História Teu e meu - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Suga, V
Tags 3some, Bangtan, Bts, Hopega, Hopev, Hoseok, Sentido Kd, Sobi, Sugahope, Sugav, Taegi, Taegihope, Taehope, Taehyung, Taeseok, Taeyoonseok, Threesome, Vhope, Vsuga, Yoongi, Yoonseok, Yoontae, Yoontaeseok
Exibições 368
Palavras 2.340
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Minhas fanfics não fazem sentido, minhas capas não fazem sentido, eu não faço sentido

Capítulo 1 - Único


•·°

"Não ‘tô aguentando mais!” Declarou Hoseok num grito lamuriante cujo reverberou por todo o recinto, onde bagunçava os cabelos negros com ambas as mãos em completo nervosismo.

Ele estava, com efeito, sentindo-se consumido/esgotado, não tinha mais forças para esconder o quanto se sentia mal perante os ocorridos aos quais constantemente lidava de forma passiva. E, principalmente, em como tudo estava de uns tempos para ali.

O moreno abatido fitava as figuras borradas dos dois namorados à sua frente tomado por tristeza. Hoseok naquela noite era um infindo de dor com carência de nuances – as quais deviam sempre lhe agraciar, pois tudo estava bem quando Hoseok estava bem.

Mas parecia aliviar-lhe o fato de enfim estar jogando tudo que escondia para fora, toda a angústia que era presenciar tamanhas tragédias no trepidante horror que era o silêncio, sem ser capaz de arbitrar a respeito de nada.

E ali, finalmente, expunha seu padecer em exorbitância, onde era ajudado por sua voz doída a qual tremulava de modo que o rapaz denotava tamanha sensibilidade.

"O que eu sou pra vocês? Um brinquedo que dividem entre si?" Hoseok indagou exigindo sinceridade no tom. Queria a verdade, queria tudo posto na mesa, aqui e agora. Não era mais uma daquelas noites em que ficava transparente diante do caos e apenas chorava escondido pelos cantos.

E diante disso, em seus suplícios lancinantes que pairavam quarto adentro, acabou não se contendo quando abraçou a si mesmo de modo que obtivesse segurança, notoriamente assombrado, e tornou a soluçar incansavelmente com toda aquela agonia rasgando o peito.

O mais novo dos três, este com nome Taehyung, cerrou os punhos em ódio diante daquilo. Apenas queria que as coisas não tivessem acabado daquela triste forma, onde a essência de seu relacionamento parecia somente trevas.

Ele, com tremendo esforço, refreava-se para não correr de vez e abraçar forte o seu pequeno, dando-o calor e segurança, assim podendo secar aquelas lágrimas inoportunas que lhe escorriam a face de tão bel simetria.

Ao seu lado, provido de uma expressão séria que fitava Hoseok bem como se não existisse nada em volta além do moreno desolado, aquele que detinha todo seu rancor; aquele que devia tentar ser menos possessivo a respeito do seu pequeno e perceber o quanto o egoísmo afetava não apenas a si próprio, como também a todos eles.

"Eu penso que qualquer dia desses se matarão." Hoseok disse entre soluços.

Yoongi torceu os lábios sentindo um incômodo absurdo com a cena que era ver o moreno desmanchando-se em prantos. E sem respeitar o momento, não aguentando tal tormento, fez a inútil menção de se aproximar da cama onde o moreno recendia aflição. Mas Hoseok se encolheu na cama e gritou "não toca em mim" de um jeito tão demasiadamente frágil que o estômago do mais velho contorceu, ao mesmo tempo em que engolia o seco por não ter em mente nada que pudesse acalmá-lo.

Yoongi apenas desejava beijá-lo. Beijá-lo afoitamente até que o Hoseok triste voltasse a ser o seu Hoseokie, para nunca mais chorar de tal maneira. Essa maneira estupidamente dolorosa que feria o loiro aflito.

Só que isso era apenas divagação, pois tudo se tornou um pesadelo ainda pior para Hoseok no instante em que Taehyung enfureceu-se com as ações do outro – de tentar aproximar-se –  e agarrou-o pela gola da camisa tal qual um animal selvagem, laçando-o um olhar mortífero que poderia lhe atravessar por tamanha veemência e intensidade.

"Você está tirando toda minha paciência.” Taehyung esbravejou em tom sério, o qual incitou o riso sarcástico do mais velho. ”Não vê que ele quer espaço?”

Yoongi riu outra vez, achava inútil lidar com aquilo, Taehyung era um idiota. Tão somente livrou-se das mãos atrevidas que lhe apertavam e empurrou o causador de sua fúria para trás com todo ódio possível.

"Pirralho, você devia voltar para sua mãe e não se meter comigo." Ofereceu em tom completamente arrogante, fazendo menção de novamente ir de encontro a Hoseok.

E aquilo acabou sendo a gota d’água, o Kim não estava no seu melhor estado para suportar as provocações do outro, ainda mais vendo que ele queria a todo custo tocar o seu pequeno sem o consentimento do mesmo. Droga, Hoseok estava tão assustado, qualquer toque poderia fazê-lo gritar, ele não via? E foi assim que Taehyung, tomado por fúria, levantou o punho num ímpeto de descontrole e golpeou de modo certeiro o queixo de Yoongi, arrancando deste um rosto ferido com dentes manchados por sangue.

O mais velho desequilibrou-se um tanto e parou por alguns segundos apenas encarando o chão, percebendo logo mais que o outro já se aproximava para outro golpe.

"Parem!" A voz gritada soou estagnando-os, e os dois se voltaram no mesmo instante para a direção de Hoseok, cujo pôs-se de pé ao canto do quarto.

Era de se notar que suas pernas sacolejavam e os lábios tremiam, que estava assustado, que estava com medo, sem findar o choro por nada. O que ocasionalmente obrigou Taehyung a soltar Yoongi e voltar-se para o amado com vergonha de tê-lo feito presenciar a tal cena. Novamente.

"Você precisa me ouvir, Hoseok." Pediu com calma, tentando não evidenciar o medo que tinha de perdê-lo. “Me desculpe por tudo que está acontecendo, mas você realmente precisa me ouvir.”

Tudo que Hoseok fez foi rir sem humor.

"Ouvir o quê? Mais desculpas imbecis?" Ele respirava com descontrole e parecia fora de si. Jamais explodira daquele modo anteriormente. Não parecia o rapaz de sorrisos largos e simpatia incessante por quem se apaixonaram. "Eu já estou cansado disso. Já estou cansado de vocês."

Era sempre a mesma coisa; os dois em batalha por ele como se Hoseok fosse um prêmio a ser ganho. Noites de discussões, brigas desnecessárias e Taehyung e Yoongi machucando um ao outro.

E os motivos sempre seriam absurdos aos olhos de Hoseok.

"Q-quando eu aceitei isso" começou na companhia da voz trêmula, "quando eu aceitei toda essa loucura, eu pensei que vocês me protegeriam. Vocês disseram que tomariam conta de mim, que eu não precisava me preocupar, pois nós nos amávamos. Mas, olha isso. Olha o que estão fazendo um com outro."

A voz de tom grave reverberava por ali acertando furtivamente os ouvidos alheios, tão sôfrega e cansada, cuja rouquidão tinha por consequência seus gritos incontroláveis de anteriormente.

"Vocês não veem o que fazem comigo? Estão me disputando como a merda de um troféu." A voz falhou na última palavra, por conta de toda a dor que era sentir-se um objeto.

"Você está vendo tudo por um lado ruim. Não diga essas coisas, porque não é bem assim, meu amor." Yoongi tentou confortá-lo com sua rouca e suave voz, tão sutilmente que nem parecia aquele que ficou prestes a quebrar todos os dentes de Taehyung outrora.

O sorriso que ele lhe deu parecia afável, repleto do amor que sempre lhe oferecia em momentos ruins, mas Hoseok, naquele instante em especial, somente enxergava possessividade e obsessão.

Yoongi sempre foi o mais apegado a si dentre os dois. Não tinha limites para a ternura. Ele queria o ter em seus braços a todo momento, queria sempre saber se ele estava bem, com os lábios nos seus incansavelmente, como se Hoseok fosse quebradiço e pudesse desmanchar-se em suas mãos se não cuidasse com esmero. Yoongi era dono de um carinho excessivo de fato, quando amava algo de verdade, tratava-o com toda a diligência que pudesse existir em si.

[...]

Hosoek fungou manifestando uma expressão de decepção cuja imagem era terrivelmente desagradável; os lábios úmidos de lágrimas salgadas e escarlate de mordiscadas rudes.

"Que porra... Vocês estão me ferindo tanto." O Hoseok proferiu soluçando forte, enquanto fitava o chão com fragilidade. “Merda.” Procurou limpar os olhos inutilmente.

E aquilo quebrou o coração de Taehyung.

"Ah, meu pequeno..." Proferiu contido em pegá-lo nos braços para fugirem dali e nunca mais voltarem. Detestava ver Hoseok chorar. Detestava tudo pelo que ele estava sendo obrigado a passar. E detestava ainda mais vê-lo tão frágil e assustado, sendo Taehyung um dos causadores de sua desolação.

“O que tem de errado com vocês, Tae?” Indagou, fazendo com que Taehyung suspirasse. E Yoongi permanecia a fitar Hoseok intensamente, com expressão enigmática que lhe assustava. “Quando foi que nos tornamos essa droga toda. Quando foi que vocês passaram a ficar tão filhos da puta? Vocês não se amam mais? Hm?”

Taehyung abaixou a cabeça diante da pergunta feita a si. Era difícil ter que explicar ao seu pequeno que esses dias se foram. Sem volta. Que se apaixonaram imensamente por si de modo que não conseguiam “dividir” Hoseok como antes faziam. Não exatamente dividir, apenas não sentiam-se bem em saber que Hoseok não era apenas de um deles, que aquelas lábios não eram de uma só boca, que o moreno era repartido entre eles.

Não se sentiam mais bem naquele relacionamento.

Ah, droga, quando Hoseok entenderia que Taehyung tinha vontade de matar Yoongi nos momentos em que via os dois aos beijos? Não percebia o quão distante Taehyung ficava aos dias em que eles faziam coisas juntos parecendo tão felizes?

“Não, Hoseok.” Yoongi respondeu simplista, sem hesitar no quanto aquela verdade magoaria Hoseok e daria a ruína daquele romance.

Era o fim. O fim de tudo.

“E eu sou o culpado, não é?”

Hoseok pensava, seria possível que voltassem a ser como antes? Quando os três eram inseparáveis, sempre dependentes um do outro, sem intrigas. Quando não importava para quem Hoseok daria mais atenção ou até mesmo quando ele quem recebia pouca atenção, uma vez que Tae e Yoongi hyung eram grudados um ao outro. Quando Hoseok podia admirar as carícias trocadas entre si ou quando os dois possuíam-no sem nojo de estarem em uníssono, sem ocasionar aqueles momentos em que teria que fazer amor com apenas um deles.

Sentia falta disso tudo. De todo o conforto que era os três e nada mais, nem nada menos.

Onde é que foram parar esses momentos? Yoongi e Taehyung sempre foram próximos, como irmãos, conheciam-se desde pequeninos e faziam tudo juntos. Doía vê-los daquela maneira, distantes, com raiva um do outro, fazendo disputas imbecis. “Quem vai ficar com Hoseok essa noite?”, “de quem ele é nas próximas horas?”, “Hoseok disse que me ama. E pra você?“, “o tempo dele agora é meu”, “não! É meu”. Isso estava dando dor de cabeça no moreno. Logo começava a culpar-se por ter entrado na vida deles, por ter sido bobo o suficiente para aceitar aquela vida achando que tudo seria perfeito.

A vida não é um sonho, porra.

Hoseok sentia-se destruído. Ver tudo que eles construíram desmoronar era doloroso. Infelizmente ele não pôde ter as coisas serenas por muito tempo. Assim como achou que prosperaria no começo, onde eles pareciam imensamente felizes, os três. A todo momento juntinhos, Yoongi, Taehyung e Hoseok, os três corpos compartilhando calor e amor.

Somente assim.

[...]

– O Yoongi ou eu.

 

– O Taehyung ou eu.

[...]

“Vocês não estão fazendo isso comigo... ” Hoseok choramingou, fitando os rostos sérios dos dois namorados que lhe encaravam pesarosos. “Eu sei que ‘tá difícil, mas não façam isso. A gente... A gente pode conversar mais. Pode tentar de novo. só, por favor...”

Sabia aquele não ser o relacionamento mais inteligente. Mas eles haviam prometido. Merda, eles prometeram. Eles prometeram que nunca fariam aquilo, nunca, os três eram um do outro, não podiam se dividir, não gostava mais desse e menos daquele, Hoseok amava os dois de mesma forma e intensidade.

Assim como Yoongi e Taehyung se amaram outrora.

 “Por favor... Não me peçam para escolher.”

“Desculpa, meu Hoseokie, mas nós não podemos mais ficar dessa forma.” Yoongi declarou.

Então era isso? Aquilo que eles tinham havia mesmo acabado? Aquela ligação? Agora teria quer ser ou Taehyung e Hoseok ou Hoseok e Yoongi?

“Eu não consigo.” Disse firmemente. “Não dá pra eu simplesmente escolher um de vocês, porra. Isso é impossível, eu não seria capaz de abandonar um de vocês, nunca.” Ele riu. “O que querem de mim? Eu sou a merda de um idiota apaixonado por dois caras. Sempre foi assim. E vocês sabem disso.” Pegou seu casaco em cima da cama e tentou limpar as lágrimas com o torso da mão direita. “Desculpa, mas não dá.”

Foi a última coisa que ele disse antes de vestir o casaco e ir embora. O desespero interno dos dois amantes foi imediato, correndo atrás do moreno para tentar impedi-lo. Hoseok nunca havia sido alguém confiável. Digo, ele era aquele tipo de pessoa que faz as piores burradas quando está triste, sem medir os resultantes. E agora que não tinha mais a proteção dos dois amados, podia acontecer qualquer coisa. Droga, ele podia até mesmo tentar alguma burrice, sabe-se lá em que intensidade. Porém foi inútil, porque Hoseok parecia ter desaparecido do planeta. Semanas se passaram e ele era inacessível.

Mesmo após aquilo, Yoongi e Taehyung continuaram a morar juntos. Mesmo com as desavenças, não se separam. Afinal de contas, a casa era de idem, compram-na juntos, e não tinham grana para pagar aluguel nem nada a afim de viverem longe daquele lugar que tinha de Hoseok por toda parte. Teriam que conviver um com o outro, infelizmente, junto das lembranças de Hoseok.

E esse não voltou, após meses passados, não voltou por nada, mandou Namjoon, um amigo do trabalho, pegar suas coisas. E tudo que era ele dele acabou indo também. Os amigos nem puderam ficar com qualquer bem material, alguma camisa que fosse para lembrar do cheiro dele ou algo do tipo. Namjoon levou tudo, e se mandou sem nem dizer se Hoseok estava bem, se ele estava vivo, droga!, se ele sentia falta.

Não queriam admitir nem muito menos lembrar de tal ocasião, sinceramente, mas num dia qualquer os dois se aconchegaram no sofá e abraçaram-se num aperto desesperado, lembrando de coisas que faziam com o amado, dos dias que passaram juntos e de quando eram felizes. Apesar de estarem com a presença de ambos, aquele fora o dia mais solitário de suas vidas.

Quando Hosoek se foi, aquela casa ficou uma merda.

•·°


Notas Finais


Minha mãe é esperta, né? "Já que você não quer ir pra igreja, fica em casa e faz meus trabalhos da faculdade" orra
.
.
.
.
Melhor final pra uma fanfic ever


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...