História Taking your innocence - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Taekook, Vkook, Yoonmin
Exibições 163
Palavras 5.079
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


HELLO MY FRIENDS!

Voltei rápido dessa vez, amei escrever esse capítulo, então espero que amem lê-lo. Acho que nunca escrevi um capítulo desse tamanho,
5.000 FUCKING PALAVRAS! Estou surpreendida por meu potencial

Boa leitura!

▶LEIA AS NOTAS FINAIS◀

Capítulo 4 - Não me deixe por ela


》TAEHYUNG《



- Que cara de morto é essa? - Joguei minha bolsa na cadeira e sentei na mesma.


- O único defunto aqui é você Yoongi! - Digo irritado.


- Me respeita! É hyung, e o que aconteceu? 


- Nada, me deixa! - Ele levantou-se revoltado da cadeira.


- Não me preocupo mais com você seu ignorante, não desconte nos seus amigos a sua raiva seja lá que merda for. - Ele saiu sa sala. Hyung odeia quando tratam ele assim. Passei a mão nos cabelos, pensativo. 


 Ele tá certo, mas a raiva que to sentido é maior que eu mesmo. Não consegui dormir a noite inteira pensando nessa merda de casamento arranjado, e é com quem? A namorada do meu melhor amigo. 


Ah vida, vamos por limites nessas

 zueira, por favor! Agradeço. 


 Heseok mal entrou na sala e já saiu, jogou a bolsa na cadeira e fugiu, nem tive tempo de dizer " oi " 


 Depois de alguns minutos, o professor entrou na sala junto com Yoongi, ele está emburrado, mais do que o nomal. Hoseok entrou logo depois, mais sorridente que o normal, também para variar. 


- Yoongi hyung! - Sussurro, ele não me olha - Hyung, não seja assim. - Continuou me ignorando. Depois falo com ele.


- Hopi, porque está tão feliz? - Perguntei curioso. 


- Vou sair com a Rosé hoje, já que estou de folga do trabalho. Ela está um pouco diferente, meio triste, quero vê-la sorrir, então vou leva-la para sair. - Sei o porquê dela estar triste, estou do mesmo modo. 


- Ficar triste é coisa de mulher, hyung, não se preocupe. 


- Você tem razão! - Ele sorriu - Quero te apresentar ela. 


- NÃO! - Falei alto de mais, o que chamou atenção da sala - Hahaha... desculpa pessoal! - Voltei a sussurrar - Não, melhor você passar mais tempo com ela, depois nos apresenta.


- É mesmo não é! - Ele sorrio outra vez e virou para frente. O bom do hyung, é que ele é fácil de lidar, e quando está feliz fica melhor de convencê-lo das coisas.


 Os primeiros horários acabaram, e para minha " sorte " estou cheio de trabalhos para fazer e entregar essa semana ainda.


 Saí da sala sozinho, Yoongi foi antes de mim. Entrei no pátio e andei até nossa grama.


- Oi - Disse sentando-se no chão ficando com as pernas cruzadas ( tipo de índio ) 


- Eae - Namjooon disse voltando a comer o salgado de sua mão. 


- Onde está o Yoongi? - Pergunta Jin, voltando a comer seu pacote de doces.


- Ele está com raiva de mim. - A raiva voltou - Hyung parece durão, mas ele é muito sensível! 


- Sabemos disso, então vá atrás dele e se resolvam logo. Você sabe que ele não lhe dará atenção até ir se desculpar. - Disse Jin.


- Tá! - Disse me levantando com birra. Passei pelo portão que liga o pátio a faculdade e adentrei na mesma. Vi Hoseok e Rosé conversando felizes sentados na escada.


 Droga!


 Como vou subir lá pra cima agora?


 Terei que esperar eles saírem, não estou afim de me revelar para Rosé que sou noivo dela e amigo do namorado dela. Sorte minha que a mesma não me conhece aqui na faculdade. Fiquei no canto do corredor, assim, não me veriam.


 Finalmente saíram, subi as escadas e fui para o terraço, Yoongi só podia estar lá. Subi mais escadas e abri a porta devagar. Olhei para a frente e vi meu amigo pálido encostado na grade, mas ele não estava sozinha. Um garoto baixinho, só alguns centímetros de diferença do mesmo, estava ao seu lado. Não quis atrapalhar, eles pareciam rir juntos. Fechei a porta e desci o grupo de escadas e fui até a sala, fiquei lá até começar as aulas. 


Acabou!


 Arrumei meus matérias o mais rápido possível, pois Yoongi já tinha saído da sala - ter amigos sensíveis não é fácil - corri pelo corredor e o vi encostado na parede como sempre, esperando pelo motorista. Olhei para seu lado e o mesmo garoto do terraço estava lá. Não me importarei, vou me desculpar e ir embora. Cheguei perto dele e coloquei as mãos em seu ombro.


- Para de me evitar seu chato! - Digo irritado, ele ficou me olhando sem expressão - Desculpa, eu fui muito rude com você, eu só estava irritado e não consigui controlar a raiva. - Ele sorriu, o abracei e ele retribuiu.


- Te perdôo, mas não me trata daquele jeito de novo, se não faço você ir pro hospital. 


- Tão frágil! - Disse apertando suas bochechas que ficaram vermelhas. 


- Para com isso seu idiota! Eu só não gosto de ser tratado mal pelas pessoas próximas a mim.


- Tá esquece isso, quem é esse? - Apontei para o garoto ao seu lado, que estava calado esse tempo todo só observando nossa conversa, meio melosa.


- Park Jimin, ele é um ano antes de nós. Quando fui pro terraço ele estava lá sozinho e começamos a conversar. 


- Prazer, sou Kim Taehyung. - Estiquei as mão para comprimenta-lo e lhe dei um sorriso. Ele fez o mesmo, seus olhos se apertaram quando o mesmo sorriu. Achei fofo. Espera - Você disse Park?


- Sim, sou parte daquela família de empresários famosos.


- Park Rosé é sua irmã? - Ele assentiu. Engoli em seco, mas não tem problema, só porque Yoongi falou com ele não significa que ele entrará no nosso "grupinho" de um dia para noite, meu carro chegou. - Tenho que ir, até amanhã. 


- Até - Eles respondem em uníssono, fui até o carro e entrei no mesmo.


 Cheguei em casa e fui direto para meu quarto, joguei a bolsa no chão e tirei minhas roupas, as jogando junto a bolsa. Entrei no meu banheiro e tomei um banho demorado. Saí com a toalha enrolada na cintura e outra nos meus cabelos, os enxugando. Fui até o guarda-roupa, peguei uma calça moleton cinza e a vesti, fiquei sem camisa. Me joguei na cama e fechei os olhos, estou com muito sono.


 {Quinze minutos depois}


Sinto um carinho pôr meu abdômen, parece ser um dedo. O mesmo rondava, subia e descia sobre minha pele. Comecei a abrir os olhos devagar e olhei para o lado da cama.


- Jungkook? - Digo sonolento, sento-me na cama cossando os olhos. Olhei o garoto novamente e ele estava vermelho - O que faz no meu quarto?


- Sua mãe mandou-me te acordar para o almoço. 


- E o que veio fazer na minha casa? - Ele começou a brincar com os próprios dedos.


- Eu queria ver você, então eu vim e sua mãe disse que eu podia almoçar aqui. - Sorri de sua fofura.


- Por que está nervoso?


- Por nada. Vamos descer, sua mãe está esperando. - Não queria vê-la, mas não posso evita-la.


 Peguei uma camiseta regata preta e a vesti, descemos as escadas e fomos para a sala de jantar, onde sempre temos nossas refeições - tirando o café da manhã - sentei na cadeira e Jungkook sentou-se ao meu lado. 


 Amélia trousse os pratos, colocando-os em nossa frente, a agradeci e comecei a comer.


- Como é sua escola, Jungkook? - Minha mãe o perguntou com intenção de puxar assunto para tirar a tensão da mesa.


- Bem puxada, mas eu sempre consigo me manter na média. O problema dela é que os alunos ficam muito em cima de mim. - Não sei o porquê, mas isso me deixou irritado.


- Você deve ser muito popular, é muito bonito e fofo, as meninas devem ser loucas por você. - Ela tomou um gole do vinho que tinha em sua taça. Jungkook estava envergonhado. 


 Terminamos o almoço e nos levantamos da mesa.


- Irei para a empresa agora, não faça besteiras enquanto estiver fora, Taehyung. - Ela saí da sala e vai para o seu quarto arrumar-se.


 Segurei a mão de Jungkook e o levei para meu quarto, entrei nele com o mesmo. Vi seu rosto corar outra vez.


- Por que está tão envergonhado?


- É que eu nunca vim na sua casa. - Sentei na cama.


- Vem cá. - Bati nas minhas coxas, ele veio sem reclamar e sentou-se nas mesmas ficando de cara comigo. Passei meus lábios perto dos seus insinuando que iria beija-lo, mas não fiz. - Que história é essa de "as pessoas ficam muito em cima de mim?" - Apertei sua cintura. - Me reponde, Gukie. - Massagiei seu nariz com o meu, e desci para seu pescoço onde senti seu cheiro.


- Eles ficam... dizendo eu deveria namorar um deles. - Subi minhas mãos por dentro de sua camisa acariciando sua pele sensível. 


- E o que você diz a eles? - Destribuí beijos pelo seu pescoço, ele arfava baixinho.


- Que não quero. - Seus olhinhos se fecharam.


- Por que não quer? - Aproximei meu rosto do seu, ele abriu os olhos.


- Porque eu já tenho um. - Disse envergonhado. Quando você vai deixar de ser tão lindo? Finalmente juntei nosso lábios em um beijo calmo, ele ainda imitava meus movimentos. Suas mãos foram se segurar em minha nuca.


 Passei minhas mãos por sua barriga indo até suas costas, desci até sua bunda a apertando com força, ele arfou ente o beijo. Deixei um chupão em seu lábios inferior e voltei a beija-lo, dessa vez ferozmente. Levei minhas mãos até suas coxas onde apertei. Nos separamos por falta de ar, encostei minha testa na sua e fiquei o olhando e acariciando sua bochecha. Ele sorria fofamente sentindo meu carinho em seu rosto.


- Desculpa não ter ficado com você no seu aniversário. - Continuei com meu carinho.


- Não tem problema, você estava ocupado conversando com aquelas pessoas. - Lembrei de Rosé, além de não querer casar vou ter que deixar o Jungkook? O abracei com ternura e medo, ele retribuiu na mesma intensidade. 


- Você quer ir no cinema comigo? - Perguntei soltando-nos do abraço.


- Quero! Quero! - Ele disse animado pulando em cima de mim, me fazendo imaginar coisas, segurei sua cintura o parando.


- Então vá se arrumar. Vou te levar. - Ele desceu das minhas pernas, me deu um selinho e saiu correndo até sua casa. 


 Procurei uma roupa, e me vesti, eu já havia tomado banho. Coloquei uma calça de couro preta, uma camisa da mesma cor e um blazer cor vinho, o deixei aberto. Passei perfume e ajeitei o cabelo, peguei a carteira e o celular e fui para a casa do Jungkook.


 Bati na porta e a mãe dele atendeu.


- Oi Taehyung. - Entrei na casa.


- Oi tia Jisan, como está? 


- Ótima querido, que filme irão ver? - Ela falou sentando-se no sofá da sala.


- Não sei ainda, mas será um para a idade dele não se preocupe. 


- Não irei me preocupar, você cuida muito bem dele. - Ela sorriu, pode crer que eu cuido muito bem sim - Vou chama-lo.


 Eles desceram as escadas e Jungkook já estava arrumado. Com uma calça jeans escura e uma camisa de mangas azul escura. Estava lindo. Ele veio para perto de mim e segurou minha mão. 


- Se divirtam. - Disse Jisan.


- Tchau, mamãe! - Nós saímos, entramos no carro - Você sabe dirigir, hyung? - Perguntou curioso.


- Sim, coloque o cinto. - Ele fez e dei a partida.



* * *



 Comprei os ingressos e a pipoca, assistimos um desenho, bem legal por sinal. Saímos da sala de cinema e começamos a andar, ele não soltava minha mão por nada.


- Está com fome? - Ele assentiu sorridente. Fomos até a praça de alimentação, comemos muito, hambúrguer, batata-frita, milk shake e uma mini pizza. - Você come de mais, Jungkook. - Ele sorriu.


- Estou em fase de crescimento! - Saímos da praça de alimentação, já estávamos indo embora quando uma garota me parou.


- Oi gatinho. - Ela se agarrou ao braço contrário onde Jungkook estava segurando minha mão. Seus peitos só faltaram se fundir ao meu braço, e que peitos hein. Ela olhou para Jungkook. - Seu irmãozinho é uma gracinha. 


- Eu sou namo... - Soltei sua mão e tapei sua boca.


- É verdade. - Jungkook ficou emburrado, muito irritado, até vermelho ele estava ficando.


- Adoro caras que gostam de crianças. Acho uma graça também. - Ela disse cutucando meu rosto. Jungkook apertou minha mão com força, me segurei para não rir de seu ciúmes, acho que vou irrita-lo mais um pouco.


- E eu adoro garotas peitudas. - Ela pôs a mão na boca e sorriu maliciosamente. - Me passa seu número. - Segurei forte a mão de Jungkook, não quero que ele corra. Entreguei meu celular a ela e a mesma salvou o número. 


- Me liga. - Ela beijou minha bochecha e saiu. Olhei para Jungkook e ele estava de cabeça baixa. Peguei pesado?


 Ele não falou nada, só andamos até o carro e entramos no mesmo. As janelas do meu carro são escuras, então ninguém vê o que acontece por dentro.


- Me dá um beijinho, Jungkookie. - Ele cruzou os braços e virou o rosto para a janela do carro, escutei ele soluçar. Eu sou um idiota mesmo. - Vem cá meu bebê. 


- Vai falar com sua peituda, pelo menos ela tem peito, eu não tenho. - Ele falou com voz de choro enquanto colocava suas mãos nos peitos por cima da camisa, parecia se lamentar por não ter seios grandes. 


- Eu não quero ela, quero só você. - Peguei meu celular e coloquei no contato da garota. - Olha aqui eu apaguei o número dela. Vem cá e me dá um beijinho agora.


- Não! Você ficou dando em cima dela. - Ele limpou as lágrimas. 


- Eu só queria te irritar. - Travei as portas e fui para o banco de trás. Puxei ele também fazendo o mesmo sentar no meu colo, não foi fácil puxar ele. Segurei sua cintura e passei meu nariz por seu pescoço. - Desculpa, mas você com ciúmes é tão lindinho. Não me controlei. - Beijei o local. - Eu não quero seios grandes, eu só quero você, meu nenêm ciumento. - Selei seus lábios. - Você me perdoa? - Ele assentiu.


- Você é um chato, hyung, não faz mais isso, eu sou seu namorado! - Ele disse vermelho. 


- Vai me dar o beijinho agora? - Ele segurou meu rosto e me beijou. O beijo não era rápido, adentrei minhas mãos em sua camisa e fui até seus mamilos onde rondei os seus botões delicadamente. Ele gemeu entre o beijo. Deixei sua boca e beijei seu pescoço, subi sua camisa para deixar seus mamilos a amostra. Beijei um, ele arfou - Os peitos dela não se compraram aos seus, meu bebê. 


 Comecei a massagear um enquanto chupava o outro, seus gemidos estavam ficando altos. Parei de estimular seus mamilos para não fazer barulho, tenho que pega-lo em um ligar menos sensível. Mas Jungkook é sensível em todos os lugares, então melhor parar.


- Você não pode fazer muito barulho, bebê, assim vão nos descobrir.


- Mas... mas eu não consigo... - Ele falou envergonhado com a cabeça baixa. Beijei-o novamente, finalizei com uma mordida. O tirei de minhas pernas e voltei ao banco da frente ligando o carro.


- Vamos pra casa. - Já estava tirando o carro da garagem. 


- Por... por quê? - Ele falou triste. - Não hyung, eu prometo não fazer barulho. - Sorri do seu desespero, continuei dirigindo até minha casa. Entramos na mesma, perguntei a empregada, que já estava de saída por hoje, sobre minha minha mãe. Ela ainda não chegou da empresa, ótimo! 


- Liga pra sua mãe e diz que você vai ficar aqui mais um pouco. - Ele assentiu e pegou meu celular do meu bolso.


- Pronto! Podemos brincar agora, hyung?! - Ele estava desesperado, para com isso Jungkook, você está me enlouquecendo assim. O levei pro meu quarto, fechei a porta e liguei o som alto o suficiente para quem entrasse na casa não o ouvisse gritar, sentei na cama, sem eu pedir ele se sentou em mim.


- Agora não, Jungkook.


- Por quê? - Ele disse triste.


- Porque vão nos ouvir. - Acariciei seu rosto e selei seus lábios. 


- E onde não ouviriam? - Deixei ele me pedir mais.


- Não sei. - Ele fez biquinho. 


- Eu quero que você me faça carinho hyung!


- Aqui? - Adentrei sua calça e apertei seu membro. Ele gemeu e assentiu. Beijei e mordi seu pescoço com calma para não marcar. Abri os botões de sua calça e a desci junto a cueca que o mesmo usava, a deixei parada na sua coxa. Segurei seu membro e o apertei, comecei a mover minha mão de forma lenta. - Assim?- Ele assentiu enquanto gemia manhosamente.


 Tirei sua camisa e continuei o que estava fazendo no carro, dei atenção aos seus mamilos com a boca enquanto o masturbava devagar. Meu membro já estava doendo dentro da calça. Não aguento mais esperar.


 Tirei-o de cima de mim e puxei sua calça com a cueca pra baixo, abri a minha e a desci até a coxa. Me aproximei dele e o peguei no colo, o mesmo rondou suas pernas na minha cintura, nossos membros se chocaram fazendo nós dois arfarmos. Fui até a parede e encostei suas costas na mesma, o segurei por uma nádega, minha outra mão foi para sua entrada acariciando o local. Ele gemia baixinho na minha orelha. Adentrei dois dedos dentro do mesmo, ele arfou. O alarguei por alguns segundos, me pocisionei em sua entrada e forcei. 


- AH! - Ele gemeu alto. Fiquei parado por um tempo.


- Está doendo? - Ele negou - Posso me mexer, Gukie? - Ele assentiu.


 Comecei a entoca-lo com força e rapidez, seus gritos ficaram cada vez mais altos, só conseguia o ouvir por estar perto dele, porque a música estava muito alta. Continuei me enfiando dentro dele, suas mãos agarraram minhas costas e suas unhas começaram a me arranhar. Saí de dentro dele, o mesmo choramingou, desci totalmente minha calça e a tirei do caminho. Segurei a bunda de Jungkook a abrindo mais pra mim, entrei com tudo no mesmo que gritou pela invasão. Fiquei parado. Voltei a cama e me deitei com ele em cima de mim.


- Agora é sua vez.


- O que eu faço? - Disse ofegante.


- É só pular. - Segurei sua cintura e o ajudei, ele gemia cada vez que eu entrava dentro dele. Estou só acertando sua próstata. 


 Sentei na cama, ele ainda quicava rápido, eu entrava cada vez mais fundo dentro dele.


- AWWN! HYUNG AAAH! - Segurei seu membro e estimulei seus mamilos com a boca. Ele gozou. Continuei me enfiando dentro dele.


- Posso colocar meu leitinho dentro de você, Gukie? - Ele assentiu cansado. Continuei o entocando e acabei gozando dentro do mesmo. 

 Ele jogou sua cabeça em meu ombro, estavamos ofegantes.Nunca senti tanto prazer na minha vida, com Jungkook é diferente, me sinto mais completo. Me levantei da cama ainda dentro dele, o levei para o banheiro, o coloquei no chão. Tirei minha camisa e a sua, joguei na cama e voltei para tomar banho com o mesmo.


- Você tá feliz? - Ele assentiu e me abraçou. 


- Eu te amo, hyung! - Me senti tão feliz em ouvi-lo dizer isso. Eu também te amo Jungkook. Muito, e não quero deixa-lo por causa de um casamento arranjado. Me abaixei e lhe beijei apaixonadamente. 


- Eu realmente não quero mais ficar sem você. - Ele corou. - Eu também te amo. - Ele me abraçou outra vez, só que mais forte.


 Acabamos o banho, arrumamos o quarto e nos vestimos. Finalmente desliguei o som e abri a porta. Minha mãe já estava em casa.


- Vocês deviam escutar música mais baixo. - Ela disse e voltou para seu quarto.


- Tá na hora de ir pra casa, meu bebê. - ele fez uma carinha triste.


- Quero dormir com você. - Me agarrou em outro abraço. 


- Amanhã temos aula. Melhor você ir agora. - Segurei seu rosto e lhe dei um selinho.


- Boa noite, hyung!


- Boa noite, Gukie!




* * *



- Hoje você acordou feliz? - Disse Yoongi ao me ver de bom humor.


- É, quase isso. Oh Hoseok, você por aqui, que milagre. - Disse olhando para o mesmo que estava sentado a minha frente.


- Ela não vem hoje.


- Ah é por isso! - O professor entrou na sala e tivemos as aulas como todos os dias da semana. Chegou o intervalo, eu retiro o que eu disse sobre Jimin entrar no nosso "grupinho" da noite pro dia, porque ele realmente está aqui perto de nós. E ele estava falando com o Hoseok, eles não se conhecem? Sorte minha que no dia do aniversário do Jungkook ele não estava lá. 


 Já estava na hora de sair, fiquei esperando o motorista chegar para vim me buscar. Entrei no carro e minha mãe estava nele.


- O que faz aqui? - Perguntei sentando-se ao seu lado.


- Vamos almoçar com sua noiva, só vim busca-lo para não ocorrer o caso de você querer sair.


 Chegamos em casa, ela me fez tomar banho e vestir uma roupa formal. Voltamos para o carro e fomos para o restaurante. Saí do carro e olhei a construção. Engoli em seco.


- Aqui? - Perguntei trêmulo. 


- Qual o problema? - Neguei com a cabeça. Há muitos problemas, Hoseok trabalha aqui como garçom. Será que se eu correr minha mãe me mata?


 Entramos e fomos até a mesa onde tinha uma mulher junto à Rosé, era sua mãe. Nos comprimentamos e sentei na cadeira. 


Droga! Droga! Mil vezes droga!


 Mesmo que eu saía daqui, Hoseok ainda verá minha mãe.


Respira!


 Se ele disser alguma coisa, direi que estavam conversando sobre a empresa. Vi Hoseok se aproximar. Gelei.


- Com licença - Levantei e andei rápido até o banheiro. 




》ROSÉ《




 Gelei ao ver Hoseok se aproximar de nós, ele não me disse que era aqui que trabalhava. O mesmo olhou para mim e sorriu.


- Posso anotar seus pedidos? - Ele disse sorridente. As mais velhas escolheram.


- Como vai, Hoseok?


- Muito bem, tia!


- Faz tempo que não o vejo em minha casa, achei que tivesse brigado com o Taehyung.


- Não, eu só ando muito ocupado. Queria poder falar, mas preciso trabalhar agora, com licença. - Ele abraçou a Sra. Kim e saiu.


 Ele conhece o Taehyung? 


- Com licença! - Saí da mesa e fui em direção ao banheiro, abaixei a cabeça para esconder as lágrimas que desciam de meu rosto, sempre que o assunto é esse me sinto fraca. Acabei por esbarrando em alguém. - Desculpa... Taehyung?


- O-oi... - Ele ficou sem jeito, eu não estava diferente, limprei as lágrimas do meu rosto e tentei disfarçar. - Você está chorando? O que houve?


- N-nada. - Tentei sair, mas ele segurou meu braço. 


- Eu quero falar com você. 


 Nós voltamos para a mesa, eu preciso sair daqui antes que o Hoseok volte e parece que Taehyung também está incomodado de estar aqui.


- Mãe eu posso sair com a Rosé sozinho? Queria conhece-la melhor. - Taehyung soltou e nossas mães se alegraram.


- Claro! Não se preocupem, podem sair. - Foi até fácil, nós saímos do restaurante. 


- O que quer falar comigo? - Perguntei confusa.


- Eu não quero casar com você! - Ele disse sério - E sei que você também não quer, temos que fazer alguma coisa.


- Mas nossos pais...


- Não quero saber dos nossos pais, a única coisa que eu quero é ser livre para tomar minhas próprias decisões. - Ele disse firme, estava muito convicto do que dizia. Segurou minha mão e me puxou até o outro lado, onde tinha uma cafeteria. - Melhor ficarmos aqui dentro, não quero que o Hobi nos veja.


- Hobi? - Perguntei confusa, eu o chamava assim.


- Hoseok é meu melhor amigo. - Sentamos em uma mesa - Ele não sabe de nada não é? - Neguei - Não o conte.


- O que iremos fazer? Eu não quero fazer isso. - Lágrimas desceram pelos meus olhos - Eu não quero deixar o Hoseok. - Senti suas mãos segurarem as minhas sobre a mesa.


- Nós podemos resolver isso juntos.


- Você também tem alguém ao seu lado? - Ele ficou meio acanhado, mas concordou com a cabeça - Eu faço qualquer coisa. - Ele apertou mais minha mão e sorriu.


- Então, somos amigos agora. - Sorri para o mesmo, me sinto mais aliviada em saber que ele sente o mesmo que eu.



》JUNGKOOK《



- Mamãe, deixa eu ir na casa do hyung hoje. - Fiz uma carinha pidona.


- Hoje não, Jungkook. - Disse virando a página do livro que segurava.


- Por que não? - Disse triste.


- Ele saiu. - Ela fechou o livro e bateu no sofá - Sente aqui. - Fui até ela e sentei-me - Taehyung está ocupado com o planejamento do casamento, ele não terá tanto tempo para brincar com você agora. 


- Q-que casamento? - Tentei não demonstrar medo na voz.


- Ele irá se casar com a Rosé, querido. Você entenderá quando estiver de maior, você também já está comprometido. 


- C-como assim, comprometido? O Taehyung e eu já estamos em um casamento arranjado? - Minha mãe olhou para mim surpresa por eu ter entendido o que a mesma dizia.


- Sim, não queria lhe contar agora, mas você já estava desconfiando não é? Já está bem grandinho para entender essas coisas.


- Mas e se ele já tiver namorado... 


- Terá que terminar, porque ele terá que fazer isso pelo bem da empresa. E também para o seu próprio futuro. - Me segurei para não chorar, ele não tinha me dito isso ontem.


" Eu realmente não quero mais ficar sem você... Eu também te amo. "


 Comecei a chorar, antes que minha mãe visse corri para o meu quarto. Eu sou um inútil, a única coisa que sei fazer é chorar!


 Eu não vou deixar ele se casar com essa garota. Não vou deixar minha mãe me fazer casar com alguém que não seja o Taehyung.


 Eu não quero e não aceito. Peguei meu celular, não o uso muito. Limpei o rosto no banheiro e desci as escadas, peguei o celular de minha mãe sem a mesma perceber e salvei o número do Taehyung no meu celular. Voltei para meu quarto e liguei para o número. 




》TAEHYUNG《



 Ficamos discutindo no que podíamos fazer para mudar a idéia de nossos pais de nos casar. Por que eles simplesmente não firmam um contrato e viram amigos. Mas eu entendo que é diferente.


 Meu pai e o Sr. Jeon eram amigos, então abriram nossa empresa juntos. Mas os lucros dela estão piorando cada dia mais, precisamos de novos sócios, e os Park são os melhores nesse ramo. Até o Jungkook já está comprometido, com aquela Jennie, filha de outros empresários. Por isso não gostei muito dela, fiquei sabendo disso por minha mãe antes de virmos para o restaurante. 


 Ainda estava na cafeteria com Rosé, senti meu celular vibrar e o peguei para atender, contato sem nome.


" Alô? "


" Hyung? " 

 É a voz do Jungkook 


" O que aconteceu? "


" Eu não quero ficar sem você! "


" Do que está falando? "


" Não case-se com essa garota, por favor! Não me deixa por causa dela! "

 Sua voz era chorosa, meu coração se apertou ou ouvi-lo dizer tais coisas.


" Não chora, por favor! "


" Como não vou chorar sabendo que a pessoa que eu amo vai me deixar para casar com outra "

 Ele começou a chorar.


" Eu não vou casar, eu não vou deixar você, só para de chorar, não gosto de te ouvir chorar. "


" Eu quero ver você, hyung! Quero te abraçar. Se você está com ela, então saía daí e venha ficar comigo. "


" Me espere! "


 Desliguei o celular e limpei meus olhos que estavam cheios de água. Olhei para frente e Rosé me encarava.


- Você deve amar muito essa pessoa. - Ela segurou minha mão - Nós vamos conseguir acabar com esse acordo sem prejudicar ninguém, e assim, poderemos ficar com as pessoas que realmente amamos. 


 Ela levantou-se e foi embora. Fiz o mesmo, voltei andando, pois não sei andar de ônibus e o motorista obviamente não iria vir, pois minha mãe o proibiu de vir me buscar.


 Salvei o número de Jungkook e lhe mandei uma mensagem. 



{TAE} Eu estou na frente da sua casa, não diga a sua mãe. 


{GUKIE} Por que você não entra?


{TAE} Porque todos pensam que ainda estou com a Rosé. Procura um jeito de vir aqui pra fora.



》JUNGKOOK《



 Desci as escadas e encontrei minha mãe arrumada.


- Onde vai, mãe? 


- Seu pai me chamou para ir a empresa. Já liguei para o Seokjin vir ficar com você, ele está chegando. - Escutei a campainha, a empregada foi abri-la. - Obrigada por vim Seokjin.


- Sem problemas, gosto de cuidar do Kookie. - E agora como vou ver o Taehyung.


- Se comporte. - Ela beijou minha testa e saíu.


- Quanto tempo não nos vemos, Kookie. - Ele sorriu. - O que você tem? Parece apreensivo. 


- N-nada! - Peguei o celular e mandei uma mensagem para Taehyung.


{GUKIE} Não vou poder te ver hoje, minha mãe saíu e Jin veio cuidar de mim.


 Escutei a campainha tocar e quem atendeu dessa vez foi Jin.


- Taehyung, o que faz aqui?


- Vim ver o Jungkook! - Sem pensar corri para abraça-lo.


- Hyung... - Me segurei para não chorar.


- Não vai me soltar?


- Não!  


- Vocês são bem próximos não é? - Pergunta Jin.


- Somos sim! Agora me solta Jungkook. - Não o soltei.


- Eu não quero. - Ele me levantou e levou-me até o sofá onde, praticamente, me jogou. - Você é um chato, hyung! - Ele riu.


- Que tal ver um filme? - Ele diz e Jin concorda. Jin pediu a empregada que levasse algumas comidas e subimos as escadas até meu quarto.


 Colocamos um filme, que dizia ser infantil, mas na verdade era um desenho de terror.


- Na capa diz 12 anos, por que tem tanta violência. - Diz Jin indignado. Me agarrei ao Taehyung com o susto que levei. - A empregada ainda não veio, vou lá pegar as comidas. - Jin saiu do quarto. 


- Hyung, estou com medo. - Ele acariciou meus cabelos.


- Não precisa ter medo, não vou deixar te pegarem, meu bebê. - Levantei a cabeça e selei seus lábios. - Agora não, Jungkook!


- Só um, assim eu não terei medo. 


- Se Jin ver... - Segurei seu rosto e beijei seus lábios. Nosso beijo era calmo, ouvi a porta abrir e meu sangue congelou.


- O que você está fazendo Taehyung! 


Notas Finais


Desculpe qualquer erro e
espero que tenham gostado!

◆TENHO DUAS PERGUNTINHAS:
• Que horário vocês preferem que eu poste?
• Têm algum dia da semana específico?

Só isso mesmo, e nesse capítulo ainda não teve tretas - só a do Yoongi, mas não conta - só algumas revelações.


♥OBRIGADO PELOS COMENTÁRIOS E FAVORITOS!♥

♣ATÉ O PRÓXIMO CAPÍTULO♣

▼PS: eu acho que não sou muito boa em escolher nome de capítulo, se quiserem deixar opções aceito!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...