História Terras selvagens - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Fantasia, Magia, Mundo Paralelo, Romance
Exibições 32
Palavras 1.401
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Hentai, Josei, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 16 - Parte 6


Apesar do corpo dolorido e cansado (da melhor maneira possível) Mist se obrigou a levantar. Podia sentir que o dia estava alto pela luz do sol que vinha da janela, ela sempre acordara cedo em casa, e o hábito não tinha mudado.

Para sua surpresa Seth ainda estava no quarto. Ele estava ainda se vestindo para o dia, colocando sua túnica e ajustando as calças. Mist bebeu com a visão, ela estava cansada, mas ela seria capaz de arrasta-lo para a cama e rasgar sua roupa fora num instante.

A coisa era que ela queria muito isso de novo. Mas quando iria colocar seus pensamentos em prática, Seth se voltou para ela, como se percebesse que finalmente ela tinha acordado.

No entanto, ao invés de ver um semblante feliz dele, seu rosto estava estranhamente sério e preocupado. E Mist não gostou.

“O que aconteceu? ”

Ele não respondeu de imediato, apenas terminou de se vestir, amarrando os cordões da sua camisa.

“Eu acabei de receber uma intimação da capital” ele disse após um momento. “uma ordem para comparecer lá de imediato para uma reunião dos fair das castas”

Parecia simples para ela, no entanto não deveria ser boa coisa já que ele estava assim. “E por quer? É algo relacionado com os conflitos? ” Perguntou se posicionando sobre os cotovelos.

Ele acenou, “infelizmente, geralmente somos chamados quando há pronunciamentos para fazerem ou decisões precisam ser tomadas, nesse caso, o problema com a produção de alimentos deve estar afetando mais do que eu imaginei” concluiu cabisbaixo.

Oh.

Ela se deitou novamente, os dedos tamborilando sobre os lenções. Aquilo não era bom. E agora ela ficaria sozinha? Ela não queria pensar nisso, mas o mero pensamento de Seth longe era desconfortante. Não que ela não desse conta de ficar sozinha, pensou, mas ele está longe depois de todos esses dias juntos doeu em seu coração.

Ela mordeu o lábio inferior num gesto automático para a onda de tristeza que a invadiu. Ficaria sozinha? Sem problemas realmente, afinal, tinha passado vinte anos da sua vida sem ele, e o que seria agora, alguns... espera, quantos dias ele passaria fora?

Uma semana, duas, um mês? Ela pensou alarmada.

“Quanto tempo será a viajem? ” Indagou, tentando manter a voz calma e não denunciar sua ansiedade.

“Não posso definir, só espero que seja tão curta quanto desejo! ” Ele respondeu, “espero que não seja um problema para você. ”

Então ele iria embora, por sabe se lá quantos dias, e Mist teria que ficar bem. Ela queria bater nele com o travesseiro, ou então socar sua cara bonita.

Não, ela não ficaria bem!

Mist tinha que admitir, ela gostava de o beijar. E também das mãos dele. E da forma com quem ele era mais receptivo a noite...

“Não será problema” ela mentiu resignada, “quando você irá partir? ” questionou com um nó no coração se formando.

“Você? ” Seth então se voltou para ela, confusão estampado no rosto, “nós iremos juntos! ”

“Irei? ”

“Claro, você agora faz parte da casta, é claro que irá! ”

Uma onda de alívio invadiu Mist.

“Por que? Você não deseja ir?” Perguntou e Mist viu seu semblante estranhamente preocupado.

Ela deu de ombros. O problema não tinha sido a viajem, mas a possibilidade de ficar longe dele. O que era realmente estranho...

Ela sentou-se na cama e dobrou os joelhos, pondo a cabeça por cima, “por mim, não vejo problemas”.

Mas Seth ainda parecia preocupado de alguma forma, “acho que não, só quero que se sinta confortável” disse sincero.

E lá estava aquele olhar dele. Seth as vezes parecia ser mais velho do que era, intenso demais, sério demais.

“Dificilmente” ela respondeu o encarando, o tom solene na voz.

Ele piscou confuso, “por que? ”.

“A questão Sethendreck... digo, Seth” e ela tentou esconder o rosto enquanto se levantava da cama, para que ele não a visse rindo, “a questão é que você... é meio, bom, você é... não me entenda mal, mas... você é...”

“sim? ” Ele pediu preocupado.

“Você é sem graça”

E Mist teve que morder o interior da bochecha para não rir da careta que ele fez.

“Eu sou sem graça? ” Seth perguntou atordoado pela virada repentina de assunto.

“Sim, e mais uma vez, eu sei que não é culpa sua, mas você é sem graça” ela disse séria e no mesmo tom que usava quando falava para alguma criança que ela estava errada.

“Eu não sou sem graça! ” Ele rebateu preocupado.

Ela andou pelo quarto, ganhando tempo “sim você é...., você, Seth, não canta, não dança, não toca, basicamente você é sem graça! ” Ela concluiu de forma grave.

“Eu sei cantar e sei dançar! Só não faço essas coisas quando, obviamente, há pessoas que trabalham fazendo justamente isso!”

Mist jogou as mãos para o auto, “oh deus, a coisa das castas de novo” ela disse exasperada “em outras palavras você é sem graça! ” Disse severa.

“Bom, eu posso fazer o que eu quiser” Seth respondeu, não se dando conta de todo o teatro.

“Hum, então conte uma piada” ela pediu após um momento.

Ele piscou, era sério isso?

“Vamos, me conte uma piada e me prove que você não é sem graça”

“Eu posso, mas não quero, não tem sentido” E Mist poderia beijar seu rosto atordoado, deus ele era adorável quando estava confuso.

“Mas um problema das pessoas do norte! Lá no sul, nós temos aulas sobre como contar uma boa piada! ”

Sua boca estava aberta, “O que está dizendo? Isso é uma grande mentira! ”

Mist deu de ombros, sem se deixar afetar, “você entendeu o que eu quis dizer! Mas vamos lá, conte uma piada! ”

“Isso é um absurdo! ”

“Não, eu quero agora. Vamos lá Seth, sua esposa exigi que você a entretenha com uma piada! ” Ela o desafiou mantendo o teatro.

Ele apertou a mandíbula com força;

“Certo, eu contarei então” ele disse trocando os pés de posição.

Mist colocou as mãos na cintura “Conte”

“Eu vou contar! ” Ele disse, mas sua mente corria a procura de alguma coisa sobre, ele já tinha lido a respeito, tinha certeza que ele pegara um ou dois livros sobre cultura que mencionava piadas.

“Eu estou esperando” ela alertou.

“Certo então” ele disse respirando fundo, “Bom, havia um garoto que vivia nos montes negros... você sabe, os Montes Negros são aqueles que ficam a leste do rio....”


“Seth, eu sei geografia, conte a piada!” Ela pediu com raiva.

“ É necessária para que entenda”

“Apenas conte a maldita piada!”

“Certo, então esse garoto que morava ao lado das montanhas negras, foi alvo de um teste, então perguntaram para ele: menino, por que essa montanha tem esse nome? No qual ele respondeu, por que se elas fossem montanhas brancas, os nomes delas seriam esse”.

...

Um silencio se instalou no ambiente.

Mist piscou atônita. “Eu não acredito” ela disse paralisada.

E Seth apertou os olhos para ela.

“Isso não pode ter acontecido, não... não” ela disse ainda.

“O que você...”

“Deve haver algum jeito” ela disse andando pelo espaço como se fosse uma mulher louca “quero anular o nosso casamento! ”

Seth ficou chocado e desorientando, “o que você...”

“ Deve haver alguma lei que não deixe uma mulher casar com alguém que não sabe contar uma piada” ela gritou indo a direção a janela.

“Mist!” ele ficou horrorizado, provavelmente os empregados iriam ouvi-la!

“Oh, destino cruel....” Ela continuou.

E só então Seth percebeu. Isso era um completo absurdo!

“Você está brincando comigo?!”

Ela se voltou, um sorriso largo no rosto “Não exatamente... Seth, você é sem graça mesmo” disse divertida.

E vendo que ele ainda estava confuso, foi até ele e o pegou pelas mãos “mas sorte a sua que você tem a mim agora” falou enquanto sentavam juntos.

Ele finalmente sorriu, “eu acho que sim” ele admitiu entrando na brincadeira.

“A primeira coisa é: nunca explique sua piada, seu bobo!”

Seth exalou, “certo, tudo bem” considerou ele, “acho que aprendi... mas então, você irá comigo? ” ele pediu.

Mist pareceu pensar um pouco, “eu vou” concluiu quando o fez deitar na cama novamente.

E então tirou sua túnica dos calções e o beijou novamente. E ele a abraçou e todas essas coisas de conflitos que pertenciam ao mundo exterior desapareceram.

Por aquele momento, eles realmente pensavam que todos os seus problemas haviam acabado.


Notas Finais


Ahhh, adoro brincar com Seth, ele é um homem adorável <3
Bom, infelizmente, vou passar alguns dias sem atualizar essa história, então, desde já MEU MUITO OBRIGADO por acompanharem e também por comentarem :D
Obrigada, realmente é a parte mais divertida!
Espero que a próxima parte da história não seja enfadonha, mas ela será importante para o final da história, então desejo , do fundo do coração, que eu possa contar com a presença de cada um de vocês (mais uma vez: é a parte mais divertida).
Obrigada pelo feedback, obrigadão!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...