História Terapia de Risco - CAMREN - Capítulo 36


Escrita por: ~

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camren
Visualizações 292
Palavras 1.779
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Nem demorei, obrigada de nada.
Aproveitem!

Capítulo 36 - Sentir algo


Passo os dias inteiros sem comer direito, só dormindo no sofá, ignorando a cadela e Camila sempre que elas tentam conseguir minha atenção. Percebo que não comi desde quinta a noite, sinto-me enjoada demais para comer. Passo a noite toda no sofá também, Camila me implorando para dormir ao seu lado, mas eu só a ignoro como fiz o dia inteiro. Chega o domingo de manhã e Camila levanta cedo, me avisando que vai levar Sofia para um passeio, o que me faz animar com a chance de sair correndo para seu quarto e continuar a dormir lá ao invés daqui. Eu só quero dormir e dormir. Também desliguei meu telefone porque estou assustada demais com o que pode acontecer caso eu o ligue.

Camila retorna um tempo depois e senta na beirada da cama.

- ‘’Você não toma banho há dias’’ Camila diz em um tom direto, mas empático. ‘’Você também não come já faz muito tempo.’’

- ‘’Me deixa em paz Camila’’ murmuro e jogo o travesseiro sobre minha cabeça. Eu não quero escutá-la, por que ela não pode só me deixar sozinha por um tempo? Eu tenho o direito de me sentir meio deprimida depois disso tudo, eu tenho a porra do direito de estar chateada.

- ‘’Eu não posso’’ ela diz, ‘’é assim que depressões severas começam, primeiro você não se importa mais consigo mesma e com os outros, depois você para de se auto cuidar, alguns dias se transformam em uma semana, e depois em algumas semanas... é o começo de um ciclo destrutivo.’’

Rolo meus olhos mesmo que ela não consiga ver, ‘’tanto faz Camila,’’ digo curtamente, ‘’eu não tenho o direito de me deitar na cama e ficar triste com minhas merdas?’’

- ‘’Sim, você tem. Eu só quero que você esteja limpa e alimentada enquanto fica deitada na cama lamentando as falhas do seu casamento’’ ela diz e eu consigo sentir que ela sorri enquanto fala.

Viro-me e sento de frente pra encará-la sentada na beira da cama. ‘’Isso não é engraçado,’’ falo fracamente, franzindo o cenho pra ela.

Estou irritada com ela, mas eu não acho que consiga ficar assim por muito tempo. Eu queria estar realmente irritada com ela, mas acho que não consigo o que me assusta pra caralho porque eu facilmente posso ficar irritada com qualquer pessoa, até mesmo com Brad.

- ‘’Oh, eu sei querida,’’ ela diz com um biquinho de desculpas.

Meu coração para brevemente. Ela me chamou de querida de novo.

- ‘’Mas você vai tomar um banho agora, eu estou preocupada com você, não me faça ter que lutar.’’

Rolo meus olhos e me sinto mais irritada, ‘’só me deixa em paz, ok? Eu sei o que você está tentando fazer e eu te agradeço, mas só quero continuar repugnante e nessa cama ok? Você não pode me forçar a fazer  algo que eu não quero fazer.’’

- ‘’Não posso?’’ ela diz com uma sobrancelha arqueada.

- ‘’Não, você não po-‘’

Sou interrompida quando Camila praticamente pula em cima de mim, envolve os braços ao redor da minha cintura e com uma força que eu nem mesmo sabia que ela possui, me levanta inteiramente da cama. Ela subitamente me joga sobre o ombro e sai com cuidado da cama.

- ‘’Me solta na porra do chão agora!’’ grito com os dentes cerrados e começo a ficar tonta por estar de cabeça pra baixo, sinto o sangue correr para minha cabeça o que me deixa com muita raiva.

Eu acho que vou acabar batendo nela.

Remexo-me e tento chutá-la, mas ela me segura fortemente e simplesmente anda comigo para fora do quarto com o meu corpo por cima do seu ombro como se eu fosse uma donzela em perigo.

- ‘’Não vai rolar, linda’’ ela diz feliz, como se minha raiva não fosse nada, como se fosse algo rotineiro e normal. Para me irritar ainda mais, ela dá um tapinha brincalhão em minha bunda. ‘’Você tem um banho pra tomar de boa vontade, ou vai me forçar a te despir sozinha?’’

- ‘’Me coloca no chão, me solta!’’

Ela me ignora e a próxima coisa que vejo é que ela já entrou no banheiro e está me colocando no chão com facilidade em frente ao chuveiro.

- ‘’Fique aqui,’’ ela sorri, ‘’Vou buscar uma toalha, algumas roupas e calcinha.’’

Franzo o cenho para seu sorrisinho e cruzo os braços. Ela não tinha o direito.

Ela volta tão rápido quanto foi com algumas coisas minhas nos braços, ‘’Ok, aqui está sua toalha,’’ ela diz e a coloca no móvel perto do chuveiro. ‘’Eu peguei pra você uma calça de moletom e uma camisa, já que eu imagino que você não quer ir a lugar nenhum’’ ela diz e os coloca ao lado da toalha.

Estou tão irritada com ela mas não consigo me fazer gritar com ela de jeito nenhum. Os gritos estão aqui, sentados irritantemente em minha garganta, mas quando eu abro minha boca nada sai.

- ‘’Oh,’’ ela diz subitamente e me mostra um par de minhas calcinhas amarelas de algodão, segurando-as em frente a virilha e balançando-as com os quadris como se estivesse provando-as. ‘’Calcinhas legais’’ ela sorri um pouco e me olhar um pouco vermelha.

Engulo minha raiva e qualquer outra emoção que eu possa estar sentindo agora e só a encaro, ignorando como meu coração aquece pela primeira vez no que parecem anos.

- ‘’Ficar com outra mulher tem seus benefícios, sabia?’’ ela sorri, ‘’você praticamente dobrou seu guarda-roupas.’’

Sinto um sorriso retorcer meus lábios mas eu só rolo meus olhos e resmungo para sua positividade. ‘’Se você quer tanto que eu tome um banho, você não deveria me deixar sozinha então?’’

Seu sorriso some e ela junta as sobrancelhas. ‘’Hummm... ok,’’ ela diz baixinho, colocando as calcinhas perto de minhas outras roupas e me dando um sorriso triste e apologético. ‘’Me chama se precisar de algo’’ ela diz baixo e sai fechando a porta atrás dela.

Me sinto horrível pra caralho enquanto fico parada embaixo do chuveiro, deixando a água quente lavar algumas das minhas tristezas, Eu sei que estou sendo uma filha da puta mas ela não entende. Sinto lágrimas saindo dos meus olhos e eu nem as percebi se formando, começo a me perguntar se a medicação está me anestesiando demais, não sei se consigo sentir mais alguma coisa. Tenho uma dor muito forte em meu coração e estômago, como se fosse uma bola gigante de tristeza da qual eu quero me livrar mas não consigo, está só pesadamente parada dentro de mim.

Uma vez que saio do chuveiro enrolo uma toalhinha em meu cabelo e outra gigante fofinha ao redor do meu corpo. Suspiro, sentindo meus músculos mais relaxados. Odeio admitir mas estou feliz que ela me forçou a tomar um banho.

Abro a porta do banheiro e ando até a sala de estar. Camila está sentada no sofá com a cabeça jogada pra trás, ela está em jeans apertados e uma blusa cinza. Ela parece que estava dormindo mas sua cabeça levanta e ela sorri pra mim quando eu me aproximo.

Repentinamente sinto uma corrente de emoções e eu não sei exatamente o que é, eu quero abraça-la, quero chorar em seus braços mas também quero arrancar suas roupas e beijá-la em todos os lugares possíveis.

- ‘’Sente-se melhor?’’ ela pergunta com uma pequena tentativa de sorriso, como se estivesse se sentindo culpada por me forçar mais cedo.

Ando em sua direção sem dizer nada e paro em sua frente. Assisto enquanto ela engole em seco e me assiste curiosamente. Afasto minhas pernas e sento em seu colo, enrolando meus braços em seu pescoço.

Arqueio contra ela e levanto a cabeça, expondo meu pescoço para ela. Meus olhos encarando o teto, até que os fecho respirando pesadamente, ‘’preciso que você me faça sentir melhor.’’

Os dedos delicados de Camila já estão traçando minhas pernas molhadas até a parte de trás das minhas coxas, me fazendo tremer quando ela atinge o limite da toalha perto da minha bunda. Os músculos das minhas pernas se contraem e eu me inclino mais contra seu corpo, o ar entre minhas pernas tenso e quente.

- ‘’Porra’’ murmuro.

A língua de Camila está em meu pescoço, subindo em direção ao meu ponto de pulso.

Meus olhos abrem repentinamente e eu aperto sua nuca mais forte quando ela subitamente afunda seus dentes em meu pescoço. Ela inclina mais sua cabeça, minha pele entre seus dentes, doses de prazer e dor correndo em minha pele como eletricidade.

- ‘’Mais forte,’’ engasgo, sentindo uma corrente de sangue e excitação subir a cabeça. Aperto mais ainda sua nuca para instiga-la a continuar.

Ela morde ainda mais forte mas logo começa a chupar e lamber o lugar, minha pele queimando de dor até começar a se arrepiar quando sua língua amacia a área.

- ‘’Oh deus,’’ meus olhos lacrimejando porque dói muito.

Não consigo decidir se agora isso está me dando prazer ou dor mas meu coração acelerado e a respiração desigual me dizem que de qualquer forma eu estou gostando.

- ‘’Urgh’’ gemo, minha cabeça e sexo pulsando. ‘’Mais forte’’ murmuro como se ela não estivesse fazendo o bastante.

Ela afasta a boca do meu pescoço acabando com o momento.

Me tremo me sentindo envergonhada.

Encaro seus castanhos preocupados que focam diretamente nos meus olhos. ‘’Me desculpa eu só... eu só queria sentir algo...’’ solto começando a chorar incontrolavelmente.

Me pergunto de onde porra esse choro veio que eu nem senti se formando mas agora não parece mais querer parar, o tipo de choro profundo e intenso que me faz sentir como se eu não tivesse respirando normalmente.

- ‘’Sssh, está tudo bem’’ ela diz gentilmente mas eu já desmoronei, enfiando minha cabeça em seu pescoço e deixando que ela me abrace apertadamente.

- ‘’Sinto muito,’’ murmuro entre lágrimas.

Ela só passa uma mão por meu cabelo molhado em resposta e continua a me apertar em um abraço. Choro por um tempo contra sua pele; parece ser por muito tempo porque meu coração parece estar afundado em escuridão e eu começo a tremer enquanto o ar seca minha pele e cabelo. Não tenho certeza quanto tempo se passou mas eu acho que talvez eu tenha chorado até dormir, mas Camila não deixou de alisar meu braço, me acolhendo nesse tipo de sono triste.

- ‘’Lauren,’’ ela suspira gentilmente, ‘’vá terminar de secar seu cabelo, coloque algumas roupas e eu vou fazer um jantar pra gente, ok?’’

- ‘’Obrigada,’’ murmuro, minha voz rouca e profunda. Meu coração parece um pouco mais leve mas eu ainda me sinto emocionalmente dormente enquanto ando para o quarto atordoada.


Notas Finais


Estou fazendo capítulos relativamente pequenos em relação aos primeiros, pra não ficar muito tempo sem postar. O que estão achando do andar da história? Fico feliz que vocês compreenderam minha ausência <3
Comentem... <3<3<3 Ah, e aquilo lá que vocês tanto esperam logo logo irá acontecer... haha finalmente né?
Até logo, xoxo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...