História Terrace - Capítulo 1


Escrita por: ~ e ~indelikaido

Postado
Categorias EXO
Personagens Chen, Lay, Suho, Xiumin
Tags Exo, Lay, Laysu, Primeira Vez Em Conjunto, Suho, Sulay, Xiuchen
Exibições 506
Palavras 5.547
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Eu ~xiahbolic irei falar por mim e pela Gi kkkkkkkkkkkk, pera~
a mensagem dela é algo como "MEU DEUS DO CÉU ESTOU ESCREVENDO COM A SENPAI", EU FICO FELIZ -q, bom.
A gente plotou essa fanfic do nada, SABE O QUE É DO NADA? A gente nunca tinha se falado, mas estavamos falando de sulay em um grupo, ai pq não? Chamei ela no pvt e, bora escrever? ai ela KE? BORA. Eu estou sendo bem ansiosa em vir postar a primeira parte da fanfic e espero que gostem dela tanto quanto eu e a Gi estamos adorando escrever ela <3 toda amorzinho, haha.
BOA LEITURA.

Capítulo 1 - Two


Yixing estava caminhando pelos becos de Seul, enquanto alisava sua barriga com uma expressão de dor, fazia dois dias que não se alimentava e se tornava cada vez mais difícil conseguir alimento, principalmente por não estar com um dos melhores cheiros, as pessoas tinham um certo preconceito. Mal conseguiam andar no mesmo lado da rua que ele, e isso o deixava mal. Pensando no que havia feito de errado, preferiu ignorá-las como sempre fez.

Ajeitou suas roupas já gastas e observou o restaurante que se avolumava à sua frente. Sentia seu rosto esquentar diante de algumas pessoas bem vestidas entrando e até mesmo saindo, e por mais que gostasse do simples e do comum, queria ter algo como o que elas tinham. Segurança.

Mordeu os lábios fortemente ao parar em frente do restaurante, ele parecia ser bem caro, porém não podiam lhe expulsar só por estar mal vestido e sem dinheiro, certo? Deviam mostrar que também são boas pessoas, não mataria ninguém dar-lhe um prato de comida, podia ser a coisa mais simples, desde um arroz até um pedaço de ovo.

Acabou decidindo por empurrar a porta dupla de vidro, inspirando o ar perfumado e frio que o local emanava, e olhou timidamente para algumas pessoas que ali jantavam. Não gostava muito de encarar, mas também não sabia como se comportar em uma situação dessas.

Assim que passou a caminhar pelo salão, foi recepcionado por um homem com uniforme de garçom, apertou a barra de sua camisa e o olhou de lado, principalmente ao ver a expressão de nojo que o garçom havia feito. Engoliu em seco, tomando coragem para falar.

“Boa noite senhor, eu posso te pedir uma coisa?” Indagou receoso.

“Na verdade, não, mas você já está aqui, então seja breve.” Ele o olha de cima a baixo.

“Eu podia pedir um prato de comida…?” Mordeu os lábios, ainda apertando a barra de sua camisa surrada, ainda abaixou a cabeça com medo da resposta do garçom, afinal era um restaurante granfino.

Ouviu o homem em frente à si bufar, irritado.

“Escuta aqui, moleque, nós temos cara de quem faz serviço comunitário?” Perguntou, segurando em seu braço com força. “Creio que não.”

“Desculpe, mas é que eu estou com tanta fome…” Murmurou sentindo se cada vez mais fraco “Só um prato…” Resmungou enquanto se apoiou no garçom, mas o mesmo lhe empurrou para longe, fechou os olhos com força, prestes a sentir a dor que seria ao ser jogado no chão, mas algo macio preencheu suas costas e até mesmo o segurou fortemente.

Sorriu de lado, havia morrido e ido para o céu?

Alguém o segurou para que não caísse, sem tirar os olhos do garçom.

“Temos algum problema aqui?” Se pronunciou.

Deu uma boa olhada em quem estava o defendendo. Realmente, devo estar no céu. Com um notável sorriso branco e cínico, era um rapaz que provavelmente tem a mesma idade que Yixing, mas sua aparência era bem melhor. Os fios claros lhe caíam nos olhos, mas de uma maneira nada desorganizada. Parecia puro, rico, e acima de tudo um cara legal. Porque alguém como ele está fazendo isso?

“Esse mendigo veio achando que nosso restaurante é de classe baixa, pediu um prato de comida.” O garçom praticamente riu ao falar, naquele momento todos do restaurante estavam com a atenção voltada para os três no centro.

Junmyeon o olhou, se segurando de raiva.

“Você acha que ele merece esse seu preconceito? Não vê que ele está fraco? Não se incomode, vou a um outro restaurante com ele e pagarei um prato de comida.” Ergueu o nariz ao falar “Não só um, pagarei a quantidade que ele quiser.” Sorriu ao dizer, segurando o garoto pela cintura, saindo daquele lugar imprestável, se lembraria de voltar e conversar com o gerente daquele restaurante.

“O-obrigado.” Yixing murmurou ainda se apoiando no rapaz, estava fraco demais para caminhar sozinho, o outro pareceu perceber isso, pois em nenhum momento tentou lhe afastar.

“Me agradeça depois.” Sorriu, ajudando Yixing a caminhar até o outro restaurante.

Ao chegar, os dois se sentaram em um lugar mais afastado, e JunMyeon olhou para o outro com interesse.

“Então, o quê você vai querer?” Indagou.

“Bom, querer eu quero muita coisa… Mas no momento, um prato cheio de macarronada eu iria agradecer.” Sorriu de lado.

“Você está todo sujo e fraco… Por acaso fugiu de casa?” Perguntou enquanto chamava o garçom com um sinal.

Yixing se encostou no assento, um pouco tímido.

“É complicado… Eu diria que fugi do meu país…” Forçou um sorriso. “Não me orgulho disso, mas foi necessário.”

“O que, como assim fugiu? Você tem que idade? Meu deus, você é louco.” Se deixou rir por um momento, mas seu ânimo se dissipou ao ver o garoto à sua frente.

“Eu? 20 anos. Não está muito fácil pra quem mora na China, sabe?” Yixing se atrapalha um pouco com as palavras, e desiste de encarar o rico, se limitando a fitar a mesa.

Junmyeon apenas espera o pedido chegar para começar a observar o chinês que realmente parecia estar passando por maus bocados, por um momento chegou a sentir pena, por mais que isso não fizesse parte da sua personalidade.

Mordeu os lábios fortemente ao ver as roupas que o outro usava, o cabelo oleoso, a pele com algumas sujeiras, o garoto realmente devia estar sofrendo muito, enquanto si… Tinha tudo do bom e do melhor, balançou a cabeça por um momento e se assustou ao ver aqueles olhos escuros lhe fitando, sorriu de lado e o encarou de volta.

“Você quer que eu divida com você?” Yixing limitou-se a perguntar, mastigando a comida devagar, por mais que sua fome não estivesse nem na metade de ser cessada.

JunMyeon sorriu por alguns segundos, e arrumou o cabelo com os dedos.

“Não, fique à vontade. Se quiser mais, me avise.”

Yixing o olhava entre cada mordida que dava, como se estivesse engolindo sua aparência junto com a comida. O estranho lhe proporcionava um fascínio, pois tudo nele lhe parecia certinho: desde as roupas até o jeito de falar, de cantinho, como se sempre estivesse suspeitando de algo.

Não que tivesse ficado afim de Junmyeon, mas pelo pouco tempo que passou com o homem, ele parecia ser um de bom caráter, desde o momento que lhe ajudou no restaurante e lhe trouxe em outro para tirar a barriga da miséria.

Ele parecia interessante.

“Meu rosto está sujo?” Junmyeon ousou perguntar, o modo que o outro lhe olhava estava o deixando tímido, sorriu de lado ao ver a boca do outro suja com o molho de macarrão, pegou um guardanapo e se levantou, ficando perto o suficiente para fazer o chinês voltar seu olhar para si, aquela cena podia ser interpretada de tantas formas…

Yixing ficou sem palavras, mas logo voltou aos seus sentidos, piscando várias vezes.

O quê ele está fazendo?

“N-não, seu rosto está bem longe de estar sujo, moço. Me desculpe por encarar.” Ele olha para a mão do outro, que alcançou sua boca com o guardanapo e a limpou.

Se permitiu sorrir, e depois tomou um longo gole de suco, quase rezando para que não lhe fizesse nenhuma pergunta constrangedora.

“Não se apresentamos ainda, não é? Eu sou Kim Junmyeon, prazer.” Estendeu sua mão sob a mesa e voltou a observar o chinês envergonhado. Ele suspirou levemente ao ver o outro abaixar um pouco os ombros.

“Zhang Yixing.” Falou sério “Eu realmente nem sei como te agradecer por te me pagado essa refeição, eu estava há alguns dias sem me alimentar, achei que fosse morrer. Não sabia que as pessoas aqui eram tão egoístas, se eu fosse rico e tivesse a oportunidade de ajudar alguém, eu faria sem pensar duas vezes.” Disse rapidamente, sem nem perceber o quanto se tornou falante em tão pouco tempo, deixando suas bochechas corarem levemente. Não devia ter falado aquilo, sentia isso, principalmente pela expressão de Junmyeon.

Para sua surpresa, o outro sorriu de forma sincera, brincando com seus anéis.

‘’E eu sinto muito por você ter que passar por isso. Aprendi desde cedo que não devemos ser tão duros com aqueles que pouco têm, pois uma hora o jogo pode virar, sabe? Não há necessidade nenhuma de me agradecer.’’ Junmyeon ficou um pouco vermelho. ‘’Se dependesse de mim, você nunca precisaria passar por isso novamente.’’

Yixing ficou remoendo as palavras que acabara de ouvir. Será que existe mesmo uma solução para a minha situação? Ficar aos cuidados de outra pessoa lhe parecia algo tão impossível que nem havia tentado ir para orfanatos quando era menor.

“Eu queria que existissem mais pessoas boas como você, mas o mundo é complicado, agora eu voltarei para rua e passarei por necessidades novamente, mas um dia eu irei ter sorte e conseguir um lar e emprego, que façam eu não precisar pedir esmolas na rua novamente.” Yixing foi sincero ao falar, comendo com gosto sua última garfada.

JunMyeon suspirou, e olhou para a tela do celular.

‘’Vem comigo até meu apartamento, você pode ficar lá até conseguir outro lugar. Não é a melhor das ofertas, mas é um lar, e pelo menos você não vai passar fome e frio.’’ Disse sério “Você poderá se lavar, terá comida à vontade e não precisará se preocupar com o que fará no dia seguinte. Eu te ajudarei.” Continuou.

“Você nem me conhece, porque está me oferecendo tudo isso? É demais…” Falou extasiado pela confiança repentina que havia recebido do rapaz.

“Eu acho que você é uma boa pessoa, gentil e interessante. Será legal ter alguém comigo no meu apartamento, estou sozinho há algum tempo…” Mordeu o lábio inferior discretamente “Mas se você não quiser, tudo bem. Eu irei entender” Sorriu simpático.

O encarou, pensando a respeito da proposta. Yixing se sentia um zé ninguém: não possui identidade, não se nacionalizou como coreano, não faz a mínima ideia do que acontece ao seu redor, e toda a inteligência que tinha, adquiriu na escola primária. Não tinha, portanto, nada a perder. Sua vida não tem como ficar mais miserável, a partir desse ponto só adianta progredir.

“Eu fico sem jeito de aceitar, mas já que você está insistindo tanto…” Yixing comentou balançando seu garfo envergonhado “Eu posso ir ao banheiro, rapidinho?” Perguntou sem jeito.

“Claro.” Junmyeon riu com o modo que ele havia aceitado aquilo, sabia que estava sendo precoce demais de chamar alguém que nem ao menos conhece para seu apartamento, mas em uma coisa que aprendeu em sua vida, era ler as pessoas e pelo pouco tempo que passou com o rapaz, sabia que era uma boa pessoa e que se divertiria muito com ele em seu apartamento.

Yixing se levantou, procurando pelo lugar que indicava ser o banheiro, assim que ele entrou, foi direto lavar as mãos e seu rosto, esfregou tentando tirar a oleosidade, pegando um pouco do sabonete caro que devia ter ali, formou espumas com a sua mão e passou no seu rosto.

Após enxaguar seu rosto, passou sabonete pelos seus braços, tentando tirar um pouco da sujeira que estava impregnada ali, pelo tempo secou-se e voltou para a mesa como se não tivesse acontecido nada.

Sentou-se em frente à JunMyeon, um pouco ansioso.

‘’Você está satisfeito?’’ Perguntou, olhando para o outro.

‘’Sim, muito obrigado, mesmo.’’ Agradeceu diversas vezes, se curvando minimamente.

Se levantaram, caminhando para o caixa juntos, e Yixing observou os doces e chocolates em cima do balcão, surpreso. JunMyeon notou a expressão do outro, e seu olhar ia dele para o chocolate mais perto de si.

‘’Você quer um?’’ Perguntou, pegando um deles e o girando em seus dedos. Vendo o brilho no olhar de Yixing, segurando-se para não rir da expressão fofa que ele havia feito.

‘’Quê? Claro que não.’’ Quase gaguejou, mas se concentrou em desviar os olhos das risadinhas silenciosas que o outro soltava.

‘’Vou levar esse, pode colocar na conta.’’ Entregou o chocolate ao caixa, ainda sorrindo. Fazendo Yixing apertar a barra de sua camisa, ainda envergonhado.

Saíram do estabelecimento e o chinês passou a seguir devagar o coreano, ele estava a procura de algo, só não sabia exatamente do que. Continuaram caminhando, até ouvir um barulho um tanto comum.

“Entre.” Ditou antes de abrir a porta do carro para Yixing que corou feito um tomate. Mas apenas obedeceu, sentando receoso, pois o carro era limpo e cheiroso, ao contrário de si.

“Eu irei te deixar no apartamento, te passarei a senha, você pode ficar a vontade ok? Tomar um banho e vestir qualquer roupa, eu irei ligar para um amigo próximo e pedirei para ele vir de encontro, poderá cortar seu cabelo, caso queira.” Disse rapidamente, antes de pegar seu celular e discar o número do tal amigo.

“Obrigado…” Seu cabelo estava lhe incomodando há tempos, mas o fato de Junmyeon não ficar na casa, lhe deixava receoso “Mas você irá aonde?” Indagou curioso.

‘’Hm, tenho uma espécie de festa para ir.’’ JunMyeon parou de falar com Yixing para falar ao telefone.

O chinês observava a paisagem passando rapidamente, se afastando cada vez mais de onde costumava ficar. Quem sabe hoje conseguiria dormir tranquilamente, sem ter que se preocupar com perigos que a maioria da população nem imagina que existe.

Mas que festa era essa? Não possuía o menor direito de questionar o outro, mas lá dentro a curiosidade corroía todos os outros pensamentos que ousava ter. Balançou sua cabeça negativamente, tentando não prestar atenção na conversa de Junmyeon, suspirou ao vê-lo desligando o celular.

“Ele irá vir te ajudar com a estética, sei que não pediu. Mas por ter passado tanto tempo na rua, eu acredito que quer se cuidar um pouco.” Sorriu de lado, olhando para suas partes íntimas por um momento, Yixing tentou inutilmente se esconder, mas a pior parte era que o coreano tinha razão, ele queria se cuidar, tomar um banho, tirar os pêlos indesejados e cortar seu cabelo, sentir-se limpo por completo “Não tenha vergonha, é uma coisa normal.” Piscou ao falar, voltando a prestar atenção na estrada.

Quase engasgou com a própria saliva ao ouvir JunMyeon falar aquilo, ele tinha percebido aquele olhar que durou milésimos?

‘’Ah, não é vergonha, eu só… nada, não é nada.’’ Voltou a fitar o horizonte, vendo uma cidade cheia de luzes se aproximando, e só naquele momento se deu conta do quanto estava longe do centro.

‘’Bem-vindo à parte divertida de Seoul!’’ Reduziu a velocidade para que o estrangeiro pudesse olhar melhor a paisagem.

Se divertiu observando as reações do garoto de cabelos escuros, sempre ficando boquiaberto com os jovens de cabelo colorido e roupas exóticas passavam por eles, e suspirando ao ver a quantidade de restaurantes que a cidade abrigava.

Passaram mais algum tempo dentro do carro, até aqueles estabelecimentos enormes sumirem e entrarem numa rua lotada de prédios enormes, Yixing se perguntou se o coreano era rico o suficiente para morar em algum lugar como aquele.

‘’Uau, você mora aqui mesmo?’’ Já sabia, pela aparência limpa do outro, que morava em um lugar à altura, mas não imaginava que seria algo como aquilo.

JunMyeon deixou o carro na rua mesmo, já que ia sair mais tarde, e os dois saíram do mesmo com pressa. Yixing olhou para cima, onde os edifícios se estendiam para alturas que iam além de sua imaginação limitada.

‘’Moro, não curto tanto essa ostentação, mas o apartamento não foi comprado por mim.’’ Resmungou baixinho, enquanto adentrava pelo hall com Yixing ao seu lado, foram até o elevador e o chinês parou em frente, receoso em subir nele, tinha medo de acontecer algo, como parar ou até mesmo das cordas se arrebentarem “Você está com medo?” Junmyeon perguntou.

“É que eu não sou acostumado…” Mordeu os lábios fortemente, sentindo as mãos quentes do coreano tocarem em seus braços, o puxando para dentro.

“Não tenha medo, feche os olhos ok? Eu estarei aqui.” Falou segurando fortemente a mão do outro, apertando o botão do andar que morava, assim que sentiu o elevador se mover, começou a apertar a mão do coreano o mais forte que pôde, o frio que estava sentindo na barriga a cada andar que subia era arrepiante.

“Isso não vai acabar?” Perguntou trêmulo, aquilo estava lhe deixando agoniado, por mais que tivesse a presença gostosa do rapaz.

O coreano fitava Yixing, sem saber o que falar, pois sempre fora acostumado a estar naqueles ambientes, fosse para ir para a própria casa ou para acompanhar o pai em reuniões de negócios.

‘’Viu? Acabou.’’ Disse, com um sorriso, ao notar que a porta do elevador estava se abrindo.

As portas revelaram algo já conhecido por JunMyeon, mas totalmente inusitado para o outro. À sua frente, havia apenas uma porta, entalhada à mão na madeira, no meio de um corredor extremamente luxuoso. Por mais que odiasse a ideia de sujar um lugar daqueles com sua presença, a claustrofobia lhe forçava a descer do elevador.

Observou enquanto o outro discou uma senha na tela ao lado da porta, e ouviu algumas trancas se abrirem. JunMyeon ficou parado ao lado da porta já destrancada, sorrindo.

‘’Faça as honras.’’ Disse sorridente, Yixing sentiu-se como num filme igual aqueles que assistia quando era criança, estava receoso de entrar, mas assim que pisou no lugar extremamente limpo e luxuoso, deixou seu queixo cair totalmente.

Era um apartamento no terraço. Ficara tão amedrontado com o fato de estar no elevador que nem perceberá o quanto subiram de fato. O local era limpo e arrumado, as paredes não eram pintadas, e sim com os bloquinhos de tijolo à mostra, mas não da forma deselegante presente nas ruas por onde Yixing dormia, tinha um ar mais… Como é a palavra? Industrial. Parecia mais um estúdio, com espaços amplos o suficiente para abrigar carros em seu interior. Entrou no apartamento e atravessou a sala, sem nem olhar para os móveis, apenas se dirigiu à janela enorme do cômodo. Parecia o pesadelo de Yixing, estava alto o suficiente para ver o resto da cidade, e não acabava por aí: a janela abria e dava para uma larga varanda, que provavelmente jamais seria explorada pelo chinês.

Conseguiu se virar para olhar JunMyeon, que tinha se posicionado ao seu lado.

‘’Não é… Alto demais?’’ Engoliu em seco, tentando não olhar para a paisagem.

“Sim, mas você se acostuma. Eu irei tomar um banho e logo sairei, fique a vontade ok? Pode ficar com o quarto vago que preferir.” Disse antes de sumir por um corredor colorido, sorriu ao ver que tinha um lugar não tão sério assim, era tão contemporâneo. Ainda sentia-se tímido por estar numa casa igual aquelas, já que em nenhuma de suas vidas se imaginou em um lugar como aquele.

Suspirou pesadamente, passeando pelo corredor, assim que entrou no segundo quarto, se assustou ainda mais, era tão espaçoso, tinha uma cama king size e uma TV em sua frente, uma pequena poltrona com uma estante com livros e uma mesa média no centro, e havia mais duas portas no quarto, perguntou se era o caminho para nárnia, aquilo não era um apartamento e sim uma mansão.

Yixing passou as mãos pela colcha azul que estava em cima da cama, sentindo o calor praticamente o convidando para se deitar, e se ajoelhou no chão.

E chorou. Pois não sabia como reagir àquela infinitude de informações que seu cérebro recebia naquele momento, pois a gratidão e respeito que sentia não cabia mais em seu peito. Jamais tivera aquele tipo de lar, tão aconchegante e diferente, e não sabia como iria conseguir retribuir aquele favor que JunMyeon estava fazendo para ele.

Queria deitar, mas não podia. Sabia que tinha que tomar banho para não sujar a cama, mas estava perdido demais para se mover, então decidiu esperar pelo coreano ali no chão.

Não soube quanto tempo passou no chão, mas apenas voltou aos seus sentidos quando ouviu uma porta batendo e uma voz dizendo que chegaria antes das 1h, por um momento ficou feliz por ele não ter abrido a porta e lhe visualizado daquela forma, mas ficou triste pelo fato de ter sido deixado sozinho naquele apartamento, não sabia nem ao menos o que fazer agora.

Até se lembrar que algum amigo cabeleireiro do Junmyeon apareceria no apartamento, para dar um jeito em sua aparência.

Ouviu a porta se abrir, e correu para ver quem era, aparecendo na sala timidamente. Se deparou com um moreno, um pouco menor que si, mas bem mais forte e bonito.

‘’Oi, você deve ser o amigo do JunMyeon.’’ Os dois falaram ao mesmo tempo, e atmosfera do ambiente ficou mais leve com a risada tímida de ambos.

‘’Ah, com certeza vocês não chegaram há muito tempo… eu sou o JongDae, mas pode me chamar de Chen.’’ Seu sorriso era incrivelmente brilhante, e pegou Yixing de surpresa.

‘’Eu sou o Yixing… Chen, você sabe onde ficam as toalhas e o banheiro?’’ Indagou timidamente.

O recém-chegado riu, e levou o outro para seu quarto, e abriu uma das duas portas dentro do cômodo, revelando um toalete equipado com uma banheira de hidromassagem.

‘’Vou deixar a toalha na porta enquanto arrumo minhas coisas… Tome seu tempo.’’ Disse antes de ver o outro afirmando com a cabeça.

Yixing estava um pouco envergonhado com aquilo tudo, porém trancou a porta e logo se despiu, indo até a banheira, a observando encher aos poucos, enquanto isso observou alguns produtos e assim que pegou algum deles sentiu o aroma maravilhoso, ousou colocar um pouco na água que enchia e viu as bolhas se formando aos poucos.

Assim que a água estava pela metade, adentrou receoso, fazia quanto tempo que não tomava um banho decente? Sorriu ao sentir a água morna tocar em sua pele, mordeu os lábios e fez uma concha com sua mão, enchendo de água e levando ao rosto, esfregando o mesmo.

Lavou seu cabelo, brincou, se lavou por completo e brincou novamente. Estava sentindo-se um príncipe em meio a realeza, era tudo tão fantástico que tinha medo de ser um simples sonho. Logo finalizou seu banho, pegando uma toalha branca e secando-se completamente, enrolando a mesma na cintura, limpou o espelho embaçado e se olhou por um momento, estava contente com o resultado, principalmente por estar com um cheiro agradável.

Saiu do banheiro e tentou esconder seu corpo por um momento ao ver Jongdae com algumas coisas em cima da mesa do centro, ele fez sinal para ir até a cadeira que estava ao lado da mesa, caminhou até lá receoso.

“Eu posso me vestir primeiro…?” Mordeu os lábios, evitando o contato visual.

“Não precisa, sério. Você ficou com uma aparência melhor depois do banho, espero que fique melhor ainda quando eu dar um jeito em seu rosto.” Riu ao dizer, vendo o rosto de Yixing corar igual um pimentão.

“E-eu vou te decepcionar, então.” Falou, nervoso.

Chen segurava uma tesoura, brincando com a mesma, o que deixou Yixing intrigado. Ele não aprendeu a não brincar com tesouras?

“Como você quer que eu corte essa juba?” Perguntou, sorrindo.

Observou o cabelo macio e sedoso do outro com uma certa admiração. Assim como JunMyeon, Chen possui uma aparência impecável, sendo ela dolorosamente bonita. Ele queria ser que nem um deles.

“Como você achar melhor… não estou muito acostumado a cortar o cabelo.” Mordeu o lábio inferior, olhando para baixo.

Ficou calado enquanto o outro cortava seu cabelo, trabalhando com uma agilidade impressionante. Tudo o que passava em sua mente era o quanto queria se vestir logo, para não precisar passar por situações constrangedoras que sabia bem como poderiam ocorrer.

“Seu cabelo é muito bonitinho. Parece cacheado.” Chen sorriu para o outro, tirando o excesso de cabelo e só então parando para admirar Yixing.

“Eu não gosto muito dele.” Passou a mão por entre os fios escuros, sentindo-os mais macios, então sorriu largamente.

Ao ver o sorriso de Yixing, o coração de Chen apertou. Estava tão bonito daquele jeito que o queria colocar em um potinho. Achou bonita as covinhas, o cabelo recém aparado… e seu físico, que por mais que fosse magrelo era bem definido.

“Bom, o trabalho está feito.” Jongdae disse vitorioso, observando a aparência limpa de Yixing “Agora tirarei um pouco do excesso da sua sobrancelha, tudo bem?” Perguntou, vendo o garoto afirmar.

Yixing apertou a barra da sua toalha a cada puxada que o outro dava, mordeu os lábios fortemente ao sentir ele chegando em uma parte mais sensível ainda.

Chen sorriu ao ver as lágrimas nos olhos do chinês, e tentou ir mais devagar.

“Ah, me desculpe se te machuquei…” Falou, assim que Yixing massageou o local com as mãos.

“Tudo bem… Já acabou?” Indagou, olhando para o outro.

“Na verdade, não.” Riu de leve, antecipando o momento que viria a seguir. “Tira a toalha.”

Yixing o olhou, vermelho, sem saber se tinha escutado direito.

“O quê? Como assim?” Colocou a mão na barra da toalha, segurando com toda sua força.

“Você não quer que eu te depile com a toalha na frente, né? Não vai dar muito certo.” Riu mais ainda, achando as reações do outro muito engraçadas.

“Depilar, porque? Eu posso fazer isso com um gilete…” Murmurou envergonhado, chegava a ter arrepios pelo corpo em imaginar se abrindo pra outra pessoa…

“Olha, não precisa ter vergonha de mim. Seremos amigos, certo? E se depilar com o gilete irá encravar seus pêlos e eles crescerão mais feios.” Ditou “Você não quer que Junmyeon lhe veja com pelos encravados, certo?” Jogou aquilo em cima do chinês que se engasgou com a própria saliva.

Como assim deixar o coreano lhe ver nu?

“Ele é só meu amigo… não tem porque ele me ver nu.” Continuou com a mão ali, na barra.

“Ah, por enquanto… Mas vamos, eu acho que irá se sentir melhor, é sempre bom se depilar, nunca sabe-se quando ocorrerá um imprevisto.” Sorriu ao dizer aquilo, vendo o modo que o chinês se encolhia na cadeira.

Yixing acabou se dando por vencido e desenrolou a toalha, tentando não olhar muito para Chen, não sabia como seu corpo ia reagir àquela situação.

“Não vai doer nem nada. É rápido, prometo.” Sorriu ao ver que o outro se sentou. “Não precisa ter medo, não vou morder.”

“Quê!?” Yixing quase se levantou da cadeira, assustado.

“É tão engraçado te assustar.” Chen deu risada mais uma vez, antes de segurar a mão de Yixing e o acompanhar até a cama “Apenas deite-se e relaxe.” Comentou puxando a toalha do rapaz, ouvindo-o gritar tentando se esconder.

Acariciou seu cabelo, tentando fazer ele se acalmar um pouco.

“Desculpa, eu só não estou acostumado a ter contato físico com as pessoas.” Falou, baixinho, na esperança de que Chen não ficasse irritado com ele.

“Ah, entendo. Mas fica tranquilo, ninguém aqui te quer mal, ok? Tô tentando deixar você bonitão pras meninas.” Piscou para ele, se sentando na cama. “Ou pros meninos.”

“Ah… Obrigado.” Sorriu de lado “Tenta não me machucar muito, tudo bem?” Comentou envergonhado.

“Não irei.” Falou, confiante.

Tomou todo o cuidado que podia para fazer aquilo, observando sempre como Yixing reagia à tudo. Parecia ser bem sensível, um mero tirar de pêlos o deixava com olhos marejados, e isso despertou muito a curiosidade de Chen. Ah, se fosse ele no lugar de JunMyeon.

Pegou a cera fria e pediu gentilmente para Yixing abrir as pernas, vendo o outro receoso, mas no fim acatou o que Jongdae havia pedido.

Gritos e mais gritos podiam ser ouvidos, se aquele apartamento fosse menor, com certeza já estariam chamando a polícia militar para ver o que estava acontecendo.

 

Yixing bebia uma xícara cheia de chá, ainda com o peito despido enquanto olhava pela janela. Não queria encarar Chen pois se sentia extremamente envergonhado, e o outro tinha percebido isso.

“Eu te machuquei demais?” Perguntou, oferecendo uma blusa vermelha para ele.

“Ah, não é isso. É aquilo que te falei, de costume.” Resmungou enquanto vestia a camisa, não sentia-se confortável para falar que fora morar na rua por ter fugido do seu país. “Depois de um tempo muito longo sozinho, aprendi a repelir as pessoas.”

Deu de ombros e olhou seu reflexo no vidro da janela da sala, e não conseguiu evitar o suspiro que escapou de seus lábios.

“Uau.” Foi tudo o que conseguiu falar.

“Gostou da mudança?” Chen sorriu ao ver o rosto perplexo do chinês.

“Eu tô muito bonito.” Corou, um pouco confuso por ter falado aquilo. “Não quero ser esnobe nem nada mas-”

“Entendo. Não precisa de explicar.” Não conseguiu evitar as risadas após o comentário de Yixing. “Você merece.”

“Obrigado.” Respondeu tímido, vendo o outro segurando suas coisas “Já vai?” Indagou curioso.

“Sim, tenho que buscar o meu namorado na faculdade.” Sorriu ao dizer aquilo, vendo Yixing arquear as sobrancelhas.

“Tudo bem, até depois.” Disse acompanhando o outro até a porta. Se despediram e logo Yixing se viu sozinho naquele apartamento enorme, não queria que Jongdae tivesse ido embora, porém se deu por vencido e sentou no sofá, pensando se Junmyeon demoraria para voltar.

Sentia-se ofegante, levantando do sofá num pulo, olhou para o relógio e percebeu que havia passado tempo demais dormindo, suspirou e levantou-se indo em direção ao quarto de Junmyeon, constando pela hora, podia ser que ele já estivesse em casa.

Porém ao entrar no quarto, não o encontrou lá, suspirou triste. Era estranho estar na casa de outra pessoa, sem o dono lá. Saiu do quarto do rapaz e caminhou em direção a cozinha, estava morrendo de fome.

Ao entrar naquela cozinha toda equipada, quis chorar de emoção, era tudo tão limpo e organizado que o lembrava dos tempos que cozinhava em sua cidade natal. Passou a descobrir cada canto daquela cozinha, vendo os armários cheios e aconteceu o mesmo com a geladeira.

“Provavelmente ele chegará com fome…” Murmurou enquanto pegava o arroz e algumas algas que havia na geladeira, separou mais alguns ingredientes e o colocou na bancada, indo atrás das panelas.

Iria fazer uma sopa de arroz com algas. Era leve e dava para comer antes de dormir, sem pesar o estômago.

Passou algum tempo cuidando da sopa, sentindo o aroma gostoso que estava começando a formar.

Olhou para o relógio digital acima do fogão algumas vezes, já passava das 2h da manhã e o sono começava a exaurir as forças de Yixing, e quando estava manuseando a panela ouviu a porta da sala se abrindo.

Embora não tenha deixado nada cair, acabou pagando pelo susto que levou, queimando os dedos, que ficaram instantaneamente vermelhos.

JunMyeon apareceu na porta, franzindo o cenho.

‘’Achei que fosse estar dormindo.’’ Falou, um pouco sonolento.

O chinês sorriu, colocando a comida em um prato para que o outro pudesse comer, e a colocou sobre a mesa.

‘’Como não sabia se tinha comido, resolvi preparar alguma coisa quente.’’ Corou, olhando para baixo.

Se arrastou para a cadeira, sentindo o aroma delicioso da sopa de arroz, e ficou feliz ao ver o que Yixing tinha feito, comendo tudo muito rapidamente.

‘’Eu estava com fome, obrigada.’’ Sorriu, mas ao ver os dedos do outro ao tentar retirar o prato de sua frente, segurou seu pulso. ‘’O quê foi isso?’’

Não obtendo uma resposta do outro, se levantou e prontificou-se a lavar seus dedos na água fria, tomando cuidado para não encostar na ferida.

‘’Eu levei um susto quando você entrou, foi isso.’’ Yixing disse, olhando fundo nos olhos de JunMyeon.

Não queria atrapalhar o amigo, podia ver suas olheiras mesmo na pouca luz que inundava a cozinha, e o cheiro de álcool estava exalando de suas roupas antes perfumadas.

Como nada lhe foi dito, apenas o seguiu em silêncio para o banheiro principal do apartamento, onde ele lhe pediu para que se sentasse na beira da banheira.

‘’Por que não fez um curativo antes?’’ Indagou, pegando a caixa de primeiros socorros.

‘’Eu estava ocupado te dando atenção.’’ Riu um pouco, mas o outro se manteve sério enquanto passava com cautela uma pomada gelada em seus dedos.

Assim que terminou de enfaixar os dedos do outro, voltou a olhar para ele, e mesmo estando alcoolizado conseguiu se manter relaxado, inexpressivo, até que afagou os cabelos recém-aparados do chinês.

‘’Suas necessidades acima das dos outros, ok? Não se preocupe comigo.’’ Então deu seu melhor sorriso ao pegar uma aspirina. ‘’Agora precisamos ir dormir, você deve estar bem cansado.” Disse antes de se levantar e sair junto a Junmyeon do banheiro.

“Eu gostei do novo visual, você ficou lindo.” Junmyeon falou arrastado, tirando um sorriso sem jeito de Yixing, estavam caminhando pelo corredor até o coreano se desequilibrar e quase ir parar no chão, se não fosse por Yixing lhe segurar.

“Jun…” Yixing soltou, mordendo os lábios ao segurar o coreano que o encarou de olhos semi abertos “Você está bem?” Indagou preocupado, ajeitando Junmyeon em seus braços.

“Hum… Estou, foi só uma tontura.” Disse sôfrego, sorrindo de lado “Pode me soltar agora.” Disse, Yixing apenas afirmou sem graça, assim que se afastou e o outro foi tentar andar, quase tropeçou novamente.

O chinês suspirou pesadamente e pegou Junmyeon no colo, o que fez o outro lhe encarar atordoado. Devia ser totalmente ao contrário, não queria mesmo que o outro lhe visse daquela forma, mas a pouca consciência que lhe restava estava tentando não desmaiar nos braços dele.

“Acho que agora quem precisa de cuidados é você.” Sorriu ao falar, carregando o coreano de volta para o banheiro.

 


Notas Finais


OI OI OI GENTE, NERVOURS TOUR~
E AI GOSTARAM?????????? A GENTE TA LOUCA PRA SABER A OPINIÃO DE VCS E TENTAREMOS NÃO DEMORAR PRA POSTAR O ÚLTIMO CAP, COMENTEM COM A GENTE SE GOSTARAM <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...