História Complicações Adolescentes - 1° temporada - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Contos, Drama, Escola, Fanfic, Ficção, Ficçãogeral, Juvenil, Lésbica, Mistério, Popular, Romance, Selenagomez, Suspense, Teen
Exibições 0
Palavras 2.836
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Décimo segundo episódio.

Capítulo 12 - Frustração (Deception)


Fanfic / Fanfiction Complicações Adolescentes - 1° temporada - Capítulo 12 - Frustração (Deception)

Lívia (narração): "Se frustrar é um defeito ou uma qualidade que nós temos? Bem, eu não sei dizer. Eu sempre tive mania de me frustrar com tudo. Me frustrei com algumas coisas inúteis até. Mas que me serviram de lição pra que eu voltasse lá, e fizesse algo novo. Existe frustração em todo o lugar: numa amizade, num namoro, na criação... Enfim, às vezes não somos capazes de lidar com ela... Mas, ela sempre vêm".

Kezya já estava acordando... Falava pouco e ainda estava se recuperando. Mas Leo não teve a mesma sorte. Ele entrou em coma devido à intoxicação e ele teve uma convulsão e duas paradas cardíacas durante a operação. Não sei se Kezya ouviu o que a dra. Alexia disse, mas se ouviu, deve ter doído muito pra ela.

Estávamos no quarto, esperando que Kezya acordasse e Leo melhorasse.

Vivian: E o meu irmão, doutora? Como ele está?

Alexia: Bem, Vivian, sinto muito em informar, mas como eu disse... Não somos capazes de prever ou controlar um coma. Ele pode ficar mais algumas horas, alguns dias dormindo... Ou podem se passar meses...

Vivian era a única irmã que ainda se importava com Leo. Ela estava frágil e abalada com o que viu. Ela foi amparada por Lilian e Paul, estava muito nervosa ainda... Eles levaram ela para casa.

Quando todos saíram, fiquei sozinha com Kezya. Segurei na mão dela e beijei.

Lívia: Amiga, acorda logo. Não posso ficar aqui esperando você sair do sono de beleza, né. - Olho pra ela, na tentativa de ver se ela acorda. Mas ela continua na mesma. - Bem, já que não vai acordar, só quero dizer que você é minha melhor amiga. Obrigada por ter sobrevivido e não ter me deixado sozinha aqui. Valeu, mesmo. Depois volto pra te visitar. - Beijo novamente a mão dela e saio do quarto. O quarto de Kezya era grande, tanto que ela e Leo estavam lado a lado, um do lado esquerdo do quarto e o outro do lado direito. Passo por uma pequena sala, e ouço as vozes de Jeff e April.

Jeff: April, chega. Você não conhece a garota.

April: Conheço sim. Ela entrou na minha antiga sala pouco antes de eu sair. Logo vi ela se atirando pra cima do David.

Jeff: Ai, ai, April, você não aprende né. Será que eu vou ter que desenhar que o David não namora mais com você desde o início da década?

April: Ele pode não namorar mais comigo, mas ele ainda pensa em mim. Eu fui a única que fiz ele ficar louco de verdade com a centopéia africana.

Jeff: O que? Centopéia africana? O que que é isso?

April: Melhor você não saber, irmãozinho, melhor nem saber.

Fico horrorizada com "centopéia africana"... Sabe se lá Deus o que é isso. Prossigo, até que saio do hospital e encontro a galera, que está no refeitório.

Gabriela: E ai? Alguma notícia dela?

Lívia: Não. Mas ela está bem, como vocês já sabem. Só falta ela acordar.

David: Como você está se sentindo?

Lívia: Estou bem. Estava muito aflita quando ela estava fazendo a operação, mas agora que ela tá bem, estou mais tranquila. Só me sinto mal pelo Leo e a Vivian.

Daniel: Tomara que ele acorde logo. No jogo ele estava normal e de repente, acontece uma coisa dessas.

Lívia: Ah, Daniel, muito bem lembrado... O jogo né... - Olho para David. Ele parece entender o recado.

Werlley: Galera, vamos logo comprar os lanches? - pigarrea ele, fazendo com que todos se levantem dos seus lugares e se dirijam a fila da cantina.

David: Olha só... Será que dá pra aceitar minhas desculpas? Você bateu a porta na minha cara.

Lívia: Você mereceu. Ficar me tratando como se eu fosse uma vadia rodada não vai nos dar futuro. Eu só quero que você confie em mim. Eu gosto do Eduardo, mas é como A-mi-go. Ok... Só isso.

David: Tudo bem... Eu vou confiar em você. Agora... Será que você me perdoa?

Lívia: Não sei... Posso ser uma bad girl pra você... Mas o que você quer em troca do perdão?

David: Um beijinho seria bom. - diz ele colocando as mãos na minha cintura.

Nem digo nada, só o beijo calorosamente. Depois de quase 200 minutos nos beijando, faço um pedido inusitado pra ele.

Lívia: Bem, por mim você está 75% perdoado.

David: Só 75%?

Lívia: Se você fizer o que eu pedir, eu acrescento os 25% que faltam...

David: E o que você quer?

Lívia: Quero que você peça desculpas ao Edu.

Em casa, minha mãe não aguentava mais esperar a resposta de Vanessa. Ela já tinha ido atrás de outras revistas, mas ela queria mesmo a Beauty Feminine. O trabalho de restauradora de fitas antigas estava parado, mas ela de vez em quando conseguia um cliente. Mas minha mãe se surpreende quando abre a porta de casa depois de a campainha tocar duas vezes.

Anna: Vanessa? Como você descobriu onde fica minha casa?

Vanessa: Seattle é grande, mas não é impossível de se achar pessoas. Achei porque pedi informações ao Phillip.

Anna: Ah. Entre, quer um café, uma água, um suco? Sente-se.

Vanessa: Não, não, obrigada. Na verdade eu... Vim te contar uma coisa. Uma não, duas.

Anna: E o que é?

Vanessa: A primeira é que você está contratada como editora da revista.

Anna: Ai, não... Jura? Oh meu Deus, obrigada... E qual vai ser meu primeiro artigo na revista?

Vanessa: Irá ficar a seu critério querida.

Anna: Ai, obrigada, Vanessa... prometo que não vou decepcionar. Mas... E a outra coisa?

Vanessa: A outra coisa? Ah... Não é nada... Besteira minha. Bem, eu já vou indo.

Anna: Ah, tudo bem então... Eu te acompanho até a porta. - Elas se levantam e Vanessa parece ter escondido algo que queria falar.

Elas se despedem e Vanessa entra em seu carro, e fica olhando para nossa casa, e dá um sorrisinho maléfico.

David havia prometido que iria pedir desculpas para Eduardo. Mas não disse quando e nem como. Impressionante né... Como esses homens são complicados. Eu estava meio em dúvida se confiava nele ou não.

Daniel e Gabriela estavam muito satisfeitos com o namoro deles. Tanto que já estavam até falando em casar... Mas ainda estava muito cedo. A minha visita ao bloco 3, que era conveniado com o hospital, me fez ver que eu queria seguir a carreira de psiquiatria. Eu sempre tive vontade de ser psiquiatra, ou jornalista, como a minha mãe. E ver Jeff, Alexia e Kathleen bem esforçados - já que eles são residentes -, me motivou ainda mais.

Alessandra e eu estávamos afastadas. Mas isso não impediu que ela ficasse com outras garotas. E, de uns tempos pra cá, ela tambem estava rejeitando bastante a companhia de Robert. E parece que para provocá-lo, ela estrelou uma ótima ceninha para Ava.

Ava estava saindo de casa para ir a um chá de uma amiga, quando Alessandra surge e a aborda.

Alessandra: Com licença, senhora...

Ava: Pois não.

Alessandra: Por algum a caso é... Ava Shepherd?

Ava: Sim, sou eu. Porque?

Alessandra: Sou Sabrina Mendler. Filha de sua amiga falecida Georgia Mendler. Gostaria de conhecê-la melhor.

Georgia era uma das melhores amigas de Ava. Ela havia morrido a pouco tempo, vítima de um câncer. Mas a verdadeira Sabrina, morava na Alemanha, e nem sequer estava interessada em conhecer Ava. As duas entraram. Alessandra ficou deslumbrada com a beleza da casa de Robert e Ava. A casa que ela só teve a oportunidade de conhecer do lado de fora.

Alessandra: Sua casa é muito bonita, senhora Ava.

Ava: Muito obrigada, Sabrina... Oh, meu Deus, e pensar que eu carreguei no colo. E não me chame mais de senhora, me chame de Ava. Quando foi que pintou o cabelo? Seu cabelo era loiro natural.

Alessandra: Meu... cabelo? Ah, já faz um tempinho que eu pintei. De vez em quando temos que dar uma mudada, não é?

Ava: E onde esta o seu filhinho Steve? Está com o Edward?

Alessandra ja estava nervosa. Ela tinha sondado Robert na noite passada - em que eles ficaram juntos - e descobriu muita coisa sobre Georgia. Mas alguns detalhes ela nem sabe sequer. Mas ela estava disposta a descobrir algo de Ava, sabe se lá o que.

David e Eduardo toparam se encontrar. Eu falei com Edu e ele disse que iria até a praça para reencontrar David e eles se acertarem. Fiquei ansiosa quando a mensagem de David chegou em meu celular:

"Liv, já estou aqui. Vou conversar um pouco com ele e quando você chegar, nós fazemos as pazes"

Não pude deixar de abrir um sorriso bobo. Eu gostava muito de David, mas, por algum motivo, também estava gostando de Eduardo também. Eu precisava resolver logo essa história.

Minha mãe falava com Amélia no celular. Quando viu que eu ia sair, ela desligou e pediu pra que eu fosse acompanhá-la. No caminho, fomos conversando.

Anna: E o seu namoro filha, como está indo?

Lívia: Ah, vai indo bem mãe. E você? Porque tem saído tanto com o papai ultimamente? Vão voltar?

Ela se calou por alguns segundos. Mas logo voltou a falar toda nervosa.

Anna: Não... Não... Nós não vamos voltar, filha. É que... É que... Estamos aproveitando a amizade, é isso, é isso.

Lívia: Hum... Tá bom. Bem, é aqui que me despeço de você. A praça fica logo ali e eu não quero deixar meu namorado esperando.

Anna: Ahh, que pena. Mas olha, volte cedo pra casa hein. Quero pedir pizza pra nós duas. Tudo bem?

Lívia: Tudo bem, capitã... - Ela me abraça quando digo isso.

David e Eduardo estavam conversando enquanto eu ainda não chegava. E acreditem, deu tudo errado o que eu tinha planejado. Que merda!

David: Pronto, cara. Já mandei a mensagem. Ela já vai vir e a gente vai acabar logo com isso.

Eduardo: Que bom. Eu já não aguentava mais a sua implicância comigo. Olha só, eu e a Lívia, só somos amigos. Ela gosta de você. Eu... eu tenho que te falar uma coisa.

David: O que?

Eduardo: É que... Lembra da noite em que teve o eclipse?

David: Sim, sim, lembro. O que tem?

Eduardo: Então... É que... Nessa noite... Eu e a Livia, a gente... Se beijou. Mas não teve mais nada além disso, cara. Olha, eu só tô te falando isso porque sei que a Livia te ama. Eu é que sou louco de gostar dela, quando ela está namorando você.

Quando Eduardo dispara essa frase, David congela. Ele lança um olhar muito esquisito, como se estivesse fora de si, e cerra o punho... Parece que quer se controlar... Suas veias saltando... Ele está realmente com raiva.

Eduardo: Tá tudo bem?

Sem pensar, David parte pra cima de Eduardo novamente. Mas dessa vez, Eduardo não recua, eles trocam muitos socos, a ponto de já estarem sangrando.

David: Você é um filho da puta que está tentando roubar minha namorada? Não me venha com esse papo de que beijou sem intenção. Ela é minha, entendeu, minha. - dizia ele enquanto dava muitos socos em Eduardo, que caiu próximo a rampa de skate, que era bem alta.

Ao perceber que Eduardo estava perto demais do "abismo profundo", como era conhecida a rampa por ser alta demais, David vai se aproximando aos poucos.

David: Alguma vez você já caiu de algum lugar alto?

Eduardo: Porque está me perguntando isso? - diz ele, limpando a boca ensanguentada.

David: Acho que está na hora de tirar você do meu caminho.

David empurra Eduardo e eles caem na beira da descida, fazendo com que Edu quase caia...

Eduardo: Mas o que você está fazendo?

David: Eu vou matar você... Para você sumir de vez da minha vida e da vida da minha Lívia... Vou matar... Você - diz ele, esforçando-se para empurrar Eduardo, que está caído de costas para o chão, e David está ajoelhado perto dele, o empurrando para baixo, para que ele caia da pista.

Chego no exato momento em que David está quase derrubando Eduardo.

Lívia: Mas o que você está fazendo, David?

Eu tento afastá-lo e ele me dá um empurrão, que eu acabo caindo no chão. Nao sei de onde crio forças e consigo o tirar de cima de Edu, que já estava ficando roxo, de tanto que David o enforcava.

David: Por que você não me contou? Hein?

Lívia: Contei o que?

David: Que você estava me traindo com esse aí...

Lívia: Eu nunca traí você, David para com isso...

David: Cala a boca... Cala a boca. Você beijou esse cara e nem teve a coragem de me falar...

Lívia: Ah... O beijo...

David: Olha aqui... Eu não vou aturar uma coisa dessas me ouviu...

Ele se aproxima de mim e me dá um tapa no rosto. Eu não acredito que ele fez isso. Vou pra cima dele e dou muitos socos em seu peito, o que não adianta nada, já que ele me empurra.

Lívia: Eu cansei disso, David... você é louco... Quer saber - me aproximo de Eduardo e o ajudo - Acabou.... Está tudo acabado. Não somos mais namorados...

David: Espera aí, o que que está me dizendo?

Lívia: Isso mesmo que ouviu. Acabou... Sai - ele tenta pegar meu braço -, não encosta em mim... Sai, Sai...

Eduardo o surpreende com um soco bem forte, tanto que ele cai de joelhos no chão. Eu ando com Eduardo algum tempo, olho para trás e vejo que David se levantou, mas está parado nos olhando.

Eduardo: E mais uma vez, sou alvo desse seu namorado psicótico. Olha eu não vou aguentar outra surra não viu... Só tenho uma vida.

Lívia: Desculpa... Mas vem cá... Como é que ele ficou sabendo do beijo?

Eduardo: Eu falei pra ele pensando que você já tivesse contado. E, você ta bem? Ele te bateu muito forte?

Lívia: Não, não... Tá tudo bem. Sou mulher mas também nao sou tão frágil. É... Eu sei que eu devia ter contado mas... Não consegui.

Eduardo: Porque?

Lívia: Justamente pra evitar esse tipo de situação. Ah, mais uma vez, obrigada... Eu jamais saberia como me virar com aquele louco.

Eduardo: Ah, que isso...

Lívia: Quer que eu coloque curativos nos seus machucados?

Eduardo: Não, não precisa. Bem, já está em casa.

Lívia: Só tô com medo de que ele venha até aqui.

Eduardo: Ele não virá. Eu não vou deixar.

Nós rimos e olhamos um pro outro. Quando vamos nos despedir, quase nos beijamos, mas eu dei um beijo na bochecha dele e ele na minha. Entrei em casa... Mas logo comecei a chorar quando lembrei de David e o que ele fez comigo. Meu Deus, como pode ele mudar tanto?

Minha mãe estava andando com Amélia na rua, até que elas param em uma banca de revistas para que Amélia compre o jornal. Minha mãe se distrai olhando algumas revistas.

Começa a tocar a música "Chained", de Bianca.

Lívia (narração): "Engraçado como as frustrações em nossas vidas né. Por um momento voce acredita tanto naquilo e quando mete a cara... Puft! Todo o encanto se vai"

Kezya ja havia acordado e estava falando com Lilian e Alexia.

Alexia: Você vai conseguir voltar ao normal aos poucos. É típico que você sinta dores. Mas olha, tenho que te dizer que você é um milagre. Você morreu por mais ou menos uns 40 segundos.

Kezya: É... De fato eu sinto muitas dores... E o Leo? Quando ele vai acordar?

Lilian e Alexia ficam caladas por um tempo... Se olham...

Lilian: Filha, então... É que o Leo...

Kezya: Fala logo mãe... O que que tá acontecendo?

Lilian: Ele está em coma, filha. Não sabemos quando ele vai acordar.

A notícia cai como uma bomba em Kezya. Ela começa a chorar.

Minha mãe lê a seguinte matéria na revista "Jornalista sofre assédio por parte de ator de 'Broken Heart'"... Com os nomes de Vanessa e Phillip.

David me liga insistentemente... Mas eu não atendo e fico chorando... Eu não queria terminar com ele... Mas depois do que ele me fez... Nada tem perdão nem justificativa.

Alessandra recebia mais uma vez Robert em seu apartamento. Mas desta vez, era a última.

Robert: O que? Mas o que está me dizendo?

Alessandra: É isso mesmo. Acabou... Não quero mais você... Sou lésbica, quero me casar e ter filhos com a pessoa que eu quiser. Não vou ser mais sua escrava sexual. Cansei disso.

Ele pega Less pelo braço e a joga na cama.

Robert: E você pensa que é quem para pensar em acabar nosso caso?

Alessandra: Eu sou alguém que pode te deixar bem fodido. Eu sei podres sobre você que nem mesmo a sua mulher sabe. Tipo, o seu casinho com a esposa do seu irmão... E que vocês têm um filho.

Ele dá um tapa na cara dela.

Robert: Cala essa boca, sua vadia... Cala essa boca. Tudo bem, eu vou dar a você um tempo para pensar... Já que você está toda esquisita. Mas pense bem... Eu sou um homem muito perigoso. Se você acha que tem força suficiente para me enfrentar, tente... E terá consequências.

Ele bate a porta com força ao sair e Alessandra cai no choro.

Alessandra: Você vai ver, seu merda... vou acabar com a sua vida... Pelo que você fez com minha irmã...

Meu pai é avisado da matéria que saiu na revista. Ele lê e fica visivelmente irritado. Ele tenta ligar pra minha mãe... Mas ela não atende... Kezya, Alessandra, Mamãe e Eu choramos muito...

"Chorar é bom não é... Lava a alma, tira as impurezas... É assim que ficamos depois de uma grande frustração. Então, mas não desista... Caiu, levante mais forte e derrube essa frustração... Seja você mesmo mostre a ela que você é quem manda. Te garanto que será bem feliz assim..."

Teen Complications


Notas Finais


#Frustração postado. Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...