História Teen Complications - 1° temporada - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Contos, Drama, Escola, Fanfic, Ficção, Ficçãogeral, Juvenil, Lésbica, Mistério, Popular, Romance, Selenagomez, Suspense, Teen
Exibições 1
Palavras 2.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Sétimo episódio.

Capítulo 7 - Tensões (Tensions)


Fanfic / Fanfiction Teen Complications - 1° temporada - Capítulo 7 - Tensões (Tensions)

Lívia (narração): "Como definir felicidade momentânea? Talvez seja aquela que dure apenas um momento. Isso é óbvio. Não... Eu não estou louca ou falando besteira. Eu sei muito bem definir a felicidade momentânea. Eu estava tão feliz, e de repente, no dia seguinte, tinha uma bela surpresa mal agradável me esperando. Acho que todos nós temos dias assim não é mesmo? Eu realmente não queria ter que passar por esses dias, mas ninguém foge... Parece que sempre, em algum momento da vida... Vamos ter que passar por isso."

Era um dia chuvoso... Já fazia um mês que eu e David estávamos namorando. Minha mãe estava feliz... Nunca tirava o sorriso do rosto. Parecia que tudo estava perfeito. Daniel estava muito ansioso, pois havia marcado comigo e David de finalmente pedir Gabriela em namoro. Ela já estava super chateada e não queria mais ficar com ele. Ele então resolveu fazer uma reunião de amigos para quebrar esse clima chato entre eles.

Daniel: Olha só, galera... Bico fechado, hein...

Nós assentimos com a cabeça e ficamos esperando Gabi chegar a casa de David. Alguns minutos depois ela chega...

Gabriela: Ai, gente, que chuva é essa? Quase não consigo chegar...

Lívia: É... Está chovendo muito mesmo.

David: Bem... É... Liv, vamos até a cozinha... Vou pegar algo pra gente beber.

Lívia: Vamos sim. - pisco para Daniel para encorajá-lo.

Um silêncio fica no ar... Até que Daniel chama Gabi.

Gabriela: O que foi?

Daniel: Bem, na verdade, eu não marquei reunião com a galera... Eu só quis... Ver você... Pra te entregar isso...

Ele tinha comprado um anel de namoro pra ela. Era lindo... Era de ouro, com uma letra G e uma letra D gravados.

Daniel: Gabriela Barros, você quer namorar comigo?

Gabriela congelou... E eu e David estávamos assistindo a tudo atrás da parede que ficava a esquerda do sofá.

Ela sorriu e finalmente disse que sim... Ele então pos o anel no dedo dela e eles se beijaram.

Eu e David voltamos e soltamos confetes em cima dos dois... Já que eles estavam nesse mimimi há séculos.

Gabriela: Podia ser um pouquinho mais romântico, mas só de você ter feito tudo isso já valeu a pena.

Eles continuaram se beijando e eu e David também. Ficamos uns minutos assim, até que a chuva passou e nós chamamos a galera para um jogo de basquete na praça. Eu chamei Eduardo, pois ele quase nunca saia com a gente, e também chamei Werlley.

Werlley, aliás, estava meio louquinho ultimamente. Caso você não saiba... Ele também gostava de mim. Mas ele era nerd, então não demonstrou nada. Mas na casa dele, ele vivia tendo "alucinações" comigo.

Werlley: Oi, cara... Precisava mesmo trocar umas idéias contigo.

Daniel: O que que foi?

Werlley: Ultimamente, eu não sei o que vem acontecendo comigo. Eu ando sonhando com a Lívia, sabe.

Daniel: Com a Lívia? Mas cara, ela é namorada do David.

Werlley: Eu sei. Mas eu gosto dela. Mesmo sabendo que não é legal. Eu... Preciso tirar ela da minha cabeça. Mas não sei como.

Daniel: Eu sei... Vou fazer você sair com uma prima minha.

Werlley: Será que vai dar certo?

Daniel: Claro que vai. Minha prima é a maior gostosa. Você vai gostar dela.

O comportamento de David estava mudando nos últimos dias. Ele estava cada vez mais ciumento. Ele desconfiava de tudo. Eu estava ficando chateada dele desconfiar até quando eu voltava pra casa. Eduardo me acompanhava, mas nada que eu desse motivos a David. Eu estava falando com minha mãe pelo celular e ele veio muito sério.

David: Com quem você está falando?

Lívia: Com a minha mãe.

David: Tanto tempo?

Lívia: David... É minha mãe... Ela só quer saber se eu estou bem.

David: Deixa eu ver aqui...

Ele pega o celular da minha mão.

David: Alô?

Anna: Filha? - diz ela do outro lado da linha.

David me entrega o celular de volta. Eu fico realmente muito brava com a atitude dele.

Kezya e Leo continuavam o relacionamento conturbado deles. Por incrível que parece, Kezya disse que ia fazer de tudo para que eles se livrassem das drogas. Mas até agora, não fez nada. Ela chega em casa, toda suada... Lilian e Victória estão na sala.

Lilian: Ah... Até que enfim apareceu.

Kezya: Porque? Estava me esperando? - Kezya e Lilian agora só viviam brigando.

Lilian: Estava. Já arrumei suas coisas. Você vai para uma casa de reabilitação.

Kezya: O que? Você está brincando né?

Lilian: Não, não estou. Quero que você tome seu banho e se arrume. Nós vamos hoje mesmo para lá.

Kezya: Eu não vou. Quem você pensa que é pra me obrigar?

Victória: Gente, por favor, parem.

Lilian se levanta e fica em frente à Kezya.

Lilian: Eu sou sua mãe. E eu estou MANDANDO que você vá tomar banho e se arrumar, pois eu não quero ter que cuidar de você drogada.

Kezya: Nossa! Bela mãe você é... Ao invés de estar me apoiando a sair disso, quer me obrigar a fazer uma coisa que eu não quero. Eu não vou! NÃO VOU.

Lilian: Não me obrigue a tomar consequências drásticas.

Kezya: Porque? Vai me jogar fora como fez com o filho que você não teve coragem de assumir pro seus pais quando era jovem.

Lilian dá um tapa na cara de Kezya. Kezya começa a chorar e dispara.

Kezya: Eu odeio você... Você não é minha mãe, você é um monstro... Um monstro....

Victória: Chega! Calem a boca as duas... Meu Deus... Será que vocês não sabem a hora de parar? Poxa... Eu tenho saudades de como a gente era antes... - Victória se coloca no meio delas, e pega a mão de Kezya e da mãe - Eu sinto falta de quando nós íamos a igreja aos domingos, quando nós saíamos pra nos divertir, sinto falta de muita coisa... Mas tudo o que vocês sabem agora, é brigar, brigar, brigar... Será que não percebem que eu estou aqui... Mãe, eu amo você, e Kezya, também amo você... Vocês acham justo eu ter que ver as duas pessoas que eu amei a minha vida inteira aqui, frente a frente, como duas inimigas? Sinceramente, vocês me decepcionam.

O silêncio fica no ar. Victória sobe as escadas e vai para o seu quarto.

Na escola, Steven arruma suas coisas para ir embora. Robert chega até a sala dele.

Robert: Queria falar com você.

Steven: Diga...

Robert: Você está mesmo disposto a fazer isso.

Steven: Nunca estive tão disposto em toda a minha vida.

Robert: Steven, pare com isso. Sempre tive você como meu braço direito... Não pode me deixar assim.

Steven: Acontece... Que eu sempre quis você como algo a mais do que um braço direito.

Robert: Do que está falando?

Steven: Shepherd, eu nunca te revelei isso, mas agora que... Eu... Estou totalmente conformado... vou falar. Eu... Passei muito tempo apaixonado por você. Lembra dos cafés que amanheciam sempre quentinhos em sua mesa, não era Izabel quem trazia... Era eu... Eu sempre fiz de tudo para que você se sentisse bem... Mas você nunca ligou pra mim... Só vivia me contando de suas aventuras amorosas com suas funcionárias. - Steven estava com lágrimas nos olhos.

Robert: Nossa! Eu nunca imaginaria que você...

Steven: Ah, cala essa boca... Tudo o que eu quero agora é ir pra uma escola nova, fazer o melhor que eu puder... E ficar com a cadeira na Academia de Pedagogia, e deixar você pra trás... Portanto, não me impeça de sair daqui...

Robert: Tudo bem... Se é isso que você quer... Vá... Tente... Mas não me venha pedir pra voltar quando eu estiver meu lugar garantido na Academia. Você fez sua escolha, Robbins... Agora é tarde... Ah... E a propósito... A Izabel era muito gostosa...

Steven: Do que está falando?

Robert: Eu transei diversas vezes com sua irmã... ela parecia santa, mas era uma verdadeira fera... Mas quer saber... Pergunte a ela sobre isso...

Robert sai da sala... E deixa Steven muito bravo, a ponto dele pegar o porta retrato que continha a foto do diretor e pisar em cima... Até que os estilhaços cobrissem por completo o rosto dele.

Eu estava voltando para casa novamente na companhia de Eduardo. Ele era muito legal, tinha um papo muito bom. Nós estávamos nos dando muito bem.

Lívia: Ai, Edu... Você é tão... Divertido... Engraçado que você ainda não tenha nenhuma namorada... qualquer garota iria se encantar por você...

Eduardo: Mas é que eu ja estou gostando de uma muito especial...

Lívia: Ah, é? E quem é?

Nossa conversa é interrompida quando o carro de David freia ao nosso lado. Ele desce do carro enfurecido.

David: O que você está fazendo com esse cara?

Lívia: David, ele está só me acompanhando até em casa.

David: Ah... quer dizer que ele você chama pra te acompanhar, agora eu... Que sou seu namorado, você simplesmente esquece...

Lívia: David, não é bem assim... É que você...

David: Vem.. - Ele agarra meu braço com força - a partir de agora você vem comigo.

Lívia: Você está me machucando...

Eduardo: Solta ela ...

David dá um soco em Eduardo e me coloca pra dentro do carro... Eduardo fica com raiva... Mas eu peço pra ele não revidar David...

Quando David dá a partida no carro, eu estou tão estressada que acabo batendo na cara dele.

David: Ei, o que é isso? Quase perdi o controle do carro.

Lívia: Isso é apenas 1% do que eu queria fazer com você... David, sinceramente, você está me assustando...

David: Te assustando? Com o que?

Lívia: Ha dias você vem agindo estranho... Você... Está me deixando louca. Parece que está me vigiando.

David: Desculpa, mas é que você é minha... todos precisam saber disso...

Lívia: Sim, eu sou sua... Mas isso não te dá o direito de sair por aí batendo nos meus amigos...

David: Eu não gosto desse Eduardo, entendeu?

Lívia: Mas eu gosto... ele é meu amigo e eu quero ele bem.

David riu e não falou nada. Eu estava com tanta raiva dele... Mas preferi me conter e fiquei calada também. Fomos em silêncio até a porta da minha casa... quando eu saí do carro e bati a porta com a maior força que eu tinha... Entrei em casa e subi no meu quarto para chorar.

Alessandra não se encontrava com Robert há dois dias desde que ele decidiu se fazer mais presente em casa. Ela saía para festas, conhecia homens e dormia com eles. Mas ela pensava em mim... Em meu sorriso... Em minha pele... Achava isso estranho, mas não notava que ela estava afim de mim.

Kezya realmente encontrava em Leo um refúgio... Depois da briga com a mãe dela... Ela saiu de casa e foi se encontrar com ele... Ela nem deixou a mãe dela falar nada. Ela só conseguia chorar e reclamar da vida...

Hoje... Realmente... Não era o dia de ninguém.

Sobrou até pra minha mãe... Ela saiu de novo para procurar emprego. Ela se interessou em trabalhar como editora em uma revista de moda... O que era algo que pareceria impossível, mas ela iria tentar. Só que o que ela não imaginava era que a dona da revista fosse Vanessa, a peguete de meu pai que ela tinha visto no supermercado.

Ela entra na sala de Vanessa toda contente... E quando a vê... O sorriso some.

Vanessa: Olá, bom dia... Você é Anna Monteiro, a editora?

Anna: Sim, sou eu... Em carne e osso.

Vanessa: Muito bem, fique à vontade, Sente-se... O que quer beber?

Anna: Um café... (e o sangue dela, eu diria)

Vanessa digita em seu telefone e entra em contato com sua secretária.

Vanessa: Teddy, traga um café para mim, melhor... dois cafés. Agora!

Minha mãe estava bem incomodada, porque ela olhava pra cara de Vanessa e lembrava do meu pai a beijando.

Após a entrevista, Vanessa disse que entraria em contato com ela.

Eu fui até a escola a tarde... Fui pegar um livro que iria usar em um trabalho. Quando eu chego lá... Encontro April Klum. Ela era loira, magra... E era a cara da Paris Hilton. Eu diria que era um clone dela.

April: Ora, ora, ora... finalmente estamos frente a frente.

Lívia: Olá, April.

April: Você está gostando de ser um passatempo para o David?

Lívia: Oi? Como assim? Do que está falando?

April: Escuta aqui, sua vadiazinha rockeira... O David é meu... E eu não vou entregar ele de bandeja assim pra você não... Eu vou sair do seu caminho porque estou indo para o prédio do programa de residência. Mas quero que saiba... que assim que vocês passarem para lá... Eu vou fazer de sua vida um inferno... Vai aproveitando bem que está com ele por enquanto. Isso e... Se você passar para o PRCE.

April dá as costas e eu fico com cara de "ãn"... Essa garota estava louca. E eu já não tinha mais certeza de que queria continuar namorando com David. Ele estava muito mudado e eu já não queria mais arriscar. Mas esperaria que ele mudasse após a conversa que eu iria ter com ele. Vejo na TV que hoje a noite iria ter um eclipse lunar em Seattle, e que da minha casa estaria perfeito para ver. Chamo Eduardo para vir a noite... eu precisava falar com ele.

Convido minha mãe também para ver o eclipse, mas ela não quis.

Então... pego o telescópio e duas cadeiras e coloco no quintal de casa. Faço pipoca e espero Eduardo chegar.

Lívia (narração): "Engraçado né? Como a vida pode ser tão irritante às vezes. Um dia, ela é toda manhosa e amorzinho... Mas no outro, vira um bicho de sete cabeças."

Ava e Robert aparecem discutindo... Ela está chorando e ele está nervoso... Steven aparece em seu apartamento pensando no que Robert o disse mais cedo... E Alessandra transa com um cara bem diferente no apartamento dela. Ele usa dreads e tem dentes de ouro.

A música que encerra o episódio é "Stone Cold", Demi Lovato.

"Nós não sabemos quando a vida pode ser gentil e quando ela quer zoar com a gente. Nos dias difíceis, o melhor remédio é relevar, respirar fundo e rezar para que esse momento de estresse passe logo."

Kezya e Leo assistem ao eclipse juntos... Eles fumam um cigarro... Lilian e Victória estão jantando... Quando Paul surge de volta em casa... Victória corre e abraça o pai... Enquando Lilian fica parada pensando em Kezya...

"Otimismo. É o que falta para que nós enfrentemos os problemas diários que a vida nos manda. Mesmo sendo uma adolescente, eu sei exatamente do que passo... Os problemas dos adultos são realmente grandes quando podem, mas os nossos parecem maiores. É cada dor de cabeça que passamos."

Werlley aparece conversando com a prima de Daniel... Eles estão rindo... Ate que Werlley enxerga meu rosto nela... ele acaba beijando a moça. Já Gabriela e Daniel, não saiam mais do telefone. Eles se amam. David pensa em tudo o que fez... Ele olha nossas fotos e fica pensativo...

"Uma palavra amiga... É tudo que precisamos nos momentos difíceis. O estresse acaba com a gente, parecemos bem mais velhos quando estamos estressados... Mas, se temos um amigo em nosso lado e um copo de refrigerante, Ah.. e esqueci do UNO, esquecemos os problemas rapidamente. Respire fundo, o estresse que estava aqui... A vida vai levar".

Eduardo: Oi... Acabei demorando né...

Lívia: Não, não... o eclipse já vai começar. Olha... Eu queria te pedir desculpas... O comportamento do David hoje foi... Lamentável.

Eduardo: Não se preocupa... Você não é culpada disso... Ele que é um idiota.

Lívia: Toma. - dou o balde de pipoca e um copo de refrigerante para ele.

Eduardo: Obrigado.

Lívia: Ah... Sabe o que eu lembrei... Da nossa conversa... Você não me disse quem era a garota que estava gostando.

Eduardo: (fica sem jeito) Oh... Você ainda se lembra disso...

Lívia: Claro... Adoro saber fofocas dos amigos. Fala ai.

Eduardo: Não sei se devo...

Lívia: Ai, quanta frescura... Estamos só nós dois aqui... Ai, meu Deus... Você é gay e não quer me falar né... Olha... Eu sei que é difícil se assumir, mas... - ele me interrompe.

Eduardo: É você.

Lívia: Oi?

Eduardo: Eu gosto de você.

Fico em silêncio e acabo derrubando meu celular no chão... Eu me abaixo para pegar e Eduardo pega na minha mão...

Meu pai liga pra minha mãe... Ele pede que ela vá até lá fora, na frente de casa, pois ele está esperando.

Ela desce as escadas e vai até lá... abre a porta e o vê com um telescópio na traseira de seu carro, uma caixa de bombons e flores para ela... Ela se encanta e vai até ele...

Anna: Você é louco né...

Phillip: Sou... Vem, vamos ver, o eclipse já está acontecendo.

Eduardo aproxima o rosto do meu, que fico nervosa ... Mas, por alguma razão... não me mexo dali... Nós.. Nos beijamos... Meu pai também acaba beijando minha mãe...

O episódio termina com a imagem de uma linda lua azul no céu de Seattle.


Notas Finais


#Tensões postado. Espero que tenham gostado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...