História Te Amar Pela Segunda Vez - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Gaston, Luna Valente, Matteo, Nina, Simón
Tags Drama, Hetai, Romance, Sou Luna
Exibições 333
Palavras 2.104
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bora ler mais um? Rumo ao chute no pé na bunda? Vão entender onde quero chegar. kkkkkk Boa leitura *--*

Capítulo 15 - Capítulo 14


Simón caminha pela rua do centro comercial da cidade olhando por todos os lados para ver se via Luna. Ele de certa maneira deseja que não a visse em um determinado lugar pelo qual não queria imaginar que poderia ter entrado, porem assim que olha na direção do Grill sente o seu coração falhar.

Luna saia do Grill com uma expressão tranquila, e hesitou em frente ao bar como se pensassem em algo. Simón se apressou logo e sem pensar correu até ela.

Luna estava distraída se lembrando do apelido que Matteo havia dado a ela.

-Menina Delivery... – ela repetiu para si mesmo e sorrindo achando graça do nome.

Não era feio, até encantador para ela.

-Luna. – a morena se assusta olhando para o lado vendo Simón chegar até ela.

Franziu a testa por vê-lo ali ofegante por ter corrido. Nesse momento toda alegria a leveza que conseguiu ter a poucos segundos atrás morreu no momento em que deu de cara com o seu namorado.

-O que está fazendo aqui Simón? – ela perguntou incomodada.

Simón percebe que seu desespero trouxe irritação para Luna...

-Não... Eu só estava indo ensaiar com a banda e te vi. Só vim te convidar para ir comigo, se quiser é claro. - Mentiu.

Luna respirou fundo controlando a irritação por achar que Simón veio atrás dela, acreditando que não fosse capaz de se virar sozinha e mais uma vez sufoca-la com sua presença.

-Eu não quero ir para ensaio... Na verdade estou voltando para casa... Se não fosse a bateria do meu celular desligar e avisar aos meus pais que iria demorar mais um pouco, até iria ao cinema.

Simón percebe que ela ainda está irritada, e com certeza começou a notar que tudo o que Monica e Miguel falaram era verdade e que ele deveria pegar leve com ela.

-Tá bom... Mas se quiser ainda ir posso te emprestar o meu celular e você os avisa. E depois se não se importar te acompanho até a porta do cinema e depois vou para o ensaio. – ele sugere, mas querendo na verdade ir com ela.

Luna reflete a sugestão, e como não estava a fim de voltar para casa tão cedo resolver aceitar a sugestão de seu namorado.

-Tá... Boa ideia.

Simón sorri por ela ter concordado e a entrega seu celular. Em poucos minutos Luna comunica aos seus pais que encontrou Simón e o mesmo emprestou o celular porque o seu acabou a bateria e que iria ao cinema enquanto ele iria para o ensaio da banda. Depois disso desligou o devolvendo o aparelho.

-Pronto... Já os avisei. Vamos? –Luna falou o vendo guardar o celular no bolso de seu jeans.

-Vamos. – ele assente estendendo a sua mão para que ela segurasse, Luna encara a mão do moreno não muito a fim de andar de mãos dadas com ele.

-Simón, acho melhor andarmos normalmente sem mãos dadas. – falou vendo o moreno adquirir uma expressão decepcionada, mas ainda sim ela não queria ficar bancando a namoradinha apaixonada quando não se sente apaixonada por ele mesmo ainda mantendo um namoro que só existe no nome.

Simón fica triste por ver que Luna não quer segurar sua mão, mas não iria força-la ou convencer de fazer. Ele olha discretamente em direção ao Grill para ver se certa pessoa poderia está olhando para eles. Não havia sinal de que Matteo pudesse está ali, então somente assentiu para Luna.

-Tudo bem... Vamos... – falou e nesse momento Luna fica aliviada por ele não fazer drama.

Por alguns minutos eles caminham um lado do outro em silencio, mas Simón ainda estava curioso para saber se Luna havia visto Matteo, pois parecia que ela ao sair do Grill possuía uma expressão feliz.

-Er... Você almoçou no Grill? – perguntou olhando de rabo de olho para ela.

Luna da um sorriso fraco como se lembrasse de algo, e isso fez com que o moreno engolisse a seco.

-Sim... Gostei da comida de lá. Pela primeira vez sinto que comi algo por qual tenho certeza que sempre irei gostar e com certeza já gostava sem ninguém dizer que eu gostava, entende?

Simón franziu a testa, mas ainda sim a resposta da Luna não chegou a onde ele queria. Então precisava ser mais bem especifico para ela responder o que ele quer saber.

-Isso é bom, mas alguém lá te disse algo sobre a comida? Tipo falou com alguém?

Dessa vez é Luna que franziu a testa olhando diretamente para o rosto de Simón.

-Como assim? Eu já contei que ninguém disse que a comida que eu gostava de comer, e sim a sugestão do prato do dia sugerido pelo garçom que atendeu a minha mesa.

Simón via que Luna falava a verdade, como também ela chegou ao ponto que queria.

-E o garçom... Quem era ele? Ele te conhecia?

Com essa pergunta, Luna começou não só estranhar toda aquela interrogação e também desconfiar.

-Qual é o seu problema? O que tem haver com quem me atende? Por quê? Teria que ser alguém especifico?- ela não respondeu, e sim questionou. Não ia contar nada sobre Matteo. Até porque Simón estava parecendo aquele tipo de namorado ciumento e grudento ali com ela.

Vendo que irritou a morena, Simón se apressou em arrumar uma boa desculpa e também ver se conseguia saber se ela havia sido atendida por Matteo ou pelo menos tenha o visto.

-Não... Nada haver, só que você foi muitas vezes lá e conhece algumas pessoas. E como estava sozinha, sei lá, poderia ficar constrangida por não lembrar. Geralmente quando fala com alguém que não lembra está acompanhada por seus pais, comigo ou suas amigas...

Luna mesmo vendo coerência na explicação de Simon, ainda sim não gostou da maneira interrogatória que ele se manifestou.

-Bom, mas ninguém veio até a mim falar como se já me conhecesse. A única pessoa com quem falei foi o garçom que somente se limitou em me ajudar a escolher o que comer, e depois foi embora pegar o meu pedido. Fora isso nada de diferente aconteceu e se havia alguém lá dentro que me conhecia, esse alguém não me viu ou estava totalmente ocupado para ter interesse em falar com alguém que não se lembra da sua misera existência.

Simón vê que Luna parecia dizer a verdade, então para não deixa-la ainda mais irritada resolveu não perguntar mais nada. Além do mais, sabia que naquele horário Matteo poderia não está trabalhando e se estivesse cumpriu com sua promessa de se manter afastado de Luna. Ainda sim, Simón decidiu ficar ainda de olho e não baixar a guarda.

-Olha não precisa falar desse jeito. Só perguntei por perguntar...

-Mas não parece. – Luna rebateu dessa vez parando de caminhar e ficando de frente para ele. – Simón seja franco comigo... O que está acontecendo? Sinto que tem algo de errado e que ninguém quer me contar. Só não faço a mínima ideia do que é.

-O que? Do que está falando? Não tem nada sendo escondido?- mentiu.

Simón ficou nervoso, mas tenta se controlar.

-Eu não disse que está escondendo e sim o que está acontecendo? – ela rebate novamente.

-Luna, não sei do que está falando. Me desculpa se está sentindo péssima e sufocada... É natural que se sinta assim como se todos escondesse de você algo que não quer que você saiba, mas acredite em mim que não tem nada. Você está assim porque se sente mal por não conseguir se lembrar de nada, tenha fé que tudo irá voltar a ficar normal como antes.

-Está querendo dizer que normal como antes é me lembrar de todos e principalmente pelo que sentia por você e que nosso namoro volte a ser colorido como antes? – Luna perguntou não contendo o sarcasmo.

Simón abriu os olhos pela forma como ela se refere deles dois. Engoliu a seco temendo que isso seja um péssimo sinal...

-Luna, eu não disse isso... E pelo que vejo... Você não está gostando da nossa relação.

Luna respira fundo vendo que não era justo ficar fingindo está tudo bem com ele quando na verdade não tinha desejo de está ao seu lado como namorados. Queria até tentar gostar do moreno, mas fazer isso vivendo aquela pressão e aborrecimento por não se lembrar de nada, era melhor fazer o que seu coração queria.

-Simón, eu sinto muito. Você tem sido um grande amigo, paciente, alguém além do limite de sua compreensão comigo. Mas não posso continuar...

-O que quer dizer?- ele perguntou mesmo sabendo onde ela queria chegar.

Simon queria se antecipar com uma desculpa para evitar que Luna terminasse com ele, mas pela forma como ela estar, o moreno sabe que isso só irá piorar as coisas para o seu lado.

-Estou dizendo que não quero ficar mantendo um rotulo de um relacionamento que não existe mais desde quando acordei do acidente. Você é legal e gosto de você, mas como um amigo... Não tenho desejo de te beijar e outras coisas que namorados fazem... E ainda que me esforce, mesmo assim não consigo. Eu sinto muito, mas não quero continuar a namora com alguém só pelo nome, quando também não quero namorar pra valer.

-Luna não... Eu amo você e se tentarmos pode dar certo. E quando recuperar a memória nada irá mudar...

-Simón, já mudou. – ela o interrompeu tirando a mão do moreno de seu rosto e se afastando. – Seja o que foi que senti por você antes do acidente, isso ficou para trás... Não sinto mais.

Ele nega.

-Não... Eu posso te reconquistar. Só me de uma chance.

Luna nega dirigindo a ele um sorriso desanimado.

-Não vou impedi-lo que tente, mas não dessa forma mantendo uma relação que não estou bem com ela. Terá que fazer separados... E diminuir um pouco nossos encontros como amigos...

-O que? Você quer acabar com a nossa amizade também? – ele perguntou começando a ficar desesperado.

Sinceramente para Luna, se dependesse dela escolheria acabar com a amizade também, mas não poderia fazer porque não sabia a proporção da ligação em que a antiga Luna possuía com o moreno, mas ainda sim queria espaço e não abriria mão mesmo em nome de uma amizade antiga.

-Não estou acabando com nossa amizade, eu só quero que as coisas não seja como estão. Você me ligando vinte quatro horas por dia, ou ficando o dia todo na minha casa monitorando se eu respiro, sempre se fazendo presente em tudo... É sufocante. Pelo menos vamos limitar um pouco as coisas, como uma ligação, uma mensagem de bom dia ou boa noite... Se tiver que sairmos, saímos em conjuntos com outras pessoas, e nada de encontro como casal...

-Mas assim ficará difícil de ter uma chance de te reconquistar. – ele reclama.

-Simón, não vou mudar de ideia... Se quiser me reconquistar, vai ter que conquistar aos poucos... Eu só quero recomeçar, mas sem pressão de nada... Não tenho esperança de que irei voltar a lembrar, e se acontecer menos mal, e se não, não vou me prender a tudo que tinha antes com medo de fazer coisas novas... Me desculpa, mas não dá mais para ficar assim. – ela respira fundo vendo uma lágrima escorrer do rosto do moreno.

Não queria magoa-lo, mas não tinha outra maneira de fazer o que seu coração mandava sem ser sincera... Poderia está até sendo egoísta, mas por conta disso permitiu que Simón pudesse tentar reconquistá-la.

Ela se aproxima limpando a lágrima do rosto dele e dando um beijo no mesmo lugar. Em seguida se afasta olhando em seus olhos.

-Sinto muito.

-Tudo bem... – Simón disse controlando a vontade de chorar, pois via que de alguma maneira estar perdendo a mulher que ama. – Vou respeitar a sua vontade, mas quero que saiba que pode contar comigo para o que precisar. Não hesite em me ligar se precisar de um ombro amigo...

Luna sorri fracamente e responde.

-Pode deixar. Nos vemos por ai...- garantiu dando outro beijo no rosto dele  e se afasta caminhando para o outro lado da rua indicando que estava indo para casa desistindo do cinema.

Simón ficou ali parado olhando Luna ir embora. Naquele momento o seu coração sangrava pela dor por ver que a Luna por quem se apaixonou não está mais no corpo da garota que acabara de romper com ele. Mas ainda sim não iria desistir de reconquistá-la... Faria de tudo para que essa Luna lhe amasse ainda mais como um dia amou. Se foi o cara perfeito antes, agora seria ainda mais perfeito para ela.  E mesmo com esse rompimento, ele deixaria claro para uma determinada pessoa que nada mudou, e que continuasse a manter afastado dela.


Notas Finais


Chica delivery ! Amo Matteo falando assim... ( mil coraçõeszinhos pro meu amor) Quero ser sua chica delivery... Te entrego amor, carinho, roupa limpa, cama quentinha, comida ( de de vários sentidos) - TÁ PAREI ! kkkk
Sitonto levou pé na bunda, na bunda, bunda, bunda, bunda... O que vocês acharam amores? Comentem *--* Bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...