História Take my GUN and fight FOR ME. BangHim - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P
Personagens Bang Yongguk, Himchan, Jongup
Tags Banghim, Bap
Visualizações 17
Palavras 1.544
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Queria primeiramente agradecer a Ester, por me apoiar e aguentar toda a minha falação sobre essa fic ♥
Já havia pensando num plot magnífico ao criar um wallpaper do Himmie de terno (homão), e então, como boa fanfiqueira, pedi para que alguém plotasse isso (porém ninguém o fez), então decidi eu mesma escrever (CADÊ AS BABYS ESCRITORAS DESSE SAITE? GRR ¬¬')
Espero que gostem, estou dando meu melhor para cada fic que trago para vocês, tentando ao máximo evoluir, tanto na escrita quanto expressão.

Nos vemos nas notinhas >w<

Capítulo 1 - Atrapado


Uma bala lhe atingiu, e antes que cedesse pela dor, correu o máximo que pôde entrando num beco. Atento aos movimentos da área, foi rápido e colocou uma das mãos em seu bolso, tocando sua Magnum 44* ao se esconder num canto escuro da rua sem saída.

—Peguem esse filho da puta!—Um dos homens da gangue gritava. A voz ecoava na pequena cidade que mais se parecia com um vilarejo.

E apesar de estar usando um colete, fora azarado o suficiente para ela ter se alojado em seu ombro direito.

Sentia muito frio, o chão cimentado estava coberto por uma grossa camada de neve e seu sobretudo por cima do terno não estava ajudando tanta coisa. E tudo só tendia a piorar, pois sentia o local que a bala entrou queimar insuportavelmente.

Aquela era uma rara ocasião, e por isso, Kim Himchan não soube de primeira o que fazer, só focou na dor insuportável.

Enquanto sentado, se lembrou de seu celular e com dificuldade retirou-o do terno, entretanto, ao entrar em contatos, se lembrou que não poderia contatar alguém, a não ser seu pai, pois o que estava fazendo era errado, jamais poderia ter saído daquela forma e ido até o ninho sozinho. 

Entretanto o velho não atendeu suas chamadas.

Bateu com a cabeça na parede qual estava recostado e mordeu os lábios buscando amenizar a dor do tiro e esperou para ver se não havia mais ninguém na rua antes de se pôr em pé e caminhar para fora dali; em uma avenida que dava para a linha ferroviária.

Havia chegado naquela minúscula cidade de trem, por isso teria de arranjar-se para não morrer congelado ou até mesmo pelo tiro.

Caminhava com dificuldade, mancando por ter torcido o pé e atento por todo o caminho com as mãos no coldre do revólver. Nesse meio tempo sua visão começou a se tornar turva e ameaçava apagá-lo ali mesmo, então Kim apertou a ferida com as próprias mãos, forçando-a doer ainda mais para que não desmaiasse em meio a avenida e fosse servido de comida aos lobos.

”Não pretendo ser refeição para lobos.”Pensou.

Mas não demorou para avistar um animal passando pela cerca de madeira que havia do outro lado, e por incrível que pareça, a fera estava sozinha, e aquela cena fez Himchan franzir o cenho.

—Lobos raramente andam sem sua matilha.—Murmurou retirando a arma do coldre. Abriu o cilindro e verificou o interior. “Se ele tentar me atacar—Respirou com dificuldade—…quatro balas é mais que o suficiente”.

Continuou a andar enquanto encarava o animal, forçando a visão de vez ou outra, pois os postes de energia ali tinham apenas um facho de luz, literalmente inúteis.

Himchan ouvia a sua própria respiração acompanhado ao som de seu sapato social​ batendo na terra mesclada a neve, tudo sem perder o contato com o animal, que se aproximava lentamente, como se ele fosse uma presa fácil.

Não era uma boa ideia atirar ali, pois isso atrairia novamente os capangas de Yongguk, o suposto chefe da máfia que andou investigando há meses, entretanto, de repente, o lobo começou a correr em sua direção, tão rápido que o reflexo de Kim fez com que ele rapidamente retirasse sua Magnum e atirasse no animal. Errou no primeiro tiro, mas o segundo derrubou o bicho, que caiu há mais ou menos oito passos de distância.

E quando se virou para continuar o trajeto, deu de cara com três capangas.

—Ele está ali. Peguem o desgraçado.—

Os lábios de Himchan se entreabriram, seu braço se levantou inconscientemente e seu dedo pressionou o gatilho para o homem baixinho e gordo todo encapuzado que corria em sua direção.

“BANG!”

E o homem estava caído no mesmo segundo, contudo outro aparecera e também corria em sua direção…

”Só há mais uma bala, Kim Himchan.”

“BANG!”

E o mais alto caiu também, perto do outro corpo volumoso.

O último homem estava parado com uma arma apontada para Himchan e ele o mesmo para o gangster, porém, sabia que estava sem munição, mas manteve a postura, fingindo que iria atirar.

“Será meu fim?”Pensou ao rir soprado.

E foi quando sentiu um metal gelado bater em sua nuca e tudo se apagou.

︻┳═ 一

—Chefe, não acha melhor matá-lo logo? Esse tira é perigoso, matou dois dos nossos…—

—Cale a porra da boca! Morrer seria muito fácil para ele.—

Kim Himchan despertou ouvindo a conversa entre os homens que ali estavam.

—Tiremos a bala do ombro dele, uma isca não pode morrer, e nem vai, mas...—

—Isca?—Himchan riu soprado num tom sarcástico, e os homens se e viraram para si.—Ninguém sabe que estou aqui, e mesmo que soubessem, acha mesmo que iriam se importar com alguém como eu? Vocês são imbecis...—E riu novamente, estalando a língua ao levar um tapa tão forte que voou sangue de seus lábios.

—Se ninguém vier, você morre.—Yongguk apertava seu maxilar com força, fazendo-o olhá-lo nos olhos e ver que ele falava sério.

—Acha mesmo que não sei que vou morrer? Quantos anos você tem, Bang Yongguk? Até parece que é ingênuo.—

Após terminar de falar, levou uma coronhada do outro gangster que estava ouvindo tudo em silêncio, e olhou para trás com os olhos semicerrados; queria colocar as mãos naquele pescoço e enforcar o maldito.

—Interessante, você até sabe meu verdadeiro nome.—

O homem de cabelos negros ondulados se aproximou do agente, ficando a um centímetro de distância do rosto alheio, quase colando ambos os lábios. Abriu um largo sorriso e apertou a ferida no ombro de Himchan, que gemeu desesperado de dor e tentou revidar chutando-o, mas o mesmo fora rápido e desviou, dando um outro tapa no lado oposto da face de Kim, quase derrubando-o da cadeira em que estava amarrado.

—Você é baixo, me ataca mesmo eu estando com as mãos atadas.—Disse sorrindo e se inclinando para frente numa tentativa de provocá-lo ao cuspir sangue no chão e manter o contato visual com o líder.—Mas eu já sabia disso, vocês são covardes.

—Jongup, saia.—Yongguk se aproximou, ficando em pé de frente para Himchan e esperou o capanga sair pela porta de ferro.

—Foram meses pesquisando sobre esse esgoto, mas sabe de uma coisa?—Disse despreocupado mirando o canto da pequena sala.—Não foi nada difícil. Gangsters são bem burros, você sabe, acabou de perder dois deles lá fora.

—Você é a porra mais irritante que já vi na vida, seu merdinha de agente. Quem pensa que é?—Ele forçava sua pistola debaixo do maxilar de Kim.

—Atire logo, homem sujo—E forçou sua pele contra a arma.

Yongguk com uma mão agarrou o cabelo do agente e enfiou o revólver em sua boca.

—Vou estourar a sua boca, talvez pare de falar tanta merda.—Disse entredentes ao acionar o gatilho.

Himchan fechou os olhos e esperou o homem fazer aquilo que ele já esperava; matá-lo.

Engoliu seco ao ouvir o gatilho ser acionado. Tremulou ao sentir a arma ser retirada de sua boca e seus cabelos serem soltos dos dedos alheios.

Ainda de olhos fechados, ouviu passos de sapatos se afastarem e saírem da sala.

︻┳═ 一

Se sobressaltou quando ouviu a porta ser novamente aberta algumas horas depois, mas era um rosto desconhecido até então.

O homem usava roupas brancas e chamou mais homens enormes entrarem ali e retirarem Kim da cadeira.

Rudemente os capangas soltou a amarra e agarraram-lhe pelos braços.

—Para onde estão me levando?—Perguntou grogue ao tentar se debater e desvencilhar-se dos homens, mas ato falho.

Ninguém respondeu.

Foi jogado numa maca com força e viu com dificuldade o homem de branco se aproximar, sentar e cortar suas roupas na área do ferimento, estremecendo ao sentir um gelado algodão sobre o perfuramento seguido de picadas de injeções na área, e após isso, Himchan desmaiara.

︻┳═ 一

Acordou na sala que lhe trataram. Era toda branca, incluindo os móveis. Himchan até pensou estar num hospício​.

Ao tentar se pôr em pé, viu que haviam retirado seu sapato, e além disso, recortaram sua camiseta, onde pôde perceber uma fita que cobria o gaze.

—Trataram meu ferimento?—Murmurou ao mover lentamente o ombro, sentindo um pouco menos de dor que horas atrás. Percebeu que estava só, então rapidamente colocou seu terno e o sobretudo, vestindo o sapato por cima, amassando a parte do calcanhar e foi em direção da porta branca.

Colocou a cabeça para fora e pôde observar um corredor enorme e uma única saída no fim dele. E antes que saísse da sala, tocou seu sobretudo, se lembrando de que havia uma faca em seu bolso interno.

Andou rapidamente pelo corredor, chegando na saída, e abrindo a porta lentamente. Olhando pelo facho percebeu que não haviam capangas por ali.

Deu para um amplo pátio, onde parecia ser um subsolo, pois haviam alguns carros estacionados.

Seus olhos brilharam ao mirar vários veículos;

”Que pelo menos um deles esteja aberto.”—Pediu aos céus.

Verificou três carros antes de achar um que estivesse destrancado, porém havia um homem dormindo no banco de trás.

Himchan perdeu alguns segundos pensando no que fazer, matá-lo ou procurar outro veículo​?

Engoliu seco e virou as costas para o carro, trombando com Yongguk.

—Onde pensa que vai?—Ele tinha um sorriso enorme.


Notas Finais


*Foto da arma de Kim Himchan* > http://cdn.pcwallart.com/images/44-magnum-gun-wallpaper-2.jpg <
E então? Gostaram? Tá bom? aaargh! Que nervosismo.
Eu cortei pela metade o capítulo, pois havia ficado muito grande.
Caso gostarem, e se puderem, comentem, ficaria muito feliz ♥
Beijinhos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...