História Ta começando a doer - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Lesbicas, Orange, Romance, Yuri
Visualizações 28
Palavras 2.789
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Hentai, Orange, Poesias, Romance e Novela, Shoujo-Ai, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Amores desculpa apaga, mas tava sem internet (tipo sem mesmo), mas voltei.
queria fazer um capitulo maior, mas deu um bloqueio
sorry...

Capítulo 5 - Por que azul?


A gente trocou um ultimo olha antes dela se senta atrás de mim. A aula seguiu normalmente, a professora deu pouca ênfase no explicou antes da intromissão da Ester, respondendo uma ou outras duvida, além da quantidade absurda de anotação no quadro, o que era um pouco desnecessário, pois tinha tudo, literalmente tudo no livro. Após a sua aula eu fiquei na sala arrumando as minhas coisas, o Nathan e a Kasey tinham aula de matemática agora e eu ia ter de biologia, então fiquei na sala um pouco mais, pois como já disse não sou fã da matéria, então não me importo de chega atrasada ou perde uma ou outra parte da explicação. Olhei de relances algumas coisas no livro para ver se entendia, olhei novamente e tentei, mas deu muito certo não, então guardei tudo na minha mochila, estava indo guarda minha caneta, mas ela caiu no chão perto da cadeira atrás da minha, quando fui pega para guarda, vir um caderno de capa de couro preto, parecia uma agenda velha, só que grande, no tamanho de um caderno normal no chão. Agachei-me pegando o caderno, o abri para ver se tinha o nome do dono.

- Ester Belasco Moore...- li o nome, virei a folha por curiosidade e vir um poema chamado origem do caos.

- Hey!- alguém gritou atrás de mim, e eu me assustei soltando um grito meio baixo; fechei o caderno, o deixando cair no chão sem querer, foi por puro instinto, me fazendo senti vergonha- você leu?

Agachei-me de novo para pega o caderno, virei vendo a ruiva do McDonald’s, também conhecida como Ester, a minha colega de classe, meu constrangimento aumentou e ela encarou a mim e ao objeto em minhas mãos.

- desculpa eu vir o nome e fiquei curiosa- falei meio rápido e entreguei o caderno, ela respirou parecendo aliviada.

- não gosto que leiam minhas coisas sem minha permissão ou até mesmo com ela, me sinto desconfortável- ri meio sem graça, pois eu ia ler- você ia ler né?

Cocei a nuca- me pegou, eu gosto de ler poesias, e essa se chama origem do caos, fiquei curiosa, é um nome que não me parece muito comum para poesias e me cativou. Sei lá- ri fraco- melhor que ir indo, tchau- falei acenando e sair da sala meio apressada e constrangida, já pensou se é um diário? E eu saiu lendo assim sem mais nem menos.

- Hey!- falou meio alto chamando minha atenção quando estava no corredor, virei a olhando e ela veio até mim com a minha mochila- você esqueceu- abaixei a cabeça rindo e peguei colocando nos meus ombros.

- bom cansei de lutar contra, já que o Sr. Destino resolveu nos junta, vou começa- ela sorriu soltando uma breve e fraca risada me olhando confusa, to começando a acha que essa vai ser a expressão permanente quando for fala comigo, contudo dessa vez vou apenas ignora- olá, eu sou a Alexandra Archetti- me apresentei sorrindo

- ah ta- agora eu a olhei sem entender e ela sorriu, fazendo a mesma coisa que eu fiz com ela- Me chamo Ester Moore- sorrimos olhando uma para a outra, sem ter o que fala, ficou um clima desconfortável e rimos, quando eu to nervosa eu começo a ri de qualquer coisa- Por que azul?

- oque?- a olhei

- o cabelo- pegou uma mecha- me perguntei isso agora, na verdade quando te vi achei que era uma daquelas meninas rebelde sem causa, mas agora falando com você- me olhou sorrindo- não parece ser- eu ri, nem eu consigo me imagina uma rebelde sem causa.

- não tem nada a ver- rimos um pouco- foi uma aposta que fiz com um amigo, o Nathan, você talvez não o conheça, foi assim ele disse que eu não conseguiria beber mais de duas garrafas de vodca, ai eu disse que conseguia sim- ri e ela também- quer saber deixa pra lá não deve querer saber.

- pelo contrario, continua- sorri surpresa.

Ri lembrando- bom ai eu bebi as garrafas, quando eu tava terminando ele veio com mais uma, minha amiga Kasey, acho que tu não conhece também, tem até o vídeo dessa loucura- mordi os lábios em uma tentativa falha de não ri, mas eu estava sorrindo, é uma mania estranha que eu tenho- ele disse se tu beber mais essa eu pinto meu cabelo de arco-íris e vou na casa do vizinho gato da Kasey e beijo ele- ela riu- eu fiz oque? Eu disse ok então, pois tu vai fazer isso e o cabelo vai fica colorido por um ano, ai ele disse, mas e tu? Então eu falei que se eu não consegue, vou por um biquíni rosa Pink florescente e vou dança upgrade U da Beyonce no meio da praça publica, mas ele disse e pinta o cabelo de loiro, mas eu me recusei, olhei a vodca que tinha um azul no rotulo e disse vou pinta de azul claro, fechou a aposta, eu não consegui beber tudo, faltou um gole- ela riu comigo- e amei o azul no meu cabelo- olhei a mecha que estava na sua mão e que logo soltou.

- nossa- rindo- e sua mãe ficou de boa com o cabelo?- parei de ri e apertei os lábios olhando para o chão meio triste, como disse é desconfortável fala dela, arregalou os olhos- meu deus! Desculpe, eu não sabia, meus pêsames- parecia envergonhada e falava rápido

- ela não ta morta, relaxa.

- ah...

- ela tá internada em um manicômio- sorri sem mostra os dentes- digamos que não posso vê-la pela minha segurança. Deixa pra lá- coloquei o cabelo atrás da orelha e olhando para o chão, e um clima estranho reinou novamente, odeio quando acontece isso.

- seu nome ele...- sorri e a interrompi

- Italiano.

- então sabe fazer aquelas massas incrivelmente gostosas- brincou querendo descontrair e eu ri

- logico minhas veias são quase feita de macarrão- brinquei e ela riu- o seu também não é comum... Belasco- pensei um pouco ele não é comum e acho que o conheço- ele é um nome ju...

- isso mesmo; sou judia, nossa como sabia?- odeio quando fazem isso

- quando to sem nada para fazer eu pesquiso coisas sem sentido, e significado e origem de nomes é uma delas-

Sorriu- qual o significado do meu nome?

- não sei- ri

- nossa magoei- ri- e do seu?

- Protetora dos homens- sorri me achando, mas era brincando e ela riu

- então temos uma heroína na cidade, a superAlex- brincou e começamos a gargalha e na mesma hora o segundo toque do sinal tocou.

- Eita- nos olhamos- tem aula de que agora?- perguntei

- Biologia, eu acho ou química, pera vou olha- abriu a mochila guardando o caderno, qua estava segurando em suas mãos antes, pegando o horário- eu tenho aula de- olhou procurando- biologia.

- não sei por que ainda me surpreendo, também tenho essa aula agora e estamos super atrasadas- ela riu e puxei ela pela mão, apertou a minha mão de forma que quase pareceu um carinho e corremos para a sala.

A gente chegou o professor estava indo senta em sua mesa, tentamos ir para os nossos lugares sem ser notadas, entretanto isso nunca da certo.

- As senhoritas gostariam de dividir com a classe onde estavam e o motivo da demora?- nos olhou serio

- melhor não né professor?- falou a Ester soltando minha mão e indo para uma carteira, mas o Sr. Robinson cruzou os braços.

- no banheiro- falei- ela tava me acompanhando porque eu- fiz uma pausa fingindo não gosta de fala- bom senhor é biólogo deve saber oque acontece em vinte oito dias todo mês com as mulher- Ester me olhou com cara de “serio?”- desculpa o atraso, posso senta agora?- ele assentiu e fomos para uma cadeira- você tem problemas?- perguntei

Deu de ombros- ele não precisava saber- sentamos nas cadeira esperando começa a aula.

- Não preciso dizer que gosto das minhas aulas em dupla, né?- começou a anotar algo no quadro e esperei alguém sem dupla aparecer.

- Alexandra, vamos fazer juntas?- perguntou Ester se aproximando sorrindo e trazendo a cadeira

- olha. Eu não sou boa nessa matéria- avisei e se sentou do meu lado

- esse ano deu sorte- ri- está olhando para a melhor da turma.

- se você diz- pegamos o material- está fazendo um péssimo investimento.

- deixa de ser coisa, metade desses idiotas eu não conheço- ri.

- tão amável.

- sou mesmo.

O professor deu inicio a aula, a gente conversou algumas vezes, mas ela parecia uma maquina, não sabia se copiava, anotava, prestava atenção ou lia o livro, fiquei assustada com o empenho dela nessa matéria, mesmo eu não a conhecendo para julga. Eu tava fazendo vários desenhos sem sentido no meu caderno apoiando minha cabeça na minha mão. Olhei para ela e recebi um olhar bravo e estranhei.

- o que foi?

- é por isso que não vai bem nessa matéria, desenha não vai te ajuda.

- esta me dando um sermão?- pergunte descrente

- se a carapuça serviu.

- nossa que grossa- falei meio brincando, mas acho que ela estava falando serio, pois apenas sorriu sem mostra os dentes colocando o caderno na mochila, pois a aula havia acabado.

- devia se esforça mais- sorriu novamente se levantando e parou de sorri- tchau a gente se ver.

- tchau- falei e ela colocou a mochila no ombro e saiu de sala junto com as pessoas

Depois desse dia a gente começou a conversa muito, principalmente por eu ser ruim em biologia e ela começou a encher meu saco dizendo que eu deveria estuda.

Estava sentada, posição de lotos, no chão dentro da cozinha do Mc Donald’s ouvindo holy e lendo um livro, acho que era “o garoto dos meus sonhos”, pois sim sou um pouco romântica, e gostei da capa, fora que foi um presente da Ester, pois disse eu devia ser um pouco “rosa”, e me chamou de gótica suave. A minha mochila tava no meu lado aberta mostrando o caderno e alguns livros que peguei na biblioteca e os de ensino mesmo, na melhor parte da musica vejo alguém tampa a luz, mas não me importei, porque conseguia ler, mas o ser humano, sem nada pra fazer da vida tirou a droga do fone do meu ouvido, olhei para pessoa meio irritada, mas suavizou ao ver a Ester. Dei meio sorriso e ela me olhava com cara de cu, a olhei tentando entender, mas acho que a gente não se conhece bem o suficiente ainda para consegui ler o pensamento uma da outras.

- que foi?- perguntei de forma um tanto grossa, mas não me importei

- a gente vai ter um teste sobre botânica reprodução e morfologia, tu que é toda fudida nessa matéria deveria esta estudando, não?- ela me olhava seria e eu revirei os olhos, porquê sim ela tinha razão, mas eu realmente estou cagando e andando pra forma que plantas se reproduzem, mas ela ama essa matéria então apenas suspirei, não vou deixa ela na merda por uma opinião minha.

- ok, ok- falei levantando os braços em forma de me render- o pegando o livro- peguei na mochila junto ao caderno, me escorrei na parede a olhando com um olhar pidão, mas ela apenas me ignora e sorri bagunçando meu cabelo.

- mas que garota gentil gente- riu e mostrei o dedo do meio pra ela

- ta, mas me dar o teu caderno, tem anotações reais lá e que dão para entender realmente- sorri de madeira falsa

- ta bom, a gente vai mesmo compra o jogo?- perguntou parecendo cansada, foi nesse momento que vir que ela tinha olheiras e uma expressão de noite mal dormida

- er... não eu faço outro dia- sorri e ela foi fazer as coisas dela, me pergunto qual o problema do padrasto dela, emprego não é tão difícil de acha.

Comecei a olha os cadernos e livros na minha frente, franzi a testa os encarando irritada e grunhi abrindo o caderno dela, é eu tenho inveja da inveja da letra dela, era aquelas super bonitinha redondinha, que nem parece ser feita por pessoas. Contudo, parei de fica catalogando e reparando nas letras, pois tinha que estudar, senti um cheiro de carne sendo frita, não, definitivamente não queria estudar, mas fiz isso. Passou algumas horas e comecei a entender. Olhei para cima quando vir à sombra dela.

- ainda dar tempo de compra seu livro e o jogo do seu irmão, ainda são só nove horas- olhou o seu relógio de pulso.

- não saia às dez?- perguntei enquanto guardava as minhas coisas e coloquei um fone no ouvido esquerdo e jogando a minha mochila nos meus ombros

- não, o Sr. Smith me liberou porque tu tava ai, obrigada- ri e ela sorriu

- não tem de que- brinquei e ela riu fraco

- e então vamos?- falou um pouco animada e sorri, era meio que uma reação minha quando ela dessa forma.

- não tá cansada?- perguntei e ela amarrou o cabelo e um coque deixando uns fios soltos, os colocando atrás da orelha, mas os menores voltavam a se solta de forma rebelde.

- não.

- mas... você tá com uma aparência de quem está- ela riu

- essa é a minha cara normal misturada com gente chata me enchendo porque a foto ta diferente- gargalhamos

- ok, então vamos- assentiu.

- me espera lá fora? Vou só troca de roupa- dei de ombros e sair de lá e fiquei esperando mexendo no celular.

Quase todo dia a gente se fala tanto por mensagem ou pessoalmente mesmo, até por ligação. Acabamos descobrimos o gosto em comum que é o de gosta (ama) filme, livro, coisas de terror, além de que descobri que ela é também fã do Hannibal. Nisso tudo se passou quase um mês, para ser mais exata foram três semanas e alguns dias, hoje é sexta-feira e estou vendo hora de aventura, porque meu irmão simplesmente ama esse desenho. Meu celular faz um som dizendo que chegou mensagem, me estiquei para pega e li a mensagem.

Ester

Hey! Alexa!

Adivinha oque acabei de compra

Fala

Ester

Se fosse pra mim fala não teria digitado

“adivinha” oque eu achei ¬¬

:P

Não seja irritante uma vez na sua vida

Ester

hahahaha nunca esse é o meu charme

Ri com a mensagem

kkkkkkkkk vai fala ou vou ter q espera mais?

Ester

OK

Vou fala

Sabe oq é? Sabe sabe sabe

Revirei os olhos

Fala logo coisa chata ¬¬

Ester

Não sou chata ;-;

Tem razão

Ester

Tenho c:

Sou muito legal c:

Tu é insuportável

Kkkkkkkkkkkk morri

Ester

¬¬

Venho toda animada fala que comprei

aqueles filmes e vc me trata assim?

Levantei do sofá, quase em um pulo animada soltando um gritinho, o Enzo se assustou me olhando como se eu fosse louca. A gente (Eu e a Ester) fez uma lista de filmes que queria assistir, mas perdeu quando passou na televisão ou não conseguiu ver por outros fatores.

- o que foi louca?

- nada

- mas... deixa para lá- me olhou sorrindo animada- fica quieta- revirei os olhos

AAAAAAHHHHHH

Finalmente caralho, eu te amo flor

Ester

¬¬

Agora é amor ne?

¬¬

Agora é flor ne?

¬¬

Deixa de drama S2

Tu sabe onde eu moro ne?

Ester

Nem ideia ;-;

Vou manda localização e tu vem aqui tá?

Ester

Se for perto, vou fazer o possível

Me passa o seu então que eu vou

Ester

Hahaha meu padrasto ta aqui vendo jogo

ENTÃO VEM VOANDO

Ester

VOU TENTA

Hahahhahaaa

Kkkkkk idiota kkk

Vem logo

Ester

Ta bom sra

kkkk

Tchau tenho que ajeita a casa pq uma menina

insuportável vem me ver aqui                             

Ester

Quanto amor hahaha

Desliguei o celular e levantei, fui até a cozinha ver se tinha pipoca ou refrigerante, mas não tinha nem pipoca, nem refrigerante, nem nada, procurei em cada canto do armário, porem não encontrei.

 - Enzo toma aqui quinze pratas pra tu compra dois pacote de pipoca de micro-ondas, refrigerante mais três barras de chocolate- mando e ele me olha como se eu fosse burra.

- tudo isso com quinze pratas?- deus ênfase no quinze.

- ok, ok, toma trinta- sorriu e revirei os olhos.

- o troco é meu- falou saindo de casa

- sempre é- falei e ele levantou sorrindo.

Fui para o quarto, suspirei vendo a bagunça.

- é bom tu não esquece esse filmes Ester se não corto a tua garganta- resmunguei pegando uma calcinha suja do chão- sou uma porca- fiz careta.


Notas Finais


não vai ter capitulo 6 pois estou com muito sono


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...