História Talentless - o que um mago é capaz de fazer - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 2
Palavras 1.834
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Magia, Super Power, Violência
Avisos: Adultério, Canibalismo, Heterossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


esse capitulo foi meio lento, pois estava apresentando as personagens

Capítulo 2 - Revendo O Passado e Descobrindo O Que À Por Vir


Após se matricular e entrar como aluno transferido, Shiroe começa a se acostumar com a vida comum de estudantes, aproveitando seu tempo livre para fazer amigos e conversar, além de aprender mais sobre magia. Assim vão correndo seus primeiros momentos como um estudante comum, até que ele se lembra “espera, essa é a escola em que a Sara estuda. Por que não vejo ela em lugar algum?” Quando esse sentimento passa por sua cabeça ele se lembra, essa não é uma escola comum, é uma escola de anti-magia. Então por que ele não vê nada de estranho? Isso estava começando a cheirar mal.

Tentando desvendar esse pequeno mistério, Shiroe começa a procurar por Sara em todos os lugares que acha possível que ela esteja. Pode parecer simples, mas nosso protagonista talvez tenha algum problema com pessoas que somem já que o primeiro lugar ao qual ele vai procurar é a minúscula lixeira que estava ao seu lado naquele momento. Após vagar muito pela escola a procura de Sara ele se encontra um lugar da escola que está completamente vazio. -Ué, como vim parar aqui? - Ele diz, mas já que está procurando por alguém, é até natural que está pessoa não esteja em um lugar que você conheça, mesmo assim ele está completamente perdido então continua sua procura sem nenhum rumo… Para então encontrar uma porta completamente suspeita, era completamente diferente das outras portas de madeira, era roxa, tinha vizinhos de pelúcia “perfurando a porta” e além de tudo isso tinha um cheiro diferente, um quase inexplicável. Mas apesar de estar tudo muito estranho, aquela porta tinha algo diferente, algo convidativo, como se estivesse pedindo para entrar.

            Depois de esperar algum tempo para criar coragem, Shiroe aproxima sua mão da fechadura, mas antes que sua mão a alcance, a porta se abre sozinha, dando uma sensação de filme de terror. Porem pouco se importando com isso, Shiroe põe seu pé para dentro da sala escura que está a sua frente. Ao entrar, ele procura de canto a canto até onde seu olhar pode chegar, procurando alguém para lhe dizer onde estava Sara. Enquanto fazia sua busca com o olhar pelo quarto, de repente Shiroe sente a presença de uma pessoa atrás dele, mas antes mesmo de conseguir se virar ele leva uma pancada na cabeça e cai, com sua visão turva, ele apenas ouve algumas palavras, são palavras de uma mulher, não muito velha, talvez assim como ele uma estudante “E agora, eu acabei fazendo” “Esqueça isso e encontre logo algo para amarrar ele” após a isso sua consciência que estava sendo mantida por um fio, finalmente se apaga.

            Com o passar do tempo, Shiroe acorda e se depara com uma cena um pouco desagradável, ele esta amarrado a uma cadeira e duas garotas estão esperando entediadas, então ele diz:

            - É... O que ta acontecendo aqui?

            - Ele acordou! – Diz a garota que esta a esquerda de Shiroe, sentada em uma cadeira.

            - Quem é você, seu intruso? – Diz a garota da direita que está sentada na numa mesa.

            - Por que eu tenho que dizer meu nome pra vocês? – Diz Shiroe com uma voz ameaçadora.

            - ahn? Você entende em que posição esta? – Diz a garota da direita agora com uma espada apontada para o pescoço de Shiroe.

            Nesse momento o que passa pela cabeça de nosso protagonista não é medo, mas sim um sentimento de nostalgia “Onde será que eu encontrei essa pessoa?” Então ele diz:

            - Ei você, você mesmo, da direita, nós já nos encontramos em algum lugar?

            - O que quer dizer com isso? – Diz a da direita.

            - Isso não é aquilo que o professor nos falou de que quando uma pessoa está sendo interrogada ela tenta confundir o interrogador com qualquer tipo de mentira? – diz a da esquerda ainda sentada na cadeira

            - Bem... De qualquer jeito não podemos fazer nada com ele enquanto a Sara não chegar para dar sua opinião. – A da esquerda.

            -... – Shiroe se mantem calado.

            A partir dali se passam uma hora e meia com cada um deles parados esperando até que.

            - Será que já da pra me soltarem? Eu to procurando uma pessoa. – diz Shiroe.

            - Você não vai sair daí até que ela volte seu idiota! – A “menina da direita”

            Então Shiroe pensa “tenho quase certeza de que conheço essa pessoa”.

            Até que finalmente a Sara volta e se depara com seu querido conhecido sendo mantido como um intruso, amarrado a uma cadeira e a única coisa que pode passar pela cabeça de uma pessoa é “Mas que merda é essa?”. Então Shiroe a avista olhando pra trás quase contorcendo seu próprio pescoço e diz:

            - A! Sara! Oi

            - É... Hum... O-Oi

            - Eu tava te procurando, sem querer ser estraga prazeres, mas... Pode me tirar daqui?

            - Meninas, será que vocês poderiam nos deixar sozinhos?

            As duas, apesar de estarem cheias de duvidas, os deixaram sozinhos, com a condição de que seriam apenas cinco minutos. Nesse tempo ela estava desamarrando-o, e ela também disse:

            - Onde você esteve esse tempo todo?

            - Eu quem te pergunto, onde você esteve todo esse tempo, me matriculei nessa escola onde você estuda, mas não te vi nenhuma vez esse tempo todo (já havia se passado quase um mês).

            - Ah, sobre isso, o curso de anti-magia possui uma grade de aulas especial, não é pra qualquer um.

            - Aé? Então acho que temos muito que conversar né?

            E a partir daquele momento enquanto estavam conversando os cinco minutos se passaram voando e as duas que ficaram de fora, já estavam ficando preocupadas e por esse motivo entraram, no mesmo momento em que entram, sentem um clima, muito nostálgico para a “garota da direita”. Então os dois param de conversar e Sara diz:

            - ué, já se passaram cinco minutos?

            - Cinco minutos já se passaram há muito tempo Sara.

            - Hahaha, desculpa Shiro, perto dele sempre me esqueço do passar do tempo.

            Nesse momento, Shiroe reage a apenas uma palavra de Sara, assim que eles terminam de ouvir as palavras de Sara, Shiroe quebra todo o clima da conversa pulando para cima de Shiro e a abraçando, repetindo apenas uma palavra:

            - Shiro, Shiro, Shiro...

            Enquanto repetia incessávelmente, dos olhos de Shiroe escorriam lagrimas, sim, ele chorava. Nesse momento no coração da “menina da direita” Shiro há um aperto, quase sufocante, o sentimento de Shiroe estava sendo transmitido para a garota, até que uma palavra vem a sua mente e sem perceber ela acaba falando-a “nii-san” é o que ela diz, isso significa irmão mais velho. Então Shiroe diz:

            - Senti sua falta, já se fazem sete meses! Que bom que você esteja bem!

            Pelo menos é o que ele acha que esta dizendo, com o choro quase ninguém entende nenhuma palavra do que ele diz, exceto Shiro, ela sim entende cada palavra e diz:

            - Você foi embora e me deixou sozinha com aquela mulher, eu não pretendo te perdoar tão facilmente.

            - Não quero o seu perdão, contando que você esteja bem, pra mim é tudo o que importa me desculpa por te deixar sozinha.

            - Nii-san, eu estava mentindo, eu te perdoou, senti sua falta

            Nesse momento ambos os irmãos estão chorando juntos, após um reencontro de sete meses, até que Sara interrompe a conversa com a pergunta mais improvável que eu conseguiria pensar, ela diz:

            - Pera ai, Shiro e Shiroe?

            - É, nossos pais tinham um senso de nome horrível. Então viramos a dupla Shiroe e Shiro.

            Então, após toda essa bagunça e reencontro Sara diz que vai apresentar a todas:

            - Essa é Shiro, apesar de conhecer ela, é uma pessoa bem diferente de sete meses atrás.

            - Nem me diga, antigamente ela era uma pessoa quieta e comportada, não conseguiria nem mesmo imaginar ela apontando uma espada para alguém – Responde Shiroe.

            - Continuando essa outra é Stephanie, só pra constar ela não é assim como parece.

            Assim que as apresentações acabam aparece uma figura inusitada, o diretor, e ele já chega mandando “o louco” chutando a porta, mas é quando vê Shiroe na sala junto com as meninas e diz:

            - Só com um mês já descobriu um dos segredos da escola, você é um garoto precoce.

            - Hey, a culpa disso é sua, se tivesse me dito, que a grade dos anti-magos é diferente, eu não teria procurado a escola toda pela Sara.

            - Mas eu disse, ou será que me esqueci?

            - Você não me disse nada!

            - Desculpa, desculpa... De agora em diante esse é o seu esquadrão, sinta-se em casa.

            - Esquadrão? Como assim esquadrão?

            - É o seu grupinho pra realizar os trabalhos que estarão por vir.

            “Os trabalhos são missões das quais escolhemos de um mural o qual quando acabarmos o tempo de adaptação ficará bem ali” explica Shiro apontando para um lugar que não possui decorações do quarto.

            - Então deixe me ver se eu entendi. Para resumir nós quarto somos um pelotão de anti-magos, já que um humano comum não pode vencer uma bruxa sozinho. Esse quarto é onde vamos ficar, ou seja, nossa área de lazer e por enquanto por estarmos em período de adaptação, não podemos trabalhar, mas logo isto vai acabar, certo? – diz Shiroe tentando confirmar as coisas que já sabe.

            - Certo. – Todos respondem.

            - Então gostaria de fazer algumas perguntas.

            - Claro. – Diz apenas o diretor

            - Quem nos passa essas “missões”?

            - Qualquer pessoa que precise da nossa ajuda, mas só aceitamos missões que tem haver com bruxas, por isso, temos avaliadores que filtram as missões que aparecem no mural.

            - O que ganhamos realizando-as?

            - Uma recompensa oferecida pelo cliente, ou seja, quem criou a missão.

            - Você disse que existe uma pessoa que filtras as missões para apenas as que têm relação com bruxas, só pegamos trabalhos de extermínio de bruxas?

            - Não necessariamente, aceitamos qualquer trabalho que tenha relação com magia, isso não é necessariamente extermínio, as missões são diversificadas para cada pelotão pegar as que têm mais a ver com suas características.

            - O pelotão inteiro é obrigado a fazer qualquer missão juntos?

            - Não é necessário, mas a segurança de vocês estará mais garantida se vocês trabalharem em equipe.

- Por fim, o que precisamos para pegar uma missão?

            - Apenas levar elas até o balcão onde a assistente fica.

            - Agora uma pergunta para vocês meninas, se isso funciona por sistema de pelotões, quem é o líder entre vocês?

            - Nosso pelotão acabou de ser formado, até agora faltava um membro e por isso, não era aceito como um pelotão.

            E assim mais um pelotão tem seu nascimento na Taimadou Gakuen, o que esse pelotão nos trará, beneficio? Maleficio? A única coisa que sabemos sobre ele é que é talvez o único pelotão que dois “ex-magos” estão matriculados, se isso causará problemas, ou não só saberemos quando acontecer, mas uma coisa é certa, esse com certeza será um lugar que ganhará reconhecimento.


Notas Finais


me ajudem se tiver algum erro


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...