História Teach me love - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers, Eldarya
Tags Drama, Nevra, Romance
Visualizações 50
Palavras 1.762
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente lê esse troço aqui é importante!

Oiii gente, tudo bom?
Eu espero que sim, comigo tá tudo bem.

Eu queria saber, se vocês vão querer que eu escreva um capitulo de como foi a missão da Courtnney com o Valkyon?Se vcs querem comentem aí para mim saber, porque se não não irei fazer.

Também queria saber quem vai ser o paquera da história, o Nevra, o Shu ou o Subaru, mas acho que dá para resolver isso uns capítulos mais para frente, mas de qualquer maneira comentem com quem vocês querem que ela fique.

Eu também queria agradecer aos leiores: ~Kummoe_Nikki, ~RapGirls2, ~megurigurin, ~MrLeitchinha, ~Twitteira, ~EveTsukinami, ~Mineka-, ~Sakura1301, ~Blackcanaryz, ~YIN-e-YANG por terem favoritado a história fiquei super feliz!

Bem é só isso vamos para a história!

Boa Leitura!

Capítulo 7 - Capitulo Sete


Depois do “banho” se é que posso chamar assim, já que basicamente só nós molhamos e saímos, nós trocamos desta vez com maior privacidade chamada cortina que ficou entre nós para nos trocarmos em paz, eu coloquei um lingerie preta e uma camisa do Nevra que em mim parecia um vestido curto, para depois podermos finalmente dormir o que eu até faria mais rápido se Nevra não tivesse insistido em me abraçar.

No outro dia acordo com Nevra acordado em cima de mim, com nossos rostos bem próximos percebendo isso eu coro um pouco, mas rapidamente o empurro e ele sai de cima de mim. Me sento na cama e o olho para os pés da mesma enxergando ali um shorts preto e uma regata também preta, mas logo sou puxada pela corrente para fora da cama por Nevra.

Coloque essas roupas que estão em cima da cama. – Diz Nevra se trocando

Tá – Respondo e me troco virada de costas para ele.

Vamos tenho que pegar uns relatórios de missão, passar missões e treinar meus membros das guardas. – Diz ele me puxando para fora do quarto.

Saímos  de seu quarto e andamos até o refeitório e Nevra pega uma maçã para si e me oferece outra cujo aceito de bom grado, afinal quem não ama uma maçã! Depois de comer a maçã ainda de pé o mesmo começa a fazer suas atividades normalmente me ignorando sempre que possível, o que eu admito que me deixou um pouquinho triste. Tá não foi tão pouquinho! Mas passamos a  manhã em função de relatórios de missão e passar missão deixando o treino para a tarde.

No horário de almoço fomos para as mesas dos chefes, e o Nevra repartiu sua refeição comigo sem quase nem reclamar que iria ficar com fome depois. Hoje a mesa dos chefes estava mais vazia, só que não estava que nem da última vez a diferença era que a Hev não tinha chegado e a Court estava em sua mesa habitual. Assim que percebo que ela olha para cá faço sinal de que preciso falar com ela e a mesma entende e vem até a mesa sentando-se ao meu lado.

Eu queria pedir para ela um pouco de sangue, pois estou ficando fraca demais para conseguir fugir, sem contar que eu geralmente bebo sangue três vezes na semana e ainda não bebi nenhuma, para conseguir fazer o que eu quero pego um papel da plaqueta de Nevra e rasgo um pedacinho, então pego sua pena e escrevo em Inglês não em latim que é a proposito a língua daqui:

 

L: Estou fraca, gostaria de lhe pedir uma coisa bem pessoal, por assim dizer

C: O que é?

L: É que eu não te contei, mas eu sou uma vampira e preciso tomar um pouco de sangue pois estou bem fraca, você poderia me dar uma pouco?

 

Assim que entrego o papel e ela lê, ela leva um susto e tapa a boca evitando um grito e me olhando assustada fazendo todos me olharem também a diferença é que me encaram de modo estranho.

O que você fez? – Pergunta Valkyon

Eu não fiz nada errado. – Digo fazendo biquinho

Court o que ela lhe fez? – Pergunta Nevra

N-nada. – Diz

Serio? – Indaga novamente

Tá bom eu só respondi uma coisa que ela perguntou sobre você. – Respondo Nevra inventando uma mentira qualquer.

Ah e que pergunta era? – Indaga curioso

De que raça você era. – Respondo curta

Ah era só isso? – Ele pergunta a Court que assente – Não se preocupe só mordo quem deixa.

Dito isso todos voltam a olhar a Courtnney e eu faço sinal para ela me responder e ela assente.

Gente eu preciso muito ir ao banheiro poderiam me desacorrentar para mim ir? – Pergunto a eles

Eu posso leva-la. – Court se oferece

Hum pode ser, mas depois ela fica com o Nevra de novo e ele vai junto. – Diz Miko

Dito isso Nevra, eu e a Courtnney fomos ao banheiro, quando chegamos Nevra ficou na porta e nós duas entramos no banheiro e depois em uma cabine mais espaçosa que cabia nós duas.

Court, não precisa fazer isso se não quiser. – Digo a ela

Não... tudo bem... – Diz Courtnney

Assim que ela concorda me aproximo de seu colo (N/A o colo é um pouquinho acima do seio eu acho) em um lugar em que a blusa tapa já que ninguém pode ver e o descubro logo em seguida mordendo-o o mais leve possível para não doer muito e não lhe escapar muitos gemidos de dor. Tomo uma quantidade razoável de sangue para não a deixar muito fraca e me saciar e retiro minhas presas de sua pele fazendo escorrer umas gotas que rapidamente as lambo fazendo ela se arrepiar toda.

Obrigado aproposito seu sangue é uma delícia... – Agradeço a ela pelo sangue

De nada, mas só para ti saber dói para caralho. – Diz ela - Vamos?

Sim só me deixa usar o banheiro direito. – Respondo

Depois de realmente usar o banheiro saímos juntas ao encontro de um Nevra bem impaciente na porta.

Finalmente! – Diz Nevra

Calma nem demorou muito... – Digo

Tá tá vamos trocar essas correntes logo... – Resmunga pegando as correntes e colocando as em si mesmo. – Vamos temos que fazer muitas coisas.

Ok, tchau Court! – Digo indo junto a Nevra realizar suas tarefas.

 

~~~~~~Quebra tempo~~~~~~

 

Depois de passar meia tarde vendo as coisas das missões e coisas do gênero chegou a hora dos treinamentos, a hora em minha opinião mais divertida, pois ficar mexendo com papéis é mó chato!

Chegamos em uma sala de treinamento que nem a da minha casa só que mais ampla, vou explicar como era, era uma sala com as paredes cinzas, que continha um ringue com algumas armas e uns sacos de pancada, a sala dava vista por uma janela à uma sala parecida só que cheia de alvos e arcos. Entramos na sala já com todos os membros mais novos da Sombra em fila um ao lado do outro de postura reta, assim que entramos todos me olham, deve ser estranho ter uma garota amarrada ao seu chefe indo junto para o treinamento creio eu.

Bom hoje o treinamento será bem simples quero que formem duplas para fazer o combate com espadas e aprenderem a desarmar um ao outro, eu irei primeiro para demonstrar. – Diz ele até ser interrompido por mim

Comigo né? – Pergunto o interrompendo

O que?! Não eu irei com algum dos meus alunos e você vai ficar amarrada ali na grade. – Diz ele

Ohhh ‘tá com medinho de perder para uma prisioneira? – Provoco-o

Não quero machucar você e assim que eu retirar a corrente você irá fugir. – Responde-me

Eu juro que não fujo ou vai mesmo amarelar? – Pergunto

Tsc... – Diz ele – ‘Tá bom mas se você fugir quando a pegarmos de novo será pior. – Diz ele me levando para o Ringue, desamarrando a corrente e retirando sua capa.

Aquém tem um prendedor de cabelo? – Indago aos alunos e uma garota me joga uma fita que a uso para prender meu cabelo em um rabo de cavalo. – Pronto Nevra? – Indago e ele assente com sua espada em mãos e eu também pego uma.

Assim nós dois ficamos se olhando um paro o outro esperando o outro abrir uma brecha para atacar, ficamos um tempinho assim até que eu canço ergo a espada e vou para cima dele, ele faz o mesmo e nossas espadas batem produzindo um estrondo, mas continuamos firmes não dando tempo para o outro sair de perto e dar uma pausa.

Ficamos lutando por um tempo até que Nevra consegue me desarmar, dorga! O mesmo me desarma e minha espada para atrás dele que vem se aproximando de mim cada vez mais, mas quando ele está quase em cima de mim quase ganhando eu dou um grito bem alto e ele me olha assustado o que me dá tempo para sair dali e pegar minha espada de novo. Ficamos assim de novo mais um tempo até que dessa vez eu o desarmo e passo uma rasteira nele me fazendo ganhar.

E aí fui bem? – Pergunto a Nevra  e escuto uns risinhos

Odeio admitir isso, mas foi. – Responde – Bem espero que todos tenham prestado a atenção em como se desarma seu oponente, pois não irei repetir. – Diz ele aos seus subordinados.

Depois da luta com espadas de Nevra e minha, os subordinados formaram suas duplas e batalharam, o que em minha opinião teve um desempenho melhor foi um loiro de pele meio morena bem gato, acho que o nome dele era Maxuel alguma coisa assim. Assim que todas as lutas acabaram eles tiveram mais um treinamento de rastreamento só que lá fora, o Nevra não me deixou ajuda-lo e me deixou acorrentada em uma pilastra e foi passar os comandos, hora perfeita para fugir...

Resolvo quebrar a corrente o que como eu estava forte de ter me alimentado com a Courtnney hoje foi bem fácil, mas assim que vou fugir resolvo ficar.

Eu acho que se eu não fugir tendo a chance pela segunda vez eles irão confiar mais em mim e eu poderei ajuda-los a encontrar os cristais para depois ser livre! E além do mais quem sabe os faço mudar de ideia sobre meu irmão e eu...

Depois de uns 10 minutos o Nevra volta e me vê encostada na pilastra.

Oii – Digo a ele – Demorou! – Falo e faço biquinho

Me ama tanto que não pode mais ficar longe de mim? – Indaga sorrindo galanteadoramente e eu coro um pouquinho.

N-não – Digo gaguejando droga! – É que não se deve deixar um prisioneiro tanto tempo sem prestar a atenção, ele pode fugir. – Digo balançando a corrente/algema com mão direita.

O que?! – Pergunta ele espantado – E porque não fugiu? – Indaga se aproximando cada vez mai.

Eu não fugi porque: primeiro ‘to cansada para caralho, segundo eu queria ver sua cara e terceiro aqui até que é bem legal. – Digo a ele que me olha mais surpreso

Então está gostando de ficar aqui? – Indaga o vampiro

Sim. – Respondo curta – Agora podíamos falar com a Miko antes do banho porque eu queria dizer umas coisas a ela.

Ok – Responde me puxando pelo braço delicadamente até a sala do cristal a onde a Miko quase sempre está.

Chegamos lá e a mesma estava conversando com o Leiftan, a Hev e o Ezrael já que o Valkyon e a Courtnney saíram essa tarde para a missão deles, assim que entramos Miko me encara surpresa por mim estar sem a corrente que me prendia com o Nevra, está na hora de dizer umas verdades para a Kitsune.


Notas Finais


Obrigada por lerem!
Desculpe por qualquer erro, e se puderem leiam as notas do autor é bem importante!

Beijinhos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...