História The Adventures of Carter - Parte 1 - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Personagens Originais
Tags Carter, Ginásios, Liga Pokémon
Exibições 18
Palavras 2.486
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Super Power, Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá pessoal ! Tudo bem? Olha eu estou até otimista, eu só me atrasei dois dias do que esperava escrever um capítulo novo e vou assumir, amei o resultado. Esse é o primeiro capítulo inédito que eu escrevo da fic em 2 anos e graças a Deus encarnei a pegada.

É um capítulo com dois fatos acontecendo simultãneamente. Com a preparação para o climax dessa Parte 1.
Espero que curtam!

Capítulo 13 - Não Perturbe o Rei


Fanfic / Fanfiction The Adventures of Carter - Parte 1 - Capítulo 13 - Não Perturbe o Rei

Ícaro sobrevoava as ilhas dos redemoinhos. O ruivo observava o entardecer e aquilo não parecia preocupá-lo. Gyarados planava e serpenteava no ar, aguardando ordens de seu mestre.

--- Eu posso sentir! Você está aí! -- disse o menino de olhos fechados. -- Não temos tempo a perder, Gyarados! Vamos pegá-lo!

A serpente rubra rugiu e mergulhou em direção a uma das ilhas como uma estrela cadente. Ícaro tinha um misto de tensão e alegria, mas antes de penetrar no teto da caverna, ele lançou um olhar a ilha de Cianwood que podia ser vista no horizonte. Por algum motivo ele lembrou de Carter e ele quis saber como o garoto estava. 

Mas só até sumir na estrutura da gruta cercada de redemoinhos.

 

CIANWOOD GYM 

--- MAGBY SAI DAÍ! -- me desculpem o desespero, mas estou morrendo de medo do meu pokémon virar purê de pato encandescente. -- Fuja dele com a Roda de Fogo!

Já que o psicopata mais educado do mundo resolvera me dar uma carona até a ilha de Cianwood e esta ilha possuí um ginásio, por que não desafiar o líder e garantir um TM maneirão? Eu sou muito esperto.

Não. Eu não tenho nada de esperto.

--- Primeape ! Soco Dinãmico mais uma vez! -- vociferava o líder de ginásio.

Chuck era assustador. Imagine um homem enorme que estava pau da vida porque seu pokémon primata espancador estava errando o seu ataque mais poderoso por conta de um pato que desvia de seus ataques girando e pegando fogo. Sem falar que a arena que era em formato de Dojô estava ficando toda esburacada.

--- Torre De fogo, Magby! 

--- Punho do Trovão!

Magby esperou pegar uma certa distância e baforou uma espiral de chamas poderosíssima ( Que por sinal, ele aprendera a pouco tempo, estavamos treinando e de repente eu quase fiquei sem cabeça por conta dessa bela surpresa). O que eu não esperava era que o punho de Primeape se eletreficasse e ele parasse a rajada com um soco. 

--- Agora já era! -- Chuck bradou. -- Soco dinãmico!

Eu enlouqueci vendo o punho de Primeape se tornar branco com uma luz que cegou Magby. Eu tentei gritar, mas o impacto foi inevitável. Magby foi atingido bem no rosto e acabou voando contra uma parede no ginásio, já fora de combate. Eu corri até ele e vi que ele havia desmaiado. A risada de Chuck despertou o monstro em mim. Chamei meu parceiro de volta e chamei minha arma secreta.

--- Trrrrripiiiii!!! -- o pokémon fada surgiu em campo.

--- Não se gabe, moleque! A vantagem de tipo não sobrepõe o treinamento árduo!

--- Vamos ver! -- disse entredentes.

--- Primeape! Soco do Trovão!

--- Extrasensorial!

Lider e pokémon ficaram perplexos quando Togepi foi envolto por uma energia multicolorida e Primeape se viu imobilizado. Ele começou a levitar e foi lançado em cima de seu treinador. Primeape se levantou com um salto e ficou fazendo reverências constrangido, enquanto seu mestre estava com dificuldades para se levantar por conta das hérnias de disco.

--- Isso que dá colocarem um velho gagá como líder de ginásio!

--- QUEM É VELHO GAGA? -- o homem vociferou e dando um pulo de gato ele se colocou de pé. Estalou as costas e parecia novo em folha. -- VAI SE ARREPENDER! PRIMEAPE! SOCO DINÃMICO! 

--- Togepi ! Esfera das Sombras! 

Quando Chuck viu a merda que tinha feito, fora tarde demais. Togepi concentrou rapidamente a energia fantasmagórica entre as mãozinhas e esta voou e colidiu contra o punho de Primeape, causando uma explosão que jogou o macaco lutador longe e pra minha felicidade fora de combate. Chuck tossia por causa da fumaça, mas chamou o seu pokémon de volta.

--- Poliwrath! -- ele disse entre tossidas e mais tossidas. Só falta o vovô ter que ser levado as pressas para um balão de oxigênio.

Mas eu fiquei realmente preocupado. O segundo pokémon de Chuck era ainda  maior que o primeiro. Era um pokémon girino enorme que usava luvas brancas e me encarava com o olhar de morte. Parecia ser um amor.

--- Raio de Bolhas!

--- Metro... Hei! -- Do centro do espiral em sua barriga, saíram várias e várias bolhas. Tão rápidas que não me permitiram revidar. Togepi caiu rolando para trás. -- Extrasensorial!

Chuck ainda estava rindo quando o ataque aparentemente imobilizou o girino da pancadaria. Mas o pokémon não parecia estar sentindo dor, continuava a nos encarar com aquele olhar de morte.

--- Já disse! O treinamento árduo sobrepõe qualquer vantagem de tipo! HIPNOSE! 

---  TOGEPI! NÃO OLHE PRA ELE! 

Mesmo envolto do meu ataque, Poliwrath começou a fazer a espiral em sua barriga girar e Togepi que estava olhando para ele, começou a focar no abdomen do girino. Pouco a pouco o extrasensorial foi ficando mais fraco e Togepi foi caind no sono.

--- Soco Dinãmico!

--- Togepi volte!

Chuck me encarou incrédulo e Poliwrath chegou a tropeçar num buraco na hora de frear e caiu no meio da arena. Eu estava com uma vergonha imensa de desistir assim, mas não podia arriscar a vida de Togepi. Claro que Chuck me zoou horrores, mas me convidou para uma revanche.

Eu dei minhas costas e partiria para curar meus pokémons. Como disse: Meu objetivo não era enfrentar o líder de ginásio daqui, mas antes eu tinha um objetivo central. O TM poderia esperar.

 

ILHA DOS REDEMOINHOS

Flaaffy vinha iluminando o interior da gruta. Ícaro mantinha o rosto lívido e a cada passo, ele se demonstrava mais ansioso.

--- Dew... 

Sem qualquer comando a ovelha rosada descarregou uma poderosa energia elétrica que fritou o pokémon foca. Ìcaro olhou para trás e já perdera a conta dos vários corpos que deixara para trás.

--- É assim que deseja me parar, Lúgia? Faça-me rir! 

--- Ko-ki-ko-ki! -- um som esquisito chamou a atenção do ruivo.

A caverna estava quieta, então era possível ouvir um som como de perninhas finas se movimentando rápido. Flaaffy olhou na direção do som e se já se enchia de carga, até que eles viram que algo se colocou na frente deles. Um pokémon carangueijo de cor azulada com garras gigantescas e olhar maligno.

--- Um Klinger Shiny ? -- disse ele esbossando uma surpresa. -- Quase Lúgia! Quase!

--- KO-KI! -- bradou o crustáceo carregando uma energia amarelada em sua garra.

--- ONDA TROVÃO!

A ovelha foi mais rápida e imobilizou o carangueijo a tempo. Ícaro perdera o equilibrio de medo e apoiou-se na parede da gruta.

--- Já descemos alguns metros! Se esse Hiper Raio fosse liberado, com certeza a gruta desmoronaria! -- pensou ele. -- Flaafly! Raio do Trovão!

A descarga atingiu o crustáceo em cheio e Ìcaro esbossou um sorriso, mas só até ver Kingler investir com sua garra aberta e obrigar Flaafly a cessar o seu ataque. 

--- Escudo de Algodão! -- o ruivo já estava em desespero, já vendo sua ovelha sendo partida em duas. 

Kingler se surpreendeu quando Flaafly começou a ploriferar o algodão do seu corpo e este ir afrouxando as garras do inimigo. E novamente sem comando, Flaaffy começou a elevar o seu poder e gerar uma esfera de poder elétrico.

--- Ela aprendeu a Esfera elétrica ! -- seu treinador respirou aliviado. -- Agora!

A esfera saiu do meio do algodão bem no rosto de Kingler e este foi capotando para trás. Flaaffy desfez a sua defesa e caiu de joelhos bem ferida.

--- Não pare! -- vociferou, quando viu que Kingler começava a recuar. -- Soco do Trovão!

O carangueijo mostrou que uma das suas garras estava preparada para o Braço Martelo, mas a paralisia o segurou e ele acabou levando o terceiro golpe de Flaafly e tombou contra o chão. Ícaro caiu sentado aliviado. Por um momento pensou que fosse morrer e reconhecendo o perigo de seu rival, ele lançou uma pokebola negra vazia e capturou Kingler. 

--- Descanse Flaafly, apenas descanse! -- desabafou o menino com lágrimas nos olhos. 

 

ZONA DO SAFARI - CIANWOOD 

ESTAVA UM CALOR DOS INFERNOS. Mas fazer o quê? O pokenav me informou que meu próximo amigo usuário de fraldas se encontraria bem aqui: Na Zona do saffari. 

Confesso que me bateu uma baita nostalgia, já que, Happiny e eu nos conhecemos na Zona do safari da cidade de Aurora lá no continente de Carter e o fato deu já ter mapeado a area onde o meu novo amigo se encontra e também já ter experiência de como o safari funciona, me dava uma certa segurança e vantagem. 

O único problema é que o continente de Johto possui esse safari a pouquíssimo tempo, então a maioria das pessoas que vêm aqui, são turistas e não treinadores. Imagine você atrás de um pokémon o dia todo e me vem um gringo infeliz e espanta o bicho com um Flash de câmera? Eu mato, eu juro.

Eu estava viajando com alguns deles divididos em Karts que além de servirem como transporte para passeio, também poupavam alguns treinadores de caminharem, já que, alguns espécimes viviam bem longe. Nós treinadores pagavamos bem a baixo do pacote dos turistas, tínhamos cerca de 25 minutos para capturar o maior número de espécimes possíveis, enquanto os turistas poderiam passar uma manhã ou uma tarde inteira e ainda aproveitar de areas reservadas para piquiniques e churrascos.

Como a vida é injusta. 

O que mais me preocupava era o fato deu ter demorado no GYM e pelo que vi no meu pokenav, meu pokémon só sai da toca na parte da manhã. Deve estar faltando uns 10 minutos ou menos para o anoitecer e ainda terei que subir a montanha a pé. O.k que não era um penhasco, mas eu ja demoraria uns cinco minutos correndo. Entao foi o que eu fiz, subi correndo.

Chegando lá em cima esbaforido, cansado, suado, sujo e mal humorado, eu me surpreendi com a vista do alto da média montanha. O parque realmente havia ficado lindo e se um dia eu passasse por Johto novamente valeria super apena passar uma tarde ali.

Mas vamos ao pokémon.

Eu coloquei as pedras numa mão e a isca em outra e ficava atento a qualquer movimentação na mata. Por umas cinco vezes, eu quase gastei minha munição em um rattata. Nada contra, mas não sonho em ser um líder do tipo Normal.

--- Lar... -- ouvi um grunhido interessante. 

Eu me aproximei sorrateiramente e fui seguindo o som daquele grunhido bem fininho. Quando olhei por entre as folhagens de uma mata alta, eu o vi. Um pequeno pokemon rochoso, aparentemente um bebê réptil que cavava o chão arenoso atrás de algum alimento.

--- Finalmente Larvitar ! -- falei mais alto que pretendia. -- Hei não fuja!

O pequeno Larvitar olhou para trás e parecia farejar alguma coisa. Ele se aproximou e seu nariz veio até a minha mão direita, onde estava a isca e sem cerimônia o bebe abocanhou a comida, pena que minha mão estava junto. 

Eu comecei a correr em círculos com um largarto rochoso preso em minha mão. Instintivamente, eu dei com as pedras da outra mão na cabeça dele. Larvitar caiu no chão inconsciente e eu fiquei sem graça. Olhava para os lados a procura da "Sociedade protetora dos Pokémons" pronta para me levar algemado.

Como ninguém apareceu e eu tinha alguns segundos, decidi maximizar a pokebola personalizada do safari e capturar o pequeno Larvitar que não ofereceu qualquer resistência.

 

ILHA DOS REDEMOINHOS 

 

O ar ficava cada vez mais rarefeito. Ícaro ficava cada vez mais tonto, conforme ia descendo pelas grutas. Flaafly estava do mesmo jeito, a intensidade da sua luz, já não era tão poderosa e por vezes o jovem tropeçava por conta da penumbra. 

Mas como se aproximava o momento de perder os sentidos, todo o seu interior captou uma aura. Tanto ele, como Flaaffy sentiram-se revigorados, Ícaro pode perceber que ate alguns ferimentos de seu pokémon pareciam estar se curando sozinhos.

Só de estar na presença dele.

Um pássaro de mais de cinco metros dormia numa espécie de altar de pedra. Ícaro estava emocionado. As lágrimas corriam pelo seu rosto só de poder presenciar a existência de algo tão magnãnimo e ancestral. Ele queria tocar Lúgia, mas tinha medo de que ele acordasse, a camada de aura azulada que percorria seu corpo parecia atrair-lhe a um contato.

--- Flaafly! Carga! -- voltou a si e lembrou-se do porque estava ali. -- Trovão!

A ovelha berrou e dispersou toda a energia concentrada. Ícaro maximizou uma Ultraball e ficou na esperança que aquele pokémon seria derrubado com um só ataque. Lúgia foi atingido em cheio. As paredes da gruta tremeram e um pouco de agua começou a penetrar pela rocha. Lúgia recebia o ataque ainda deitado e apenas abriu um olho.

--- WHOOOAAAAAAAA!!! -- um rúgido hiper sônico só não cancelou o ataque, como a enviou a aura que cobria o seu corpo contra a ovelha e a mesma caiu com seu corpo completamente torto, completamente quebrada por dentro.

Ícaro deixou a ultraball em suas mãos cair e começou a procurar a pokebola de Gyarados, aparentemente Lúgia não o havia notado ali, ele simplesmente baixou a cabeça e impulsionou-se para o ar, penetrando na estrutura da gruta. O oceano caiu sobre a gruta e Ícaros apenas havia maximizado a pokebola da serpente.

 

PORTO DE CIANWOOD 

CARACA. Por que não peguei o telefone do Ícaro? Esperar essa balsa por duas horas não está sendo legal. Já vi que terei de dormir em Cianwood e mesmo feliz de estar com mais um amigo no time, eu não queria ficar mais nesse lugar.

--- E essa agora! -- exclamei quando senti os pingos grossos de chuva caírem sobre mim.

--- Que estranho! Não falaram nada na previsão do tempo! -- falou uma senhora atrás de mim.

Eu já me preparava para voltar a cidade e procurar um quarto para alugar, mas então eu encarei o mar e ele me chamou atenção. Em menos de cinco minutos de chuva, ele estava violento e rebelde, o vento levantava ondas enormes e os raios estavam realmente feios. Como todos no cais estavam assustados, creio que não fosse algo comum por alí. 

Até que ouvi o trovão mais esquisito de toda a minha vida. Parecia um rugido que ecoava pelo céu. Parecia um animal com fome e revoltado. Eu me afastei do cais, assim como os outros viajantes fizeram. Algo não estava certo.

--- Não! Não pode ser... Foi assim mesmo! Eu era apenas um menino mais eu lembro! -- um senhor começou a se desesperar com a sua mão no peito. -- O rei ! O Rei Lúgia voltou!

Um grande burburinho começou e eu fiquei com meu coração a mil. Qual a chance de Ícaro realmente ter encontrado e despertado o grande rei dos Ares? E se ele fez isso, quais as reais chances dele ser o senhor dele? Ou de simplesmente estar vivo?

Eu realmente ficarei em Cianwood por hoje. 


Notas Finais


E agora pessoal? As coisas prometem ficar difíceis hein! Mas eu prometo voltar daqui a 15 dias! Vocês vão esperar por mim? Caso estejam sem coisas pra ler, eu tenho mais duas fics de pokémon: #MastersofTypes e #AnotherDestination se quiserem deem uma passa lá também ^^

Inté pessoal.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...