História The Alpha - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Bottom!jungkook, Jikook, Jikookabo, Jimin, Jimin!alfa, Jimin!seme, Jungkook, Jungkook!ômega, Jungkook!uke, Kookmin, Namjin, Top!jimin
Exibições 269
Palavras 3.413
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chegaaay o/ o/ -q

Tá Tá , desculpaaa , eu sei que demorei para caralho. Mas para compensar , eu trouxe um cap maior <3 Espero que me perdoem ^^

Leiam as notas finais pf <3

AVISO : EU NUNCA REVISO OS CAPs . Mas pq ? Simples. Eu demoro mt para escrever e não gosto de demorar para postar atualização, então posto sem revisar. Perdoem-me plis .

(Tentei postar o cap ontem , mas o spirit estava bugando e nçao permitiu :c )

Capítulo 3 - Fearless


Fanfic / Fanfiction The Alpha - Capítulo 3 - Fearless


O sol desta manhã estava belo, quente e cheio de vida. Jimin brincava em seu quarto com um carrinho azul enquanto esperava sua mãe o chamar para o café da manhã. 


O pequeno, por sentir calor, resolveu abrir a janela de seu novo quarto para se refrescar. 


Por causa da mudança recente , seu quarto ainda estava cheio de caixas, então, Jimin pegou uma das caixas que tinha em seu quarto e arrastou para perto da janela, já que este era baixinho e não alcançava a fechadura. 


Sem olhar para o que tinha dentro da caixa, o pequeno subiu, colocando todo o seu peso e no mesmo instante, seu pé afundou e quebrou os copos de vidro que havia ali. 


O grito do pequeno era audível até na casa vizinha, com isso, logo sua mãe estava em seu quarto gritando por seu marido que estava tomando café e lendo um jornal, este nem se importou com o grito de seu filho. 

 


- O que estava fazendo, Minnie ? ─ Sua mãe perguntou demonstrando toda sua preocupação ao ver cacos de vidro no pequeno pé, coberto de sangue, de seu filho.
- Queria abrir a janela Omma ─ Jimin apenas gemia baixo de dor. O pequeno levantou os braços para sua mãe o pegar em seu colo, já que estava com o pé machucado. 
- O que a caixa de copos está fazendo aqui? ─ Perguntava mais para si ─ ChulMoo , larga este jornal e venha me ajudar ─ gritou para o pai de Jimin que logo apareceu no quarto para ajudar. 

 


Park ChulMoo era um grande alfa e por trabalhar com coisas perigosas , este formou sua alcateia só de alfas, o deixando cada vez mais forte . Por sorte, teve certeza que seu filho também era um alfa com o grito que o pequeno liberou ao se cortar. Jimin ainda tinha cinco anos e não estava em época de se descobrir alfa , ômega ou permanecer um beta , mas o menor parecia ser precoce. 


O Park mais velho nem se importou com o ocorrido pois sabia que seu pequeno não faria drama. Jimin sempre se mostrava forte na frente de todos e isso era um orgulho para si. ChulMoo já fazia até planos com seu filho para o ajudar em seus negócios e tomar seu lugar quando fosse bem velho e não aguentasse mais. 


Mesmo com todos os privilégios que tinha e sua postura de alfa dominador e intimidante, Park ChulMoo temia a ômega que acabara de gritar seu nome. Park SoEun era uma linda e diferente ômega, sempre deu ordens ao seu alfa e este sempre a obedeceu , afinal , a amava mais que tudo e faria qualquer coisa para agradar o amor de sua vida . 


O sorriso da doce ômega era encantador e até deixava os Park's , tanto o pai quanto o filho , de pernas bambas. Ambos dariam céu e terra para vê-la sorrir sempre. 


Sem pensar demais, Chul pegou o pequeno alfa no colo e o levou para o banheiro. Pegou a caixa de primeiros socorros que ficava no armário grande e lavou os pés do pequeno em um balde com água, que foi posto ali por SoEun. 


O pequeno observou calado o ato de seu pai, queria aprender a fazer isso também. Jimin adorava cuidar das pessoas e isso que o seu pai estava fazendo, o agradava demasiadamente. 


Quando Chul terminou de cuidar dos ferimentos do filho, levou o pequeno para a mesa, assim este poderia finalmente tomar seu café . 
Enquanto o pequeno se deliciava com seus cereais coloridos, ouviu o som da campainha ecoar por toda a casa e se animou , ao pensar na possibilidade de ver o alfa que trabalhava para seu pai e também era de sua matilha. 


Jimin estava certo ao supor que seria ChinHwa, pois este logo adentrou a casa e foi até a cozinha cumprimentar o pequeno. 

 


- Então você é um pequeno alfa ?  ─ perguntou retoricamente afagando os fios castanhos do pequeno que sorriu e o abraçou fortemente 
- Eu sou um grande alfa, hyung ─ afirmou corrigindo o maior que sorriu com sua animação 
- Agora você poderá fazer parte da nossa alcateia ─ colocou o pequeno de volta na cadeira sorrindo. Mesmo com a diferença de dez anos entre ChinHwa e Jimin, o mais velho adorava brincar com Jimin , pois sabia bem que o pequeno "mochi" seria um grande alfa no futuro. ChinHwa via em Jimin , algo que seu próprio pai não conseguia enxergar. 
- Não sei não ─ o pequeno passou o dedo indicador pelo queixo fingindo uma expressão pensativa, fazendo o mais velho soltar sua risada exagerada ─ Acho que quero ter minha própria alcateia ─ sua expressão agora era de alguém superior, dando mais certeza ao mais velho dali que Jimin era diferente de seu pai. 
- Venha pequeno alfa ─ pegou Jimin no colo por estar com o pé machucado e o levou para a sala. 

 


Na ausência dos pais de Jimin, quem olhava o pequeno era sempre ChinHwa. O Park mais novo o considerava como seu irmão mais velho e o mais velho, considerava Jimin um caso raro e precioso. 


Neste dia, Jimin passou o dia inteiro brincando com seu hyung enquanto seu pai conhecia os novos vizinhos e sua mãe trabalhava.


Durante a tarde, ChinHwa chamou Jimin para o pequeno jardim que havia na frente da casa e mandou o pequeno fazer várias poses enquanto o mais velho o fotografava. Entre fotos e risos, Jimin pediu para "Chinie", como o chamava, tirar uma foto junto a ele. 

 


➤   Park Jimin 
 

 


Com a foto em mãos e o pensamento voltado ao meu feliz passado, ouço alguém adentrar o quarto sem ao menos bater. Pelo cheiro familiar e sua invasão repentina, deduzo ser Chinie. 


Viro-me com calma e sorrio ao vê-lo arrumado e com seu sorriso que tanto me conforta. 



- Vamos ? ─ Pergunta-me demonstrando sua animação. Chinie sempre gostou de viagens e aventura, enquanto eu prefiro paz e silêncio. Mas mesmo com nossas diferenças, sempre nos demos muito bem. 
- Vamos ─ respondo sorrindo minimamente e guardo a foto que estava olhando a pouco, dentro da mala. 
- WOOWW ─ grita me fazendo o encarar rapidamente ─ Vai se mudar ou viajar ? ─ brinca sorrindo e dou de ombros. 
- Me espere no carro ─ meu pedido soou mais como uma ordem e ele apenas assentiu e saiu do quarto.



Terminei de me arrumar e peguei a mala , junto com a chave do carro , carteira e celular para sair logo. 

Retirei-me do quarto e segui pelo corredor escuro em passadas lentas e despreocupadas. Comecei a sentir a presença e o cheiro de meu appa e virei-me , ainda de forma despreocupada.



- O que deseja ? ─ pergunto ainda despreocupado e ele sorri minimamente 
- Sua mala é bem grande ─ curvou o corpo para o lado encarando melhor minha mala e logo voltou ao normal e sorriu de forma debochada ─ Enfim ─ deu de ombros para prosseguir quando percebeu que eu não diria nada ─ Namjoon , DakHo e Suk vão com vocês em seu carro também ─ pegou o celular e começou a digitar , não dando muita atenção para suas próprias palavras ─ Já fiz a reserva para vocês em um hotel e como você gosta de ficar sozinho , seu quarto é separado e para apenas você . Os ômegas terão um quarto que ficará vazio até encontrá-los . Não deixe Namjoon e DakHo no mesmo quarto , sabe como eles são ─ avisou-me de maneira rápida e me abraçou brevemente , não sendo retribuído , como sempre ─ Não se esqueça que não pode tocar no ômega puro. Boa viagem ─ desejou e saiu , logo sumindo entre a escuridão do corredor e me deixando desanimado. 

 


(...)



Adentro meu carro e coloco o cinto de segurança, logo dou partida e coloco uma música calma de fundo. 


Passar quatro horas dirigindo na madrugada de sexta-feira com certeza não estava em meus planos, mas não vou reclamar pois ainda tem dois ômegas precisando de ajuda. Pensar nisso apenas me faz aumentar a velocidade do carro. 


Namjoon, Suk e DakHo estão no banco de trás, enquanto Chinie está sentado no carona ao meu lado. Apenas alfas no carro, acho que estamos em boa quantidade caso precisemos usar nossa força para defender os ômegas. Isto é, se eles ainda estiverem vivos. 


Por mais que eu prefira o silêncio, este estava começando a me incomodar. Namjoon me olhava pelo retrovisor interno como se estivesse escondendo algo e isso já estava perto de tirar minha paz. 


- Quem são os ômegas? ─ Pergunto cessando o silêncio.
- Fiquei sabendo que é um Jeon e um Kim  ─ responde-me depois de um longo suspiro e fita os próprios pés, como refúgio de algum pensamento perturbador.
- Você é um Kim  ─  digo o óbvio e espero uma resposta
- Pois é  ─ o olho incrédulo sem entender sua reação 
- Isso é tudo? ─  pergunto me alterando  ─  Como você pode ter essa reação ao saber que alguém da sua família está vivo?  ─  ele finalmente me encara com os olhos marejados e sua feição demonstra sua dor interna
- Minha mulher adotou um ômega para fazer companhia ao TaeHyung quando ele era menor  ─  começa a se explicar com a voz embargada  ─  Eu não o conheci e acho que é ele quem está vivo  ─  termina e volta seu olhar agora para a janela 
- Queria que fosse sua mulher?  ─  pergunta Chinie se metendo na conversa, como sempre o faz.
- Queria que fosse meu filho Taehyung ─ diferente do tom embargado, este estava firme 
- Pensei que estava assim por sua mulher ─ agora era a vez de Suk se meter na conversa 
- Ele nem marcou ela, acha que iria se importar? ─ DakHo se mete falando como se fosse algo óbvio. Tenho a leve impressão que o único óbvio aqui agora é a raiva que está estampada na face de Namjoon. 
- Eu não tive tempo ─ Namjoon se defende rosnando e dando brecha para DakHo, que sempre gostou de infernizar a vida dos outros 
- Claro que não ─ revirou os olhos e deu de ombros, deixando o mais velho ainda mais raivoso 
- Chul me trouxe para a alcateia sem ao menos esperar eu ter meu filho. Só consegui ver meu próprio filho pela primeira vez, quando ele já tinha três anos e logo voltei para Seul ─ rosnou começando uma discussão com DakHo, este apenas sorriu, sabendo que novamente alguém caiu em sua discórdia
- Já entendemos ─ cortei a briga que não acabaria tão cedo se dependesse de DakHo e ambos ficaram quietos, apenas se fuzilando com os olhos.



Com silêncio , seguimos o resto da viagem. Namjoon acabou dormindo depois da discussão com DakHo, e com Chinie não foi diferente. 
Depois de quatro horas, finalmente chegamos em Busan. Deixei o carro no estacionamento do hotel que foi reservado para ficarmos até encontrar os ômegas e acordei os preguiçosos que logo pegaram suas malas e foram para a recepção. 



(...)


- Vai sair ? ─ Chinie pergunta se jogando na grande cama de casal do quarto que fiquei. 



Estava colocando a roupa mais quente que tinha pois estava muito frio e nem tinha amanhecido ainda. Tive tempo apenas de guardar meus pertences no quarto e tomar banho para recuperar a energia.

 


- Vou procurar os ômegas ─ respondo simplista enquanto termino de vestir meu casaco mais quente e por cima , um sobretudo preto.
- Sério ? Mas nós nem chegamos direito e você já quer sair ─ revirou os olhos demonstrando seu desprazer e tédio, me fazendo o encarar incrédulo ─ Aish, estou com sono. Não podemos descansar antes ? ─ o encarei furioso, me perguntava como ele poderia descansar em uma situação dessas.
- Como ? ─ era notório meu tom sarcástico ─ Tem dois ômegas lá fora precisando de ajuda e você quer dormir? ─ aumentei o tom de voz, talvez mais do que queria, e ele abaixou a cabeça enquanto se levantava da cama 
- Desculpa ─ sua voz saiu quase como um sussurro, mas consegui ouvir perfeitamente 
- Tudo bem ─ dei de ombros e peguei meu celular e chave do carro. Me virei para encará-lo novamente e ele permanecia da mesma forma ─ Você vem ? ─ perguntei animado e sorrindo para mostrar que o desculpei.
- Claro, seu destemido ─ riu animado e assim saímos do quarto, indo para o estacionamento.



(...)


Andava de forma apressada pela cidade escura e vazia, enquanto procurava os ômegas juntamente com Chinie. 


Depois de dirigir por horas, resolvemos estacionar perto de uma padaria que havia perto da praia. O sol estava para nascer e Chinie deu a ideia de tomar café, caso demorasse ainda mais para achar os ômegas. 


Andando agora sobre a areia da praia, um cheiro incrivelmente doce alcançou o meu ser, deixando-me extasiado. Fechei os olhos, me permitindo sentir mais a fundo este cheiro extremamente adocicado, mas ao mesmo tempo, perceptivelmente natural, poderia facilmente ser confundido com o cheiro de Jasmim ─ flor. 



- Está sentindo ? ─ Perguntou-me Chinie, aparentemente inebriado com o cheiro 
- São eles ─ finalmente abri os olhos, com dificuldade pois desejava demasiadamente sentir mais deste cheiro, e encarei o mais velho que se assustou ao olhar-me 
- Seus olhos...Estão vermelhos ─ terminou depois de uma pausa e apenas dei de ombros. 


Por algum motivo, meu lobo interior estava agitado e não sabia bem como acalmar-me. Acelerei os passos indo para as rochas que havia no fim da areia da praia e comecei a subir entre elas rapidamente , sendo seguido por Chinie que se mantinha quieto. 


O cheiro ficava mais forte, uma vez que me aproximava e me infiltrava entre as pedras gélidas. Sentia minha consciência cada vez mais longe, agindo apenas por instinto e seguindo o cheiro que mal conhecia, mas que já me deixava completamente desconcertado e fora de órbita. 


Depois de longos minutos caminhando de forma desmantelada por entre as pedras, achamos algo parecido com uma caverna pequena, um vão escuro e vazio, mas que continha o cheiro que tanto me chamava a atenção.

 



- Eles estiveram aqui ─ assenti pegando um cachecol preto fino, com o cheiro do ômega, desta vez, ainda mais forte.
- Ele está perto do cio ─ respondi encarando Chinie que agora, mostrava também seus olhos vermelhos ─ Se controle ─ rosnei o segurando com força. Mas o que eu poderia fazer se não estava muito diferente disso ?  Quem sabe até pior.
- Seus olhos─ 
- Os seus também ─ digo cortando sua fala e virando para sair daquele local. 



Assim que voltamos para as pedras, ouvimos um uivo ecoar por algum lugar próximo de nós. O mais velho me olhou assustado, sem entender ao certo o que estava acontecendo, mas logo sorriu e apontou para nossa direita, indicando o lugar de onde este uivo alto vinha.


- É o uivo de um lobo solitário ─ falei mais para mim mesmo, mas Chin assentiu e seguimos pela direção apontada pelo maior.



Corríamos com todas as forças contra aquelas pedras, acelerando cada vez mais nossas passadas e indo cada vez mais rápido. Estava apenas seguindo meus instintos e deixando que aquele cheiro doce de jasmim me guiasse. 


Dobrando mais uma vez para a direita, encontramos quatro lobos. Dois ômegas jogados no chão e dois alfas atacando eles. Ver tal cena, fez-me libertar meu animal interior e rosnar tão alto que até Chin se encolheu. Sem mais delongas, parti quase que como um pulo para cima dos alfas juntamente com Chinie. 


Um dos alfas era mais alto que eu e o outro pouco mais baixo, aparentando ser mais novo também. Chinie passou na frente e acertou o alfa mais velho dali, que logo revidou no mesmo nível. 


O mais novo, que parecia uma criança de apenas quinze anos, foi acertado por mim diretamente no rosto. Senti o cheiro de jasmim que tanto adorava vindo deste, denunciando que o menor havia tocado no ômega, sem pensar, finquei minhas garras em seu estômago com toda minha força, fazendo-o fechar os olhos com força. Arranhei por dentro de si sem piedade, sentindo meus dedos ensopar-se do sangue alheio e logo trouxe a outra mão para perto de seu pescoço, pegando seu pomo de adão e arrancando-o sem piedade. 


Soltei seu corpo no chão, tirando minhas garras do corpo agora falecido e voltando a encarar os alfas brigando de forma acirrada. Quando pensei em mover-me para ajudar meu amigo, este teve seu estômago perfurado pelas garras do alfa aparentemente mais velho. 



- Farei com ele, o que fez com meu filho ─ pronunciou fazendo-me gelar por completo

 


Quando o alfa mais velho pegou no pomo de adão de Chinie, voei em cima de si para impedir tal ato. Nós três tombamos no chão e me levantei rapidamente, peguei a tempo a cabeça do alfa que havia machucado meu amigo e a choquei contra meu joelho freneticamente. A fúria que se crescia em meu interior era demasiada, fazendo-me agir por completo impulso e o cheiro daquele ômega apenas ajudava a me deixar ainda mais fora de órbita. 


Senti algo molhar meu joelho e parei de bater o rosto do alfa contra ele, vendo-o desacordado. Soltei seu corpo e me ajoelhei ao lado de Chinie que ainda se mantinha de olhos abertos. 



- Vai ficar tudo bem ─  pronunciava com desespero ─ Vou te levar para casa e você ficará bem,hyung ─  senti meus olhos marejarem ao ver que seu pescoço fora destruído nas garras do alfa maior e Chin mal conseguia respirar 
- V-você...é u-um...g-gran-nde alfa ─  falava quase que como um sussurro, fazendo-me soltar lágrimas desesperadas sentindo um forte aperto em meu peito
- Não fale assim Chinie, por f-favor ─  o abracei fortemente enquanto este apenas fechava os olhos com calma ─  NÃO, CHINIE. FICA AQUI ─  gritava em desespero enquanto este fechou seus olhos por completo, com um breve sorriso no rosto machucado ─ CHINIE. CHINIE. HYUNG. ACORDA. ACORDA AGORAAAA ─ deixei as lágrimas pesadas e mornas, que resumem meu desespero e agonia, minha dor interna, rolarem pelo meu rosto enquanto agarrava seu corpo.



Mais poucos minutos mantive-me assim, apenas chorando e aproveitando enquanto seu corpo ainda transmitiam calor. Lembranças de nossa infância passava-se em minha mente e com isso, uivei o mais alto que consegui, liberando todo o sentimento triste que havia em meu interior, deixando apenas o ódio me domar e me fazer encarar o corpo do alfa maior que já estava despertando. 


Mais uma vez, libertei o lobo que se agitava em meu interior, partindo para cima daquele alfa miserável e mordendo todo o seu corpo, arrancando sua pele abdominal e destruindo os órgãos do tronco de seu corpo. 


Vi aquele maldito alfa que atacou impiedosamente os ômegas, deixando-os desacordados, e que matou meu melhor amigo, ter seu último suspiro de vida. Logo afastei-me, sentindo um choque de realidade, ao que me veio em mente o fato de ter matado duas pessoas, pai e filho. 


Deixei os corpos ali, pegando apenas os pertences de Chin e um cordão de prata com o símbolo que separava a bondade e a maldade , que este usava diariamente. Coloquei o cordão no pescoço e selei a testa do meu amigo, agora falecido, como um adeus. 


Infelizmente, morte sempre foi algo normal em nossa alcateia. Por ordens do alfa dos alfas ─ meu appa ─ toda vez que alguém morria, devíamos apenas pegar seus pertences e deixá-lo no local. Talvez seu corpo nem seria encontrado, e se fosse, não conseguiriam achar sua família por não ter identificação, fazendo com que seja enterrado como indigente. 


Mesmo que me sentisse completamente destruído por dentro, não poderia desviar meu foco os ômegas agora. Se demorasse mais um pouco, ou ficasse no quarto como Chin havia pedido, ele ainda estaria ao meu lado, mas os ômegas poderiam estar mortos. Não sei qual é o pior.


Segui pegando os ômegas no colo , um em cada braço. Estava pesado e seria difícil caminhar tudo isso novamente, agora com dois pesos nas costas, mas não poderia simplesmente deixar um deles e depois voltar, pois ele poderia não estar mais lá quando chegasse. 

 


Por sorte, Jeon e Kim ainda estão vivos. 


Notas Finais


Primeiramente eu quero agradecer aos fav e comentários <3 cês são foda p crlh <3

AVISOS :

1 - JÁ AVISEI UMA VEZ , MAS VOU AVISAR NOVAMENTE. VAI TER MUITA MORTE NA FIC (nenhum dos membros do BTS irão morrer, calma kkk)
2 - Eu ia mudar o fato dos ômegas só entrarem no cio de 3 em 3 meses, mas não tenho certeza se faço ou não. Ia colocar 1 cio por mês , como se fosse a menstruação das mulheres uahsauhsauhshasha mas agora estou confusa e não sei o que fazer ( aceito opiniões) Mas se eu mudar isso , aviso a vocês ok. Por enquanto vai continuar como menstruação e ter cio todo mês.
3 - Estou demorando para escrever pq terá uma nova fic (talvez em parceria com uma autora mt amada <3)
4 - é só isso eu acho kkk ( sempre esqueço alguma coisa)


Obrigado mais uma vez pelo carinho e comentários <3 Tô sempre aqui , então falem comigo quando quiserem <3
Chupetinha de mel para vocês , fuie ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...