História Teen Wolf Nova Geração - Interativa - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~Epilif

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Aiden, Alan Deaton, Allison Argent, Brett Talbot, Chris Argent, Claudia Stilinski, Cora Hale, Danny Mahealani, Decaulion, Derek Hale, Ethan, Hayden Romero, Isaac Lahey, Jackson Whittemore, Jordan Parrish, Kate Argent, Kira Yukimura, Laura Hale, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Marin Morrell, Mason Hewitt, Melissa McCall, Mieczyslaw “Stiles” Stilinski, Natalie Martin, Paige, Personagens Originais, Peter Hale, Rafael McCall, Scott McCall, Sheriff Noah Stilinski, Talia Hale, Theo Raeken
Exibições 220
Palavras 2.460
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Super Power, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Meus amores, eu acabei de ver que no spirit é proibido capítulos de avisos e fichas, então vou colocar as fichas e informações nos comentários do prologo, okay? Não se preocupem que eu tenho cópias das fichas de todos

ANNYEONG TERRÁQUEOS, AQUI É A ALIENX COM MAIS UM CAPITULO PRA VOCÊS

Este capitulo tem capa com a aparência de vocês eeeee!!

As imagens não estão tão boas, mas eu mal sei mexer no paint, quem dirá fazer uma capa boa pra vocês? JURO QUE TENTEI

Outro aviso, nos comentários vou colocar os personagens sem par previsto e as opções sexuais deles, porque eu gostaria que VOCÊS criassem shipps de quem você shippa, pra todos os capítulos você comentarem o shipp de vocês. Mas Alien, pra que serve isso? Por que eu não sou malvada como os produtores das series e eu vou fazer ficarem juntos os personagens mais shippados (EU OUVI UM AMÉM) mas pra isso vocês terão que colaborar e comentar seu shipp em todos os capítulos. Ah, mas eu tenho o mesmo shipp, tenho que comentar todas as vezes? Tem sim meus amores, porque fica mais fácil pra Alien aqui fazer casais (FINGE QUE É VOTAÇÃO DOS PRÊMIOS NICK) Alien, eu mudei meu shipp, quero shippar fulano com outro personagem, posso comentar o shipp que quero agora? PODE, isso faz bastante diferença, quer saber como comentar? Assim:

Nome do shipp (Ex: Caluna) = Componentes do shipp (Ex: Caio e Luna)

É com vocês

Até as notas finais

XOXO

Saranghae

Capítulo 3 - 1 Dia - Parte 2 e professora morta?


Fanfic / Fanfiction Teen Wolf Nova Geração - Interativa - Capítulo 3 - 1 Dia - Parte 2 e professora morta?

Point Of View Alasca

Miles esta meio paranoico em achar que não sei me virar sozinha na escola, sei que ele só quer me proteger, mas que mal tem eu ir à escola? Não é como se eu fosse atacada em plena luz do dia com todo mundo olhando. Vou dar um desconto de preocupação de irmão.

-Miles, não precisa me seguir. – Avisei enquanto andava pelo corredor.

-Só estou me certificando que você esta viva. – Ele diz andando ao meu lado.

-Deixa de ser dramático, o que poderia acontecer de ruim?

-Sei lá, vai que te sequestram no meio dos alunos e te matam no porão da escola... Ou podem colocar veneno na sua comida, talvez até no seu material, sem contar que...

-Miles! – O interrompo de uma vez. – Não viaja.

-Okay, talvez eu esteja sendo exagerado.

-Talvez? – Ele ia responder quando escutamos gritos e uma multidão se aproximando no pátio do colégio onde ficar a pedra com o nome da escola.

Fomos chegando perto quando... Oh meus deuses, isso é um corpo?

Point Of View Alexander

Todos esses alunos vivendo suas vidas da melhor maneira sem nenhuma preocupação do mundo sobrenatural, como seria se eles descobrissem que algo nesta cidade está muito errado em relação ao mundo sobrenatural?

E é por isso que não me surpreendo quando os alunos encontram o corpo no pátio, acho que é uma professora, poderia ser um assassinato para policia resolver, mas com certeza aquela morte não é algo humano.

Chego mais perto, mas de um jeito discreto, me misturo com alguns alunos para checar mais de perto, ouço som de gaivotas, mas quando olho pro céu esta totalmente limpo, sem nenhum vestígio de pássaros, isso é bem estranho.

Coloco meu capuz e saio do meio da multidão, preciso falar com meus pais sobre isso.

Point Of View Laura

Uma professora foi encontrada morta no pátio, a policia isolou o local e as aulas continuaram normalmente, mas aquela imagem não sai da minha cabeça: enforcamento, garganta mutilada, ferimento na cabeça e cortes em forma de símbolos na testa, busto e abdômen. De começo imaginei um Darach, mas eles não fazem símbolos nas vitimas, e as vitimas costumam desaparecer primeiro. Essa professora deu aula ainda hoje.

Mandei uma mensagem a Klaus com uma foto que tirei antes da policia chegar, isso é bem estranho.

Tentei voltar a prestar atenção na aula, mas tive muita dificuldade.

Quando o sinal tocou voltei para perto de onde o corpo esta, a policia não retirou o corpo ainda por questões de: não faço a mínima ideia.

Avisto um homem jovem branco, cabelos e olhos castanhos, algumas pintinhas espalhadas pelo corpo, ele usa uma farda de xerife, deve ser o xerife da cidade. (Não Laura, ele só tá com a farda de xerife pra se disfarçar porque ele é o Hulk)

Ele esta conversando com um policial, me escondo atrás de um carro de policia e apuro minha audição para saber o que eles estão dizendo.

-Quando foi a ultima vez que alguém a vira? – O xerife pergunta.

-Uma aluna disse que ela deu sua aula e quando o sinal do intervalo tocou, ela foi em direção à sala dos professores. Mas os professores alegam que ela não chegou a aparecer lá. – O policial responde.

-Então a teoria é que ela foi pega na ida a sala dos professores?

-Exatamente senhor.

-Hum, okay, vou ver se consigo mais informações, ligue para a central e solicite um veiculo para levar o corpo.

-Sim xerife Stilinski. – O policial sai.

Viro com meu corpo pra frente de uma forma que fique impossível alguém do outro lado do veiculo me ver tento me questionar sobre o que ouvi nessa conversa, mas nem tive tempo.

-Sabia que é feio ouvir a conversa dos outros? – Levo um susto quando ouço a voz do xerife ao meu lado.

-Ah, xerife Stilinski, o senhor me assustou. – Coloco a mão no peito, mas só recebo uma arqueada de sobrancelha como resposta. – Ouvindo conversas? Impossível, para ouvir conversas eu teria que estar bem mais perto. – Dou uma risada sem humor e começo a cantarolar uma musica aleatória do Nirvana.

-É tem razão, não tem como ouvir de longe, a não ser que você fosse uma vampira. – Ele diz com humor na voz. – Ou, sei lá, talvez um... Lobisomen? – Agora o tom dele esta ameaçador.

-Lobisomen? – Pergunto assustada.

-É, lobisomen. Você sabe alguma coisa sobre isso?

-Eu? Sobre lobisomens? – Faço uma cara debochada. – Puff, isso é coisa de quem não tem nada pra fazer.

-Uhum. – Ele da uma concordada com a cabeça meio aleatória e eu volto a cantarolar Nirvana. – Sabe, eu tenho uma mania muito estranha, quando estou nervoso, começo a cantar. – Paro de cantar na hora e ele da um sorrisinho divertido.

-Eu preciso ir. – Me virei e comecei a andar.

-The Sun, the moon and the truth. – Congelo no lugar quando ouço essa frase saindo da boca dele.

“-Papai, o que está escrito aqui? – Pergunto ao meu pai quando não consigo ler o que esta no meu livro escolar.

Eu tinha 6 anos e estava aprendendo a ler com meu pai, ele disse que não posso ir na escola por causa dos meus dons, então ele me da aulas em casa.

-Isso é uma frase que muitos como nós usam para se controlar meu amor, esta em latim.

-O que é latim papai?

-É um idioma.

-Como que se fala essa frase em latim?”

-Sol, luna et veritatis. – Falo quase como um sussurro e me viro de volta. – Como tinha tanta certeza?

-Foi um palpite, se você não fosse uma, essa frase não iria surtir efeito com você. – Ele responde simples.

-Tem razão.

-Você sabe o que atacou essa professora?

-Não, eu pensei em um Darach, mas não vejo motivos para o sacrifício ser diferente. Você sabe?

-Não, mas tive o mesmo pensamento que você. – Ele da um meio sorriso. – Qual o seu nome?

-Laura.  – O sorriso dele murcha. ALGUÉM ME DIZ O QUE TEM DE ERRADO COM MEU NOME? – O que foi?

-Não é nada, eu só me lembrei de alguém. – Ele da um sorriso triste.

-Acho que estou tendo um dejavu. – Brinquei.

-Como assim?

-Não é a primeira vez que isso acontece hoje.

-Não?!

-Não, um aluno que eu esbarrei hoje falou a mesma coisa.

-Qual o nome dele?

Point Of View Kityn

Saio da escola com pensamentos a mil, meu pai já deve estar aqui na escola pra saber sobre a morte, acho que perdi minha carona, ele vai estar abarrotado de trabalho a essa hora. Procuro por ele e o vejo conversando com a aluna que esbarrei hoje cedo, Laura.

-Pai. – O chamo quando chego perto.

-Oi filho.

-Acho que agora entendo a sensação de Dejavu. – Laura fala colocando as mãos nos bolso de trás da calça jeans.

-Como assim? – Pergunto confuso.

-Seu pai, disse a mesma coisa que você quando eu falei meu nome. – Olho rapidamente para meu pai. – Bom, eu vou indo.

-Espera. – Meu pai fala antes que ela se mova. – Quem é o alfa da sua alcateia? – Arregalo os olhos, mas fico ainda mais surpreso quando os olhos dela ficam vermelhos.

-Acho que isso responde a sua pergunta. – Dizendo isso ela sai andando.

-Você também a achou parecida com a sua irmã? Estou com medo de ter associado o nome e elas não terem nada haver. – Meu pai fala calmo, acho que ele já se assustou demais quando jovem e agora pouca coisa o assusta.

-Não pai, ela é parecida mesmo com a Laura, tipo uma versão adolescente. – Comento vendo a se distanciar.

-Não seria possível né?! – Ele fala meio esperançoso.

-Acho que seria muita coincidência, não crie esperanças, por favor.

Point Of View Thalia

Sério mesmo que a Gabriela Mejera Trampbell foi morta? Puxa, gostava tanto dela ~Lê ironia on~ Mas ainda assim estou com pé atrás sobre essa morte, esta muito estranha pra ser algo natural, bem... Natural tipo não sobrenatural.

-No que esta pensando? – Sammy aparece ao meu lado.

-Nessa morte, será que o papai sabe alguma coisa sobre isso? – Falo virando o rosto para olha-lo.

-Isso vai ter que perguntar, vamos? – Ele diz com a chave do carro no dedo.

-Me deixa dirigir? – Perguntei manhosa, mas só pra provoca-lo  mesmo.

-Nem se eu entrasse em coma em um deserto e a única forma de me levar a um hospital fosse você dirigindo. – Ele disse ofendido e eu ri.

-Dramático.

-Cuidadoso, é diferente. – Ele diz abrindo a porta. – Não arranha a pintura.

-Calma, sou inocente. – Levanto minhas mãos em forma de rendição e entro no carro.

Chegando em casa entramos chamando pelo meu pai que trabalha em casa.

-Me deixe adivinhar, querem falar sobre a morte na escola de vocês. – Meu pai fala aparecendo na cozinha.

-Isso mesmo, como sabe? – Perguntei abrindo a geladeira em busca de comida.

-Um amigo meu da policia me ligou pra comentar sobre isso. – Ele responde pegando uma vasilha de lasanha me entregando.

-Oba! – Exclamo quase correndo pra colocar no prato.

-Por que ele te ligaria pra falar sobre isso? – Meu irmão pergunta enquanto encho a boca de lasanha.

-Por que ele é o Stiles. – Eu e Sammy soltamos uma exclamação de “ahh”.

-Ele é aquele seu amigo da policia que me levava no carro de xerife dele? – Pergunto entusiasmada. – Ele é tipo seu melhor amigo né?! – Pergunto com a boca cheia e papai solta uma risada.

-É Lia, tipo meu melhor amigo. – Papai responde e eu dou um sorriso cheio de molho, Sammy da uma risadinha e sobe pro quarto.

Point Of View Rebekah

-Você acha que essa morte foi algo sobrenatural? – Pergunto a Ally que estava olhando estranho pra “cena do crime”.

-Isso parece normal pra você? – Ela pergunta meio óbvia.

-Isso parece trabalho de um psicopata louco. – Falo dando uma mordida no meu cupcake.

-Sabe que eu odeio pessoas idiotas, né?! – Vou parando de mastigar aos poucos.

-Você quis dizer o que com isso? – Pergunto arqueando as sobrancelhas.

-Nada não. – Ela diz depois de revirar os olhos.

-Mas você vai falar com a mamãe e meu pai sobre isso?

-Claro né?! – Ela da uma olhada nos policias. – Aquele é o xerife?

-Uhum, o xerife Stilinski, se eu não me engano ele é um amigos do colégio da mamãe. Sei pouco sobre ele, acho que eles eram bem amigos, mas perderam contato. – Digo dando de ombros.

-Acho que devo ter ouvido uma coisa ou outra sobre ele. – Ela da de ombros.

Point Of View Thomas

-Isso é bem estranho. – Comento olhando para onde o corpo foi encontrado.

-O que? – Nathan pergunta ao meu lado.

-Esse assassinato, á luz do dia, na escola e desta forma. Não é um assassinato normal.

-Deve estar nos casos vermelhos do meu pai. – Ele da de ombros e eu fico com uma cara de “ahn?”.

-É que meu pai é o xerife... Bem, meu padrasto, mas eu acostumei com as pessoas se referindo a ele como meu pai. – Ele da de ombros.

-Qual deles?

-O que esta perto do carro do xerife, acho que vai reconhecer ele. – Olho para onde ele disse e reconheço o homem com Stiles.

-Ele também é padrasto do seu irmão? – Pergunto voltando a olhar pra ele.

-Quem? O Kityn, não, ele... Ele... Foi aquele bang de inseminação artificial e tals. – Ele comenta meio nervoso. Escoro-me na parede do corredor.

-Não mente pra mim. – Digo ocasionalmente. – Esqueceu quem é meu pai?

-Eu estava inseguro, não sei o quanto sabe sobre o mundo sobrenatural.

-Pouco, mas o suficiente pra saber que você esta mentindo, e olha que sou humano. Agora me conte sobre o nascimento de Kityn.

-Meu padrasto pode engravidar, não sei muito, mas parece que foi meio que uma ligação dele com meu pai que permitiu ele poder engravidar.

-Uma vez? Ou ele pode engravidar mais vezes?

-Ele engravidou de novo, mas minha irmã desapareceu em um ataque quando ela tinha três anos, Stiles e Kityn acredita que ela ainda esteja viva.

-E você? Acha que ela esta viva?

-Eu não sei o que pensar sobre isso, eu tenho poucas lembranças dela, mas o suficiente pra ama-la e querer protege-la, mas também o suficiente pra saber que se eu criar esperanças vou me machucar.

-Mas Kityn cria esperanças.

-Ele só tinha um ano, não tem lembranças dela, mas tem esperanças porque sempre quis conhece-la.

-Quantos anos ela teria agora? – Ele da um meio sorriso.

-14, faria aniversário no final do ano. – Não tem mais o que falar nesta conversa.

Point Of View America

-Você também acha isso estranho? – Uma menina pergunta atrás de mim.

-Acho, não é como se fosse algo natural. – Olho para o lado. – Você acredita em coisas assim?

-Você ficaria surpresa. – Ela estende a mão para mim. – Elizabeth, mas, por favor, não me chame assim, Eliza está ótimo.

-Okay Eliza. – Aperto a mão dela. – Sou America.

-Ouvi falar de você, parece que já esta virando famosa por aqui.

-Serio? Eu nem sabia disso.

-Você é modesta ou esta sendo irônica?

-Modesta eu não tenho tanta certeza, mas eu realmente não sabia que estava ficando famosa. – Dei de ombros.

-Acontece.

Point Of View Dimitre

Passei despercebido no primeiro dia de aula, o que eu agradeço, pois, às vezes veteranos como eu (que estão desde sempre na escola) recebem muita “puxação” de saco. Saio da sala de aula e vou direto pra sala de direção.

-Já sabe o que aconteceu? – Perguntei pra minha mãe quando cheguei lá.

-O que? – Ela pergunta desnorteada.

-Sobre a morte mãe. – Falei o óbvio.

-Ah me desculpe Dian, eu só estou um pouco cansada, o dia foi corrido.

-Não respondeu minha pergunta.

-Não faço a mínima ideia, preciso pesquisar primeiro para saber com o que estamos lidando.

-Senhorita Morrell? – Xerife Stilinski pergunta na porta da sala.

-Stiles, por favor, somente Marin okay?

-Como desejar, olá Dian.

-Oi Stiles. – Cumprimento de volta.

-Você deve estar aqui por causa do corpo, acertei?

-Sim, mas não da maneira que esta pensando, não estou vindo como xerife, mas sim como um amigo confuso.

-Lamento em lhe informar que ainda não sei o que poderia ser, é semelhante a um Darach, mas ainda sim é diferente, esta além da minha compreensão, preciso pesquisar mais sobre isso.

-Por favor, me avise quando souber de alguma coisa, é essencial que detenhamos o que quer que seja não só pelo meu trabalho, mas também pela segurança geral.

-É claro, darei o meu máximo.

-Então é isso, eu vou indo, pois tenho bastante trabalho na delegacia, tchau Marin, tchau Dian.

-Tchau. – Eu e minha mãe falamos juntos e ele sai.

-Ele está realmente preocupado com isso, não?!

-É o trabalho dele filho, você me ajuda com as pesquisas?

-É claro!

-Então vamos.

Saímos da escola e fomos para a clinica veterinária do tio Deaton.


Notas Finais


É isso meus amores, espero que tenham gostado do capitulo meio bosta, não esqueçam de comentar sobre os shipps

E sobre os personagens que não apareceram muito, PROMETO compensar no próximo capitulo, pois eu tava com um bloqueio criativo, por isso não saiu tão bom


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...