História Teach me how to love - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Fluffy, Incesto, Lemon, Yaoi
Visualizações 94
Palavras 1.074
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Slash, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 33 - Entre 4 paredes...


Sem responder nada, Mark apenas apertou ainda mais o pequeno corpo contra o seu. Ethan ficou muito mais corado quando decidiu fazer uma coisa. Sentou-se no colo de Mark de forma que seu membro ficasse exatamente em cima do membro do mais velho, então, Ethan os forçou um contra o outro, numa leve rebolada.

Mark olhava para o pequeno, extasiado, não acreditando direito que seu pequeno realmente tinha tido essa atitude. Isso o provocava tanto...

Ethan lançou seus bracinhos ao redor do pescoço do mais velho, e aproximou sua boca ali. Timidamente, deu leves mordidinhas no pescoço do mais velho. Vendo que Mark se arrepiava com isso, tentou algo mais ousado. O pequeno deslizou sua língua desde o ombro até a orelha do maior, puxando seu lóbulo com os lábios em seguida.

Agora todo o corpo de Mark estava arrepiado. Ethan podia sentir algo crescendo e endurecendo onde estava sentado. Se Mark estava gostando de sua orelha sendo explorada daquela forma, Ethan estava ainda mais. Por isso o baixinho passava sua língua em toda a extremidade da orelha de Mark.

O maior, por sua vez, foi colocando sua mão por dentro da blusa do menor, deslizando seus dedos pela pele macia das costas do outro. Mark sabia que isso o arrepiava inteiro. Com a mão posicionada bem no centro das costas alheias, Mark o puxou ainda mais, colando completamente seus corpos, o que fez com que seus membros se pressionassem ainda mais um contra o outro. Os dois já estavam rígidos.

Mark fez uma coisa que Ethan ainda não tinha arriscado fazer, algo que Mark considerava certo se só ele fizesse no menor. Os chupões no pescoço. O tatuado se sentia um verdadeiro vampiro nessas horas. A necessidade de causar certa dor no pescoçinho do outro, de deixar marca, como que dizendo que Ethan tinha dono... Isso os enlouquecia.

Enquanto fazia isso, Mark levou sua mão até as nádegas do outro, que estavam bem coladas em suas coxas, por isso foi preciso levantá-las, para que pudesse acariciá-las. Fazer isso por cima da calça já não era mais suficiente. Mark teve que colocar sua mão por dentro da cueca do pequeno. Ao encostar naquela pele macia que tanto adorava, apertou. Apertou e içou tão forte que Ethan gemeu.

Estava acabado. O gemido do pequeno era sempre a gota d’água.

Apertando a bunda de Ethan mais e mais, e forçando seu pequeno corpo de encontro ao seu com força cada vez maior, as mordidas no pescoço do pequeno iam ficando mais fortes também. Estavam ofegantes. Ethan sentia dor, mas o prazer era ainda maior. A pele alva do pequeno estava já vermelha em cada lugar que Mark apertava.

O maior jogou Ethan na cama, com cuidado, e retirou sua calça e cueca, deixando à mostra o pequeno membro do asiático agora bem rígido. Ethan o escondeu entre as mãos. O bumbum do menor estava tão vermelho quanto suas bochechas.

Mark tirou suas próprias roupas e de deitou sobre o pequeno corpo, tirando sua blusa.

Agora estavam completamente nus.

O maior ergueu as mãos do outro, deixando-as apoiadas na cama acima de sua cabeça, e entrelaçou seus dedos aos dele.

Ethan estava vulnerável, incapaz de se mexer. Mark se aproveitou disso para atacar livremente o pescoço do menor, dando chupões, mordidas, beijos e lambidas, e descendo até seu peito.

Os mamilos rosados de Ethan estavam rígidos também. Uma onda de arrepios tomou conta do pequeno quando Mark os chupou.

Sem usar as mãos, que ainda seguravam as do menor, apenas com os movimentos das pernas e coxas torneadas, Mark conseguiu dobrar os joelhos do pequeno, posicionando sua entrada de encontro ao seu membro.

Com muito cuidado, Mark foi adentrando o interior do outro.

-M-Mark... Es... espere... eu...

-Bebê, to te machucando? – o maior parou o que estava fazendo e perguntou preocupado.

-Não... é só que... -O pequeno fez uma pausa, olhou nos olhos do mais velho e por fim disse –Hoje você pode fazer o que quiser comigo...

Mark ficou o encarando alguns segundos, surpreso. Seu tesão naquele momento alcançou o nível extremo.

O mais velho envolveu os corpos bem apertado, e assim, parecendo que se fundiam, começou as estocadas no menor, ao mesmo tempo que apertava com toda a força o bumbum de Ethan e o beijava com intensidade.

O pequeno sentia o membro do outro alcançar seu ponto mais sensível, Mark estava indo tão fundo que doía, mas o desejo era muito maior. Ethan gemia entre os beijos, lhes faltava ar.

O baixinho abriu a boca, sem conseguir respirar, e mordeu com força o pescoço do maior, anunciando o orgasmo.

Mark, por sua vez, afundou a cabeça no ombro do menor, deixando a saliva que escorria de sua boca na pele do pequeno, quando enfim sentiu seu líquido ser jorrado dentro de seu amado.

 

[...]

 

 

Só no final da tarde, quando faltava apenas uma hora para os pais de Zoe retornarem, ela tomou coragem e foi até o quarto. Prestou atenção, tentando saber se os dois já tinham acabado a festa ou não. Silêncio. “com certeza acabaram, pela hora que estão lá dentro... Ethan não aguentaria tanto...”

Cuidadosamente, a garota abriu a porta. A cena que viu fez seu coração se desmanchar.

Estavam os dois de conchinha. Mas Mark envolvia o corpo de pequeno de forma tão protetora que Zoe teve vontade de abraçar qualquer coisa que estivesse na sua frente.

A garota se dirigiu até onde Ethan dormia, e o acordou delicadamente.

-Ethan, acorde... vocês precisam se arrumar, meus pais estão pra chegar.

Ainda sonolento, Ethan ergueu a cabeça e assentiu.

Zoe ia saindo do quarto enquanto Ethan acordava o mais velho, dando-lhe incontáveis beijos.

 

[...]

 

-amanhã venho te buscar para irmos no parque, ok? – Indagou Mark, de saída.

Ethan assentiu. Se despediu do outro e ia fechando a porta, mas se deteve.

-Mark! – o pequeno chamou. Ethan correu ao encontro do mais velho, que estava quase na calçada já. Se lançou em seu colo, segurou a nuca do maior e o beijou, um tanto desesperado, pois sabia que tinha que aproveitar aquilo, já que só veria o outro no dia seguinte.

Não era de seu feitio tomar o controle na hora de beijar, mas era Ethan quem buscava a língua do outro e a entrelaçava na sua. Dessa vez foi Ethan quem deu o último selinho.

Mark deu uma leve mordiscada nas bochechas coradas do pequeno em seu colo, arrancando-lhe gargalhadas de cócegas. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...