História Tasukete! - Capítulo 2


Escrita por: ~

Visualizações 78
Palavras 1.292
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Lemon, Luta, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


UAHAAA!!!!
DESCUUUULLLLLLPPAAA A DEMORA, JESUS!
Muitas bombas na escola :')
Tirei um monte de nota abaixo da média KANAIQNKWANKKQKQS
Digo, que merda.
Mas, ENFIM, VOLTEIIIII PRA VOCÊS!! OWNN <33333333
Boa Leitura, seus GOSTOSOS da MAMÃE SZ

Capítulo 2 - I'm back, bitches!


Fanfic / Fanfiction Tasukete! - Capítulo 2 - I'm back, bitches!

Midoriya POV

- C-C-Como assim, T-Todoroki-kun..? - Eu perguntei, completamente envergonhado. Eu conseguia sentir meu rosto ficando todo quente. Eu, definitivamente, não consigo acreditar que o príncipe do sul gosta de mim!!!!!! AAAAAAAAAAA

- Bem... Você é o único que não tem medo do meu poder. Você é muito muito muito muito muito muito muito fofo. Você beija bem. Não vejo o por quê de eu não gostar de você, Midoriya. - Ele disse, contando nos dedos, como se eu tivesse várias qualidades.

M-Mas c-c-c-como assim eu b-b-beijo bem??!!! E... Ele me c-chamou de f-f-fofo! P-Por que..? Eu... Eu, definitivamente, não sou f-fofo!! D-D-De jeito nenhum!!

- Uma amostra da sua fofura é o estado em que você se encontra quando fica envergonhado. - Ele disse, olhando para mim fixamente. Com... C-Com aqueles olhos azuis e cinzentos...

- A-Ahh! V-Vamos acampar aqui! Tem... Água, isso, água e... e muitas árvores! - Eu gaguejava pelo nervosismo. Mudei de assunto.

- Vou pegar algumas madeiras, então. - Ele disse, se levantando e indo em direção à floresta.

- Ufa... - Eu disse, deixando escapar um leve suspiro. Tendo uma confissão tão de repente, me deixa nervoso.

Com tanta vergonha me possuindo, fui encostar em uma árvore que tinha bastante folha. Eu estava completamente cansado de tanto fugir daquele dragão e... também por causa do m-momento que eu e o Todoroki...

Enfim, encostei no grosso tronco com uma ótima sombra. A leve brisa me fazia olhar involuntariamente para o céu, tentando ver para que direção as nuvens estavam indo.

Subitamente, eu comecei a "pescar" (sabe aquelas rápidas dormidas que fazemos? Então ;u;), indicando que eu estava com sono. Por fim, acabei amolecendo e, nisso, dormi.

Sonho ON (narradora irá narrar esta parte)

- Kacchan!! - O pequeno Midoriya estava desesperado pelo seu melhor amigo.

Vamos explicar a situação.

Na vila em que o pequeno Izuku vivia, não era permitido individualidades perigosas. Por isso, todos os habitantes da cidadezinha tinham poderes inofensivos. Uns, possuiam poderes de levitar coisas pequenas, outros, tinham poderes de criar algodões e outras coisas e, pouquíssimos, tinham o desprazer de não ter nenhuma individualidade.

E, os cidadãos que nasciam com o poder perigoso, eram mortos com uma grande guilhotina. Pessoas de qualquer idade eram mortas lá o tempo todo. E, o pior, era que esse horrível fato acontecia publicamente.

Mas, um dia, Bakugou Katsuki nasceu. Ele cresceu junto com Midoriya Izuku. Quando crianças, costumavam caçar insetos e brincar por aí. Até que os resquícios do poder do loirinho apareceu.

- Deku, como eu vou esconder isso?! Eles vão me largar na floresta! Eu... Eu não quero isso, Deku! - O pequeno Katsuki de 6 anos estava desesperado. Ele não queria ser jogado no meio do mato para ser comido por dragões.

Para ter certeza de que explosões eram seu poder, Bakugou usava seu poder consecutivamente. Midoriya, também com seus 6 anos de idade, não sabia o que fazer para ajudar o seu tão querido amigo. Ele andava de um lado para o outro, na esperança de uma ideia milagrosa aparecer.

- Bakugou Katsuki! Você será morto pela proteção da nossa vila! - Repentinamente, um guarda havia visto ambos atrás de umas moitas.

- Não!! - O garoto explosivo tentou ir atrás do homem, mas não conseguiu acompanhar a velocidade do guarda, que corria com imensa rapidez para avisar aos outros habitantes de que havia um "monstro" na vila. Sim, as pessoas que possuíam individualidades perigosas eram denominadas como monstro, aberração e outros adjetivos horríveis.

- Deku, eu... Eu preciso fugir. Fique aqui e diga para os guardas que eu me matei. - Katsuki era alguém muito estratégico e inteligente, desde pequeno. Por isso, bolou rapidamente esse plano.

- O-O quê? Eu... eu não vou fazer isso, Kacchan!! - Midoriya disse, desesperado, já com muitas lágrimas caindo pelos seus olhos.

- Eu vou sobreviver, sei disso. Confie em mim. Eu... eu te amo, Deku. - Katsuki deu um leve beijo na testa do pequeno Izuku. Quando se viraram para se olhar, ambas as crianças choravam muito.

- Kacchan... Fique bem! - Midoriya disse, o abraçando, por fim.

- Deku, não conte nada para ninguém, nem para a minha mãe. Fique bem, seu fanático por All Might. - Katsuki sorriu, ainda com lágrimas caindo.

- Um dia eu vou te encontrar, Kacchan! - Izuku disse, antes de o garoto explosivo sair correndo para dentro da floresta.

- Kacchan! - Izuku, então, finalmente havia notado de que, talvez, ele nunca mais poderia ver o seu melhor amigo.

Sonho OFF

- Wah! - Eu disse, me assustando com o sonho.

Sempre tenho esse sonho... E, no final, eu sempre choro.

- Deku...? - Uma voz apareceu atrás da árvore em que eu estava.

Olhei para trás enquanto o desconhecido ia andando para a minha frente. Subitamente, ele se revelou.

- K-Kacchan..? - Eu disse, enquanto mais lágrimas caíam.

Sem nem pensar direito, fui direto abraçá-lo. Caímos na grama.

Foi quando eu percebi que Kacchan estava sem as roupas de cima.

- Wah!! D-D-Desculpe, Kacchan!

- Deku...? É... É você mesmo? - O loiro perguntava, ainda pasmo.

- Sim! S-Sou eu! - Eu disse, tentando falar, enquanto vários sentimentos tomavam conta de mim. Vergonha, saudades, felicidade, tudo.

- Deku. - Kacchan me abraçou enquanto estávamos sentados na grama. Senti que ele estava chorando. O cheiro dele continuava o mesmo... Que nostalgia...

- K-Kacchan... Onde você esteve durante esse tempo todo? - Eu perguntei, sorrindo levemente.

- Quando eu saí correndo, me esbarrei com um lobo. Acho que ele percebeu que eu era uma criança e me levou para a alcateia dele.

- Então você se criou com lobos?? - Eu perguntei, meio assustado. Porém, pensar naquilo foi muito legal. Kacchan deve estar muito forte.

- Sim. Durante meu tempo com eles, me tornei o chefe da alcateia e, agora, eu tenho um dragão de estimação. - Ele disse, sorrindo arrogantemente.

- Isso é incrível, Kacchan! Você deve estar super feliz e poderoso com isso, né?! - Eu perguntei sorrindo.

- Sim, mas... Ainda falta uma coisa para eu ficar feliz. - Ele disse, olhando para mim.

- E o que é? - Perguntei meio confuso. Afinal, ele tinha um dragão só pra ele e comandava uma alcateia! Oras, quem não ficaria feliz com isso?

- Você. - Ele disse se aproximando de mim.

- K-K-K-Kacchan, você está m-muito perto... - Eu disse, olhando para os lados e para ele.

- Essa é a intenção. - Ele disse chegando cada vez mais perto.

Com a timidez me possuindo, fechei os olhos.

O senti cada vez mais perto, até selar nossos lábios. A língua dele pedia passagem e, logo, o aceitei, abrindo a boca lentamente. Eu estava com muita, muita, muita vergonha. O-O-O que o Kacchan p-pensa que e-estamos fazendo?

Nos separamos em busca de ar. Estávamos ambos ofegantes com o beijo.

- Seus lábios são macios como eu imaginava, Deku. - Ele disse, enquanto passava os dedos nos meus lábios levemente.

- K-Kacchan... N-Nós somos h-homens, não devíamos t-ter feito isso... - Eu disse, ainda envergonhado. Conseguia sentir minhas bochechas quentes...

- E quem se importa com isso? O que importa aqui é que eu te amo, Deku. - Ele disse, pouco se importando com nossos gêneros.

- K-Kacchan! N-Não diga isso! Dá v-vergonha... - Eu disse, corando ainda mais.

- Essa é a intenção. - Ele disse, dando um chupão no meu pescoço.

- K-Kacchan... O-O você está fazendo...? - Perguntei, fechando os olhos.

- Realmente, o que você está fazendo com o Midoriya? - Subitamente, vi Todoroki-kun chegando em uma prancha de gelo lá no céu.

- Quem é você, seu desgraçado?!, - Kacchan disse já gritando e fazendo pequenas explosões com as mãos.

Que confusão...


Notas Finais


Ownnnn que bonitinho e atrevido esse reencontro <3
Vocês gostaram? *^*
Gostaram? *^*
Hein? °^°
JAUANAJNAJANAJAKA
Tô brincando, pode tacar hate na minha fanfic :')


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...