História Talvez Não (Imagine Taehyung) - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jungkook, Suga, V
Tags Colegas, Colegas De Quarto, Hetero, Imagine, Imagine Bts, Imagine Taehyung, Imagine V, Kim Taehyung, Taehyung, Vizinhos
Exibições 132
Palavras 1.006
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Annyeong! Desculpa a demira gente mas como expliquei nas outras fics, eu fui a casa do meu pai e não tinha como postar lá Boa leitura!

Capítulo 23 - Família Kim...Park?


POV's Taehyung


Ele aponta para o outro lado da sala de estar.


— Na cozinha. — diz. Suas mãos gordinhas agarram a minha bochecha e ele me faz encará-lo. — Quer brincar de morto?


Concordo com a cabeça e coloco-o sobre o tapete.


Eu faço um gesto para (S/N) me seguir para dentro, e então eu esfaqueio falsamente Minnie no peito.


Que cai no chão em uma exibição dramática de derrota.


Ela e eu ficamos em cima dele enquanto ele se contorce de dor. 


Seu corpo convulsiona algumas vezes e, em seguida, a cabeça cai mole para o tapete.


— Ele morre melhor do que qualquer um com quatro anos de idade, que eu já vi. — eu digo para (S/N)


Ela balança a cabeça, ainda olhando para ele.


— Estou em êxtase. — diz


— Minnie! — minha irmã grita da cozinha. — É o Tae?


Eu começo a caminhar na direção da cozinha e (S/N) me segue.


Quando eu dobro a esquina, Hyuna está com Baek em seu quadril e está mexendo em alguma coisa no fogão com o outro braço.


— Jimim está morto, mas sim, sou eu. — eu digo a ela.


Assim que olha para mim, gritos vêm do monitor do bebê ao lado do fogão.


Ela suspira exasperada, e gesticula para eu ir para o fogão. 


Ando até ela e pego a colher das suas mãos.


— Tem que mexer durante pelo menos um minuto, em seguida, retire a chama da panela.


— Você quer dizer tirar a panela do fogo?


— Que seja. — diz ela. Retira Baekhyung do seu quadril e caminha em direção à (S/N).


— Aqui, segure Baek. Eu já volto.


Ela instintivamente estende suas mãos e minha irmã empurra o menor para ela.


Os braços dela estão estendidos, tão longe do seu corpo quanto consegue.


Está segurando Baek sob as axilas, olhando para mim com os olhos arregalados.


— O que eu faço com ele? — ela sussurra. Seus olhos estão cheios de terror.


— Você nunca segurou uma criança antes? — pergunto incrédulo. Ela imediatamente balança a cabeça.


— Eu não conheço nenhuma criança.


— Eu criança. — diz Baekhyung 


Ela suspira e olha para ele, que está olhando de volta para ela com tanto terror e fascínio.


— Ele falou! — ela exclama. — Oh, meu Deus, você falou.


O mesmo sorri.


— Diga gato. — diz (S/N).


— Gato. — repete.


Ela ri nervosamente, mas ainda está segurando-o como se ele fosse uma toalha suja.


Eu retiro a panela do fogo e desligo, em seguida, caminho até ela.


— Baek é o mais calmo. — eu digo a ela. — Aqui, segure-o assim


O coloco ao redor do seu quadril e envolvo seu braço por trás, prendendo-o na sua cintura, que está trocando olhares nervosos entre Baek e eu.


— Ele não vai fazer merda em mim vai?


Eu rio e o pequeno também. Ele dá um tapa em seu peito duas vezes e chuta as pernas.


— Merda em mim. — ele diz, ainda rindo.


A mão dela vai para a sua boca. 


— Oh, meu Deus, ele é como um papagaio. — fala.


— Taehyung! — Hyuna grita do alto da escada. — Eu já volto.


(S/N) sacode a cabeça e aponta para Bark.


— Mas... mas... isso... — ela gagueja.


Eu a acaricio em cima da sua cabeça.


— Você vai ficar bem. Basta mantê-lo vivo por dois minutos.


Eu escalo os degraus e Hyu está de pé na porta de entrada para o berçário. Está limpando seu pescoço com um pano.


— Ele fez xixi no meu rosto. — diz ela.


Ela parece tão cansada. Eu quero abraçá-la, e eu faria se ela não estivesse coberta de xixi infantil. Ela me entrega

o bebê.


— Leve-o para o andar de baixo, enquanto eu dou um pulo no chuveiro, por favor.


Eu o pego das suas mãos.


— Sem problemas.


Ela começa a ir para o quarto dela, mas faz uma pausa antes de eu voltar para as escadas.


— Ei. — ela diz. Viro-me e a encaro. — Quem é a garota?


Ela sinaliza


Adoro que ela sinalize isso, assim (S/N) não tem chance de ouvi-la perguntar.


Ter uma família que é toda fluente em linguagem de sinais definitivamente vem a calhar.


— Só a minha companheira de quarto. — sinalizo de volta para ela, dando de ombros que sorri e caminha para o quarto dela.


Desço as escadas segurando o Chanyeol contra meu peito.


Passo por cima de Jimin, que ainda está brincando de morto no chão


Quando eu viro para a porta da cozinha, eu paro.


(S/N) sentou Baek na ilha da cozinha.


Ela está em pé bem na frente dele para que ele não caia e está segurando os dedos, contando com ele.


— Três. Você pode contar até três?


Ele toca com o dedo as pontas dos dedos dela.


— Um. Dois. Três. — diz ele. Os dois começam a bater palmas e ele diz. — Eu agora.


Els começa a contar os dedos desta vez


Inclino a minha cabeça contra o batente da porta e a observo interagir com ele.


Não sei por que eu nunca passei um tempo com ela fora do quarto antes disso.


Poderia somar todas as coisas que ela fez para mim durante a noite, e eu tenho certeza que não trocaria hoje pela combinação daquilo tudo.


Esta é a (S/N) que eu vejo. A parte dela que ela dá para mim.


E agora que eu estou olhando para ela, vejo que ela é muito capaz de se dar para outras pessoas que merecem.


— Você olha para todas as suas companheiras de quarto assim? — Hyuna sussurra em meu ouvido.


Giro, e ela está de pé atrás de mim, me observando assistir a outra


Balanço a cabeça e olho de volta para (S/N).


— Não. Eu não olho.


Assim que eu digo, lamento ter dito. Hyu mandará mensagens de texto para mim dentro de uma hora, querendo saber todos os detalhes.


Quanto tempo eu a conheço, de onde ela vem, se eu estou apaixonado por ela.


Hora de ir.


— Pronta, (S/N)? — eu pergunto, entregando o bebê de volta para minha irmã


Ela olha para mim e depois de volta para Baek.


Ela realmente parece um pouco triste por ter que dizer adeus.


— Tchau, (S/L) — diz a ela com um aceno. Ela ofega e se vira para me encarar.


— Meu Deus! Taehyung ele disse meu nome!





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...