvia tudo e às vezes fazia algumas perguntas, o Sasuke, às vezes interferia dizendo algumas coisas para melhorar o contrato e o Kurapika não disse uma palavra, ficou apenas observando toda a negociação.

No fim, todos aceitamos os termos e nós três, eu, Sasuke e o rei do reino da terra, assinamos os contratos e cada um de nós, ficou com uma cópia, caso algo ocorra errado e precisemos renegociar. 

- Muito obrigado - O rei disse fazendo uma reverência. - E me desculpem pela má educação, estava sendo leviano ao dizer aquelas coisas sobre você, rainha. 

- Tudo bem - Disse e sorri.

- E se me deixam falar, acho que vocês formam um belo casal, serem ótimos governantes - O rei disse e o Kurapika concordou com um enorme sorriso no rosto.

Eu e o Sasuke nos entreolhamos e rimos baixo. O rei abraçou o Kurapika, que ficou surpreso, e cochichou algo no ouvido do filho, que pareceu tê-lo deixado emocionado, já que algumas lágrimas começaram a escorrer pelo rosto dele.

- Obrigado, papai - Ele disse e abraçou o rei de volta.

- Agora vamos para casa, filhão, alguém precisa cuidar dos desejos da mamãe enquanto seu pai aqui trabalha - Ele disse a abraçou o Kurapika de lado. - E olha, ela está cheia de desejos ultimamente, depois que você ficou fora, eu pensei que ia enlouquecer, precisamos de você.

- Não se preocupe, cuidarei muito bem da mamãe e do meu irmãozinho - Ele disse e os dois saíram andando para a área dos quartos, provavelmente arrumar suas coisas ou para esperarem até amanhã de manhã.

Eu havia ficado emocionada com a cena. Depois de ver o medo que ele sentiu de ser abandonado pelos pais, ver isso me deixou muito feliz por ele, e logo as lágrimas de felicidade começaram a querer sair, mas não deixei, já que acho meio chato esse meu lado chorão.

- Sabe, eu concordo com aquele rei - Sasuke disse e eu o olhei confusa. - Também acho que formamos ou poderíamos formar um belo casal. - Ele sorriu e eu acabei sorrindo junto, porém foi algo tão automático que demorei para notar esse sorriso bobo no meu rosto.

- Será que eu seria uma boa senhora Uchiha? - Perguntei brincando e ele assentiu, ainda sorrindo. - E eu acho mais que justo que você colocasse meu sobrenome também, hein? Senão nem quero.

- Então eu já posso me considerar o futuro senhor Miura? - Ele disse e eu sorri o abraçando. E ele, provavelmente, foi pego desprevenido para já que demorou alguns segundo antes de retribuir o abraço.

- Obrigada por ficar ao meu lado quando eu mais precisei - Disse e o abracei com mais força.

- Enquanto você me quiser aqui, é aqui que eu ficarei, minha pequena - Ouvir isso me deixou realmente feliz.

Por incrível que pareça, agora, eu conseguia imaginar uma vida ao lado dele, consigo nos imaginar mais velhos lendo a papelada e fazendo negociações, como fizemos esses dias, consigo imaginar nós dois fazendo algum discurso para a população. Eu consigo imaginar o orgulho que eu sentiria quando ele fosse fazer aqueles discursos incentivadores, onde todos o aplaudiriam por ser muito bom no que faz e também quando ele fosse ensinar nossos filhos a usarem uma espada, o que provavelmente acabaria em uma guerrinha, por ele ser muito brincalhão com crianças, eu consigo imaginar uma vida feliz ao lado dele. Uma vida que talvez, mesmo que ainda me machuque dizer isso, eu jamais pudesse ter com o Killua.

Eu sabia que amava aquele garoto de cabelos brancos e olhos azuis marcantes, mas ele não foi feito para a realeza, assim como eu não fui feita para ficar longe daqui. Mesmo com todo o amor que eu sinto por ele, mesmo que ele sentisse o mesmo, não acho que seríamos capazes de nos adaptar a vida que cada um leva e no fundo, eu sei que o amor não bastaria se uma das parte não estivesse no lugar que quer estar. E com muita dor no coração, eu tenho que admitir, que a melhor decisão que eu tomei, foi tê-lo mandado se afastar de mim.


Notas Finais


DESCULPEM MESMO POR ESSE FINAL :,(
Eu imagino que deve ter doído em vocês como doeu em mim.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...