História Teluriel - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Anjo, Apocalipse, Céu, Demônio, Deus, Grigori, Inferno, Lucifer, Nefilim
Visualizações 21
Palavras 700
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 9 - Amon


Fanfic / Fanfiction Teluriel - Capítulo 9 - Amon

 Eu estava atado à cama, com algemas em meus pés e mãos. Estava apenas de calça, expondo meu peitoral. Babilônia sorria sarcasticamente, me vendo preso daquela maneira.

 _A dor é a resposta para suas perguntas, querido.

 Ela carregava uma faca. Se aproximou de mim, espalhando pelo ar o doce perfume de morango. Seus olhos roxos ficaram avermelhados, e os dentes se afiaram. Ela começou a cortar meu peito.

 À medida que o sangue escorria, eu gritava, cerrando os punhos e os olhos. Mas não podia sair do lugar. Ela começou a cortar mais rápido.

 _Vamos, grite, querido.

 Me lembrei da razão de estarmos fazendo aquilo. Eu havia pedido a Babilônia que me fizesse libertar o meu lado demônio. Apenas a adrenalina poderia fazê-lo surgir, à início. Então ela me prendeu, para poder me trazer sofrimento, o que faria meu coração acelerar e meu corpo libertar o que estava ocultando.

 Meu peito ardia, meus olhos se reviravam. Senti minhas costas doendo, embora a dor nelas tivesse passado há dias. Tentei me levantar, não aguentando ficar parado sentindo aquilo. As algemas impediram, fazendo as correntes delas esticarem. Os dois pontos manchados em minhas costas agora soltavam grandes asas negras, e Babilônia se afastava. Garras surgiram em minhas mãos e pés. Não consegui perceber todas as mudanças, pois logo eu desacordei.

 Despertei, sentindo frio. Ergui o torso, e vi que ainda estava sem camisa. Mas eu não estava na casa que me foi dada por Lúcifer. Era um lugar completamente bizarro. Um deserto, repleto de rosas na areia, por mais que isso nunca fosse acontecer na vida real. Haviam pedras de todas as cores afundadas no solo. Várias aves sobrevoavam uma torre não muito distante dali. Eu me levantei, um pouco zonzo. Aquela torre teria de ser a resposta. Eu estava enganado, e nem sabia. Quando fiquei de frente para a porta da torre, comecei a me lembrar do que havia acontecido.

 Eu havia surtado. Não era eu. Quebrei as correntes das algemas com agressividade, e podia me enxergar como se não estivesse naquele corpo. Meu cabelo estava branco, e os olhos cinzas. Um sorriso de orelha a orelha se estampava no meu rosto. Babilônia tentou correr, mas eu a agarrei pelo braço. Cravei as garras em sua barriga, e a deixei cair no chão, gemendo. Babilônia perguntou algo para aquela criatura, que na verdade não era eu. Não me recordei o que ela perguntou, com as imagens ainda nubladas em minha mente. Mas recordei do que eu disse.

 _Eu sou Amon.

 Em seguida, senti meus ossos quebrarem. Meu corpo crescia, destruindo o teto da casa. Em minha cabeça, estavam dez chifres, e minha pele estava avermelhada como rubi. Aquela besta tinha sete olhos, todos cinzas. O cabelo caia sobre a pele reptiliana, ainda branco. Tudo o que lembro depois disso é um monte de luzes em tons diferentes, ouvindo a besta falar comigo.

 _Deus se foi, os arcanjos estão na terra. Podemos comemorar com um banho de sangue.

 E foi isso. Logo depois, eu havia caído no deserto. E agora eu adentrava pela torre, buscando respostas.

 _Tem alguém aí?

 Fui surpreendido por penas sendo arremessadas em minha direção. Elas acertaram meu ombro, perfurando-no.

 _Como conseguiu entrar aqui?! - questionou o anjo, que estava de pé nas escadas da torre.

 Droga, era um anjo. Justo agora eu teria que encarar um, sem ter a ajuda de ninguém. Ele tinha a aparência de uma adolescente, com headphones. Não entendia o por quê de estar ali, mas não deixaria que ele me ferisse. Afinal, eu já havia me transformado em demônio antes, por mais que isso tenha tido consequências. Talvez pudesse fazer de novo. Uma nova onda de penas afiadas foi em minha direção, enquanto o anjo batia com força suas asas. Eu esquivei, rindo.

 _Você tem coragem para vir enfrentar logo um arcanjo, garoto.

 Aquela criatura havia me trazido ao encontro de um arcanjo? Eu não tinha a menor chance, tinha que fugir dali. Mas eu sabia que não tinha lugar para ir. Era apenas o deserto, e nada mais. Seria uma fenda dimensional?

 O anjo retirou a espada de prata da bainha.

 _Sou Castiel, serva do Senhor. E você morrerá pela minha lâmina.

 

 




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...