História Techno Mutants: A Invasão Kaleniana - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias As Tartarugas Ninja, Caminhos do Coração, Comando Estelar Flashman (Choushinsei Flashman), Hikari Sentai Maskman (Esquadrão da Luz Maskman), Transformers
Personagens Akira (Blue Mask), Anton "Bebop" Zeck, April O'Neil, Baxter Stockman, Bulkhead, Bumblebee, Chris "Dogpound" Bradford, Donatello, Hamato "Karai" Miwa, Hamato "Mestre Splinter" Yoshi, Jazz, Keiko (Pink Mask), Kenta (Black Mask), Kirby O'Neil, Leonardo, Megatron, Michelangelo, Optimus Prime, Oroku "Destruidor" Saki, Personagens Originais, Prowl, Raphael, Ratchet, Samira Mayer, Sayaka (Yellow Mask), Stasrcream, Takeo (Red Mask)
Exibições 13
Palavras 2.084
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mecha, Policial, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Super Sentai, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oooi pessoal como estão? Desculpa pelo horário do post, mas aqui está o capítulo de hoje. Espero que gostem.
Boa leitura!

Capítulo 23 - De Volta ao Atrium


O leitor com certeza deve-se lembrar do Shopping Atrium, o grande centro comercial na qual teve seus prédios derrubados pelo Starscream naquele incidente infeliz com os Autobots. Pois bem, se passou meses depois daquilo e as obras para levantar os três prédios continuam a todo o vapor. Apesar da crise, mesmo ainda sem terminar o shopping tem bastante visitantes.

O local está bem diferente do que anteriormente. Agora os prédios ficam em volta de uma pequena praça de alimentação que foi construída no lugar do prédio do meio, pivô da queda dos outros dois. Agora os prédios ficam assim: dois ao lado da praça e uma atrás dela, deixando uma parte para a entrada. E desta vez o molde dos edifícios era quadrados e não redondos, como os antigos.

Agora, conhecemos um pouco melhor a praça de alimentação. Ela era um lugar muito colorido e bonito. Ao meio, tinha uma linda fonte que ejetava a mais pura das águas da selva de pedra. Era um grande quadrado com pequenos quadradinhos, formando uma pequena depressão acessível a escadas. Ao lado da primeira parte, ficava as melhores lojas dos prédios, e na parte de baixo ficava a fonte e os restaurantes.

Nota-se também as bandeiras de diversas nações estiradas na parte inferior e exterior do prédio. As bandeiras em especifico era nesta ordem da esquerda para direita: Brasil, Japão, Itália, Reino Unido, Estados Unidos e da União Europeia. Aquilo era na verdade, os países que contribuíram para o Atrium ao longo das décadas e como agradecimento, o atual dono Merlin Pontes deixava a bandeira do país estirada na frente para que todos possam ver.

O lugar estava bem cheio. Era de tarde e este, o período com mais pessoas por lá, não poderia faltar convidadas ilustres. Acho que vocês já sabem de quem eu me refiro. As felinas. Quem seria mais? Elas estão fugidas e precisam rapidamente se esconder. Este, não foi o melhor lugar escolhido por Fuumin mas servia para elas relaxarem um pouco já que ambas estavam sedentas por carne humana.

– Acho que está tudo limpo. – Diz Fuumin espionando sobre uma pequena entrada que os visitantes poderiam acessar. Uma espécie de segunda entrada.

– Ótimo. Vamos sair daqui. – Diz Igan se afastando das duas e começando a descer as escadas – Eu já tive um dia ruim demais para aguentar mais soldados incompetentes na minha cola.

– Escuta aqui Igan. – Disse Ahames agarrando o braço de Igan e a puxando para si – Acho que já se divertiu muito causando confusão. Quando é que você irá cumprir com o trato que fez comigo? Eu não pretendo ficar por muito tempo nesse grupinho de psicóticas.

– Primeiramente, me solte. – Ahames a soltou, mesmo não querendo – O nosso trato ainda está valendo. Só peço que tenha tempo. Nós iremos encontrar esses tais de Changeman. Antes, vamos caçar os Maskman. Tudo que eu mais quero é olhar para a cara do Takeo e tirar da boca dele a localização da minha irmã.

– Eu também perdi aqueles que eu amo. Eu perdi a minha estrela e depois fiquei 30 anos congelada. Acha que para mim também não é um sufoco? Eu não posso mais recuperar o meu império. Por ser a mais poderosa e também rainha, era EU que deveria controlar este grupo. A princesa é só segundo comando. Por sua culpa agora eu tenho que comer carne de humanos senão eu posso morrer. Não era isso que eu imaginava a minha vida. Sem planeta, sem ninguém e dependendo de humanos para viver.

– Preste atenção Ahames. Quem está no comando sou eu. Não interessa se você é rainha e eu princesa. Neste grupo a líder sou eu. Agora, se você quiser ir embora pode ir. O problema é todo seu. A não ser que queira ficar e ajudar em meu mais novo plano.

Ahames não tinha escolha. Ela não tinha para onde ir e Igan sabia disso. Então, a ex-rainha “jogou sua coroa fora” assentindo que iria ficar. Essa com certeza foi uma das decisões mais difíceis que ela já tomou. Depois de muitos anos sendo uma rainha, agora teria que se redimir para uma simples princesa que nem faz parte de seu mundo e carregar para sempre a mutação de felino.

Tendo que abaixar sua cabeça para Igan, a princesa começa a dizer seus planos para tentar conquistar a cidade. Sim. Esse era o plano mestre de Igan. Conquistar toda a cidade e depois procurar sua irmã. Mas claro. Ela teria o apoio de suas subordinadas. Então, ela começa a explicar o plano para as duas.

– Fuumin. Você já tem conhecimento sobre o meu plano, não é?

– Sim, minha senhora.

– Ótimo. Aqui será o Marco Zero para começarmos tudo. Depois do ataque daqueles seres, a cidade ficou enfraquecida e os humanos nem tem para onde ir. Nós nos aproveitamos disto para caçar nossas presas. Mas agora chega! Esses humanos precisam ver que quem manda agora são os mutantes. E não será esse DEPECOM que irá nos impedir. Podemos começar agora mesmo.

– Mas senhora Igan... não acha perigoso nós irmos atacando assim?

– Ela tem razão Igan. – Diz Ahames concordando com Fuumin – Não podemos atacar deste jeito. Temos que planejar nossa estratégia primeiro para depois sim atacar. Começar uma rebelião só irá atrair os olhos cobiçados do DEPECOM até aqui. E eu não quero virar uma fugida.

– Owww. Desculpe se você ainda não sabe querida Ahames. NÓS SOMOS MUTANTES! – Grita Igan para todos poderem ouvir. As pessoas que estavam lá já começaram a ter seus olhares fixados para o grupo de felinas – Somos perseguidas pelo que somos. Não irá mudar isso.

– Senhora Igan... acho melhor a senhora não gritar muito alto... – Diz Fuumin um pouco constrangida.

– Você está atraindo o olhar dos humanos para nós sua louca. – Diz Ahames novamente segurando forte o braço de Igan – Eu sabia que você não era confiável.

– Sua ingrata! Fui eu que te libertei daquele lugar cheio de escombros que você estava congelada. Se não fosse por min, ainda estaria congelada e sozinha.

– Pois agora eu digo que preferia ter adormecido por toda a eternidade para nunca ser acordada por vocês e me tornar, essa criatura horrenda e rebaixada como eu.

– SUA MALDITA! – Igan com muita raiva pega o seu bastão e o levanta para cima. De sua ponta, saiu feixes de raios de cor amarela que atingiram o chão. Um deles atingiu Ahames. Os raios quando tocaram ao chão rapidamente criaram fumaças e feixes de explosão. As pessoas que estavam lá já começam a correr para um lugar seguro. E alguns, claro, já chamavam o DEPECOM. Mas nem precisava. Eles já estavam vindo.

Ahames foi parar do outro lado, batendo suas costas no concreto ao lado da entrada onde elas vieram. Mas parece que não havia acontecido nada com a rainha. Ela se levanta e caminha como se nada tivesse acontecido. Igan ficou impressionada por ela não ter sofrido nada. Nem um sequer arranhão.

– Como... você não sofreu nada! – Exclamava – Como você conseguiu isso?

Ahames tentou explicar para Igan o que ocorria com o seu corpo, mas no momento o DEPECOM já havia chegado e apontava diversas armas para elas. Quem estavam no comando eram Fredo, Marta e Adolfo. Parece que os outros não estão disponíveis no momento. Atrás dos três estava mais soldados juntamente com inúmeros carros da corporação prontos para prender as mutantes. As três olham para a sua frente e veem os soldados apontando as armas. Atrás deles, exatamente na outra rua estava a igreja da cidade que badalava mostrando que mais uma hora havia chegado. Só que essa era a hora da morte.

– MUTANTES! – Gritava Fredo lá de cima, já que Igan e Fuumin estavam embaixo e Ahames em cima, olhando para elas – É MELHOR VOCÊS SE RENDEREM, SENÃO IREMOS ABRIR FOGO. E EU NÃO ESTOU BLEFANDO.

– Vocês de novo. ­– Diz Igan – Não se cansam de perseguir os outros assim? Parecem até os malditos dos Maskman. Irritantes como eles.

– Os Maskman são uma piada. – Diz Fredo – Assim como o grupinho nojento de mutantes no qual eles fazem parte. Mas chega! Eu não quero mais saber de suas conversinhas. Se entreguem ou senão abriremos fogo.

Ahames já não estava aguentando mais aquela conversa de Igan com Fredo. Até que na sua frente, a rainha avista uma cena que poderia ser sua salvação de ser presa, já que todo o complexo está cercado pelos policiais. Quem estava saindo do prédio bem onde Ahames estava perto, era o dono de todo o local Merlin Pontes.

Ahames viu uma grande oportunidade de acabar com tudo isso de uma vez. Ela deu um grande salto e agarrou Merlin, segurando seu pescoço com o braço e apontando suas unhas que haviam crescido por conta da mutação. Ela apontava direto para o rosto dele, além de ter deixado o homem imóvel.

Todos a volta perceberam, pois ele havia gritado quando Ahames lhe deu o golpe. Igan e Fuumin correram para perto dela e logo também ameaçaram de fazer algo com o homem. O pessoal do DEPECOM avançou para cima do grupo e logo pararam quando Ahames ameaçou arranhar o rosto de Merlin.

– Melhor vocês pararem agora mesmo. – Ameaça Ahames – Ou eu arranho todo o rosto dele até chegar no seu pescoço. E aí vocês sabem o que acontece.

Fredo não aceitou aquilo. Ele então, em um ato de fúria acabou pegando sua arma e atirando contra Ahames. O tiro acertou o seu braço, passando de raspão. No momento do tiro, ela solta Merlin que rola andar abaixo até parar batendo suas costas sobre a proteção que cobria a fonte de alguns infortúnios. Um pouco ferido, mas não muito, ele só ficou observando.

Então, começa uma pequena luta entre os três principais soldados do DEPECOM com as felinas. Começando por Igan e Adolfo. Os dois foram lutar na parte de baixo, onde Merlin estava caído. Como Adolfo não tinha nenhuma arma, ele usava habilidades que aprendeu nos treinos do DEPECOM. E ele estava se saindo bem contra Igan.

– Por sua culpa mutante, eu acabei levando uma bronca do Fredo.

– Hah. Você se enamora por uma felina e eu levo a culpa?

– Você que me seduziu. Eu conheço muito bem mulheres como você.

– Que ótimo. Então já sabe como elas são.

Igan em um momento de distração de Adolfo o arremessa direto para a fonte usando os raios amarelados que saem de seu bastão. Ele cai com tudo na fonte, cortando a proteção que ela tinha. Ele acaba se molhando todo por conta disso e logo Igan o abandona para ajudar Fuumin com Marta.

E em outra parte, Ahames lutava – ou tentava – com Fredo. Como havia levado um tiro de raspão no braço acabou perdendo suas forças não conseguindo levantar desde então. E por aí que Fredo resolveu se aproveitar já que a mesma não consegue se levantar.

– Adeus mutante! Faça uma boa viagem... para o inferno.

Fredo então, se prepara para atirar, mas algo o interrompe. Alguma coisa atingiu sua arma e a tirou de suas mãos. Logo em seguida, ele sentiu o gosto da sola do sapato de Fuumin que fez isso só para não ter uma companheira mutante sendo morta por um crápula. Depois disso, ela segurou Ahames e a levou para perto de Igan. E aproveitando que os soldados se afastaram um pouco, elas fugiram para outro lugar, assim conseguiriam cuidar dos ferimentos de Ahames sem menores problemas.

Fredo se levanta e se dá conta que as felinas fugiram. Ele dá um belo rugido de raiva por não ter conseguido pegá-las. Merlin parecia bem. Apesar de sentir fortes dores nas costas e peito, ele conseguiu se levantar e ir até o grupo e principalmente falar com Fredo sobre sua atitude... insustentável.

– Doutor Fredo... o senhor sabe que eu... gosto destes seres. Não igual elas que são verdadeiros monstros. Mas sua atitude foi lamentável. Você... poderia ter me acertado.

– Ele tem razão Fredo. Que ideia é essa de atirar assim? – Questiona Marta.

– Mas te acertou? Não. Então acabou o assunto.

– Acabou o assunto? – Questiona Merlin – Bem que aquele garoto robô o tal de Optimus me disse aquele dia quando os primeiros prédios caíram. O senhor é um monstro. Isto só está começando. Eu... vou leva-lo a corregedoria e verá o que é bom para tosse.

– Pode levar. Eu não tenho medo de ameaças de um dono de shopping.

– Chega Fredo. Vamos embora.

E assim o DEPECOM saiu de lá para voltar ao QG. Parece que Fredo começa a sofrer pressão por seus comportamentos. Será que ele irá mudar?


Notas Finais


Alguém lembra do Atrium? Exato, daquele episódio explosivo do segundo livro. Ele está de volta e já teve treta.
Ahames levou um tiro e acabou sendo levada. Sorte que ela não morreu jeje.
Ixiiiiiii gente. Fredo já começou a perder sua "soberania". O que será que irá ocorrer nos próximos capítulos?
Obrigada a todos que curtiram. Obrigada pelo comentário e fiquem com os deuses.
Bjs da tia Raffy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...