História T3ddy - Apaixonado pela empregada - Capítulo 37


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lucas "T3ddy" Olioti
Personagens Lucas Olioti
Tags T3ddy Romance Violência
Exibições 113
Palavras 1.646
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


EITAAAA HOJE E DIA DE MARATONAAAAA PRA QUEM NÃO SABE VOU POSTAR 4 CAPÍTULOS HOJE

HORÁRIOS:

13:15: 0.38: Eu Tô Ruiva!

16:20: 0.39: Canal no YouTube?

19:30: 0.40: A viagem.

NOME DOS CAPÍTULOS TA AI UM SPOILER JA

BOM DIA LALALA

Capítulo 37 - 0.37: Amigos?


— Da licença Lívia — Luba disse e saiu pela porta a fora.

P.V.O Luba

Eu já tava muito puto por o showzinho que o Lucas tinha dado lá no apartamento, agora ele passou dos limites, e vai ter que escutar algumas verdades.

Toquei a campainha inúmeras vezes até ele atender, mal ele abriu a porta e eu já tinha dado um soco na cara dele.

— Qual é o seu problema? — eu perguntei com raiva

— Você que me bate e eu que tenho problema? — ele perguntou com a mão no nariz.

— Oque você fez pra Lívia em?

— Eu não fiz nada, ela que me bateu quando eu fui entregar as coisas dela — ele respondeu.

— Ah então ela tentou se matar por livre e espontânea vontade — ri de deboche — Me poupe Lucas.

— Ela oque? — ele perguntou surpreso.

— É Lucas mas isso não importa mas a você não é? — perguntei — É eu tinha esquecido — logo me respondi.

— Olha luba eu tentei, tentei mesmo resolver as coisas mas ela me vira as costas toda vez, então eu simplesmente cansei, cansei de ficar implorando o perdão dela.

— Você humilhou ela, no próprio casamento de vocês, uma coisa tão especial na vida de qualquer mulher e você sabe bem disso, fez ela sair em milhares de sites de fofoca destruíu a reputação dela e você ainda quer que ela te perdoe? — eu desabafei oque tava intalado na garganta.

— Eu sei que eu vacilei, sim foi tudo uma aposta mas como eu disse pra ela eu começei a gostar dela de verdade, mas como a felicidade alheia incomoda,alguém estragou tudo.

— Lucas por favor, fica longe a parti de hoje. Você só tá fazendo mal a ela, mano você é meu amigo eu te desejo toda felicidade do mundo, eu sei que você vai arranjar outra e vai alcançar toda felicidade de novo.

— Mas eu quero ela — ouvi ele dizer de cabeça baixa

— Você tem que tirar ela da sua vida isso sim! — eu aconselhei

— Obrigado luba. — ele agradeceu ainda de cabeça baixa.

— Eu não odeio ela e eu peço quantas desculpas for, ela quase se matou por minhã causa eu sou um idiota mesmo — ele lamentou.

— Tudo bem eu vou falar com ela e vou fazer ela ficar melhor, e espero que você fique bem também irmão — eu disse botando a mão no seu ombro.

— Vou fazer de tudo pra isso. — ele disse

— Bom eu vou ir agora adeus — eu disse é saindo a porta.

— Luba? — ouvi ele me chamar enquanto eu saía e voltei

— Você acha que algum dia eu e ela ainda vamos voltar a ser amigos? — ele perguntou

— Quem sabe, se você começar tudo de novo com calma, vocês podem até ser mas que isso. — pisquei e fui embora.

— Voltei — disse voltando ão apartamento

— Lívia? — a procurei pela casa inteira

— Cadê você menina?

— Oi, onde você tava? — ela surgiu do nada perguntando

— Eu tava falando com o Lucas e

— Ele pediu desculpas por oque ele falou.

— Que seja, não vou perdoar ele mesmo.

— Ele parecia bem arrependido, mas vamos esquecer isso OK? Agora vamos fazer sua mudança pra você ficar maravilhosa. — puxei ela pegando as chaves do carro.

P.V O Lívia

— Eu não sei se quero ficar ruiva — eu disse incerta.

— Tenho medo de me arrepender.

— Ah para, vai combinar com você. — ele disse ligando o carro.

— Espero

Andamos até o salão por mas ou menos 1:30 pelo caminho eu não aguentei, já estáva curiosa pra saber como Lucas tinha me pedido desculpa.

— Luba? — disse

— Sim? — ele respondeu ainda prestando atenção na estrada

— Como que ele, oque aconteceu com o Lucas? — eu nem sabia me expressar na pergunta.

— Como assim?

— Oque ele disse?

— Ele disse que não odeia você, e também disse que cansou de correr atrás e você dar as costas — acho que agora to me sentindo um pouco culpada.

— Você acha que eu tô sendo muito dura com ele? — eu perguntei preocupada.

— Bom depois de tudo que ele te fez passar não — ele disse e eu suspirei aliviada — Mas veja bem, vocês podiam conversar como gente civilizada.

— E tipo, eu não tô pedindo pra vcs voltarem ou você correr atrás dele!

— Talvez se vocês fossem amigos, isso seria ótimo entende? — luba me aconselhou com todas essas palavras

— Amigos? — Será que seria uma boa ideia, e outra será que ele quer ser meu amigo? — pensei.

— Luba volta — eu disse e ele me olhou assustado.

— Oque? — ele perguntou

— Volta pra casa eu tenho uma coisa pra fazer.

— Mas i o salão?

— Eu tenho tempo pra fazer isso, Volta por favor .

Assim ele fez e voltamos, eu não queria ficar com um peso tão grande na consciência a ponto de não conseguir dormi a noite.

Encarei a porta várias vezes antes de abrir, cada vez que eu me aproximava me dava mas frio na barriga, e se ele estivesse outo a ponto de sair me xingando como a algumas horas atrás?

— Lívia você chegou até aqui agora e não vai desistir — repeti para mim mesma no pensamento e entrei.

Ninguém na sala, silêncio na casa, andei devagar até a cozinha e ele estava lá tomando água enfrente a geladeira, paralisei.

— Lívia ? — ouvi o barulho do copo de vidro caindo e se despedaçando no chão.

— Merda — ele disse tentando cata os vidros que estavam no chão.

— Lucas — tentei me aproximar mais ele me impediu.

— Não — ele me parou — fica aí eu não quero que você se machuque com esses cacos.

— Eu vou te esperar lá na sala — eu disse é sai dali, eu já estava suando frio, a pergunta é porque eu to reagindo assim? Como se fosse a primeira que a gente se falasse ? Meus pensamentos foram completamente interrompidos quando ouvi um grito do Lucas da cozinha.

— Lucas? — perguntei correndo pra cozinha

— Não eu to bem fica aí — ele disse com o pé ensanguentado

— E eu sou o papai noel né Lucas — fui até ele e o carreguei até a sala

— Tem algum kit de primeiro socorros aqui? — perguntei

— Tá no lugar de sempre — ele gemia de dor e eu fui pegar o mas rápido possível.

— PUTA QUE PARIU — ele disse enquanto eu tentava tirar o vidro que tava encravado no seu pé.

— Isso vai doer um pouquinho mas vai ter que ser assim — falei baixinho e Logo depois arranquei todo o vidro de uma vez só

— PORRA LÍVIA NÃO — ele reclamou

— Tinha que ser assim Lucas. — falei enquanto limpava o resto do sangue da sola do seu pé.

— Agora se fica com isso até parar de sangrar! E não é pra tirar — eu disse enrolando uma faixa ao redor de todo pé

— Toma — eu entreguei um remédio a ele

— Pra que isso? — ele perguntou.

— Pra seu pé não ficar igual a do pé grande — eu disse enquanto ia em direção a cozinha.

— Espera aí eu vou — ele disse se levantando

— Não Olioti! Fica sentando aí — eu mandei e ele assim obedeceu enquanto eu ia pegar um copo dágua.

— Melhor? — perguntei assim que ele terminou de tomar o remédio.

— Sim — ele sorriu com aquele sorriso que senhor Jesus deixa até sem ar.

— Acho que agora a gente pode conversar sobre..... Sobre tudo... — ele voltou ão assunto.

— Sim — eu disse meio sem graça — eu to no pior estado possível agora

— Bom pra começar eu errei, errei feio por ter te falado aquelas coisas, pôr ter te exposto nesses sites de fofocas por ai ,e principalmente por causa daquela aposta idiota! — ele começou a se explicar

— E mesmo que você não me perdoe eu não queria que ficasse um clima ruim entre a gente.

— Lucas eu quero te perdoa mas, eu não quero mas voltar a ser como era antes.

— Como assim? — ele perguntou confuso.

— Eu quero esquecer tudo, eu quero poder recomeçar minha vida, e quero que você faça o mesmo. — eu logo levantei sua cabeça pelo queixo ele estava com essa mania de abaixar

— Recomeçar? Sem você? — ele perguntou

— Sim Lucas sem mim. — eu afirmei

— A gente pode pelo ser amigos? — ele fala com dificuldade.

— Claro quer dizer, Sim. — eu disse

— E amigos se abraçam não é?

— Posso? — ele disse abrindo os braços.

— Sorri como resposta, e foi naquele abraço que eu matei toda saudade que eu tava sentindo, aquele abraço demorado onde eu pude senti contato com o corpo dele.

Depois de cessar aquele abraço ele me deu vários beijinhos na testa, e começou a pegar na minha nuca e eu já estava me sentindo mole, e ele mas e mas perto da minha boca, que me atrevi a fechar os olhos.

— Lucas Não — eu sussurrei baixinho sendo ignorada com sucesso.

— Lucas — sussurrei de novo.

— Shii — ele disse e colou a mão no meus lábios e aí que ele foi pra cima me dando um belo de um beijo.

P.V.O T3ddy

Aproveitei o máximo que pude enquanto Lívia não estava resistindo, a gente mal se pedoa e eu já vacilo de novo

— Não Lucas — ouvi ela dizer desgrudando nossos lábios

— Desculpa! Amigos só amigos — Eu repeti para mim mesmo

— Eu preciso ir — ela disse eu a acompanhei pela até a porta.

— Adeus anjo — eu disse baixo, mas não o suficiente porque eu vi o sorrisinho que se formou antes dela ir embora.

Mas agora quem estava sorrindo igual um idiota era eu relembrando da cena que tinha acontecido a alguns segundos atrás


Notas Finais


AAAAAAH GRITEM COMIGO POR ESSE BEIJO

ATE DAQUI A POUCO

COMENTEM A FIC BJS 💜✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...